Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo 11º ano - rochas sedimentares

7,120 views

Published on

  • Be the first to comment

Resumo 11º ano - rochas sedimentares

  1. 1. Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova Biologia e Geologia 11º Ano Resumo ROCHAS SEDIMENTARES: APLICAÇÕES As rochas sedimentares além de muito importantes sobre o ponto de vistaeconómico/industrial são também de extrema importância para oestudo e compreensão geológico, como por exemplo compreender oambiente em que se formaram, isto é, o estudo dos paleoambientes. O facto de se formarem sobre a forma de estratos aprisionamuitas diversas estruturas biológicas, permitindo assim que sepreservem em maior ou menor grau até aos dias de hoje. Estasestruturas, preservadas nas rochas sedimentares, denominam-se defósseis e como tal as rochas são denominadas de rochas fossilíferas. Nas superfícies de estratificação ocorrem com algumafrequência marcas que testemunham a existência de pausasou de interrupções na sedimentação, tais como:  Marcas de ondulação – marcas causadas pela ondulação da água do mar nas zonas de praia onde normalmente se formam arenitos. A existência destas marcas mostra que o ambiente de formação das rochas era uma zona costeira.  Fendas de dessecação ou retracção – marcas presentes em terrenos argilosos que em dada altura ficaram saturados de água, secando de seguida.  Marcas das gotas de água – marcas arredondadas formadas pela queda contínua de gotas de água.  Icnofósseis – pegadas de animais, marcas de reptação ou fezes fossilizadas que fornecem importantes dados sobre o ambiente de sedimentação mas também sobre os hábitos dos seres vivos que os deixaram.__________________________________________________________________________________________________________ Página 1 de 8
  2. 2. A possibilidade de extrapolação dos fenómenos que ocorreram no passado de acordocom o que verificamos actualmente assenta no princípio das causas actuais, já estudado no10º ano. Fósseis… mas máquinas do tempo Desde o século XVII que os cientistas reconhecem que os fósseis são remanescentesdos seres vivos, como tal representam uma forma de estudar seres vivos passados, muitos dosquais já extintos. Actualmente os fósseis são vistos restos de seres vivos ou vestígios dosmesmos que viveram em tempos geológicos anteriores e que foram contemporâneos dagénese da rocha que os contêm. O fenómeno de fossilização é complexo e pouco frequente, já que muitas vezes osorganismos são decompostos ou ingeridos por outros animais. Fossilização é assim o conjuntode processos que levam à preservação de restos ou vestígios de organismos nas rochas. Existem vários processos de fossilização, alguns dos quais permitindo uma preservaçãoquase perfeita do ser vivo.  Conservação – neste processo todo ou parte do ser vivo é preservado sem alterações ou com alterações mínimas. Entre as formas mais eficazes de conservação destaca-se a mumificação, onde o ser vivo é desidratado. O processo torna-se mais eficaz se o ser vivo for envolto num material asséptico como o âmbar ou gelo.  Moldagem – os seres vivos ao morrerem podem ficar de imediato cobertos com sedimentos finos que os envolvem ou preenchem. Desta forma cria-se um molde do ser vivo na rocha. Se este for envolto forma-se um molde externo, se por seu lado o sedimento preencher o ser vivo forma-se um molde interno. Podem ainda formar-se contramoldes dos moldes externos e internos. Se o ser vivo for muito fino ou achatado, como por exemplo uma folha, a moldagem adquire o nome específico de impressão.__________________________________________________________________________________________________________ Página 2 de 8
  3. 3.  Mineralização – no processo de mineralização os constituintes duras dos seres vivos são substituídos por minerais transportados em solução nas águas subterrâneas e que precipitam.  