Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Os teóricos do absolutismo

490 views

Published on

Slides mostrando as teorias que apoiavam o Absolutismo.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Os teóricos do absolutismo

  1. 1. Os Teóricos do Absolutismo:
  2. 2. • Muitos filósofos desenvolveram teorias e chegaram até mesmo a escrever livros defendendo o poder dos monarcas europeus.
  3. 3. Jacques Bossuet:
  4. 4. • Jacques Bossuet : para este filósofo francês o rei era o representante de Deus na Terra. Portanto, todos deveriam obedecê-lo sem contestar suas atitudes. Ele defendia a Teoria do Direito Divino dos reis.
  5. 5. Nicolau Maquiavel:
  6. 6. • Nicolau Maquiavel : Escreveu um livro, " O Príncipe", onde defendia o poder absoluto dos reis. De acordo com as idéias deste livro, o governante poderia fazer qualquer coisa em seu território para conseguir manter o poder. • É deste escritor a famosa frase : " Os fins justificam os meios."
  7. 7. Thomas Hobbes:
  8. 8. • Thomas Hobbes : Este pensador inglês, autor do livro " O Leviatã ", defendia a idéia de que o rei tinha o poder de salvar a sociedade de ser selvagem; porque para ela “todo homem é mau por natureza”portanto, a população deveria ceder ao Estado (governo) todos os poderes.
  9. 9. • A base social do Absolutismo era o privilégio: honras, riquezas e poderes eram reservados a um pequeno grupo de pessoas. • privilégios sociais (acesso exclusivo a cargos públicos, cargo de oficial no exército, colégios, roupas melhores...);
  10. 10. • privilégios jurídicos (direito de passar testamento, tribunais e penas especiais); • privilégios econômicos (isenções de impostos que recaíam sobre os pobres).
  11. 11. Algumas Características do Absolutismo: • 1 - O Direito divino dos Reis: a autoridade do rei vem de Deus e a ninguém ele devia explicação de suas atitudes. Sua pessoa é sagrada.
  12. 12. • 2 - A unidade política se fundamentava na unidade religiosa: um Rei, uma Fé, uma Lei. Quem não seguia a religião do rei era privado dos direitos políticos (cargos públicos) e civis (liberdade de domicílio, de trânsito, de profissão, de propriedade).
  13. 13. • 3 - A Religião do Estado: nos países católicos, a religião católica era a única permitida. Era dever do rei defendê-la e promovê-la, impedindo o proselitismo, a difusão de livros contrários à religião e considerando os delitos contra a religião como delitos contra o Estado. Cumprir os deveres religiosos era obrigatório para ter direitos civis.
  14. 14. • 4 – Somente a Igreja podia ajudar as pessoas e ensinar: o Estado não se interessava pela instrução pública, que ficava nas mãos dos religiosos. As obras assistenciais também estavam nas mãos da Igreja, que possuía e recebia os meios para mantê-las, sendo este seu grande título de glória.
  15. 15. • 5 - As imunidades dos nobres são estendidas à Igreja e ao clero. • Imunidades reais: os bens eclesiásticos eram isentos de taxas e inalienáveis; • Imunidades locais: direito de asilo conferido às Igrejas e edifícios anexos;
  16. 16. • Imunidades pessoais: isenção do serviço militar, direito de serem julgados por um tribunal eclesiástico. Era o foro eclesiástico.

×