Motivação intrínseca

10,246 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,246
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
23
Actions
Shares
0
Downloads
146
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Motivação intrínseca

  1. 1. Motivação Intrínseca: o que nos motiva a fazer algo quando não temos de fazer nada!Luís GonçalvesPsicoterapeuta e formador na Oficina de Psicologia
  2. 2. 1. O que é a MI? “Motivação intrínseca é escolher uma atividade sem termos uma razão em especial à exceção da própria satisfaçãoem realizá-la - é o que nos motiva a fazer algo quando não temos de fazer nada.” (Raffini, 1993)
  3. 3. 1. O que é a MI?• Tendência em se procurar e vencer desafios à medida que perseguimos interesses pessoais e desenvolvemos capacidades e conhecimentos.• Não são necessárias recompensas para prosseguirmos a atividade, já que esta é recompensadora por si mesma!
  4. 4. 1. O que é a MI?• Se ela existe não haverá tanta necessidade de elogios e recompensas para que, no futuro, se realize a mesma atividade.• O prazer ligado à realização de uma tarefa conduzirá a níveis elevados e constantes de desempenho, não sendo vista como uma obrigação ou responsabilidade.
  5. 5. 2. MI no cérebroAtividadeprazerosa EmoçãoAgente Bioquímico Estrutura cerebral Bem estar, prazer e Libertação de Dopamina estimula afeto através da dopamina o hipotálamo amígdala
  6. 6. 2. MI no cérebro: PET scan Depressão Recuperado
  7. 7. 3. Benefícios da MI PersistênciaAprendizagem Criatividade Bem estar
  8. 8. 4. A origem da MI: Necessidades Psicológicas • No essencial, viver é preencher necessidades, momento a momento e no aqui e agora. • Parece que a MI faz parte de nós desde o início da vida, mesmo sem darmos por isso! • Importa então saber que necessidades temos já que estão na origem do processo motivacional, mobilizando para a ação.
  9. 9. 4. A origem da MI: Necessidades Psicológicas Certeza / Incerteza / Conforto Variedade Evitar a dor e obter Novidade, desafio e prazer, levando à imprevisibilidade segurança, estabilidade e à sobrevivência Significância Conexão e Amor Ser importante, Ligação afetiva ao reconhecido e único próprio e a outros significativos Crescimento Contribuição Mudar, aprender e Ajudar, contribuir e evoluir partilhar a vida de outros significativos
  10. 10. 5. MI em Contexto Clínico• Muitos clientes surgem no início do processo com dificuldades ligadas a aspetos extrínsecos.• Estes fatores vão induzir stress na estrutura emocional do cliente, podendo originar sofrimento psicológico.• Como primeiro objetivo terapêutico, surge o foco nos aspetos que a pessoa quer mudar e melhorar em si.
  11. 11. 5. MI em Contexto Clínico• O cliente apercebe-se das suas necessidades e desenvolve formas adequadas de lhes responder.• O foco no mundo exterior visível no início do processo psicoterapêutico passa a ser interno e mais controlável.• Assim, comportamento, cognição e emoção tornam-se mais flexíveis.
  12. 12. 5. MI em Contexto Clínico• Esta mudança tem a MI como pano de fundo…• O que acontece é que o exterior se mantém semelhante mas o impacto do mesmo no cliente muda radicalmente.• Este ao aperceber-se do que precisa (e do que não precisa!), passa a orientar os seus recursos nessa direção.• Passa a encontrar também prazer onde antes apenas via desconforto.
  13. 13. 5. MI em Contexto Clínico• A dependência inicial dos fatores externos dá lugar à satisfação pessoal que vem dos esforços e sucessos do próprio.• A extrínseca passa a ser uma motivação extra e não a fonte principal do comportamento.• Por último, sobem o auto-reforço e as expectativas de auto-eficácia, instalando-se a satisfação pessoal.
  14. 14. Concluindo… "A única maneira de fazer um trabalho extraordinário é de amares aquilo que fazes. Se ainda não o encontraste, continua a procurar. Não te acomodes. Tal como com os assuntos do coração, tu saberás quando é que o encontraste." Steve Jobscontacto@oficinadepsicologia.comhttp://oficinadepsicologia.com
  15. 15. Bibliografia• Bandura, A. (1986). Social Foundations of Thought and Action. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.• Bandura, A. (1993). Perceived self- efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, 28, 117-148.• Reeve, J. (2009). Understanding motivation and emotion (5th ed.). Hoboken, NJ: Wiley.• Robbins, A. (1992). Awaken the Giant Within. New York: Simon & Schuster.

×