Mudanças Globais na
Amazônia Sul-ocidental


     Foster Brown e muitos outros
 Aula inaugural, Academia Amazônica
   UFAC...
…e muitos outros.
                        Aqui são dois:
                                Carlos Nobre,           José Mare...
Esboço – um pouco de tudo
História
Centro do universo
Mudanças Globais
Mudança Climática
O que fazer
Cada um faz a sua
    história
E nossas visões do mundo refletem
       nas nossas histórias.
Um pouco de história pessoal – I
(Sou um dos seus recursos para esta academia.)

Formação em geologia/química
Participei d...
Um pouco de história pessoal - II
 Coordenador de dois Projetos de Pesquisa Dirigida (PPDs) do
 PPG-7 1995 e 1998
    1995...
Alguns resultados do PPD e LBA
 Geração e difusão de conhecimentos
 Pessoas capacitadas e ativas – chave para tudo.
 LBA –...
Mais resultados do LBA (PPG-7)




       http://lba.cptec.inpe.br/lba/site/# LBA em Números, 19nov07
Tudo isto começou porque alguns recém-
doutores no Brasil, entre eles Carlos Nobre
   e Paulo Artaxo, decidiram fazer um
 ...
Exemplos de formação associada ao LBA/PPG-7 no
     Acre e atividades atuais (foto LBA Belém 2000)
             Marcos Sil...
Encontro de Universidades para
          desenvolver um Programa
            de Mudanças Globais
        relacionadas ao u...
Declaração de Rio Branco Sobre
         Mudanças Globais 25/06/99
1. Incorporar, no âmbito acadêmico, o tema Mudanças Glob...
Continuação de
colaboração - MAP
MAP: Madre de Dios – Acre - Pando
                          680,000 pop.
                          160,000 km2
           ...
Fonte: modificado do Albuquerque e
                                           Gomes (2007) Ações da Defesa Civil na
      ...
Fórum MAP VII: Mudanças Globais -
sociedades locais desenhando soluções regionais
I Simpósio de Investigación Socioambiental en
     la Frontera Trinacional Amazónica
                 16-17nov07
Mais informações: www.map-amazonia.net
Nova revista – MAPIENSE – colaboração
    entre ONG boliviana, Herencia, e uma
       universidade brasileira, UFAC
Uma da...
Um pouco de psciologia para ajudar a
atuar em pesquisa de Mudanças Globais
 Ciência é uma atividade humana. Egos ficam inv...
Para entender as Mudanças Globais precisamos, entre outros, de:
                        Informática            química
met...
Uma disciplina para
  Mudanças Globais é
    biogeoquímica
 O estudo do ciclos de elementos e
      compostos no ambiente....
EXEMPLOS DE MUDANÇAS GLOBAIS
Transformações que afetam parte significativa da Terra:
 Mudanças climáticas, urbanização, re...
Um pouco de geografia
Contexto: Imagens da Amazônia Sul-
             ocidental

Ilustre cientista paraense: - “Foster, tu
vais para onde?”
Fost...
Fim do Brasil
 ou centro
do universo?
Fim ou Centro?
♦ A terra é redonda, portanto qualquer
 lugar pode ser o centro na superfície;

♦ No universo qualquer pont...
Estamos aqui
Estamos aqui
Estamos aqui




       Terra
Estamos aqui
Estamos aqui
Centro do
   Universo:
Ponto Trinacional
Assis Brasil




Iñapari         Bolpebra


                  Imagem: QuickBird 2002
                  Multispectral – 2,5 m
BRASIL

PERU



       BOLIVIA
PERU
BOLÍVIA




            BRASIL
Centro do universo
na palma da mão
..Tome cuidado com os seus
         desejos,
     podem se tornar
       realidade…
Amazônia Sul-ocidental é
  agora um centro de
mega-investimentos para
 transporte e energia.
Mega-investimentos planejados para Amazônia Sul-
          ocidental (Fonte: NASA e M.Steininger, CI, IIRSA)
             ...
Visão Acre-Centrica


Floresta Amazônica Alta,
                                                     Llama, fauna da Bacia
...
Acre: muita ou pouca
     cobertura florestal?
     Depende da escala.
No nível do Estado: somente 10 a 12% está
         ...
Reserva legal: mínimo 80% (20%
    desmatamento). Discussão no
Congresso brasileiro para mudar a 50%

 Informações científ...
Uso da Terra nos municípios do leste do
Acre: 21 a 71% deflorestado e aumentando




                         Imagem MODIS...
Reserva Legal
Dez municípios estão ‘ilegais’ em termos de
desflorestamento > 20%.
Se a lei for mudada para 50%, quatro
mun...
Quanto tempo para o desmatamento ser maior que 40% nos
municípios no Acre (baseado na taxa média de 2000 a 2006,
dados do ...
Como parar esta perda e suas
  implicações para a manutenção das
florestas (evitar colapso/savanização)?
Reduzir a taxa de...
Vamos concentrar em
mudanças climáticas –
  água e carbono
  Precisamos lembrar das sinergias com
outras mudanças globais,...
Vocabulário
Sinergia – interação entre fatores, produzindo
resultados diferentes da soma dos fatores.
Mitigação – redução ...
Rios na terra e no ar.
Agua: bacias hidrográficas – Interdependência entre países –
Exemplo Bacia do Rio Acre – 3 países.
14 de abril de 2005 o movimento de água indo e voltando do Acre

          IMAGEM GOES
                                   ...
Um resultado do LBA:
       “...O ponto do Brasil onde o vento faz a curva…”
                      Região MAP



    Andes...
Friagens de vez em quando
trocam o transporte e neste caso
transportam fumaça do SE de
Bolívia para Madre de Dios, Acre
e ...
Desastres ligados a
variabilidade climática na
 Região MAP são caros.

                   Mapa de desastres – Pando
      ...
Avaliação de danos (AVADANS) no
      Acre (G. Pereira, 2006)
Ano          Desastre                         Custo estim.
 ...
Incêndios de 2005
    Custos por muncípio – 14 a 300% do orçamento antes dos
           incêndios do final de setembro em ...
A história do ano 2005 na
Amazonia Sul-ocidental –
   seca, fogo e fumaça


                5oct07
                Perto d...
A Seca na Amazônia do ano 2005
                (No prelo, Journal of Climate)



José A, Marengo*, Carlos A, Nobre*, Javie...
Marengo (2004) TAC
3

2
                         Indice de chuva (mm/dia) Sul de Amazonia
1

0

-1
                       ...
Os rios são espelhos das chuvas - II
As cotas mais baixas depois de uma redução nos últimos 10 anos.




