Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Plantas Medicinais E NutriçãO

18,113 views

Published on

  • Be the first to comment

Plantas Medicinais E NutriçãO

  1. 1. PLANTAS MEDICINAIS E NUTRIÇÃO <ul><li>Priscila de Paula Piva </li></ul><ul><li>Agosto de 2009 </li></ul>
  2. 2. PLANTAS MEDICINAIS <ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Conceitos </li></ul><ul><li>Princípios ativos e </li></ul><ul><li>toxicidade </li></ul><ul><li>Identificação de </li></ul><ul><li>plantas e </li></ul><ul><li>nomenclatura </li></ul><ul><li>científica </li></ul><ul><li>Formas de </li></ul><ul><li>utilização </li></ul><ul><li>Legislações </li></ul>
  3. 3. HISTÓRICO <ul><li>Documentos suméricos e babilônicos - 3500 anos a.C.: alcaçuz, tomilho, papoula, açafrão, coentro, canela, p.ex. </li></ul><ul><li>Egito – 2600 a.C. Mais de 700 compostos – papiro de Ebers. </li></ul><ul><li>Ex. sabugueiro – ácido salicílico; mirra, cânhamo, babosa, absinto. </li></ul>
  4. 4. HISTÓRICO <ul><li>As antigas civilizações da China e Índia, e nas Américas os tupis, maias, astecas e incas tinham conhecimentos profundos sobre plantas medicinais e tóxicas. </li></ul>
  5. 5. PLANTAS MEDICINAIS <ul><li>Medicina Tradicional </li></ul><ul><li>Autêntica de det. grupos étnicos </li></ul><ul><li>Práticas, abordagens, terapias espirituais e corporais, entre outros procedimentos </li></ul><ul><li>Teorias, crenças e experiências passam por gerações </li></ul><ul><li>Xamãs, pajés </li></ul><ul><li>“ Mateiros” </li></ul>
  6. 6. PLANTAS MEDICINAIS <ul><li>Medicina Popular </li></ul><ul><li>Incorpora prática da medicina tradicional </li></ul><ul><li>Mescla de informações </li></ul><ul><li>Não vive dentro das matas </li></ul><ul><li>Influência de várias culturas </li></ul><ul><li>Sem resultados conclusivos </li></ul><ul><li>Benzedeiras </li></ul>
  7. 7. Contexto Brasil <ul><li>Plantas medicinais são consideradas pela população como “naturais” e isentas de efeitos colaterais. </li></ul><ul><li>Os usuários das Unidades de Saúde não referem uso de chás ou outras formas de utilização de plantas medicinais para os profissionais, principalmente médicos, e os profissionais também não perguntam. </li></ul>
  8. 8. Políticas Públicas <ul><li>OMS - Estratégia sobre medicina tradicional 2002 – 2005 . </li></ul><ul><li>Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. </li></ul><ul><li>Lei Municipal Nº 14903/2009 - Criação do Programa de Produção de Fitoterápicos e Plantas Medicinais no Município de São Paulo. </li></ul>
  9. 9. CONCEITOS <ul><li>“ Plantas Medicinais são espécies de origem vegetal utilizadas com finalidade terapêutica, voltada para prevenção ou tratamento de doença ou para alívio de sintomas.” (Di Stasi, 2007) </li></ul>Flores de Passiflora alata – maracujá-doce
  10. 10. CONCEITOS <ul><li>Fitoterapia: prática terapêutica – uso de fitoterápicos </li></ul><ul><li>Fitoterápicos: produto de origem vegetal padronizado quanto a sua eficácia, segurança e controle de qualidade </li></ul><ul><li>Medicamento </li></ul>Maytenus ilicifolia gastrite, úlcera
  11. 11. RDC 17/ 2000 - ANVISA <ul><li>Droga vegetal : planta ou suas partes, após processos de coleta, estabilização e secagem, podendo ser íntegra, rasurada, triturada ou pulverizada. </li></ul>
