Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Geografia A. By: Miss Manson.• Processo de circulação contínua da água entre os oceanos, a atmosferae os continentes, por ...
Suporte e vidaA água é um componente essencial dos sistemas naturais eum recurso imprescindível para a vida humana e para ...
A água é utilizada na produção de energia,na construção e em muitas actividades deturismo e lazer, sendo um factor deacess...
A água na Terra• Dos recursos hídricos existentes, apenasuma parte se encontra disponível, osoceanos contém mais de 97% da...
A água em movimento•A atmosfera, pela capacidade de absorção,transporte e libertação da água é oelemento fundamental nas t...
Ciclo Hidrológico• Processo de circulação da água entre os oceanos, a atmosfera e oscontinentes, por efeito da energia sol...
A energia solar provoca aevaporação da água presentenos oceanos e nos continentes,que passa, para a atmosfera sobo estado ...
Evapotranspiração•Evaporação das águassuperficiais, da água do solo eda água libertada pelarespiração e pela transpiraçãod...
A água na atmosfera•A humidade da atmosferaprovém da evaporação e daevapotranspiração. Acapacidade do ar de absorvere rete...
Quanto mais elevada é atemperatura do ar, maior é a suacapacidade de absorver e reter ovapor de água.Quanto mais baixa é a...
O arrefecimento do arprovoca a condensação dovapor de água presente naatmosfera formandonuvens e tronando possívela ocorrê...
Os factores que mais influenciam o climaportuguêsInverno - Baixas pressõessubpolares, as massas de ar friopolar e os antic...
Tanto no Inverno comono Verão, faz-se sentira influência dos ventosde Oeste.
Deslocação latitudinal dos centros depressão• Inverno mais a sul• Verão mais a norteMaior humidade = Ar mais pesadoMenor h...
Centro de baixas pressões(depressão barométrica):A pressão diminui da periferiapara o centro. O movimento do ar,à superfíc...
• Origem dos centros de baixas pressões(depressões barométricas)Térmica – O aquecimentodo ar, pelo contacto com asuperfici...
• Origem dos centros de altas pressões(Anticiclones)Térmica – Oarrefecimento do ar,pelo contacto com asuperficie da Terram...
• Centros Barométricos (1013 HPA)Centros de baixas pressões (depressões)• Inferior a 1013 HPA• Movimento do ar à superfici...
PN / PS – Zonas geladas (Altas pressões polares)Equador – Zonas Quentes (Baixas pressões equatoriais)Zona Temperada (Baixa...
Conclusão (slide anterior)• Os centros barométricos medem atemperatura de cada zona.• Os centros barométricos podem ser:Or...
A circulação geral da AtmosferaEquador – Devido à elevadatemperatura, o ar sobe,formando-se baixaspressões. Em altitude, o...
A circulação geral da atmosfera origina ventoscontantes ou dominantes que sopram durantetodo o ano com a mesma direcção:Al...
A Frente polar do hemisfério norteFrente Fria• é o ar frio que avança, introduzindo-se como umacunha por baixo do ar quent...
Perturbações FrontaisUma perturbação frontal é constituída por umsector de ar tropical quente, entre dos sectores dear pol...
Tipos de precipitaçãoPrecipitaçõesFrontais –Formam-se pelaascensão do arquente numasuperficie frontal.A intensidade e adur...
Condições para haver precipitação:- Humidade- O ar tem que ter movimento ascendente:- Devido à formação de frentes =precip...
Ritmos e distribuição daprecipitação em Portugal:A distribuição daprecipitação em Portugal,caracteriza-se por umairregular...
Irregularidade anual e interanual:Registam-se, em todo o território português, diferençasna distribuição da precipitação a...
Irregularidade na distribuição espacial:A precipitação diminui da Norte para Sul e doLitoral para o Interior.No noroeste e...
O relevo na distribuição da precipitação:- Nas áreas mais elevadas do Noroeste e do Centro, nasvertentes voltadas ao mar, ...
Precipitação em PortugalRegime: é muito irregular.- diferencia-se no espaço (é diferente nas R.A.A, R.A.M e nocontinente e...
PrecipitaçãoMédia Anual:Soma das precipitaçõesmédias de cada mês.Precipitação MédiaMensal:Soma das precipitaçõesmédias diá...