                 ...
30Jun05
Falta d’água,
Eta I
06ago05
            bombas fixas
          só conseguiram
              puxar 300
              litros...
Compra de bombas flutuantes (400l/s) para complementar o
         abastecimento da cidade de Rio Banco.
 A necessidade de ...
Os impactos das queimadas
         de 2005




                 5out05
Focos de calor em 2005 na Regiao MAP NOAA-12, MODIS (Aqua+Terra) GOES (INPE)




                                         ...
FOGO SE PROPAGANDO DENTRO DA FLORESTA




                       Meio dia, Acrelândia, 17set05
21 de setembro de 2005


15 a 26 de maio de 2006 Trem de conhecimento – Foster Brown
Fogo na floresta 27Set05




   >1 km
   Sem trilhas de acesso
   Como combater?
Exemplo de Floresta com Copa Afetada




                        5oct07
                        Perto de Xapuri, Acre
Xapuri 21ago05

                 CBERS_180_112
                 UFAC/PZ/SETEM/WHRC
                 30out05




          ...
Xapuri 12out05
                 CBERS_180_112
                 UFAC/PZ/SETEM/WHRC
                 30out05




           ...
Leste do Acre, Brasil, outubro de 2005,
Cicatrizes de Incêndios




                              Rio Branco




         ...
Serviços ambientais de matas ciliares – conservam os
   recursos hídricos e servem como barreiras contra o
               ...
Estado do Acre afetado por incêndios (FCA:Floresta com Copa Afetada Brown et al. 2006)

                                  ...
Com os incêndios, veio a
        fumaça
10/08/05 Modis Terra ~1/4 das vezes, dá para
         ver fontes dentro do Estado
20/09/05 Modis Terra
RESOLUÇÃO/CONAMA/N.º 003 de 28 de junho de 1990
Publicada no D.O.U, de 22/08/90, Seção I, Págs. 15.937 a
15.939.

-Padrões...
Cruzeiro
do Sul




   Fonte: www.cptec.inpe.br
Dias e percentual de dias com concentrações de matéria particulada
       (fumaça) acima de 150 e 400 µg/m3 durante 45 dia...
Respirar na Amazônia Sul-
   ocidental em agosto-
    setembro pode ser
 prejudicial à sua saúde.
Qual é o custo para a sá...
Manchete do dia 03jul07
Florestas densas queimando
 04out07, Manuripi, Pando
Morte de árvores finas
        Acrelândia 28jul06
Ecossistema ‘emergente’de floresta
           danificada?
Acrelândia - morte de árvores de copa, com casca fina
                       28Jul06
Árvores mortas, mais luz penetrando até
o chão, secagem de liteira mais rápida –
     mais susceptibilidade ao fogo
      ...
Custos ambientais/sociais são ‘invisíveis’ se
não foram quantificados e entendidos – uma
        área de pesquisa importan...
A seca e os incêndios
 podem se repetir?
Resposta rápida: seca sim, só depende
   da frequência, incêndios talvez.
Eventos extremos como secas e
   inundações tornam-se mais comuns

                            .
19 de fevereiro de 2006
R...
E o futuro?
O uso de modelos – confiar ou não confiar nas
previsões?
 Depende.
Emissões de combustíveis fósseis
aumentando, não diminuindo, depois do Protocolo
             de Quioto (IPCC 2007)
      ...
Fontes antropogênicas de gás
           carbônico
Quiema de combustiveis fósseis (carvão
mineral, petróleo e gás) 80%
  1/...
O debate sobre impactos do aumento
          do gás carbônico
 Extremos
   Lovelock (pai da hipótese Gaia)– não adianta, f...
Debate é importante demais para ficar
só ouvindo. É importante analisar com
     olhar crítico os argumentos.

Faixa de id...
Onde há divergências
Aumento do C02 na atmosfera – quase todos
concordam – efeito antropogênico.
Aumento recente de temper...
Alguns sítios de informação
Preocupados
   http://www.cptec.inpe.br/mudancas_climaticas/
   http://www.mct.gov.br/index.ph...
Algumas informações
No último milhão de anos – variações da órbita da Terra aparecem
como gatilho para mudanças climáticas...
Como ter mais
confiança? Testar os
      modelos.

     Previsão do
    CPTEC/INPE
  www.cptec.inpe.br
 previsões numérica...
Previsão do IRI em
 abril– aumento de
  temperatura em
                         Ago-Out
 outubro – possível
              ...
Modelos para as
próximas décadas
Como vai ser o clima no futuro?
Pesquisa FAPESP 130, p30-34, dezembro de 2006

  REPORTAGEM SOBRE RELATÓRIO PRODUZIDO
POR JOSE MARENGO E PELO GRUPO DE CPT...
Mais extremo
Hadley-cm3
               Mais extremo
               Hadley-cm3




                   Valverde &
          ...
A incerteza das previsões nos
 modelos pode resultar em:

Exagero do problema.

Sub-estimativa do problema.
Como testar a
confiabilidade destes
      modelos?
Comparar observações com previsões
Observações
  climáticas
   recentes
comparadas a
  projeções.
   Science,
  04maio07
Rhamstorf et al (7
autores, 6 países):
Mudança de Temperatura


  Comparação
  1990 a 2006:
(a) Temperatura
     global

 (b) Altura do
     mar.         Mudança...
Conclusão do artigo Rhamstorf et al

A tendência de modelos de sub-estimar as
observações
  Provável no caso da temperatur...
Modelos estão subestimando alguns
              efeitos
                          Perda 2x
                          o que...
Um modelo extremo para
Amazônia – mais seco e
 quente nas próximas
       décadas
          Modelo do Centro Hadley de
   ...
Disponibilizado por Dr. Pedro Dias, USP
pldsdias@master.iag.usp.br, 7out05
Fonte: Cptec - INPE




  Secou a Amazônia Sul-...
Previsões - próximos anos
Cox (2007) modelo do Centro de Hadley
Modelo do Centro Hadley
Probabilidade de um evento igual ou pior ao de
2005:
  Hoje 5% (1 ano em 20 anos)
  Em 2012 20% (1...
Anomalia de chuvas
produto CPTEC 2004-
2005,
(Marengo et al. No
prelo).