  12. 12. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Metabolismo primário: N, P, K, Ca, Mg, S = sobrevivência da planta </li></ul><ul><li>Metabolismo secundário: </li></ul><ul><li>Princípio ativo Plantas medicinais </li></ul><ul><li>defesa contra herbívoros e microorganismos </li></ul><ul><li>proteção contra raios UV </li></ul><ul><li>atração de animais para polinização </li></ul>
  13. 13. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Variável para cada espécie, idade, parte </li></ul><ul><li>da planta, ciclo/ fase germinativa </li></ul><ul><li>Sinergias e Antagonismos: alteração de </li></ul><ul><li>biodisponibilidade, complexo de subst. </li></ul><ul><li>Problemas com plantio - espinheira </li></ul><ul><li>santa, guaco. </li></ul><ul><li>Soja: mais isoflavonas quando orgânica. </li></ul>
  14. 14. Atuação Conjunta <ul><li>Fitocomplexo: </li></ul><ul><li>“ Conjunto de substâncias químicas, </li></ul><ul><li>originadas tanto do metabolismo primário </li></ul><ul><li>quanto secundário, responsáveis em </li></ul><ul><li>conjunto pelos efeitos terapêuticos </li></ul><ul><li>tradicionais de uma determinada droga </li></ul><ul><li>vegetal ou fitoterápico” </li></ul><ul><li>Princípios ativos </li></ul><ul><li>Substâncias inertes: Exs.: clorofila, </li></ul><ul><li>proteínas, açúcares, lipídios . </li></ul><ul><li>Ópio, alecrim </li></ul><ul><li>(Fonte: Prof. Luis Carlos Marques – aula Fitoterapia, pdf, 2009 ) </li></ul>
  15. 15. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Resveratrol – polifenol : encontrado em casca de uvas expostas a fungo cinza ou lesão mecânica - propriedades anti-inflamatórias, antivirais, neuroprotetoras e anticancerígenas. </li></ul><ul><li>Licopeno – carotenóide : anticancerígeno, anti-inflamatório, antioxidante . </li></ul>
  16. 16. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Óleos essenciais : aromatizantes, anti-sépticos, </li></ul><ul><li>antiinflamatórios, digestivos, rubefaciente, </li></ul><ul><li>calmantes, sedativos. </li></ul><ul><li>Temperos como: </li></ul><ul><li>alecrim </li></ul><ul><li>(Rosmarinus officinalis), </li></ul><ul><li>manjericão </li></ul><ul><li>(Acimum basilicum), </li></ul><ul><li>erva-doce, </li></ul><ul><li>salsinha, </li></ul><ul><li>sálvia. </li></ul>
  17. 17. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Glicosídeo – Flavonóides : </li></ul><ul><li>Fortalecem vasos capilares </li></ul><ul><li>Antiinflamatório </li></ul><ul><li>Antioxidantes </li></ul><ul><li>Pigmento de flores amarelas como camomila, calêndula. </li></ul><ul><li>Chá verde, uvas, frutas, legumes. </li></ul>Taraxacum officinale diurético, hepatoprotetor
  18. 18. PRINCÍPIOS ATIVOS <ul><li>Schinus terebinthifolius </li></ul><ul><li>Aroeira </li></ul><ul><li>Pimenta bras. </li></ul><ul><li>“ Segredo de cozinheiros franceses”. </li></ul><ul><li>Antimicrobiana </li></ul><ul><li>Antiinflamatória </li></ul><ul><li>Analgésico </li></ul>
  19. 19. TOXICIDADE <ul><li>Glicosídeos – antraquinônicos : irritante intestinal se utilizado cronicamente. </li></ul><ul><li>Sene ( Cassia angustifolia ) e cáscara sagrada ( Rhamnus purshiana ) . </li></ul><ul><li>Solaninas : produção de brotos e cor verde – defesa contra stress: irritante gástrico, náuseas, vômitos, cefaléia. </li></ul><ul><li>Solanum tuberosum – batata </li></ul><ul><li>Solanum melongena - beringela </li></ul>
