Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A Independência dos E.U.A. - PowerPoint

34,014 views

Published on

Published in: Education, Technology

A Independência dos E.U.A. - PowerPoint

  1. 1. Estados Unidos da América Independência dos Realização: Henrique Almeida João Guerra Margarida Neto Nuno Rodrigues Professoras: Edite Gomes Ana Tocha Oeiras, Junho de 2010 Área de Projecto/História
  2. 2. Introdução <ul><li>A Independência dos Estados Unidos da América, também conhecida como Guerra da Revolução Americana ou ainda Revolução Americana de 1776, foi o tema por nós escolhido para estudo e investigação na disciplina de Área de Projecto do 3º Período Lectivo, do 8º E. </li></ul>
  3. 3. Apresentação Cada folha da árvore contará o nascimento de uma nação, a primeira da História a tornar-se independente através de uma revolução. <ul><ul><ul><ul><ul><li>Uma árvore, será o nosso suporte para tentar mostrar à turma a Independência dos Estados Unidos da América. </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  4. 4. Um pouco de História… <ul><li>Apesar de encarados pelo </li></ul><ul><li>mundo como uma super potência, os Estados Unidos da América têm uma história curta, sendo, comparativamente com a Europa, um país muito jovem, que não </li></ul><ul><li>tem ainda quatro séculos. </li></ul>A Independência dos Estados Unidos da América tem por detrás uma história cheia de desentendimentos, nomeadamente, a Guerra dos Sete Anos, em que Inglaterra e França se debateram, entre 1756 e 1763, pela posse dos territórios da América do Norte, saindo vencedora a Inglaterra.
  5. 5. A nossa abordagem… A colonização A Guerra dos Sete Anos A Constituição dos Estados Unidos <ul><ul><ul><ul><ul><li>A Guerra dos </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Estados Unidos </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>da América </li></ul></ul></ul></ul></ul>Os Congressos de Filadélfia
  6. 6. Tribo Sioux Uma das mais ancestrais tribos norte americanas Ingleses: Primeiros colonos dos EUA
  7. 7. Colonização dos Estados Unidos da América ………………………………………………………………………………………………………………………………… O território norte-americano, actualmente chamado de Estados Unidos da América, era originalmente habitado há milhares de anos por centenas de tribos nativo americanas, bem como por nativos polinésios do Havai e outros territórios insulares na Polinésia dos actuais Estados Unidos. No início do século XVI, surgem os primeiros exploradores europeus desembarcando em diferentes regiões do território. Próximo do final do século XVI, os ingleses iniciaram a colonização da América do Norte. As primeiras tentativas de colonização falharam, como a Colónia de Roanoke, mas outras foram logo estabelecidas. Índio Sioux
  8. 8. Colonização dos Estados Unidos da América Mapa da Fundação dos EUA Os colonos pertenciam a uma grande variedade de grupos sociais e religiosos, instalando-se em diferentes partes da costa leste da América do Norte, no Oceano Atlântico.
  9. 9. O sudoeste e o sudeste dos Estados Unidos foram colonizados por espanhóis, e a região central, pelos franceses. Sabe-se também que partes das Treze Colónias foram colonizadas em primeiro lugar pelos holandeses, sendo, no entanto, capturadas pelos ingleses durante a década de 1660. Os ingleses seriam os mais imperativos na colonização do território. Colonização dos Estados Unidos da América Desembarque de ingleses Porto de Boston
  10. 10. Colonização dos Estados Unidos da América O território recebeu então, dois tipos de colonização com diferenças acentuadas: <ul><li>Colónias do Norte : região colonizada por protestantes europeus, principalmente ingleses, que fugiam das perseguições religiosas. Chegaram à América do Norte com o objectivo de transformar a região num próspero lugar para habitação de suas famílias. Também chamada de Nova Inglaterra, a região sofreu uma colonização de povoamento caracterizado por: </li></ul><ul><li>-mão-de-obra livre, economia baseada no comércio, pequenas propriedades e produção para o consumo do mercado interno. </li></ul><ul><li>Colónias do Sul, como a Virgínia, Carolina do Norte e do Sul e Geórgia que sofreram uma colonização de exploração. Eram exploradas por Inglaterra e tinham que seguir o Pacto Colonial. Baseava a sua economia no latifúndio, na mão-de-obra escrava e sobretudo na produção para exportação para a metrópole. </li></ul>
  11. 11.