A área mais sensível a
mudanças climáticas
parece...
Respostas para
mitigação e adaptação
ADAPTAÇÃO: Inauguração em Epitaciolândia,
Acre – Educação e Combate a Incêndio Florestal
                   27abr07
ADAPTAÇÃO: Colaboração boliviano-brasilero, municipal-
                      estadual.
 Resultado de um mini-MAP Defesa Ci...
ADAPTAÇÃO: miniMAP Defesa Civil e
 Queimadas - 21ago07 - trifronteiriça
ADAPTAÇÃO: Capacitação da Defesa Civil
Estadual, Defesas Civis Municipais, Funtac, UFAC,
   Ministério Público Estatal, IM...
Implementar o estudo de mudanças globais já nas séries 1 a 4


                                               Profesoras
 ...
P
Redução de riscos de desastres como
  parte do ordenamento territorial.

                   Pando



   Madre de Dios


...
Mecanismos para fazer isto:
Workshop 16 e 17 de maio – Pucallpa
    sobre mudança climática
Recomendações (19)
       16 y 17 de maio de 2007




www.map-amazonia.net Forum Comite Cientifico
PARA MITIGAÇÃO

1. Os governos nacionais e locais, unidos em uma aliança amazônica, devem
      gerar uma proposta comum, ...
Para MitigaççãoeeAdaptaçção
                  ão Adapta ão
      Para Mitiga
6. A participação dos atores sociais (campone...
Para Mitigação e Adaptação
12. Os governos nacionais, locais e sociedades civis da Amazônia são os indicados para
   desen...
Conclusões
Mudanças climáticas – variabilidade climática sempre existiu,
existe, vai existir e provavelmente vai aumentar
...
Necessidade de combinar
conhecimentos empírico e científico
Poucos dados histórico-cientificos na Região MAP.
Exemplo 2? p...
Prioridades para reduzir os custos
          de desastres
Manutençao da cobertura florestal e
restauração de matas ciliare...
Por que se preocupar?
  No meu caso, tenho duas afiliadas, para começar.

Ana Paola - minha idade em 2061   Soraya – minha...
Obrigado/Gracias
   Mais informações/intercâmbio:

       www.map-amazonia.net
Fórum GTP Queimadas e Fórum Comitê
        ...
MudançAs  Globais Na  AmazôNia  Sul  Ocidental  Foster  Brown 19nov07 A
MudançAs  Globais Na  AmazôNia  Sul  Ocidental  Foster  Brown 19nov07 A
MudançAs  Globais Na  AmazôNia  Sul  Ocidental  Foster  Brown 19nov07 A
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

MudançAs Globais Na AmazôNia Sul Ocidental Foster Brown 19nov07 A

3,330 views

Published on

Published in: Technology, News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,330
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
29
Actions
Shares
0
Downloads
89
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