  20. 20. TOXICIDADE EM USO INTERNO <ul><li>Utilização externa: </li></ul><ul><li>Arnica - contusões, antiinflamatória. </li></ul><ul><li>Porém : flores, raiz - vômitos, vertigens, convulsões em uso interno. </li></ul><ul><li>Confrei - Symphytum officinale -cicatrizante / fístulas. </li></ul><ul><li>Porém : toda a planta - paralisia nervosa, hepatotóxica em uso interno. </li></ul>
  21. 21. TOXICIDADE Quantidade acima do indicado Risco de aborto, reações alérgicas na pele. Emenagoga, antiespasmódica Arruda Convulsões, transtornos nervosos. Anti-séptica, tonificante, emenagoga Sálvia Delírio, convulsões: causados pela essência anetol Digestiva, carminativa Anis-estrelado Dose excessiva Indicação PLANTA Transtornos nervosos e renais; abortivo. Digestiva, emenagoga Açafrão
  22. 22. Identificação de Plantas <ul><li>Gênero + espécie </li></ul><ul><li>BOLDO: </li></ul><ul><li>Plectranthus barbatus </li></ul><ul><li>Coleus barbatus </li></ul><ul><li>nome popular = </li></ul><ul><li>tapete de Oxalá </li></ul><ul><li>Boldo brasileiro: digestão, azia, “ressaca”. </li></ul><ul><li>Não indicado para gestantes e uso contínuo. </li></ul>
  23. 23. Identificação de Plantas <ul><li>Boldo baiano </li></ul><ul><li>Estomalina </li></ul><ul><li>Vernonanthura condensata </li></ul><ul><li>Boldo rasteiro, boldinho – Plectranthus neochilus </li></ul>P. neochilus
  24. 24. Identificação de Plantas <ul><li>BOLDO DO CHILE : </li></ul><ul><li>Peumus boldo </li></ul><ul><li>Disfunções hepáticas </li></ul><ul><li>Contra-indicar em: </li></ul><ul><li>Litíase biliar </li></ul><ul><li>Crianças, gestantes e lactantes </li></ul><ul><li>Não utilizar cronicamente: alcalóides </li></ul><ul><li>Farmácias </li></ul>
  25. 25. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Regulamenta a prescrição fitoterápica pelo nutricionista de plantas in natura frescas, ou como droga vegetal nas suas diferentes formas farmacêuticas, e dá outras providências </li></ul>Aloe vera – Babosa Mucilagem – queimaduras, gastrite, hidratação capilar, imunoestimulante (?) K, T3, T4
  26. 26. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Art. 4º O Nutricionista terá total autonomia para prescrever os produtos objetos desta Resolução, quando julgar conveniente a necessidade de complementação da dieta de indivíduos ou grupos, atuando isoladamente ou como membro integrante de uma equipe multiprofissional de saúde. </li></ul>
  27. 27. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Art. 2º - define: Fitoterapia, Fitoterápico, Plantas Medicinais, Droga Vegetal. </li></ul><ul><li>Formas de preparo: </li></ul><ul><li>Infuso – folhas e flores </li></ul><ul><li>Decocção – raízes, cascas, gravetos </li></ul><ul><li>Macerado – álcool caseiro </li></ul><ul><li>Tintura – diluição padronizada 1/5 álcool </li></ul><ul><li>70° - 50° </li></ul>
  28. 28. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Art. 3º - As formas farmacêuticas permitidas para o uso pelo profissional nutricionista são exclusivamente as de uso oral. </li></ul>
