Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Tendências | T
TURISMODELISBOA|
31
Há pouco tempo atrás esta afirmação seria
uma blasfémia, mas Espanha já percebeu que
o ...
T | Tendências
|TURISMODELISBOA
32
O meu trabalho enquanto “contador de histórias
de viagem e gastronomia” está em consegu...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbon - 01/2015

770 views

Published on

Published in: Travel
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbon - 01/2015

  1. 1. Tendências | T TURISMODELISBOA| 31 Há pouco tempo atrás esta afirmação seria uma blasfémia, mas Espanha já percebeu que o mindset do turista está a mudar e que acima de tudo, o turista culinário precisa de mais in- teração e engagement com a gastronomia de um destino na fase de inspiração para as suas férias. Este câmbio na perceção de que o Mu- garitz, o Martin Berastegui ou os irmãos Roca já não movem montanhas de turistas (será que alguma vez os fizeram?) faz com que a priori- dade seja a promoção de first hand food expe- riences que se aproximem cada vez mais da realidade que o turista vai encontrar. Espanha está a voltar ao básico e nós, em Portugal, ainda continuamos a usar (e abusar) do José Avillez como exemplo? Não faz sen- tido! Porque não prestamos atenção e louva- mos mais os lugares que fazem o – “Portugal Gastronómico dos Pequenitos” fora de Lisboa, Porto e Algarve? É um tema em que tenho in- sistido muito nas palestras onde sou convidado falar sobre Turismo Gastronómico e que refiro dentro da minha comunidade de bloggers de viagens e gastronomia. Por ter um blogue, sou constantemente convidado para viajar para destinos com o intuito de provar e contar his- tórias sobre gastronomia, mas muitas destas organizações que o fazem, falham logo na pri- meira abordagem. Esqueçam o dizer ao mundo que somos os melhores do mundo nisto ou naquilo. Todos os destinos fazem o mesmo e os turistas já tapam as orelhas. O mesmo se passa com o mundo da promoção de gastronomia de destinos atra- vés blogues. A não ser que haja uma história interessante eu não vou perder o meu tempo, nem os recursos deste destino, pois sei que se o conteúdo (visual e escrito) que contar no meu blogue não for interessante o suficiente, os meus leitores vão deixar de me seguir. O TURISMO CULINÁRIO EM PORTUGAL BY NELSON CARVALHEIRO “O turismo gastronómico de elite em Espanha tem os dias contados!” Confessava-me o diretor do Turismo Espanhol para Alemanha num recente jantar organizado pela embaixada espanhola em Berlim. “Já esgotámos o mercado com esta carta e agora estamos a voltar às bases e a promover jantares como este - inteiramente baseados em pintxos e em cook your own dinner”.
  2. 2. T | Tendências |TURISMODELISBOA 32 O meu trabalho enquanto “contador de histórias de viagem e gastronomia” está em conseguir inspirar pessoas a replicar a minha viagem e ex- periência através das minhas fotos e escrita. Eu não invento nada, apenas transcrevo da forma mais interessante possível o que um destino, um restaurante, um prato, uma pessoa tem para me contar. Comer umas lulas acabadas de grelhar na rua na Praia do Furadouro é tão emocionante e maravilhoso para o palato e para a líbido como comer cabrito grelhado no meio do deserto no Bahrain, comer 30 tipos de caril diferente numa folha de banana no Sul da Índia ou mesmo uma rabada do nordeste Brasileiro. O que o turista gastronómico de hoje procura é o sentido de estar nos lugares que visita e na gas- tronomia que prova. Ter a hipótese de viajar livre- mente e descobrir locais em primeira mão que lhe saciam tanto o palato como as suas emoções, e poder relatar sobre eles à sua comunidade. O que ele e fundamente todos nós procuramos é “Social Currency”, a nova forma de riqueza on- line, onde cada um de nós é quanto mais rico, quanto mais experiências únicas e interessentes vivemos. São estas vivências únicas em viagem que nos fazem querer partilhar com a nossa co- munidade, através dos nossos blogues e media social, com o intuito de mostrar a todos que cada um de nós sabe e conhece mais e melhor este destino do que os outros. A gastronomia portuguesa e as suas humildes origens estão repletas de inspiração de viagem, de imagens, histórias e emoções capazes provo- car sentimentos, tão bem como quaisquer outras. Temos ainda a vantagem de ser um país relativa- mente desconhecido no panorama do turismo de gastronomia mundial. O nosso outro grande asset é que não precisamos de inventar, alterar ou pro- duzir nada – basta-nos contar as histórias das pes- soas, das receitas e do lugares que diariamente fazem a nossa gastronomia tradicional acontecer. Esses sim são os verdadeiros bastiões do Portugal real e do que é comer bem no nosso país. Locais como a Adega Velha, em Mourão, o Solar O turista gastronómico de hoje procura o sentido de estar nos lugares que visita e na gastronomia que prova Bragançano, em Bragança, o Zé Manel dos Ossos, em Coimbra ou o Café Correia, em Vila do Bispo, são únicos no mundo, únicos em Portugal e deve- rão ser showcased como vivências gastronómicas para inspirar visitantes a visitarl Portugal pela sua gastronomia. Muito para além de uma tremen- da profundidade de sabor que é feita em lugares como estes, há alma, há caráter, há autenticida- de, há orgulho e há muitas histórias para contar – escritas e visuais. Basicamente há Portugal não processado nestes lugares! É por haver lugares como estes que escrevi o livro “Portuguese Travel Cookbook”, em parceria com a APTECE. Com lançamento marcado para Abril de 2015, este livro pretende ser uma montra do sentimento português ao dizer “eu amo-te” através da gastronomia. É uma viagem através de um Portugal gastronómico fidedigno às suas origens, orgulhoso da sua identidade e herança culinária, onde se contam histórias sobre os pra- tos, os locais, os restaurantes, as tascas, as terras, os produtores, os pescadores, os agricultores, os cozinheiros que diariamente se dedicam a fazer e a dar tangibilidade a esta realidade. Descobrir um destino é fácil…Ouvir um amigo alemão, a quem foi aconselhada uma viagem a Portugal, dizer que o ponto alto da sua visita foi estar sentado na praça em Vinhais a comer enchi- dos e a beber vinho verde tinto, e saber que é o único estrangeiro na vila é outra coisa… Nelson Carvalheiro www.nelsoncarvalheiro.com/blog

×