  12. 12. Guerra dos Sete Anos A Guerra dos Sete Anos foi um conflito travado entre diversas monarquias nacionais europeias em torno do controlo de regiões de exploração colonial. Os dois grandes líderes da guerra que ocorreu entre os anos de 1756 e 1763 foram a Inglaterra e a França, que se debatiam pela posse de territórios norte-americanos. Um dos lados da guerra era liderado pela França que, com o apoio militar dos austríacos, procurava rivalizar contra a supremacia exercida pelos britânicos nas regiões da América do Norte e da Índia. Cerco inglês em terras de França
  13. 13. Ao mesmo tempo em que todos estes exércitos se defrontavam dentro da Europa, a França e a Inglaterra desenvolviam conflitos paralelos pela posse de regiões da América do Norte, Índias Ocidentais, Índia, África, Mar Mediterrâneo, Canadá e Caraíbas. O lado sempre mais dominante da guerra foi liderado pela Inglaterra, que se aproveitou do conflito também existente foi entre os Estados do antigo Sacro-Império-Germânico ( Polónia e parte de território alemão), aliados do Reino da Prússia, fazendo com os prussianos uma aliança militar, vingando assim o apoio dos austríacos aos franceses. Guerra dos Sete Anos
  14. 14. <ul><li>A guerra colonial propriamente dita, diz-se que teve início com a invasão francesa à ilha , então britânica, de Minorca, ocorrida em 1756. As acções tomadas pelos franceses foram contra-atacadas pelas poderosas tropas inglesas, que realizaram o bloqueio britânico nas regiões de Toulon e Brest. Depois de sucessivas vitórias, os ingleses conquistaram as regiões de Quebéc, Montreal, Cabo Bretão e Grandes Lagos. Em África, conseguiram derrubar o controlo francês no Senegal e na Gambia . </li></ul>Guerra dos Sete Anos
  15. 15. Guerra dos Sete Anos Os franceses viriam a ser completamente derrotados com a entrada da Espanha, que conseguiu tomar a região de Louisiana do Império Colonial Francês. A vitória britânica neste conflito acabou por transformar o cenário colonial norte-americano. Inicialmente, os britânicos passaram a fortalecer as suas relações com os colonos norte-americanos com mais soberania, introduzindo uma pesada taxa de cobrança de impostos e limitando a exploração das terras conquistadas. A par disto, o acordo empreendido entre as poderosas nações envolvidas neste conflito garantiu à Rússia e à Prússia o controlo político sobre algumas regiões do Velho Continente. Em contrapartida, O Império Austríaco perdeu a sua posição dominante entre os fragmentados Estados Germânicos tendo os prussianos enquanto concorrentes.
  16. 16. Entre todas as nações envolvidas, a França foi decididamente a mais afectada com a entrega de várias áreas coloniais para os ingleses. Guerra dos Sete Anos Com o objectivo de recuperar tão elevado prejuízo económico produzido pela guerra, a Coroa Inglesa decidiu impor severos impostos para os colonos norte-americanos. Esta medida seria no entanto, mal acolhida pelos colonos, gerando uma enorme tensão nas relações com os britânicos, que pouco tempo depois travariam uma luta intensa pelo fim do domínio colonial Inglês, dando início à Guerra de Independência dos Estados Unidos da América. O fim do conflito pretendido por todos os envolvidos teve o seu reconhecimento com a assinatura do Tratado de Paris que em 1763 acabou por finalizar a Guerra dos Sete Anos. A Inglaterra saiu como a grande vitoriosa, mas com a sua economia devastada pelos custos da guerra .
  17. 17.
  18. 18. Revolta dos Colonos A Guerra dos Sete Anos, terminada pela vitória da Inglaterra sobre a França, deixou a nação vencedora na posse de ricos territórios no continente americano, já colonizados, sendo confirmado o seu direito de expandir o seu domínio em direcção ao interior do continente . Esta possibilidade agradou aos colonos, que imediatamente se prepararam para explorar e aproveitar novas terras, mas, contrariando as expectativas, o governo de Londres, receando o desencadear de guerras com as nações índias, decidiu que nenhuma nova exploração ou colonização de territórios pudesse ser feita sem a assinatura de tratados com os índios. Esta decisão seria, segundo a história a primeira fonte de conflito entre os colonos e a Coroa inglesa.