Conclusão do slide 31Em portugal aprecipitação muda aolongo
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Geografia a 10ºano

25,122 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Geografia a 10ºano

  1. 1. Geografia A. By: Miss Manson.• Processo de circulação contínua da água entre os oceanos, a atmosferae os continentes, por efeito da energia solar, que permite a passagemda água de um estado físico a outro.Ciclo hidrológico• Evaporação das águas superficiais, da água libertada pela respiração epela transpiração dos seres vivos.Evapotranspiração• Passagem do estado gasoso ao estado liquido.CondensaçãoPressão atmosférica – Força exercida pelaatmosfera por unidade de superficie.
  2. 2. Suporte e vidaA água é um componente essencial dos sistemas naturais eum recurso imprescindível para a vida humana e para amaioria das actividades econónicas.Actividadeseconómicas:Agricultura:Depende doabastecimento deágua doce para rega,sendo o sector quemais água consome.Indústria:A água tem inúmerasaplicações, desde aincorporação nosprodutos até àutilização nossistemas de limpezae refrigeração.
  3. 3. A água é utilizada na produção de energia,na construção e em muitas actividades deturismo e lazer, sendo um factor deacessibilidade.A água é um factor condicionante dodesenvolvimento económico e do bem-estar social. Daí a necessidade de seadaptarem políticas que garantem a suapreservação e gestão sustentável.
  4. 4. A água na Terra• Dos recursos hídricos existentes, apenasuma parte se encontra disponível, osoceanos contém mais de 97% da águaque existe na Terra e mais de metade daágua doce encontra-se nas calotespolares e nos glaciares. As águascontinentais, repartidas por lagos, cursosde água, solo e toalhas freáticas,representam menos de 1% da água doplaneta.
  5. 5. A água em movimento•A atmosfera, pela capacidade de absorção,transporte e libertação da água é oelemento fundamental nas transferênciasde água entre os oceanos e oscontinentes, através do ciclo hidrológico.
  6. 6. Ciclo Hidrológico• Processo de circulação da água entre os oceanos, a atmosfera e oscontinentes, por efeito da energia solar, que permite a passagemda água de um estado físico a outro.
  7. 7. A energia solar provoca aevaporação da água presentenos oceanos e nos continentes,que passa, para a atmosfera sobo estado gasoso. Este processoquando ocorre sobre oscontinentes, dá-se o nome deevapotranspiração.
  8. 8. Evapotranspiração•Evaporação das águassuperficiais, da água do solo eda água libertada pelarespiração e pela transpiraçãodos seres vivos.
  9. 9. A água na atmosfera•A humidade da atmosferaprovém da evaporação e daevapotranspiração. Acapacidade do ar de absorvere reter vapor de água dependeda temperatura. (slideseguinte)
  10. 10. Quanto mais elevada é atemperatura do ar, maior é a suacapacidade de absorver e reter ovapor de água.Quanto mais baixa é atemperatura do ar, menor é a suacapacidade de absorver e reter ovapor de água.
  11. 11. O arrefecimento do arprovoca a condensação dovapor de água presente naatmosfera formandonuvens e tronando possívela ocorrência deprecipitação.
  12. 12. Os factores que mais influenciam o climaportuguêsInverno - Baixas pressõessubpolares, as massas de ar friopolar e os anticiclones deorigem térmica formados sobreo continenteVerão – As altas pressõessubtropicais (o anticiclone dosAçores), as massas de arquente tropical e as depressõesbarométricas que se formamsobre o continente.
  13. 13. Tanto no Inverno comono Verão, faz-se sentira influência dos ventosde Oeste.