Icnofósseis – este tipo de fóssil não representa parte do ser vivo mas sim vestígios da sua actividade, são por exemplo pegadas, marcas de reptação, cropólitos (fezes fossilizadas) entre outras. Estes são bastante úteis para entender o modo de vida dos seres vivos que os deixaram. Aplicações geológicas As rochas sedimentares são também muito úteis para datar, o facto de se formaremem camadas permite indagar que as camadas inferiores são mais antigas que as superiores, jáque as superiores por se formarem á posteriori cobrem as inferiores. No entanto este processode datação é apenas relativo dado que apenas podemos deduzir uma relação da idade e nãoum valor concreto, por essa razão diz-se que estamos perante uma datação relativa. Dado que as rochas sedimentares se formam de detritos de rochas muito diferentes,rochas essas que se podem teroriginado em eras geológicas distintas,o processo de datação absoluta emrochas sedimentares não é adequadopor vai haver misturas de materiais comdiversas idades, como tal pode-sefalsear a idade obtida por radiometria. O ramo da geologia encarreguepor estudar as relações espácio-temporais das rochas sedimentaresdenomina-se de estratigrafia. Para se poderem estabelecer as diferentes relações os geólogos recorrem a princípiosbásicos da geologia.__________________________________________________________________________________________________________ Página 3 de 8
  4. 4. Princípio da sobreposição das camadas É sabido que as rochas sedimentares se formam sobre a forma de camadas, isto é,estratos. Os estratos mais antigos são sobrepostos por estratos mais novos e assimsucessivamente. Assim a sucessão de diferentes estratos constitui as chamadas sequênciasestratigráficas. Este princípio permite estabelecer uma relação temporal entre os estratos, masnão determinar a sua idade real dado que não é possível determinar quanto tempo demorou aformar cada estrato, nem quanto tempo decorreu entre a formação de um estrato e oseguinte, e muitas das vezes é difícil saber se entre dois estratos contíguos existia um outroque foi completamente erodido. Se um ou mais estratos tiverem sido completamenteerodidos, os seus vestígios desaparecem permanentemente e os novos estratos formar-se-ãosobre a superfície erodida a que se dá o nome de superfície e descontinuidade (muitas vezesas superfícies de descontinuidadesó se detectam graças ao princípioda continuidade lateral, quando osgeólogos ao compararem duascolunas estratigráficas queapresentam continuidade severifica que numa delas nãoexistem determinados estratos).Esta descontinuidade no registosedimentológico, caracterizadopela ausência de estratos,denomina-se de lacunasestratigráficas. Uma das características marcantes das colunas estratigráficas é o facto dos estratos seencontrarem na horizontal (salvo na estratificação entrecruzada), no entanto por vezesverificamos que os estratos se encontram inclinados sobre determinado ângulo devido a forçastectónicas que alteraram as rochas, formando um série inclinada a qual normalmente se segueuma série novamente horizontal, pois é posterior e não sofreu a mesma alteração. Nestasituação quando se verifica que ocorrem diferenças entre séries dizemos que ocorreu umadiscordância angular.__________________________________________________________________________________________________________ Página 4 de 8
  5. 5. Princípio da continuidade lateral Por vezes as camadas sedimentares prolongam-se na horizontal por grandesextensões, principalmente quando se formaram em bacias de sedimentação de águasprofundas. Uma vez que as camadas são contínuas é possível estabelecer correlações de idadeentre camadas localizadas em lugares eventualmente muito distanciados. Princípio da identidade paleontológica Este princípio admite que os fósseis de determinados grupos aparecem numa ordemdefinida e que os estratos que apresentem os mesmos fósseis têm a mesma idade. No entantonão se utilizam uns fósseis quaisquer,têm que ser fósseis de idade. Os fósseis permitem datar aidade de uma rocha em que seencontram pois são contemporâneosda formação dessa mesma rocha, istoé, o fóssil formou-se ao mesmotempo que a rocha. Por definição umfóssil de idade é um fóssil de umaespécie de ser vivo que existiudurante um curto período de tempogeológico e que teve uma ampladistribuição geográfica. Dessa formasalienta-se, por exemplo, as amonites, as trilobites, alguns braquiópodes e os fetosNeuropteris. Por seu lado um crocodilo ou mesmo um tubarão não representa um bom fóssilde idade pois existem desde há muito tempo e ainda existem nos dias actuais, como talquando se encontra uma rocha com um fóssil de um crocodilo podemos apenas indagar que aidade da rocha se encontra entre 1 a250 m.a., logo não é um bomindicador da idade da rocha. Princípio de intersecção eprincípio da inclusão De acordo com o princípioda intersecção, toda a estrutura que__________________________________________________________________________________________________________ Página 5 de 8
