Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Inovação em Pequena Escala - Revista Pesquisa FAPESP

591 views

Published on

Nanopartículas combatem microrganismos e melhoram a eficiência de adesivos.

Reportagem da Revista Pesquisa FAPESP sobre empresas que utilizam nanomateriais em seus produtos, destacando a Novelprint.

Published in: Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Inovação em Pequena Escala - Revista Pesquisa FAPESP

  1. 1. [ NaNotecNologia ]Inovação em pequenaescala Nanopartículas combatem microrganismos e melhoram a eficiência de adesivosMarcos de OliveiraP artículas com nanotecnologia que do nanotecnológico. Várias empresas destroem bactérias da superfície no mundo já utilizam essa tecnologia, de instrumentos odontológicos principalmente para revestimento bac- ou que garantem adesivos mais tericida de produtos. O mercado de na- transparentes e eficientes já são norrevestimento e nanoadesivos atingiu realidade no Brasil. De tamanho a marca em vendas mundiais de US$ 2 equivalente a 1 milímetro divi- bilhões em 2009, de acordo com a em-dido por 1 milhão de vezes, essas partí- presa de pesquisa de mercado norte-culas, quando incorporadas a materiais -americana BCC Research. Segundo acomo plásticos ou pinceladas em forma consultoria, a previsão para o mercadode solução ou, ainda, em filmes chama- desse setor nanotecnológico será de US$dos de coatings aplicados sobre metais, 18 bilhões em 2015. Nesse mercado estápromovem uma série de benefícios para a empresa brasileira Nanox, de São Car-os consumidores. A função mais rele- los, no interior paulista, uma spin-offvante é em relação à saúde dos usuários surgida em 2004 de dois institutos depor meio da reação que nanopartículas química, um da Universidade Federal dede prata provocam na parede celular das São Carlos (UFSCar) e outro da Uni-bactérias, eliminando-as e evitando pos- versidade Estadual Paulista (Unesp), emsíveis contaminações, além de deixar as Araraquara, em dois grupos de pesquisasuperfícies limpas e sem cheiro ruim de que trabalham cooperativamente e sãoforma permanente. São novos materiais integrantes do Centro Multidisciplinarligados ao campo da nanotecnologia, para o Desenvolvimento de Materiaissegmento tecnológico interdisciplinar Cerâmicos (CMDMC), um dos Centrosque despontou para o mercado na pri- de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid)meira década deste século. Na realidade, da FAPESP, coordenado pelo professoro que muda em relação à prata é sua Elson Longo.industrialização em escala nanométrica No ano passado, 40% das vendas da PasieKa/scieNce PHoto librarYem nível molecular, porque esse metal Nanox seguiram para o México e Esta-é utilizado na medicina, para a cura de dos Unidos como matéria-prima paraferidas, desde a Antiguidade. ser incorporada a vários tipos de peças Pelo conhecimento anterior, não é plásticas e metálicas da linha premiumde estranhar que a prata tenha sido um das geladeiras das marcas General Elec-dos primeiros componentes do mun- tric (GE) e Mabe, como dispensadores62 n setembro De 2011 n PESQUISA FAPESP 187
  2. 2. tecnologiade água, gavetas e prateleiras que evitam ao colocar a mão na boca do paciente ea contaminação cruzada entre alimen- depois pegar o motorzinho ou ajustartos, formação de mau cheiro e bolores. a iluminação sobre a cadeira odonto-“A tecnologia age contra vários micror- lógica, não corre o risco de transferirganismos como bactérias e fungos”, diz bactérias para o paciente seguinte. EssesDaniel Minozzi, um dos três sócios da equipamentos odontológicos com na-Nanox. O faturamento da empresa atin- notecnologia já são exportados para Itá-giu R$ 2,1 milhões em 2010, ante R$ 1,3 lia, Espanha, Portugal, Polônia, Áfricamilhão em 2009. A tecnologia da Nanox, do Sul, China, Tailândia e todos os paí-chamada de NanoxClean, na forma de ses da América Latina. Cerca de 20% dofilmes finos para aplicação em metais, faturamento de R$ 100 milhões da Dabitambém está desde 2010 em todos os vem das exportações. “Não conhecemosequipamentos odontológicos produ- nenhum tipo de equipamento com essazidos pela Dabi Atlante, uma empresa tecnologia no mundo, mesmo nos Esta-100% nacional fundada em 1945. “De- dos Unidos e Europa”, diz Biagi.senvolvemos com a Nanox a tecnologia Os produtos da Nanox ainda estãoque leva o nome de B-Safe em nossos nos bebedouros de aço inoxidável eequipamentos”, conta Caetano Biagi, di- plástico da empresa IBBL, de Itu, noretor industrial da Dabi. A Nanox licen- interior paulista, como bactericida, eciou e coordena a produção e aplicação também nos secadores de cabelo e emdo produto. “São mais de 15 materiais chapas de alisamento da Taiff, empresacom a nossa tecnologia que possuem instalada em São Paulo. Nesses casos,ação