  14. 14. Deslocação latitudinal dos centros depressão• Inverno mais a sul• Verão mais a norteMaior humidade = Ar mais pesadoMenor humidade = Ar menos pesado
  15. 15. Centro de baixas pressões(depressão barométrica):A pressão diminui da periferiapara o centro. O movimento do ar,à superfície, é convergente e omovimento vertical é ascendente.Ao subir, a temperatura do ardiminui, o que provoca acondensação do vapor de água,formando-se nuvens que podemoriginar precipitação (mautempo).Centros de altas pressões(anticiclones):A pressão aumenta daperiferia para o centro. Omovimento vertical do ar édescendente e, à superficie édivergente. Ao descer, atemperatura do ar aumenta,não se dando a condensaçãodo vapor de água. Os centrosde altas pressões associam-sea céu limpo e tempo seco.Centros de baixas e altas pressões
  16. 16. • Origem dos centros de baixas pressões(depressões barométricas)Térmica – O aquecimentodo ar, pelo contacto com asuperficie da Terra muitoquente, torna-o menosdenso, provocando aascensão. Acontece, noVerão, no Interior doscontinentes e na PenínsulaIbérica.Dinâmica – A ascensão éprovocada pelaconvergência de arproveniente da direcçõesopostas. Os centros debaixas pressões subpolaresformam-se deste modo,resultando do encontro dasmassas de ar frioprovenientes das regiõespolares com as massas de arquente tropicais.
  17. 17. • Origem dos centros de altas pressões(Anticiclones)Térmica – Oarrefecimento do ar,pelo contacto com asuperficie da Terramuito fria, torna-o maisdenso e pesado. É oacontece no Inverno, noInterior dos continentese sobre a PenínsulaIbérica.Dinâmica – Resultamdo movimentodescendente do ar frioque se encontra a maioraltitude. As altaspressões tropicaisformam-se deste modo.
  18. 18. • Centros Barométricos (1013 HPA)Centros de baixas pressões (depressões)• Inferior a 1013 HPA• Movimento do ar à superficie = Convergente• Movimento vertical do ar = Ascendente• A pressão diminui da periferia para o centro. Ao subir atemperatura do ar diminui, provocando a condensação do vapor deágua, fomentando nuvens originando precipitação = mau tempoCentros de altas pressões (anticiclones)• Superior a 1013 HPA• Movimento vertical do ar à superficie = Divergente• Movimento vertical do ar = Descendente• A pressão aumenta da periferia para o centro. Ao descer, atemperatura do ar aumenta, não se dá o vapor de água. Os centrosde altas pressões associam-se a céu limpo e tempo seco.
  19. 19. PN / PS – Zonas geladas (Altas pressões polares)Equador – Zonas Quentes (Baixas pressões equatoriais)Zona Temperada (Baixas Pressões)Zonas Quentes (Altas pressões subtropicais)
  20. 20. Conclusão (slide anterior)• Os centros barométricos medem atemperatura de cada zona.• Os centros barométricos podem ser:Origem dinâmicaOrigem Térmica: - Invernos = altas pressões- Verões = baixas pressões
  21. 21. A circulação geral da AtmosferaEquador – Devido à elevadatemperatura, o ar sobe,formando-se baixaspressões. Em altitude, o ar,já mais frio, dirige-se para asregiões subtropicais.Regiões subtropicais – O ardesce, originando altaspressões e, à superfície,diverge em direcção aoequador e às latitudesmédias (40º a 60º N e S)Latitudes Médias – O artropical encontra-se com oar que vem dos pólos,provocando um movimentoascendente e a formação debaixas pressões.Pólos – Devido às baixastemperaturas, formam-sealtas pressões, por isso, o ardiverge à superfície, a partirdessas duas regiões.
  22. 22. A circulação geral da atmosfera origina ventoscontantes ou dominantes que sopram durantetodo o ano com a mesma direcção:Alísios – Ar que sedesloca das altaspressões subtropicaispara as baixaspressões equatoriais.Ventos de Oeste – Arque se desloca dasaltas pressõessubtropicais para asbaixas pressõessubpolares, sentidoinfluenciado pelomovimento de rotaçãoda Terra, de Oeste nohemisfério morte.Ventos polares – Arque se desloca dasaltas pressões polarespara as baixaspressões subpolares.
  23. 23. A Frente polar do hemisfério norteFrente Fria• é o ar frio que avança, introduzindo-se como umacunha por baixo do ar quente, obrigando-o a subir.Frente Quente• É o ar quente que avança, sobrepondo-se ao arfrio.
  24. 24. Perturbações FrontaisUma perturbação frontal é constituída por umsector de ar tropical quente, entre dos sectores dear polar frio (anterior e posterior), verificando-seuma dupla ascensão dinâmica do ar:Frente Fria – Efeito dainterposição do ar friopor baixo do ar quente.Frente Quente –Sobreposição do arquente ao ar frio.