  19. 19. Revolta dos Colonos Mais tarde, outros conflitos surgiriam, uma vez que na sequência da Guerra dos Sete Anos, a economia inglesa estava enfraquecida e se exigia a sua restauração, levando a Coroa Britânica a impor medidas restritivas às Treze Colónias. Assim, na procura de respostas ao equilíbrio financeiro, a metrópole restringia o pacto colonial com várias acções: <ul><ul><li>Em 1763 foi proibida </li></ul></ul><ul><ul><li>a fundição de ferro nas colónias </li></ul></ul><ul><ul><li>Em 1764 proibiu-se o fabrico </li></ul></ul><ul><ul><li>de tecido. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em 1765 foi aprovado um decreto que obrigava os colonos </li></ul></ul><ul><ul><li>a abrigar e sustentar as tropas inglesas em solo americano, </li></ul></ul><ul><ul><li>prática muito pesada para as finanças coloniais </li></ul></ul>
  20. 20. Revolta dos Colonos <ul><ul><li>Em 1774, a Inglaterra reagiu com um conjunto de leis que os americanos chamaram de &quot;Leis Intoleráveis&quot;, com o encerramento do porto de Boston, a indemnização à companhia prejudicada e o julgamento dos envolvidos, na Inglaterra. </li></ul></ul><ul><ul><li>No ano de 1765, outras medidas ainda mais drásticas foram criadas, como a célebre Lei do Selo, que acrescentava um imposto de selo sobre jornais, documentos legais e oficiais e os chamados Actos de Townshend, que limitavam e impediam as relações comerciais dos americanos com outras regiões para além da Inglaterra . </li></ul></ul><ul><ul><li>Em 1773, o Parlamento Inglês concedeu o monopólio do </li></ul></ul><ul><ul><li>comércio do chá à Companhia das Índias Orientais, na qual </li></ul></ul><ul><ul><li>muitas personalidades inglesas possuíam acções. Os comerciantes </li></ul></ul><ul><ul><li>rebeldes norte-americanos, sentindo-se prejudicados, disfarçaram-se de índios peles-vermelhas, assaltaram os navios da companhia </li></ul></ul><ul><ul><li>que estavam no porto de Boston e lançaram o carregamento </li></ul></ul><ul><ul><li>de chá para o mar (Boston Tea Party). </li></ul></ul>
  21. 21. Revolta dos Colonos <ul><li>O conflito agravou-se com a presença de tropas enviadas pelos ingleses. Como resposta, em 1774, os representantes das colónias americanas, excepto Geórgia, enviaram os seus delegados a Filadélfia, num primeiro Congresso Continental que, a partir daí, embora com divergências no seu seio, se tornou a voz política </li></ul><ul><li>dos colonos </li></ul>A todas estas medidas, os colonos foram reagindo mal, mas de forma pacífica, no entanto, estava instalada a revolução. Os colonos exigiram o direito de eleger representantes para o Parlamento de Londres, a fim de poderem discutir e votar as leis que lhes diziam respeito, passando depois a actos de boicote às mercadorias inglesas. Esta guerra económica desencadearia inúmeros tumultos e forçou o governo inglês a alguns recuos, que, contudo, não satisfizeram os colonos.
  22. 22. Primeiro Congresso de Filadélfia <ul><li>O rei inglês George III não aceitou as propostas do congresso adoptando medidas ainda mais controladoras e restritivas como, as Leis Intoleráveis. Só para exemplificar, refira-se a lei conhecida como a Lei do Aquartelamento, ditando que todo o colono norte-americano era obrigado a fornecer moradia, alimentos e transportes aos soldados ingleses. Segundo a história, as Leis Intoleráveis foram o maior foco gerador de revolta na colónia, influenciando directamente o processo de independência. </li></ul>O congresso não tinha carácter separatista, pois os colonos apenas pretendiam o restabelecimento dos direitos anteriores a 1763, acabando com as medidas restritivas impostas pela metrópole e exigindo simultaneamente uma maior participação na vida política da colónia.
  23. 23. Segundo Congresso de Filadélfia <ul><li>Este foi um passo irreversível para a história dos EUA, pois Inglaterra não aceitou a independência das suas colónias e declarou guerra. Desta forma, Thomas Jefferson procedeu à criação de um exército que seria comandado por George Washington, fazendeiro e chefe da milícia da Virgínia. </li></ul>Thomas Jefferson , Já tinham começado as acções militares, em Março de 1775, entre ingleses e colonos, quando se reuniram os representantes das colónias, no segundo Congresso da Filadélfia (1775) e Thomas Jefferson, democrata de ideias avançadas, redigiu a Declaração da Independência dos Estados Unidos da América que viria a ser promulgada em 4 de Julho de 1776 .