MudançAs Globais Na AmazôNia Sul Ocidental Foster Brown 19nov07 A

  1. 1. Mudanças Globais na Amazônia Sul-ocidental Foster Brown e muitos outros Aula inaugural, Academia Amazônica UFAC, Rio Branco, Acre, Brasil 19nov07 fbrown@uol.com.br INPE/CPTEC G-8 IR 19/11/02 0600Z
  2. 2. …e muitos outros. Aqui são dois: Carlos Nobre, José Marengo, brasileiro peruano, CPTEC/INPE CPTEC/INPE www.cptec.inpe.br Vale do Paraíba, quinta-feira, 16 de novembro de 2000 Copyright © O ValeParaibano 2000 Hoje em dia é necessario saber como trabalhar em equipe, em uma comunidade científica.
  3. 3. Esboço – um pouco de tudo História Centro do universo Mudanças Globais Mudança Climática O que fazer
  4. 4. Cada um faz a sua história E nossas visões do mundo refletem nas nossas histórias.
  5. 5. Um pouco de história pessoal – I (Sou um dos seus recursos para esta academia.) Formação em geologia/química Participei da Conferência da ONU em Estocolmo – Meio Ambiente - 1972. Fiz doutorado – U. Northwestern – Centro para estudos de ciclos globais de elementos, Desde 1970, atividade humana significativa/dominante – N, C, P, Hg, Cd, etc. Doutorado – ciclo de nitrogênio 1981. Professor na Univ. Federal Fluminense 1980 –1985, tempo integral, 1986 - 2001 tempo parcial Cientista de Woods Hole Research Center 1986- Pesquisador associado da UFAC via convênio WHRC 1992- Docente no Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais da UFAC desde 1996.
  6. 6. Um pouco de história pessoal - II Coordenador de dois Projetos de Pesquisa Dirigida (PPDs) do PPG-7 1995 e 1998 1995- 116 propostas, 16 aprovadas – a da UFAC foi única de uma universidade amazônica. Viramos mascote do grupo. 1998 – 150 propostas, 30 aprovadas – a da UFAC foi uma de duas de universidades amazônicas. Membro do Comitê Brasileiro de Treinamento e Educação do LBA (Experimento de Grande Escala Biosfera e Atmosfera na Amazônia) 1996- 1998 – Coordenador do Programa LBA-Acre, apoio NASA. 2002 – Representante científico do Ministério da Ciência e Tecnologia no Seminário de PPG-7, Fase II.
  7. 7. Alguns resultados do PPD e LBA Geração e difusão de conhecimentos Pessoas capacitadas e ativas – chave para tudo. LBA – plano em 1997 – 200 alunos para todo o programa LBA resultado em 2007 : >4 vezes os sonhos de 1997. MAIS IMPORANTE: UMA COMUNIDADE CIENTÍFICA ATUANTE. http://lba.cptec.inpe.br/lba/site/# LBA em Números, 19nov07 http://lba.cptec.inpe.br/lba/site/# meros,
  8. 8. Mais resultados do LBA (PPG-7) http://lba.cptec.inpe.br/lba/site/# LBA em Números, 19nov07
  9. 9. Tudo isto começou porque alguns recém- doutores no Brasil, entre eles Carlos Nobre e Paulo Artaxo, decidiram fazer um programa Lambada –Baterista-Ambiace (LBA) no início de 1990. E a Academia Amazônica? Será que vocês podem pensar em algo maior?
  10. 10. Exemplos de formação associada ao LBA/PPG-7 no Acre e atividades atuais (foto LBA Belém 2000) Marcos Silveira Dout. UnB, Prof. UFAC Diogo Selhorst Eufran do Amaral Willian de Melo MSc-UFAC Dout. UFV MSc. Esalq Hiromi Prev Fogo Embrapa Ordenamento Sassagawa IBAMA-AC Sec. SEMA Territorial - SEMA MSc INPE Min. Agric. Mónica de los Rios MSc UFAC Alejandro Cleber Salimon Pesquis. Herencia Elsa Mendoza Duarte Dout. CENA MSc UFAC Prof. UFAC Prof. UFAC Pesquis. IPAM
  11. 11. Encontro de Universidades para desenvolver um Programa de Mudanças Globais relacionadas ao uso da terra na Amazônia Sul-ocidental Rio Branco - Acre 23 a 25 de junho de 1999 17 instituições acadêmicas, de fomento e de pesquisa da Bolívia, Brasil e Peru
  12. 12. Declaração de Rio Branco Sobre Mudanças Globais 25/06/99 1. Incorporar, no âmbito acadêmico, o tema Mudanças Globais nas disciplinas afins. 2. Promover o desenvolvimento de estudos multidisciplinares e inter-institucionais assegurando a incorporação dos aspectos biofísicos e sócio-econômicos, enfatizando a pesquisa, a capacitação e a disseminação de forma integrada. MSc INPE 3. Considerar os conhecimentos tradicionais nos estudos científicos, de forma a reconhecer a contribuição dos diversos atores regionais, respeitando seus direitos intelectuais. 4. Fortalecer as relações acadêmicas e institucionais entre os Países Amazônicos, levando em consideração os aspectos biofísicos e sócio-culturais de cada país. 5. Estimular a disseminação dos avanços científicos, de importância à temática Mudanças Globais, a todos os segmentos da sociedade, nos níveis político, acadêmico e das comunidades locais.
  13. 13. Continuação de colaboração - MAP
  14. 14. MAP: Madre de Dios – Acre - Pando 680,000 pop. 160,000 km2 português Acre 100,000 pop. Pando 84,000 km2 Madre 60,000 pop. español de Dios 63,000 km2 español Fonte: Ane Alencar
  15. 15. Fonte: modificado do Albuquerque e Gomes (2007) Ações da Defesa Civil na Região MAP. III Simpósio Internacional de Defesa Civil, Recife nov. INICIATIVA MAP É um movimento social, sem personalidade jurídica, composto por instituições e pessoas do meio acadêmico-universitário, organizações sociais, ONGs, instâncias municipais e governamentais, que tem por objetivo desenvolver processos de participação para tomadas de decisões e coordenação de ações visando o desenvolvimento sustentável da tríplice fronteira, região MAP.
  16. 16. Fórum MAP VII: Mudanças Globais - sociedades locais desenhando soluções regionais
  17. 17. I Simpósio de Investigación Socioambiental en la Frontera Trinacional Amazónica 16-17nov07
  18. 18. Mais informações: www.map-amazonia.net
  19. 19. Nova revista – MAPIENSE – colaboração entre ONG boliviana, Herencia, e uma universidade brasileira, UFAC Uma das editoras Monica de los Rios, peruana, formada pela UFAC, trabalhando com a ONG boliviana, Herencia, entregando uma cópia a Jorge Vela, Vice-Reitor da Universidad Nacional de Ucayali e membro do Comitê Científico do MAP.
