Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Rio de Janeiro, 18 de Maio de 2016
LUCIANO COUTINHO
46ª Reunión Ordinaria de la Asamblea General de ALIDE
Infraestrutura:
...
O passado recente: região aproveitou o ciclo de commodities
Fortalecendo contas externas
Mantendo estabilidade macroeconôm...
11.1
7.3
6.0
5
6
7
8
9
10
11
12
1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014
%
Taxa de Desemprego - América Latina
Co...
Como estamos? Termos de troca e preços de
commodities
Fonte: FMI
4
Termos de Troca,
2011/2015: queda de 15%.
Mas, atenção!...
Como estamos? Contas externas e
investimento direto
Fonte: CEPAL
5
Passado vs presente
Retornam déficits
externos e comerc...
As perspectivas: PIB, contas externas,
investimento
Fonte: FMI
6
Melhorias podem
ocorrer.
Como avançar mais?
5.4
3.2 3.93....
A agenda. Infraestruturas: vetor principal do
desenvolvimento produtivo
Fonte: The Global Competitiveness Index Historical...
Convergência Tecnológica e Infraestruturas
Inteligentes para aumento de qualidade de vida
8
Instalações Prediais
Vigilânci...
9
Setor público:
principal fonte de financiamento de infraestruturas no mundo
Fonte: McKinsey
Mundo: fontes de financiamen...
Mandatos e prioridades definidos ao nível politico e por desafios
associados ao nível de desenvolvimento de cada país
Fund...
11
Fonte: CEPAL, com base em Revista ALIDE (dezembro 2015)
Financiamento das infraestruturas na América
Latina e Caribe: p...
12
Marcos regulatórios que assegurem estabilidade econômica e
jurídica e induzam processos competitivos por parte do setor...
Rio de Janeiro, 18 de Maio de 2016
LUCIANO COUTINHO
46ª Reunión Ordinaria de la Asamblea General de ALIDE
Infraestrutura:
...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Infraestrutura: vetor do desenvolvimento da América Latina e o Caribe

153 views

Published on

Ponencia de Luciano Coutinho, presidente del Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES), de Brasil.

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Infraestrutura: vetor do desenvolvimento da América Latina e o Caribe