  25. 25. Tipos de precipitaçãoPrecipitaçõesFrontais –Formam-se pelaascensão do arquente numasuperficie frontal.A intensidade e aduração dasprecipitações sãodiferentesconsoante se tratede um frente friaou de uma frentequente.Precipitações Convectivas –Formam-se quando se verificaum processo de convecção,devido a um intensoaquecimento do ar que se tornamenos denso e sobe, formando-se baixas pressões. Ao subir , oar arrefece, provocando acondensação do vapor de águae a formação de que originamprecipitações abundantes e decurta duração: Aguaceiros. Estetipo de precipitação é frequentenas regiões tropicais e nasregiões temperadas, devido àformação de depressõesbarométricas no interior doscontinentes, no verão se verificaum intenso aquecimento.Precipitações Orográficas– Formam-se por acção dorelevo. As vertentes dasmontanhas constituemuma barreira decondensação, obrigam o ara subir, desencadeando oprocesso de arrefecimentoque conduz à condensaçãodo vapor de água,formando-se nuvens eprecipitação. A ocorrênciadeste tipo de precipitaçãoé frequente nas áreas demontanha, nas vertentesopostas, o ar desce eaquece, a precipitação émenos frequente, o queexplica a secura dessasáreas.
  26. 26. Condições para haver precipitação:- Humidade- O ar tem que ter movimento ascendente:- Devido à formação de frentes =precipitações frontais- Devido ao relevo = precipitaçõesorográficas- Aquecimento da superfície da Terra =precipitações convectivas.- Núcleo de condensação.
  27. 27. Ritmos e distribuição daprecipitação em Portugal:A distribuição daprecipitação em Portugal,caracteriza-se por umairregularidade temporal eespacial.
  28. 28. Irregularidade anual e interanual:Registam-se, em todo o território português, diferençasna distribuição da precipitação ao longo do ano.Os valores de precipitação mais elevados ocorrem nofinal do outono, durante o inverno e no inicio daprimavera, registando-se os valores mais baixos noverão.As deslocações em latitude das baixas pressõessubpolares e das altas pressões subtropicais não sãoiguais todos os ano, registam-se diferenças nadistribuição interanual da precipitação – de ano paraano.
  29. 29. Irregularidade na distribuição espacial:A precipitação diminui da Norte para Sul e doLitoral para o Interior.No noroeste e nas áreas de valores deprecipitação, os mais baixos no vale superiordo Douro e no Sul do país.O contraste Norte-Sul deve-se à influência dalatitude, a perturbação da frente polar afectacom maior frequência o Norte do país. O Sulrecebe uma maior influência das altaspressões subtropicais, é mais seco e luminoso.
  30. 30. O relevo na distribuição da precipitação:- Nas áreas mais elevadas do Noroeste e do Centro, nasvertentes voltadas ao mar, as precipitações orográficasreforçam as frontais.- Interior Norte, a precipitação reduzida deve-se à barreira dosistema montanhoso do Noroeste que, impede a penetraçãodos ventos húmidos do Atlântico.- Disposição da Cordilheira Central permite a penetração dosventos húmidos de Oeste, o contraste litoral – interior é menor.- Serra Algarvia, registam-se valores de precipitação maiselevadas do Sul do país.- Regiões Autónomas, a precipitação é abundante nas áreas demaior altitude e nas vertentes mais expostas aos ventoshúmidos.
  31. 31. Precipitação em PortugalRegime: é muito irregular.- diferencia-se no espaço (é diferente nas R.A.A, R.A.M e nocontinente entre Norte/Sul e o Litoral/Interior.- diferencia-se no Tempo:- Ao longo do ano:+ precipitação / – inverno / + AbrilPrecipitação + verão- De ano para ano:- Anos húmidos- Anos secos.
  32. 32. PrecipitaçãoMédia Anual:Soma das precipitaçõesmédias de cada mês.Precipitação MédiaMensal:Soma das precipitaçõesmédias diárias a dividirpelo número de meses.Precipitação MédiaDiárias:Soma das precipitaçõesrecolhidas a dividir pelonúmero de recolha.
  33. 33. Conclusão do slide 31Em portugal aprecipitação muda aolongo

×