antimicrobial”, diz Daniel. as nanopartículas eliminam micror- O material com nanotecnologia de ganismos presentes nos jatos de ar ouprata recobre todos os objetos, como a nas chapas tornando os cabelos maiscadeira de dentista, o aparelho conhe- limpos, segundo a empresa. O próximocido como motorzinho, a luminária e passo da Nanox é o lançamento de umos instrumentos, mangueiras e ban- produto com partículas com efeito bac-dejas. “Decidimos colocar em toda a tericida para plásticos que servirá paralinha de produtos como forma de dar confeccionar embalagens para acondi-maior biossegurança para o dentista e cionar alimentos. “Conseguimos for-os pacientes, evitando contaminações mular essas partículas nanoestruturadascruzadas”, diz Biagi. Assim, um dentista, por meio de um projeto do Programa PESQUISA FAPESP 187 n setembro De 2011 n 63
  3. 3. ‘de Subvenção Econômica da Finep [Fi- solução, ao custo de € 1,3 milhão, alémnanciadora de Estudos e Projetos]. Elas de aparelhos para difração de raios X,podem ser incorporadas em vários tipos fotoluminiscência e outros que atingemde plástico como polipropileno e PET. Sempre recorremos um total de R$ 10 milhões”, diz. “TudoEsse material passou a constar em uma isso para saber se o produto é realmentelista da Anvisa [Agência Nacional de Vi- às universidades nanométrico e se cumpre as funções agilância Sanitária] para uso em contato que se destina. E as empresas não conse-com alimentos. Isso foi possível depois para consultoria guem comprar esses equipamentos.”de um estudo, e a comprovação da não Na Nanox, os sócios – Daniel, Luiztoxicidade e não migração das partícu- e troca de ideias. Gustavo Simões e André Luiz de Araújolas em plásticos, feito pelo Ital [Instituto – se conheceram no curso de graduaçãoTecnológico de Alimentos] e Secretaria Um dos pontos é em química na UFSCar e amadurece-de Agricultura do estado”, diz Daniel. ram a ideia da empresa no mestrado a caracterização do na Unesp de Araraquara. “ComeçamosO s usos da nanotecnologia são ilimi- porque tivemos aprovado um projeto tados e podem abranger de sacos Pipe [Programa Pesquisa Inovativa em de lixo para área hospitalar a ta- produto, diz Daniel Pequena Empresa da FAPESP] em 2004”,petes e carpetes onde os ácaros são os diz Daniel. A Nanox surgiu como Scien-principais inimigos a serem derrotados ce Solution (leia em Pesquisa FAPESP n°como agentes de alergia. “As partículas 121) e se instalou no Centro Incubadornão matam os ácaros, mas matam as no final do produto, quando nos servi- de Empresas Tecnológicas da Fundaçãobactérias e fungos, que são alimentos mos dos microscópios eletrônicos das Parqtec, em São Carlos. Em 2006 mudoudos ácaros, que, assim, morrem de universidades”, diz Daniel. Os parcei- de nome e recebeu aporte financeiro defome.” Daniel imagina que nanopar- ros principais estão ligados à origem uma empresa de capital de risco, o fundotículas possam estar também em cami- da empresa na UFSCar e na Unesp, Novarum, do grupo Jardim Botâniconhões frigoríficos, contêineres e tecla- com os professores Elson Longo e José Investimentos. Embora as partes nãodos de computadores. Uma outra linha Arana Varela, além de outros grupos revelem a quantia, informações de mer-de produtos da empresa volta-se para da Universidade de São Paulo (USP) e cado indicam um investimento de R$ 1a construção civil. É uma tecnologia da Universidade Federal do Rio de Ja- milhão. “O aporte e mais a colaboraçãoque deverá ser lançada neste ano para neiro (UFRJ). “Hoje não adianta fazer do fundo na gestão da empresa, com vi-esmalte cerâmico de pisos, revestimen- alta tecnologia no Brasil se não se tiver são financeira, além da rede de contatostos e louças que possui ação biocida e o apoio da universidade”, diz o professor empresariais são muito importantes”,está em desenvolvimento há três anos. Elson. “Esses produtos exigem caracte- diz Daniel. Em relação à tecnologia, ele“É um biocida ativo que pode ser in- rização e laboratórios sofisticados com diz que desde a saída da universidade,corporado na composição da peça sem equipamentos como microscópios dealterar o processo de produção atual de varredura de alta resolução que custampisos, ladrilhos, pias e louças sanitárias”, € 600 mil, ou de transmissão de alta re- Nanossílica nosafirma Daniel. A primeira impressão filmes para rótulosé de que o custo desses produtos com da Novelprintnanotecnologia é elevado. “Normal-mente, as empresas não acrescentamo valor da tecnologia nos preços finais,mas diminuem a margem e ganhamno marketing, na maior capacidade devendas e na competitividade. No casodos plásticos, o custo de agregar as par-tículas representa menos de 10% porquilo do produto”, explica Daniel. Com tantos lançamentos e possibi-lidades de aplicações nanotecnológicas,a empresa, que tem a concorrência deoutras estrangeiras, algumas já instala-das no Brasil, como a norte-americanaMicroban, não deixa de ter um conta-to mais próximo com as universidadesbrasileiras. “Sempre nos valemos das eDuarDo cesaruniversidades para consultoria e tro-ca de ideias. Um ponto recorrente é acaracterização no desenvolvimento e64 n setembro De 2011 n PESQUISA FAPESP 187