  1. 1. Rio de Janeiro, 18 de Maio de 2016 LUCIANO COUTINHO 46ª Reunión Ordinaria de la Asamblea General de ALIDE Infraestrutura: vetor do desenvolvimento da América Latina e o Caribe 1
  2. 2. O passado recente: região aproveitou o ciclo de commodities Fortalecendo contas externas Mantendo estabilidade macroeconômica Promovendo inclusão social O presente: Conjuntura internacional e regional menos favorável Sociedades clamam mais inclusão econômica e social e por participação política Novos desafios se impõem: ex. sustentabilidade socioambiental Uma agenda para o futuro: investir em infraestruturas Infraestruturas induzem crescimento, inclusão, eficiência, diversificação produtiva, integração regional Para esta agenda somos essenciais A modo de introdução 2
  3. 3. 11.1 7.3 6.0 5 6 7 8 9 10 11 12 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 % Taxa de Desemprego - América Latina Como estamos? A inclusão social Fonte: CEPAL 3 A região logrou avanços históricos! 0.547 0.493 0.491 1997 1999 2002 2005 2008 2010 2012 2013 2014 Índice de Gini – América Latina
  4. 4. Como estamos? Termos de troca e preços de commodities Fonte: FMI 4 Termos de Troca, 2011/2015: queda de 15%. Mas, atenção! Patamares ainda relevantes! No futuro, entre commodities, pode haver maior diferenciação na evolução dos preços 143 122 80 100 120 140 160 1983 1985 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021 Termos de Troca - América Latina (2001=100) 83 69 20 40 60 80 100 120 140 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 ENERGIA Índice Principais Commodities (2010=100)
  5. 5. Como estamos? Contas externas e investimento direto Fonte: CEPAL 5 Passado vs presente Retornam déficits externos e comerciais IED insuficiente para financiar déficit em transações correntes 69 54 236 212 801 838 223 325 773 1,266 - 200 400 600 800 1,000 1,200 1,400 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 Reservas Dívida Externa Reservas Líquidas e Dívida Externa Total América Latina (em US$ bilhões) -200 0 200 400 600 800 1,000 1,200 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 Exportações Importações Comércio Exterior – América Latina (em US$ bi) 146.3 127.7 -32.7 53.4 -100 0 100 200 Necessidades de Financiamento Externo - América Latina Déficit TC IED (líquido) Necessidades de Financiamento Externo US$ bilhões
  6. 6. As perspectivas: PIB, contas externas, investimento Fonte: FMI 6 Melhorias podem ocorrer. Como avançar mais? 5.4 3.2 3.93.1 1.9 1.8 9.6 6,4 6.46.1 -0.5 2.8 2010 2012 2014 2016 2018 2020 Mundo Economias Avançadas Economias Emergentes América Latina e Caribe PIB (variação, % a. a.) -5.4 -4.0 1.4 -3.6 -1.8 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 1980 1983 1986 1989 1992 1995 1998 2001 2004 2007 2010 2013 2016 2019 %PIB Déficit em Transações Correntes - América Latina 23.9 18.2 18.6 18.7 18.9 23.3 22.2 20.7 22.1 20.5 1980 1983 1986 1989 1992 1995 1998 2001 2004 2007 2010 2013 2016 2019 Média Taxa de Investimento (% PIB) – América Latina
  7. 7. A agenda. Infraestruturas: vetor principal do desenvolvimento produtivo Fonte: The Global Competitiveness Index Historical Dataset, WEF Índice geral de competitividade Índice de infraestrutura 7 Para alcançar média mundial: investimentos em infraestruturas de 3,5% para 6,2% do PIB, entre 2012 e 2020 (cerca de US$ 320 bilhões) Logistics Performance Index Banco Mundial 2014 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 4 4.5 Cuba Bolivia Honduras CostaRica Paraguai Uruguai RepDominicana ElSalvador Bahamas Jamaica Panama Chile Hungria RepTcheca ArábiaSaudita EmiradosÁrabes Itália França Canada Japão Noruega Cingapura
  8. 8. Convergência Tecnológica e Infraestruturas Inteligentes para aumento de qualidade de vida 8 Instalações Prediais Vigilância, gestão de energia e de água Equipamentos para geração distribuída de energia Água e Esgoto Gerenciamento de distribuição e redução de perdas Energia Redes Elétricas Inteligentes Iluminação Pública Lâmpadas e luminárias LED: Resíduos sólidos Tecnologias para tratamento do lixiviado Gestão Pública Governo digital Comando e controle para operações de segurança pública Energias Limpas Sistemas e equipamentos de veículos elétricos Gestão do Transporte Sistemas avançados de gerenciamento de tráfego,
  9. 9. 9 Setor público: principal fonte de financiamento de infraestruturas no mundo Fonte: McKinsey Mundo: fontes de financiamento (em %) de setores diversos
  10. 10. Mandatos e prioridades definidos ao nível politico e por desafios associados ao nível de desenvolvimento de cada país Funding: quase todos, se não todos, se beneficiam de fontes específicas de funding (fiscal, para fiscal, regime tributário, garantias soberanas, etc. Espírito público e competências específicas, orientadas para apoiar processos de desenvolvimento IFDs: instituições orientadas por missões // 10 CDB KfW BNDES JFC MPME X X X X Agricultura X X X Infraestrutura X X X Exportações X X Inovação X X X X Economia verde X X X X Internacionalização X X X X Mercados de capital X X X X Cooperação financeira internacional X X Segmentos apoiados por Bancos de Desenvolvimento selecionados Fonte: Ferraz, Além, Madeira (2013)
  11. 11. 11 Fonte: CEPAL, com base em Revista ALIDE (dezembro 2015) Financiamento das infraestruturas na América Latina e Caribe: papel essencial para IFDs IFDs: balanço e experiência para financiar infraestruturas -20 -10 0 10 20 30 40 100.000 200.000 300.000 400.000 500.000 600.000 700.000 800.000 900.000 1,000.000 1,100.000 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 Carteira de Crédito das IFDs – America Latina Dólares corrientes Dólares constantes (2000) Variación (2º eje) US$Milhões (%)
  12. 12. 12 Marcos regulatórios que assegurem estabilidade econômica e jurídica e induzam processos competitivos por parte do setor privado Indústria financeira: parceria entre IFDs e setor privado Estrutura de financiamento com prazos, taxas adequados ao perfil de demanda e estrutura balanceada de garantias Projetos executivos bem elaborados para permitir processos competitivos e eficientes e proteger os governos de riscos e demandas de reequilíbrio A agenda do financiamento
  13. 13. Rio de Janeiro, 18 de Maio de 2016 LUCIANO COUTINHO 46ª Reunión Ordinaria de la Asamblea General de ALIDE Infraestrutura: vetor do desenvolvimento da América Latina e o Caribe 13

×