  20. 20. Um pouco de psciologia para ajudar a atuar em pesquisa de Mudanças Globais Ciência é uma atividade humana. Egos ficam involvidos. Em estudos de mudanças globais os discípulos de cada disciplina normalmente consideram que sua disciplina é a chave. Todos estão parcialmente certos – todas as disciplinas são chaves, porém as mais importantes são as ausentes. Uma corrente é feita de elos e só tem a força do mais fraco dos elos.
  21. 21. Para entender as Mudanças Globais precisamos, entre outros, de: Informática química meteorologia História da economia Engenharia ambiental Eng. de recursos hídricos análise numérica eletrônica ecologia sociologia biologia geologia física solar espectroscopia geografia biogeoquímica historia Química atmosférica limnologia Física atômica astronomia ciências atmosféricas geofísica aeronomia economia Ecologia humana matemática oceanografia termodinâmica microbiologia Ciências políticas Ciências sociais Estatística direito Engenharia química (adapt. Nobre 2006)
  22. 22. Uma disciplina para Mudanças Globais é biogeoquímica O estudo do ciclos de elementos e compostos no ambiente. Fornece uma visão (parcial) das Mudanças Globais, especialmente de Mudanças Climáticas.
  23. 23. EXEMPLOS DE MUDANÇAS GLOBAIS Transformações que afetam parte significativa da Terra: Mudanças climáticas, urbanização, recursos hídricos, ecossistemas, comunicações, uso da terra, migrações humanas, mega-infrastrutura, etc. Mega- infraestrutura MIGRAÇÕES MUDANÇAS HUMANAS CLIMÁTICAS E POP. USO DA TERRA Notem as sinergias Diagrama Venn
  24. 24. Um pouco de geografia
  25. 25. Contexto: Imagens da Amazônia Sul- ocidental Ilustre cientista paraense: - “Foster, tu vais para onde?” Foster: “Pro Acre.” Ilustre cientista paraense: “Aquele fim do mundo?” Uma história que se repete em Madre de Dios e Pando
  26. 26. Fim do Brasil ou centro do universo?
  27. 27. Fim ou Centro? ♦ A terra é redonda, portanto qualquer lugar pode ser o centro na superfície; ♦ No universo qualquer ponto pode ser considerado o centro; ♦ Então, por que não considerar a fronteira trinacional como o centro?
  28. 28. Estamos aqui
  29. 29. Estamos aqui
  30. 30. Estamos aqui Terra
  31. 31. Estamos aqui
  32. 32. Estamos aqui
  33. 33. Centro do Universo: Ponto Trinacional
  34. 34. Assis Brasil Iñapari Bolpebra Imagem: QuickBird 2002 Multispectral – 2,5 m
  35. 35. BRASIL PERU BOLIVIA
  36. 36. PERU BOLÍVIA BRASIL
  37. 37. Centro do universo na palma da mão
  38. 38. ..Tome cuidado com os seus desejos, podem se tornar realidade…
  39. 39. Amazônia Sul-ocidental é agora um centro de mega-investimentos para transporte e energia.
  40. 40. Mega-investimentos planejados para Amazônia Sul- ocidental (Fonte: NASA e M.Steininger, CI, IIRSA) Lago Titicaca Estrada Beni Puerto Guayaramerin- Yucumo Maldonado Estrada US$460 milhões Iñapari- Puente 4.000 km de Rondônia Inambari – Rios navegaveis Cobija US$ 810 milhões UHE Binacional Pando 3,000 MW Acre US$ 10 bilhões Rio Branco UHE Jirau 3,900 MW UHE St. Antonio Estrada 3,600 MW p/ Cruzeiro do Sul US$ 250 millhoes
  41. 41. Visão Acre-Centrica Floresta Amazônica Alta, Llama, fauna da Bacia 250 km do Acre Porto Velho Amazônica, 300 km do Acre AB-Iña-BPB Rondonia Ji-Parana Vilhena Cerca de 30 milhões de pessoas vivem em um raio de 750 km do Acre. O desenvolvimento desta região vai depender na interação Porto de Matarani, 700 km do Acre destas pessoas
  42. 42. Acre: muita ou pouca cobertura florestal? Depende da escala. No nível do Estado: somente 10 a 12% está desmatado Mas no leste do Acre, foco histórico de desmatamento, na escala de município, a situação é diferente.
  43. 43. Reserva legal: mínimo 80% (20% desmatamento). Discussão no Congresso brasileiro para mudar a 50% Informações científicas baseadas em modelos de clima: mais de 40% do desmatamento vai interagir sinergeticamente com o aquecimento global e acelerar a savanização da Amazônia (C. Nobre, com.pes.) 10 municípios acreanos com > 20% desflorestamento em 2006 (PRODES/INPE). 5 municípios acreanos com ≥ 50% desflorestamento em 2006 (PRODES/INPE).
  44. 44. Uso da Terra nos municípios do leste do Acre: 21 a 71% deflorestado e aumentando Imagem MODIS/Terra ago07
  45. 45. Reserva Legal Dez municípios estão ‘ilegais’ em termos de desflorestamento > 20%. Se a lei for mudada para 50%, quatro municípios seriam ‘ilegais’. Pressão aumentando com a estrada ao Pacifico. A Gazeta, página 1, 14nov07:
  46. 46. Quanto tempo para o desmatamento ser maior que 40% nos municípios no Acre (baseado na taxa média de 2000 a 2006, dados do PRODES/INPE. Fonte: http://www.dpi.inpe.br/prodesdigital/prodesmunicipal.php Porto Acre Já Bujari 4 anos Senador Acrelandia Guiomard Rio Branco Já Já 9 anos Placido de Castro Já Capixaba Já Xapuri Seis municipios 29 anos já ultrapassaram o Brasiléia limite de 40% Epitacio- 8 anos lândia Imagem MODIS/Terra ago07 Já
  47. 47. Como parar esta perda e suas implicações para a manutenção das florestas (evitar colapso/savanização)? Reduzir a taxa de desmatamento. Reflorestar áreas críticas Matas ciliares Nascentes Áreas abandonadas com pouco valor agrícola. Aumentar produtividade agrícola.
  48. 48. Vamos concentrar em mudanças climáticas – água e carbono Precisamos lembrar das sinergias com outras mudanças globais, como as estradas inter-oceânicas e migrações, globalização econômica e comunicação.
  49. 49. Vocabulário Sinergia – interação entre fatores, produzindo resultados diferentes da soma dos fatores. Mitigação – redução dos impactos das mudanças (redução de emissões de gases de efeito estufa, por exemplo). Adaptação - acomodação aos impactos das mudanças.
  50. 50. Rios na terra e no ar.
  51. 51. Agua: bacias hidrográficas – Interdependência entre países – Exemplo Bacia do Rio Acre – 3 países.
  52. 52. 14 de abril de 2005 o movimento de água indo e voltando do Acre IMAGEM GOES ios nos r ua ág o via rn Reto ano oce do T) indo ZCI v” al ( ens r nuv o no A rtropic e gua um Ri ia Inte d'á “ por ênc Va erg on v eC d ona Z www.cptec.inpe.br