  29. 29. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Art. 3º A Prescrição Fitoterápica é parte do procedimento realizado pelo Nutricionista na prescrição dietética que deverá conter, obrigatoriamente: I - nomenclatura botânica, sendo opcional o nome popular; II - parte usada; III - forma farmacêutica/modo de preparo; IV - tempo de utilização; V - dosagem; VI - freqüência de uso; VII - horários. </li></ul>
  30. 30. RESOLUÇÃO CFN Nº 402/2007 <ul><li>Art. 6º O Nutricionista não poderá prescrever aqueles produtos cuja legislação vigente exija prescrição médica. </li></ul><ul><li>Art. 7º O Nutricionista somente poderá prescrever aqueles produtos que tenham indicações terapêuticas relacionadas ao seu campo de conhecimento específico. </li></ul><ul><li>Art. 8º O Conselho Federal de Nutricionistas recomenda que o Nutricionista, que optar por utilizar em suas prescrições os produtos objetos desta Resolução, seja devidamente capacitado. </li></ul>
  31. 31. LEGISLAÇÃO - ANVISA <ul><li>RDC 277/2005 – café, cevada </li></ul><ul><li>RDC 267/05 e 219/06 – chás </li></ul><ul><li>RDC 360/2003 – rotulagem nutricional </li></ul><ul><li>Resolução ANVISA - RE nº 89/ 2004 – Lista de registro simplificado de fitoterápicos </li></ul>Flor de laranjeira
  32. 32. CHÁS <ul><li>ALIMENTÍCIOS </li></ul><ul><li>Tradicionais </li></ul><ul><li>Herbais </li></ul><ul><li>Flores/ Frutas </li></ul><ul><li>“ Funcionais” </li></ul><ul><li>MEDICINAIS </li></ul><ul><li>INFUSÃO </li></ul><ul><li>(não deve ser chamado de chá) </li></ul>
  33. 33. CHÁS ALIMENTÍCIOS <ul><li>Não precisam de registro obrigatório. </li></ul><ul><li>Lista de espécies vegetais para uso em </li></ul><ul><li>chás – RDC 267/05 e 219/06. </li></ul><ul><li>Granel ou sachet. </li></ul><ul><li>Não permite indicação ou posologia. </li></ul><ul><li>Não pode induzir consumidor sobre </li></ul><ul><li>efeitos terapêuticos. </li></ul>
  34. 34. Chás Alimentícios - RDC 267/05 e 219/06 <ul><li>Frutas: Abacaxi,  Acerola, Ameixa, Amora, Ananás,   Banana, Cassis ou groselha negra, Cereja, Damasco (sem semente), Framboesa, Groselha, Guaraná (sementes),  Laranja , Limão (frutos, cascas dos frutos, flores e folhas), Mamão, Manga, Maracujá (polpa das frutas), Marmelo, Mirtilo, Morango, Pêra, Pêssego (sem sementes), Pitanga (frutos e folhas), Tangerina , Tamarindo, Uva </li></ul><ul><li>Legumes: beterraba e cenoura </li></ul><ul><li>Herbais e florais: camomila, capim-limão, chás preto, verde ou branco, erva cidreira/melissa, mate, funcho e erva-doce (frutos), hibisco (flores), hortelã, menta, jasmim; boldo, carqueja, estévia, rosa silvestre ou mosqueta </li></ul><ul><li>Chicória - Cichorium intybus L. </li></ul>
  35. 35. Chás “Funcionais” <ul><li>Calmante – camomila, melissa </li></ul><ul><li>Digestivo – hortelã, gengibre, laranja </li></ul><ul><li>Anti-gripal – gengibre + limão + mel + guaco; erva-doce, canela </li></ul><ul><li>Estimulante – chá preto, canela, mate </li></ul>
  36. 36. Chá “funcional” ??? <ul><li>Descrição: Chá Misto Boa Noite.   </li></ul><ul><li>Ingredientes: Capítulos florais de camomila, folhas de capim-cidreira, folhas e outras partes do ramo de erva cidreira, folhas e outras partes do ramo de hortelã, polpa de maracujá desidratada, maçã desidratada e aromatizante.   </li></ul>
