Micro-História: narrativa, indivíduo e contexto em foco.
Natália Barros
natibarros1@yahoo.com.br
Recife, outubro de 2009.
...
necessariamente marcado por incompletudes e incertezas. A micro-história, no seu
compromisso de reconstrução analítica das...
oposição à discussão tradicional sobre a formação do Estado Moderno, Levi aborda as
estratégias da vida cotidiana de campo...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Micro-História: narrativa, indivíduo e contexto em foco.

929 views

Published on

Produção textual referente ao curso micro-história e usos da biografia ministrado no doutorado em História-UFPE

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Micro-História: narrativa, indivíduo e contexto em foco.

  1. 1. Micro-História: narrativa, indivíduo e contexto em foco. Natália Barros natibarros1@yahoo.com.br Recife, outubro de 2009. Entre os meses de março e junho de 2009, a disciplina eletiva Micro-história e usos da biografia foi ministrada na Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco pela professora Isabel Guillen. Gerar reflexões metodológicas e teóricas acerca do indivíduo na História, discutir a noção de contexto (tão cara quanto problemática para os historiadores) e repensar as transformações no próprio seio da disciplina História foram alguns dos eixos norteadores do curso. O programa sustentouse na leitura de obras fundamentais da produção italiana, inglesa e brasileira da vertente historiográfica em questão: O queijo e os vermes de Carlo Ginzburg; O retorno de Martin Guerre de Nalalie Z. Davis; A herança imaterial de Giovanni Levi; Domingos Sodré: um sacerdote africano de João José Reis e D. Obá II d’África de Eduardo Silva. Considero a seleção destes livros como um ponto forte da disciplina, que se diferenciou por estabelecer os critérios de relevância dessas leituras e também das leituras complementares, dessa forma, levando em conta o exíguo tempo dos doutorandos, bem como as áreas de interesses de pesquisa do grupo. A dinâmica de seminários, acompanhados pelas contribuições e críticas da professora, estimulou a participação da turma e, na maioria dos casos, possibilitou interessantes debates e reflexões. No entanto, destaco que, a meu ver, o compromisso com as leituras e os debates, para uma turma composta em sua maior parte de doutorandos, ainda foi insuficiente. O curso desenvolveu-se a partir das leituras seminais indicadas e considero muito relevante o fato de, tal como a micro-história nos ensina, não termos nos prendidos às leituras com um fim em si mesmas e, ao contrário, como mote gerador de reflexões teórico-metodológicas mais amplas. Uma dessas questões mais amplas, de interesse não apenas de quem trabalha com temas ou abordagens da micro-história, é a narrativa historiográfica. Nossas leituras e debates em sala indicaram que dos anos setenta para cá, no bojo das contribuições trazidas por historiadores como Carlo Ginzburg e Natalie Davis, perdemos gradativamente a ilusão de construirmos uma narrativa histórica totalizante, contínua e desprovida de lacunas. O ofício do historiador (seus procedimentos e usos das fontes de pesquisa e a construção de sua narrativa) é
  2. 2. necessariamente marcado por incompletudes e incertezas. A micro-história, no seu compromisso de reconstrução analítica das diferenças, lança luz sobre as implicações na escrita da história dos múltiplos lugares ocupados pelo historiador como leitor das fontes e produtor de enredos e tramas, como homem do presente e de olhos atentos ao passado, como sujeito sedento por um passado e possuidor apenas de vestígios. Numa narrativa onde as lacunas, as dúvidas e incertezas não são colocadas embaixo do tapete a exigüidade e a dispersão de fontes não são entraves para a produção do conhecimento histórico. Encarando a documentação como não objetiva, produzida em variados contextos e portadora de múltiplos interesses, a narrativa historiográfica apresenta-se como o palco onde a documentação é posta em diálogo, não apenas entre si, mas, principalmente, com a subjetividade do historiador, por mais problemático que esse termo possa parecer. Essa questão da narrativa é magistralmente apresentada em O Queijo e os vermes. Carlo Ginzburg na escrita do livro demonstra seu compromisso com as fontes (longe de um empiricismo) e igual atenção às estratégias narrativas, ao lugar do leitor, acompanhando o fazer da pesquisa e os resultados, apresentando as fragilidades da documentação e o caráter fragmentado da escrita do passado. Outro debate fundamental do curso refere-se ao lugar do indivíduo nessa narrativa. Com a abordagem micro-histórica, marcada pelo chamado jogo de escalas, idéias, crenças, estratégias e posicionamentos de indivíduos comuns são considerados relevantes, num plano geral. A própria concepção de biografia, vista como linear e previsível foi radicalmente alterada. O conceito de trajetória, mais complexo e articulador, ganhou terreno frente às tradicionais histórias de vida. Nos seus primórdios, e nisso percebemos ainda uma influência do marxismo, os micro-historiadores italianos procuraram entender o conceito histórico de indivíduo nas chamadas classes subalternas. Carlo Ginzburg afirma em relação ao seu Menocchio que “um indivíduo medíocre pode ser pesquisado como se fosse um microcosmo de um estrato social inteiro num determinado período histórico”. Portanto, o estudo do indivíduo ganha foros de legitimidade. Não só o estudo da vida pública dos indivíduos, mas também, o foro íntimo passa a ser pertinente e mesmo visto como um estudo desafiador. Com a micro-história, as singularidades dos indivíduos passam a ser relevantes e este passa a ser visto como não subsumido a classes ou grupos. Na micro-história o indivíduo faz toda a diferença. As intenções e a racionalidade própria dos indivíduos de classes sociais não privilegiadas passaram a despertar o interesse de historiadores, como Giovanni Levi, no seu cruzamento de história econômica com história social. Em
  3. 3. oposição à discussão tradicional sobre a formação do Estado Moderno, Levi aborda as estratégias da vida cotidiana de camponeses. Mostra a partir da história de alguns indivíduos da aldeia enfocada, que a sociedade camponesa não é imóvel e possui racionalidade própria. Aliás, A herança imaterial de Levi é importante para pensarmos não apenas o lugar do indivíduo na história. Ele proporciona uma pertinente discussão sobre a concepção de contexto na micro-história. Com a redução de escala, estratégia metodológica fundamental nessa vertente historiográfica, é possível questionar e rever contextos convencionais. O contexto agora é encarado como um tecido rugoso, necessário para informar sobre as ações dos sujeitos. Deixa de ser visto como possível limitador ou explicador dessas ações. Podemos dizer que o contexto torna-se o terreno do possível, uma forma de situar o diálogo, as estratégias e ações em um tempo e espaço. Com a abordagem micro-histórica, o próprio contexto ganha status de construção e pode ser controlado pelo historiador, como o fez Natalie Z. Davis no seu O retorno de Martin Guerre. Com a micro-história e outras vertentes historiográficas mais recentes, como a história cultural, a História nos últimos trinta anos tornou-se mais próxima da antropologia e da teoria literária. Inclusive, as fronteiras entre as narrativas historiográfica e ficcional tornaram-se muito borradas, para angústia dos críticos. A documentação, base de toda narrativa histórica, deixou de ser encarada como prova e é vista como possibilidade. A narrativa sisuda do historiador dos anos sessenta perde espaço a cada dia para as narrativas elaboradas, com enredos e tramas minuciosamente criados para despertar o interesse do leitor, não só dos especialistas. Sem deixar de lado os procedimentos do seu ofício, a micro-história ensina que assim como a experiência humana, a narrativa historiográfica pode ter dúvidas e limites. Penso que o mérito desse curso foi exatamente refletirmos sobre nossos temas de pesquisas, mesmo não sendo esse o foco central dos seminários. A pertinência dos temas, das fontes utilizadas, os recortes temporais foram discutidos de forma enfática e sistemática, tendo a bibliografia sugerida e a organização dos seminários como fios condutores. Considerei fundamental destacarmos os aspectos teórico-metodológicos das obras - demonstrando como a micro-história é multifacetada - e os posicionamentos institucionais e políticos de seus autores, afastando qualquer rastro de determinismo ou de possível ingenuidade ao se produzir história.

×