  53. 53. Um resultado do LBA: “...O ponto do Brasil onde o vento faz a curva…” Região MAP Andes Andes Teleconexões com chuvas em outras Fonte: J. Marengo, CPTEC/INPE partes da Amazônia e America do Sul.
  54. 54. Friagens de vez em quando trocam o transporte e neste caso transportam fumaça do SE de Bolívia para Madre de Dios, Acre e Pando. 25set07.
  55. 55. Desastres ligados a variabilidade climática na Região MAP são caros. Mapa de desastres – Pando miniMAP OT 01out07
  56. 56. Avaliação de danos (AVADANS) no Acre (G. Pereira, 2006) Ano Desastre Custo estim. (Reais) 1988 Enchente ~180 milhões 1997 Enchente ~66 milhões 2005 Incêndios ~168 milhões 2006 Enchente ~32 milhões TOTAL ~440 milhões Mapa de desastres – Acre miniMAP OT 01out07
  57. 57. Incêndios de 2005 Custos por muncípio – 14 a 300% do orçamento antes dos incêndios do final de setembro em 2005. George Pereira Monografia, Depto. De Economia, UFAC, 2006 p. 82
  58. 58. A história do ano 2005 na Amazonia Sul-ocidental – seca, fogo e fumaça 5oct07 Perto de Xapuri, Acre
  59. 59. A Seca na Amazônia do ano 2005 (No prelo, Journal of Climate) José A, Marengo*, Carlos A, Nobre*, Javier Tomasella*, Marcos D, Oyama**, Gilvan Sampaio de Oliveira*, Rafael de Oliveira*, Helio Camargo*, Lincoln M, Alves*, Irving F, Brown*** *CPTEC/INPE, São Paulo, Brazil ** CTA/IAE, São Paulo, Brazil ***WHRC/UFAC
  60. 60. Marengo (2004) TAC 3 2 Indice de chuva (mm/dia) Sul de Amazonia 1 0 -1 Redução no anos recentes -2 Variação inter-decadal na chuva -3 1930 1990 1990 1960 1960 1970 1970 1980 1980 1950 1940 1940 1950 Declinio recente validado por Dr. Alejandro Duarte e percepções de seringueiros. Variação natural? Efeito de mudança climática antropogênica?
  61. 61. Os rios são espelhos das chuvas - II As cotas mais baixas depois de uma redução nos últimos 10 anos. Cotas mais baixas 2005, 2007, 2006
  62. 62. 30Jun05
  63. 63. Falta d’água, Eta I 06ago05 bombas fixas só conseguiram puxar 300 litros/seg, precisava 700 litros/seg para abastecer a cidade
  64. 64. Compra de bombas flutuantes (400l/s) para complementar o abastecimento da cidade de Rio Banco. A necessidade de reduzir a vulnerabilidade da sociedade à variabilidade climática: Água. IFB, 6 agosto 2005
  65. 65. Os impactos das queimadas de 2005 5out05
  66. 66. Focos de calor em 2005 na Regiao MAP NOAA-12, MODIS (Aqua+Terra) GOES (INPE) Satélites AQUA, GOES-12, NOAA-12 e TERRA, em 2005 na região MAP. Fonte: http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas
  67. 67. FOGO SE PROPAGANDO DENTRO DA FLORESTA Meio dia, Acrelândia, 17set05
  68. 68. 21 de setembro de 2005 15 a 26 de maio de 2006 Trem de conhecimento – Foster Brown
  69. 69. Fogo na floresta 27Set05 >1 km Sem trilhas de acesso Como combater?
  70. 70. Exemplo de Floresta com Copa Afetada 5oct07 Perto de Xapuri, Acre
  71. 71. Xapuri 21ago05 CBERS_180_112 UFAC/PZ/SETEM/WHRC 30out05 5 km Xapuri
  72. 72. Xapuri 12out05 CBERS_180_112 UFAC/PZ/SETEM/WHRC 30out05 5 km Xapuri
  73. 73. Leste do Acre, Brasil, outubro de 2005, Cicatrizes de Incêndios Rio Branco Xapuri
  74. 74. Serviços ambientais de matas ciliares – conservam os recursos hídricos e servem como barreiras contra o fogo (set05) MATA CILIAR QUE SERVIU COMO BARREIRA CONTRA FOGO MATA CILIAR QUASE AUSENTE (LEI – min. 30 m cada lado)
  75. 75. Estado do Acre afetado por incêndios (FCA:Floresta com Copa Afetada Brown et al. 2006) Total da area % Municipio Area Area Aberta afetada afetado Municí Regional Municípios Munici FCA (ha) afetada (ha) (ha) pal (ha) 181,378 >24,000 >31,800 >55,800 >31% Acrelândia 303,729 >14,600 >33,100 >47,700 >16% Bujari 169,650 >4,600 >500 >5,100 >3% Capixaba Plá Plácido de 194,526 >31,400 >5,900 >37,300 >19% Baixo Acre Castro 260,888 >13,700 >11,200 >24,900 >9% Porto Acre 883,144 >66,100 >48,100 >114,200 >13% Rio Branco Senador 232,063 >31,500 >4,700 >36,200 >16% Guiomard 2,225,378 >185,900 >135,300 >321,200 >14% Sub-Total Sub- 497,663 >2,000 0 >2,000 >0,4% Assis Brasil Brasiléia 391,828 >6,700 >17,500 >24,200 >6% Alto Acre Epitaciolândia 165,504 >8,900 >19,100 >28,000 >17% 534,695 >40,400 >25,700 >66,100 >12% Xapuri 1,589,691 >58,000 >62,300 >120,300 >7% Sub-Total Sub- 2,373,174 >23,200 >5,600 >28,800 >1% Purus Sena Madureira Total 6,188,243 >267,100 >203,200 >470,300 >8%
  76. 76. Com os incêndios, veio a fumaça
  77. 77. 10/08/05 Modis Terra ~1/4 das vezes, dá para ver fontes dentro do Estado
  78. 78. 20/09/05 Modis Terra
  79. 79. RESOLUÇÃO/CONAMA/N.º 003 de 28 de junho de 1990 Publicada no D.O.U, de 22/08/90, Seção I, Págs. 15.937 a 15.939. -Padrões Primários de Qualidade do Ar são as concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde da população. … II - Fumaça a) Padrão Primário … 2 -concentração média de 24 (vinte e quatro) horas de 150 (cento e cinqüenta) microgramas por metro cúbico de ar, que não deve ser excedida mais de uma vez por ano.
  80. 80. Cruzeiro do Sul Fonte: www.cptec.inpe.br
  81. 81. Dias e percentual de dias com concentrações de matéria particulada (fumaça) acima de 150 e 400 µg/m3 durante 45 dias em 2006. Concentrações estimadas via modelo do CPTEC/INPE e USP da concentração de matéria particulada com diâmetros abaixo de 2,5 microns (d<2,5 µ) para o período de 28 de agosto de 2006 a 06 de outubro de 2006. (fonte: Vasconcelos, Brown e Melo. In prep.) Dias (%) com Dias (%) com concentrações concentrações Cidade ≥150 µg/m3, ≥400 µg/m3, d<2,5 µ d<2,5 µ 32 (71%) 25 (56%) Rio Branco - Acre / Brasil 23 (51%) 18 (40%) Cobija - Pando, Bolívia Puerto Maldonado - Madre de 17 (38%) 10 (22%) Dios / Peru 19 (42%) 16 (36%) Pucallpa - Ucayali / Peru
  82. 82. Respirar na Amazônia Sul- ocidental em agosto- setembro pode ser prejudicial à sua saúde. Qual é o custo para a sáude? Quais impactos esta poluição tem sobre os ecossistemas? Áreas de pequisa.
  83. 83. Manchete do dia 03jul07
  84. 84. Florestas densas queimando 04out07, Manuripi, Pando
  85. 85. Morte de árvores finas Acrelândia 28jul06 Ecossistema ‘emergente’de floresta danificada?