  4. 4. a evolução dentro da empresa foi gran-rorivalDo camargo e ricarDo traNquiliN / cmDmc de: “75% do nosso tempo é dedicado ao desenvolvimento de produtos e novas aplicações. São 20 funcionários, com profissionais com graduação, mestrado e dois com doutorado, além do presi- dente Luiz Gustavo”. O utra empresa brasileira que incor- porou nanotecnologia em seus pro- dutos foi a Novelprint, de São Paulo, empresa de porte médio especializada em rótulos e etiquetas autoadesivas, além de fabricar máquinas de rotulagem, para grandes empresas como Nestlé, Bayer, Indústrias Muller, Heliar, Monsanto, Texaco e Cervejaria Kaiser, desde 1958. A Novelprint já está fornecendo a seus clientes materiais autoadesivos que con- têm nanomateriais, como nanossílica, para, por exemplo, garrafas de vidro de cervejas e bebidas ice. Essas nanopartícu- Nanopartículas de prata las são translúcidas e permitem produzir obtidas em microscópio rótulos mais transparentes e com melhor eletrônico de varredura e E coloridas artificialmente adesão às garrafas e a materiais plásticos, mbora real o sucesso de empresas garantindo maior resistência ao material. como Novelprint, Nanox e Dabi Os nanomateriais aplicados a uma das Atlante, ainda falta um cenário no camadas dos rótulos e etiquetas permite país mais favorável aos produtos com também que se utilize menos cola. “Re- “Meu pai [Jeffrey Arippol, presi- nanotecnologia incorporada. “Falta duzimos um terço da quantidade da cola, dente da empresa] já imaginava ade- informação para as empresas, porque de 20 a 30 gramas por metro quadrado sivos com nanotecnologia em 2004, muitos empresários não sabem o que é (g/m2), para 10 g/m2 com a nanossílica”, principalmente para baterias de carro a nanotecnologia, além de um melhor diz Derick Arippol, diretor técnico da e vasilhames de óleo automotivo que intercâmbio com as universidades”, diz Novelprint, empresa que sempre pro- apresentavam problemas de aderên- José Ricardo Roriz Coelho, diretor do curou desenvolver tecnologias próprias, cia”, diz Derick, um físico que chegou a Departamento de Competitividade e contando atualmente com 95 patentes montar uma start-up (empresa inician- Tecnologia da Federação das Indús- no Brasil, sendo 4 sobre nanomateriais, te) em computação gráfica nos Estados trias do Estado de São Paulo (Fiesp), além de 3 nos Estados Unidos. Unidos, mas preferiu voltar ao Brasil e que também é presidente da Associa- trabalhar na empresa familiar. A con- ção Brasileira da Indústria do Plástico cretização de um projeto nanotecno- (Abiplast) e presidente da empresa lógico aconteceu em 2005, quando a Vitopel, a maior produtora de filmes Os PrOjetOs empresa foi procurada pela Finep. A para embalagem da América Latina. agência estatal ofereceu a oportunidade Outro fator apontado por ele é a re- 1. aplicação de coating cerâmico dentro do Programa Pró-Inovação e gulamentação de produtos nanotec- em superfícies metálicas – n° 2004/08778-1 dois anos depois a Novelprint já oferta- nológicos que entram em contato com 2. coatings nanoestruturados va produtos com nanotecnologia. Para alimentos e bebidas, nas embalagens, transparentes aplicados a materiais executar esse projeto a empresa con- por exemplo. “Na Vitopel desenvol- vítreos – n° 2005/55876-1 tratou dois recém-doutores do Insti- vemos uma embalagem plástica com tuto de Química da USP, que haviam nanopartículas de prata incorporada modAlIdAdE trabalhado com nanotecnologia na que aumenta em até 70% o tempo de 1. e 2. Pesquisa inovativa em Pequenas empresas (Pipe) universidade, mas não com adesivos validade de uma verdura na prateleira”, ou rótulos. “Eles, dentro dos laborató- diz José Ricardo. “Mas, como não há CoordEnAdorES rios da empresa e com a colaboração uma regulamentação da Anvisa, não 1. luiz gustavo simões – Nanox da universidade, identificaram qual temos segurança jurídica de que essas 2. andré luiz de araújo – Nanox material deveria ser usado, fizeram partículas nano não fazem mal à saúde as formulações e processos até o pro- quando em contato direto com alimen- InvEStImEnto duto final”, explica Simon Bahbouth, tos e não podemos colocar o produto 1. r$ 475.248,48 (FaPesP) 2. r$ 384.415,00 (FaPesP) diretor da Radeco, consultoria que no mercado. Além disso faltam forne- assessora a Novelprint. cedores locais de nanopartículas.” n PESQUISA FAPESP 187 n setembro De 2011 n 65

×