  37. 37. Procedência <ul><li>Descrição: Chá Espinheira Santa Pacote 20g   </li></ul><ul><li>Informação Nutricional - porção de 1g </li></ul><ul><li>Ingredientes: Espinheira Santa. </li></ul>
  38. 38. RE 98/2004 <ul><li>LISTA DE REGISTRO SIMPLIFICADO DE FITOTERÁPICOS   </li></ul>Venda sem prescrição médica  Restrição de uso  Tópico  Via de Administração  8,8-17,6 mg de flavonóides  Dose Diária   Cicatrizante, anti-inflamatório  Indicações / Ações terapêuticas  Tintura, extratos  Formas de uso  Flavonóides totais expressos em quercetina ou hiperosídeos;   Padronização/Marcador  Flores   Parte usada  Calêndula   Nome popular  5  Calendula officinalis L.  Nomenclatura botânica  
  39. 39. RE 98/2004 <ul><li>LISTA DE REGISTRO SIMPLIFICADO DE FITOTERÁPICOS   </li></ul>Vermelho: autoria do Prof. Luis C. Marques Contra-indicado em gravidez e lactação Obs 2. Venda sem prescrição médica  Restrição de uso  Distúrbios gastrointestinais, alergias Efeitos colaterais Contra-indicado em colelitíase Obs 1. Promove a diminuição de colesterol sanguíneo Obs 3. Oral  Via de Administração  7,5 mg a 12,5 mg de cinarina ou derivados  Dose Diária   Colerético, colagogo Indicações /Ações terapêuticas  Tintura, extratos   Formas de uso  Cinarina ou Derivados do ácido cafeoilquínico expressos em Ácido Clorogênico  Padronização/Marcador  Folhas   (não utilizar extrato seco) Parte usada  Alcachofra   Nome popular  8  Cynara scolymus L.  Nomenclatura botânica  
  40. 40. Fonte: Prof. Luis Carlos Marques – aula Fitoterapia, pdf, 2009
  41. 41. RE 98/2004 LISTA DE REGISTRO SIMPLIFICADO DE FITOTERÁPICOS Sem prescrição médica <ul><li>Aesculus hippocastanum L.  Castanha da Índia  </li></ul><ul><li>Allium sativum L.  Alho   </li></ul><ul><li>Matricaria recutita L.  Camomila </li></ul><ul><li>  Maytenus ilicifolia    Espinheira-Santa </li></ul><ul><li>Melissa officinalis L.   Melissa, Erva-cidreira </li></ul><ul><li>  Mentha piperita L.   Hortelã-pimenta </li></ul><ul><li>Panax ginseng C. A. Mey. Ginseng  (máx. 3 meses) </li></ul><ul><li>Passiflora incarnata L.   Maracujá - Folhas  </li></ul><ul><li>Paullinia cupana H.B.&K . Guaraná   </li></ul><ul><li>Peumus boldus Molina    Boldo, Boldo-do-Chile  </li></ul><ul><li>Pimpinella anisum L.    Erva-doce, Anis  </li></ul><ul><li>Rhamnus purshiana DC.   Cáscara Sagrada   </li></ul><ul><li>Salix alba L.    Salgueiro branco  </li></ul><ul><li>Senna alexandrina Mill.    Sene   </li></ul><ul><li>Zingiber officinale Rosc.   Gengibre </li></ul><ul><li>Mikania glomerata Spreng Guaco  </li></ul><ul><li>Hamamelis virginiana   Hamamelis - oral e tópico </li></ul><ul><li>Polygala senega    Polígala - “resfriado” </li></ul><ul><li>Eucalyptus globulus   Eucalipto  </li></ul>
  42. 43. Regulamentações diversas Alimentos <ul><li>Decreto-lei nº986:Institui normas básicas sobre alimentos. </li></ul><ul><li>Resolução 16/99:Registro de alimentos e ou novos ingredientes. </li></ul><ul><li>Resolução 18/99:Diretrizes básicas para análise e comprovação de propriedades funcionais e ou de saúde alegadas em rotulagem de alimentos. </li></ul><ul><li>Resolução 19/99:Registro de alimento com alegação de propriedades funcionais e ou de saúde em sua rotulagem . </li></ul>
  43. 44. OBRIGADA [email_address] http://nutricaoefito.blogspot.com/

×