  24. 24. Fases da Guerra Em relação ao curso da guerra da independência pode ser dividido em duas fases a partir de 1778. A 1ª fase, ao norte, assistindo-se à captura de Nova Iorque pelos ingleses (1776), além da campanha no vale do rio Hudson para isolar a Nova Inglaterra, que culminou na derrota em Saratoga (1777), e a captura da Filadélfia (1777) depois da vitória de Brandywine. A 2ª fase desviou as atenções britânicas para o sul, onde grande número de legalistas eram recrutados. Filadélfia foi abandonada (1778) e Washington acampou em West Point a fim de ameaçar os quartéis-generais britânicos em Nova York. Após a captura de Charleston, comandante do exército inglês (1780) por Clinton, Cornwallis, seu sucessor perseguiu em vão o exército do sul, sob a liderança de Green, antes de seu próprio exército, exaurido, se render em Yorktown, Virgínia (Outubro de 1781). A paz e independência do novo país (constituído pelas treze colónias da costa atlântica) foi reconhecida pelo Tratado de Paris, em 1783 .
  25. 25. <ul><li>Apesar de frequentes vitórias, </li></ul><ul><li>os ingleses não destruíram os exércitos </li></ul><ul><li>de Washington ou de Green e </li></ul><ul><li>não conseguiram quebrar a resistência </li></ul><ul><li>norte-americana. Os ingleses, lutando </li></ul><ul><li>a 5.500 km de casa, enfrentaram </li></ul><ul><li>problemas de carência de provisões, </li></ul><ul><li>comando desunido, comunicação </li></ul><ul><li>lenta, população hostil e falta </li></ul><ul><li>de experiência em combater </li></ul><ul><li>tácticas de guerrilha. </li></ul>Fases da Guerra A Aliança Francesa (1778) e a colaboração de Espanha, a favor dos colonos, também ajudaria a mudar a natureza da guerra e a Inglaterra, a partir de então, passou a concentrar-se nas disputas por territórios na Europa e nas Índias Ocidentais e Orientais.
  26. 26. Constituição dos Estados Unidos da América Pela primeira vez na História da expansão europeia, uma colónia tornava-se independente dos países possessivos, por meio de uma revolução. Criava a sua independência, proclamada ao mundo, no documento histórico aprovado a 4 de Julho de 1776, o direito à independência e à livre escolha de cada povo e de cada pessoa (&quot;o direito à vida, à liberdade e à procura da felicidade&quot; são definidos como inalienáveis e de origem divina). I II
  27. 27. Pela formação do território, constituiu-se numa federação de estados dotados de uma grande autonomia, aprovando uma constituição política (a primeira da História mundial) onde se consignavam os direitos individuais dos cidadãos, se definiam os limites dos poderes dos diversos estados e do governo federal, e se estabelecia um sistema de equilíbrio entre os poderes legislativo, judiciário e executivo de modo a impedir a supremacia de qualquer deles, além de outras disposições inovadoras. Constituição dos Estados Unidos da América
  28. 28. Constituição dos Estados Unidos da América Em 1787, ficou pronta a Constituição dos Estados Unidos com fortes características iluministas, optando como já foi dito, pelo sistema de república federativa e defendendo os direitos e garantias individuais do cidadão. O sucesso norte-americano foi descrito como tendo influenciado a Revolução Francesa (1789) e as subsequentes revoluções na Europa e América do Sul.
  29. 29. Conclusão Foram inúmeras as aprendizagens que obtivemos ao longo da elaboração deste trabalho, sendo este um momento muito importante para todos nós, enriquecendo-nos a todos e levando-nos a entender melhor o papel dos Estados Unidos no mundo, desde o seu nascimento. Concluímos o nosso trabalho, referindo apenas que foi da maior importância para nós e que é nosso desejo transmiti-lo à turma, esperando que a todos agrade a história do nascimento de uma nação que sendo tão jovem, tanta influência exerce no mundo actual.
  30. 30. Bibliografia <ul><li>http://www.educacao.uol.com.br/biografias/ult1789u3.jhtm </li></ul><ul><li>http://www.grupoescolar.com </li></ul><ul><li>http://www.historiadomundo.com.br/.../independencia-dos-eua.htm </li></ul><ul><li>http://www.historianet.com. </li></ul><ul><li>http://www.historia-U.S.A.net.com. </li></ul><ul><li>http://www.whitehouse.gov/about </li></ul><ul><li>http://www.wikipedia.org/.../Revolução_Americana_de_1776 </li></ul><ul><li>http://www.wikipedia.org/wiki/Estados_Unidos </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Per%C3%ADodo_colonial_dos_Estados_Unidos </li></ul><ul><li>http://www.mundoeducacao.com. </li></ul><ul><li>http://www.portugal1143.wordpress.com </li></ul>

×