  86. 86. Acrelândia - morte de árvores de copa, com casca fina 28Jul06
  87. 87. Árvores mortas, mais luz penetrando até o chão, secagem de liteira mais rápida – mais susceptibilidade ao fogo Acrelândia, 28jul06,
  88. 88. Custos ambientais/sociais são ‘invisíveis’ se não foram quantificados e entendidos – uma área de pesquisa importante. Exemplo: Florestas afetadas por incêndios detectados via imagens em 2005 Acre: > 267.000 ha Pando: > 120.000 ha Madre de Dios: >> 20.000 ha Total: > 400.000 ha Se o impacto ambiental foi igual a multa de 500 dólares/ha, a Região ficou 200 milhões de dólares mais empobrecida.
  89. 89. A seca e os incêndios podem se repetir? Resposta rápida: seca sim, só depende da frequência, incêndios talvez.
  90. 90. Eventos extremos como secas e inundações tornam-se mais comuns . 19 de fevereiro de 2006 Rio Branco, enchente 3 meses 13 de maio de 2006 GAZETA p. 1 Cota baixa recorde, menor que Foto: F. Brown 2005.
  91. 91. E o futuro? O uso de modelos – confiar ou não confiar nas previsões? Depende.
  92. 92. Emissões de combustíveis fósseis aumentando, não diminuindo, depois do Protocolo de Quioto (IPCC 2007) 7,8 GtC/ano Aumento 16% desde 1997 6,7 GtC/ano Meta do protocolo Protocolo de Quioto
  93. 93. Fontes antropogênicas de gás carbônico Quiema de combustiveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás) 80% 1/3 total destas décadas – EUA 1/3 total destas décadas – Europa 1/3 total o resto Agora – China e India – emissões crescentes e China ~ EUA. 15 a 20% vem de desmatamento
  94. 94. O debate sobre impactos do aumento do gás carbônico Extremos Lovelock (pai da hipótese Gaia)– não adianta, fim de civilização. Imprimir livros com informações importantes e migrar para regiões polares. Terra mais verde – CO2 – adubo (companhias de carvão nos EUA década de 90). Ou a Terra vai se resfriar. Aquecimento é uma farsa – Martin Durkin, BBC. Intermediários Aquecimento recente real, mas não devido a gases do efeito estufa (complô de cientistas/países industrializados). Vai melhorar com os ciclos naturais. Aquecimento real e vai aumentar, mas é solucionável.
  95. 95. Debate é importante demais para ficar só ouvindo. É importante analisar com olhar crítico os argumentos. Faixa de idéias: Problema é sério e temos que agir agora – IPCC (4o relatório 2007), Paulo Artaxo, Carlos Nobre, José Marengo, Jim Hansen Floresta vai ser melhor com o aumento da temperatura – Aziz Ab’saber Não vai ter grandes efeitos – Richard Lindzen, Governos EUA e Australia, Estamos entrando numa era glacial – Luis Molion (UFAL)
  96. 96. Onde há divergências Aumento do C02 na atmosfera – quase todos concordam – efeito antropogênico. Aumento recente de temperatura – quase todos concordam. Aumento (frequentemente chamado 2X (280 ppm >> 560 ppm) – discordância sobre o impacto.
  97. 97. Alguns sítios de informação Preocupados http://www.cptec.inpe.br/mudancas_climaticas/ http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/3881.html http://www.realclimate.org http://ipcc.ch www.map-amazonia.net Forum Comite Cientifico Céticos www.msia.org.br http://www.john-daly.com/artifact.htm http://www.junkscience.com/Greenhouse/ http://www.youtube.com/watch?v=1JCVjg7H94s (A grande farsa de aquecimento global) – muitas omissões e mas representações de cientistas (ver realclimate.org para detalhes)
  98. 98. Algumas informações No último milhão de anos – variações da órbita da Terra aparecem como gatilho para mudanças climáticas, gases estufas amplificam o efeito. Agora parece diferente – gases causando o efeito - exemplo no passado – 50+ milhões anos atrás – transição Paleoceno-Eoceno Máxima Termal. Emissões de CO2 de vulcões ~1% do efeito antropogênico Redução de temperatura no período 1940-1970, associada a aerossóis de sulfato (poluição/vulcões) Variações na radiação solar não explicam a subida de temperatura recente.
  99. 99. Como ter mais confiança? Testar os modelos. Previsão do CPTEC/INPE www.cptec.inpe.br previsões numéricas 20 de set >> chuvas fortes Possível testar
  100. 100. Previsão do IRI em abril– aumento de temperatura em Ago-Out outubro – possível 2007 testar? Sim. Temperaturas no futuro se tornariam acima do normal, Tendência quase universal Aumento de evapo- transpiração Note que nenhum grupo conseguiu prever a seca de 2005.
  101. 101. Modelos para as próximas décadas Como vai ser o clima no futuro?
  102. 102. Pesquisa FAPESP 130, p30-34, dezembro de 2006 REPORTAGEM SOBRE RELATÓRIO PRODUZIDO POR JOSE MARENGO E PELO GRUPO DE CPTEC/INPE
  103. 103. Mais extremo Hadley-cm3 Mais extremo Hadley-cm3 Valverde & Marengo (2007)
  104. 104. A incerteza das previsões nos modelos pode resultar em: Exagero do problema. Sub-estimativa do problema.
  105. 105. Como testar a confiabilidade destes modelos? Comparar observações com previsões
  106. 106. Observações climáticas recentes comparadas a projeções. Science, 04maio07 Rhamstorf et al (7 autores, 6 países):
  107. 107. Mudança de Temperatura Comparação 1990 a 2006: (a) Temperatura global (b) Altura do mar. Mudança no Nível do Mar Ambos acima do projetado
  108. 108. Conclusão do artigo Rhamstorf et al A tendência de modelos de sub-estimar as observações Provável no caso da temperatura. Quase certa no caso do nível do mar.
  109. 109. Modelos estão subestimando alguns efeitos Perda 2x o que os modelos preveêm
  110. 110. Um modelo extremo para Amazônia – mais seco e quente nas próximas décadas Modelo do Centro Hadley de HadCM3LC Chuva total anual pode ser igual, mas o período de seca aumentando – dificulta a manutenção de florestas Seca de 2005 = mais meses sem chuva
  111. 111. Disponibilizado por Dr. Pedro Dias, USP pldsdias@master.iag.usp.br, 7out05 Fonte: Cptec - INPE Secou a Amazônia Sul-ocidental
  112. 112. Previsões - próximos anos Cox (2007) modelo do Centro de Hadley