  6. 6. intersecta outra é mais recente do que aquela. Por outras palavras se um filão interceptar umasérie de estratos, então é mais recente do que essa série. Imaginemos agora que numasequência estratigráfica se encontram duas séries de estratos, se um filão interceptar a sérieinferior mas não a série superior,então o filão é mais recente que asérie inferior mas mais antiga quea série superior. Por outro lado o princípiode inclusão afirma quefragmentos de rochasincorporados ou incluídos numarocha são mais antigos do que arocha são mais antigos do que arocha que os engloba. Reconstituição de paleoambientes As rochas sedimentares formam-se em ambientes muito particulares, de facto deacordo com as diferenças de ambiente para ambiente forma-se rochas sedimentaresdiferentes. Esta característica permite determinar, de acordo com certas propriedades dasrochas sedimentares, o tipo de ambiente em que se formaram. As características mais comunssão a textura, composição mineralógica, propriedades químicas, conteúdo paleontológico epropriedades estruturais. A estas características dá-se o nome de fácies da rocha. De uma forma simplificada e sistemática pode diferenciar-se três grupos de fácies.  Fácies continental – como por exemplo as rochas que se formam em zonas fluviais, torrencial, glaciares, lacustres e eólicas.  Fácies de transição – como por exemplo as rochas que se formam em zonas estuarinas, delticas e lagunares.  Fácies marinha – como por exemplo as rochas que se formam em zonas litorais, nerítica (isto é, plataforma continental), batial (isto é, talude continental) e abissal (isto é, profunda). Da mesma forma existem fósseis com os quais é possível determinar o ambiente deformação das rochas, esses fósseis são denominados de fósseis de fácies. Estes têm umacaracterística comum que é a de serem muito característicos de determinados ambientes.__________________________________________________________________________________________________________ Página 6 de 8
  7. 7. Este princípio é possível de utilizar pois assenta no princípio das causas actuais, isto é,sabendo as necessidades ambientais dos seres vivos actuais, encontrando fósseis de seresvivos semelhantes podemos extrapolar as condições em que fóssil se formou. Escala do tempo geológico Usando princípios da datação relativa das rochas e juntando informações recolhidasem afloramentos por todo o mundo, elaborou-se uma escala do tempo geológico. Cadaintervalo nesta escala é correlacionado com um conjunto de rochas e fósseis. A escala de tempo geológico tem várias divisões com diferentes amplitudes. Entreessas divisões destacam-se as Eras, os Períodos e as Épocas, sendo que as Eras são as maioresdivisões do tempo geológico que se dividem em diferentes Períodos e estes por sua vezdividem-se em várias Épocas. Constatou-se que o registo fóssil é pontuado por momentos em que uma grandequantidade de espécies de seres vivos desaparece em pouco tempo, extinções em massa,sendo esses momentos seguidos poruma rápida diversificação e expansãode novas espécies, com alteraçõesdrásticas no meio. Estes momentospatentes no registo fóssil servemcomo separação entre diferentesdivisões da escala. Desta forma oregisto fóssil e as propriedades dosestratos permite estabelecer asunidades do tempo geológico. Actualmente o tempogeológico conta com novas divisões,por exemplo, as Eras são hoje em diareunidas em Eons. Por exemplo oconjunto de Eras marcas pelainexistência de seres vivos, ou cujoregisto é muito vago, o que poderásignificar que a Vida era ainda poucoabundante na Terra, são reunidos naquilo a que denominados de Pré-Câmbrico.__________________________________________________________________________________________________________ Página 7 de 8
  8. 8. O Pré-Câmbrico representa quase 88% da história da Terra, o facto de não seconseguirem encontrar muitas rochas que remontem a esse tempo (grande parte foi jáerodido ou sofreu metamorfose), e as que se encontram possuem registo fóssil muitoreduzido, não permite retirar muita informação paleontológica ou mesmo geológica. À medidaque o número de fósseis vai crescendo no registo fóssil, mais fácil e preciso se torna ocalendário do tempo geológico com maior número de intervalos de tempo. Com o desenvolvimento da Datação Radiométrica/Absoluta o calendário do tempogeológico tornou-se mais preciso e com datas absolutas.__________________________________________________________________________________________________________ Página 8 de 8

×