  113. 113. Modelo do Centro Hadley Probabilidade de um evento igual ou pior ao de 2005: Hoje 5% (1 ano em 20 anos) Em 2012 20% (1 ano em 5 anos) Em 2025 50% (1 ano em 2 anos) Total de chuva anual pode ser igual, mas com prolongamento da estiagem. Argumento contra redução compensada de desmatamento evitado. Cox (2007) Palestra “Was the Amazon Drought of 2005 Human-Caused ?”Conference: Climate change and the fate of the Amazon. Oxford. 20- 22mar07
  114. 114. Anomalia de chuvas produto CPTEC 2004- 2005, (Marengo et al. No prelo). A área mais sensível a mudanças climáticas parece ser a Amazônia Sul-ocidental Região MAP
  115. 115. Respostas para mitigação e adaptação
  116. 116. ADAPTAÇÃO: Inauguração em Epitaciolândia, Acre – Educação e Combate a Incêndio Florestal 27abr07
  117. 117. ADAPTAÇÃO: Colaboração boliviano-brasilero, municipal- estadual. Resultado de um mini-MAP Defesa Civil e Queimadas Oeste de Montevideo e Plácido de Castro, 09ago06
  118. 118. ADAPTAÇÃO: miniMAP Defesa Civil e Queimadas - 21ago07 - trifronteiriça
  119. 119. ADAPTAÇÃO: Capacitação da Defesa Civil Estadual, Defesas Civis Municipais, Funtac, UFAC, Ministério Público Estatal, IMAC, Sindicatos, Fetacre Capacitação das defesas civis municipais no uso de imagens de satélite, GPS, etc. para determinar áreas de risco (florestas danificadas em 2005) Acrelândia, jul/06 Seater/Bujarí - Funtac
  120. 120. Implementar o estudo de mudanças globais já nas séries 1 a 4 Profesoras Ivanir e Zélia Assis Brasil, Acre 2001 Foi iniciada uma capacitação de profesores em Epitaciolândia em 2006. Necessita acelerar o processo.
  121. 121. P Redução de riscos de desastres como parte do ordenamento territorial. Pando Madre de Dios Producto do seminario 03out07
  122. 122. Mecanismos para fazer isto: Workshop 16 e 17 de maio – Pucallpa sobre mudança climática
  123. 123. Recomendações (19) 16 y 17 de maio de 2007 www.map-amazonia.net Forum Comite Cientifico
  124. 124. PARA MITIGAÇÃO 1. Os governos nacionais e locais, unidos em uma aliança amazônica, devem gerar uma proposta comum, com a finalidade de buscar compensação financeira pela redução das emissões de gases de efeito estufa (GEI) provenientes da derrubada da floresta; esta proposta deve se concretizar antes da reunião da Conferência das Partes do Convênio Marco de Mudança Climática das Nações Unidas (COP-14), em dezembro de 2007 em Bali, Indonésia. 2. Os governos nacionais e locais, unidos em uma aliança amazônica, devem desenvolver sistemas de compensação por serviços ambientais no interior dos países e entre estes, como por exemplo, os recursos hídricos nas bacias transfronteiriças.
  125. 125. Para MitigaççãoeeAdaptaçção ão Adapta ão Para Mitiga 6. A participação dos atores sociais (camponeses, povos indígenas, povos da floresta e grupos urbanos) na tomada de decisões devem ser garantida, implementando reuniões locais temáticas trans- fronteiriças (mini-MAPs) como Serviços Ambientais, Agro-florestais, entre outros. 7. Os governos nacionais, locais e organizações não governamentais devem ajudar as cidades, povoados e comunidades, onde se concentra a maioria da população amazônica, a adaptar-se à mudança climática. 8. As sociedades: civil e política devem implementar programas de educação ambiental com ênfase em temas sobre Mudança Climática em todos os níveis.
  126. 126. Para Mitigação e Adaptação 12. Os governos nacionais, locais e sociedades civis da Amazônia são os indicados para desenvolver estratégias trans-fronteiriças de avaliação de vulnerabilidade, de adaptação, de mitigação de desastres e de inovações tecnológicas para manter os ecossistemas, os recursos hídricos, a agricultura e a saúde humana. Além do mais, devem implementar sistemas de alerta com antecedência sobre inundações, secas, incêndios e epidemias. 13. As instituições científicas governamentais e não governamentais devem, a curto prazo, elaborar uma linha de base das emissões e da capacidade de Seqüestro e armazenamento de carbono para implementar a redução compensada de taxas de desflorestamento com metodologias uniformes e compartilhadas. 14. As instituições governamentais devem implementar e coordenar os planos de ordenamento territorial fronteiriço, priorizando a gestão de bacias trans-fronteiriças e porosas, considerando as estreitas relações entre a água e a floresta.
  127. 127. Conclusões Mudanças climáticas – variabilidade climática sempre existiu, existe, vai existir e provavelmente vai aumentar Acre e Região MAP mais afetados com secas, tipo II associadas com a mudança na temp. do Atlantico. Mudanças Globais além de mudanças climáticas afetarão as sociedades locais Reduzindo ou aumentando vulnerabilidade da sociedade Região MAP – MELHOR PREVENIR NO LUGAR DE REMEDIAR Potencial para mitigacão via redução compensada de desmatamento Necessidade para adaptaçao – menos água, maior temperatura. Urgente - necessidade de conhecimento – papel da Academia é grande.
  128. 128. Necessidade de combinar conhecimentos empírico e científico Poucos dados histórico-cientificos na Região MAP. Exemplo 2? pluviômetros no Acre com 30 anos de registro. Secagem de igarapés – excelente indicador de disponibilidade de água, poucas observações científicas e muitas observações empíricas. Precisamos combinar estes conhecimentos para um levantamento de danos e vulnerabilidade em relação a secas/inundações futuras.
  129. 129. Prioridades para reduzir os custos de desastres Manutençao da cobertura florestal e restauração de matas ciliares. Com menos chuvas, florestas mais importantes. Evitar que o medo seja o motivador maior. Vamos construir uma vida melhor. Desastres fazem parte – vamos minimizar os seus danos ao desenvolvimento.
  130. 130. Por que se preocupar? No meu caso, tenho duas afiliadas, para começar. Ana Paola - minha idade em 2061 Soraya – minha idade em 2059
  131. 131. Obrigado/Gracias Mais informações/intercâmbio: www.map-amazonia.net Fórum GTP Queimadas e Fórum Comitê Científico do MAP

×