Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Retrospectiva da Economia                              etrospectiv                                 ospectiva              ...
exemplo, indústrias alimentícia e têxtil. A importância das           O início dos anos de 1960, marcado preliminarmenteat...
ao final dos anos de 1970. Com o agravamento da situação       à implementação de ousadas (e criticáveis) medidas de      ...
plena da economia a uma unidade de conta, a Unidade              de pobreza e miséria da população brasileira, da melhoria...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Retrospectiva da economia_brasileira

602 views

Published on

  • Be the first to comment

Retrospectiva da economia_brasileira

  1. 1. Retrospectiva da Economia etrospectiv ospectiva Brasileir asileira Brasileira nos Últimos 45 Anos Industrialização, desenvolvimento, crises, políticas neoliberais Industrialização, desenvolvimento, crises, neoliberais e injustiça social caracterizam a evolução da economia no país Um período de 45 anos pode ser curto para a evolução histórica, mas pode ser longo para uma sociedade como a brasileira, que vivenciou recuos e avanços políticos, profundas transformações econômicas e ganhos sociais muito aquém do necessário e desejado. De uma perspectiva econômica, ocorreram mudanças das mais significativas no país, seja em termos de estrutura econômica, seja do ponto de vista da forma de inserção da economia brasileira no mercado internacional. Após décadas de utilização de mecanismos que protegiam a produção interna contra a concorrência externa, o mercado foi aberto, eliminando-se quase todos os entraves à maior integração internacional. Maria Anita dos Anjos Retrospectiva O avanço do processo de industrialização do Brasil apresentou, em curto período de tempo, um desempenho Numa retrospectiva da evolução da economia brasileira, notável, pois assegurou não somente elevadas taxas de três fatores se sobressaem: o avanço do processo de crescimento econômico até os anos de 1970, comoEconomia industrialização orientado e coordenado pelo Estado, os promoveu alterações no parque industrial com a ascensão problemas advindos da insuficiente capacidade de de indústrias tecnologicamente avançadas. financiamento do desenvolvimento econômico e a A origem da expansão industrial brasileira data do final incapacidade de assegurar, paralelamente à performance do século XIX, com a instalação e ampliação de indústrias econômica, a melhoria substantiva da situação social. produtoras de bens de consumo não duráveis como, por 18 r e v i s t a F A E B U S I N E S S , n .4, dez. 2002
  2. 2. exemplo, indústrias alimentícia e têxtil. A importância das O início dos anos de 1960, marcado preliminarmenteatividades agroexportadoras na geração da renda nacional pela aceleração da inflação, queda dos investimentos, déficitse na oferta de emprego, como resultado de determinantes nas contas externas e nas contas públicas, determinou ahistóricos, transformava a atividade industrial em atividade implementação de medidas de estabilização, o que ocorresubordinada, ou seja, complementar à nuclear. de forma mais efetiva com o Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG), em 1964, no governo Castelo Branco. A adoção da política de estabilização incluía reformas noAção do Estado sistema financeiro e tributário, cujas reestruturações ampliaram os mecanismos e recursos para financiamento A crise econômica e política que se manifesta nos anos dos gastos e investimentos privados e públicos.de 1930 abre espaço para a ascensão de uma novaproposta de desenvolvimento, baseada no fortalecimentodo processo de industrialização e que encontra no Estado Condições favoráveisgetulista respaldo para a transformação da proposta emum projeto nacional de desenvolvimento. Passados alguns anos de redução das taxas históricas A ação do Estado na economia foi fundamental para de crescimento, a economia retoma seu processo deassegurar o crescimento industrial após a década de 1930. recuperação no final dos anos de 1960, contribuindo, paraAtravés da criação e fortalecimento das empresas estatais isso, as condições favoráveis externas e internas. Oe da utilização da política cambial, fiscal e creditícia, o Estado crescimento do comércio mundial e a expansão das linhascriou as bases para a aceleração industrial. O processo, de crédito no mercado internacional ampliaram ascontudo, foi gradual, pois foi baseado na oportunidades para o país. Internamente,proteção do mercado nacional, decorrente das foram criadas condições de maior alinhamentoelevadas tarifas incidentes sobre os bens A ação do Estado a esse novo contexto como, por exemplo, osimportados, bem como no controle direto das na economia foi incentivos fiscais e creditícios às exportações,importações e na administração de fundamental para o que propiciou aumento das exportações,estrangulamentos externos que impunha assegurar o inclusive de produtos manufaturados,limites estreitos à capacidade de importação crescimento ampliando a captação de recursos externos.e, conseqüentemente, ao acesso de bens de industrial após a Caracterizada pelas elevadas taxas deprodução, como máquinas, equipamentos e década de 1930 crescimento econômico, apesar do primeiromatérias-primas, necessários ao crescimento choque do petróleo em 1973, a década dee modernização da produção industrial. 1970 representou um marco para a economia O principal problema da industrialização, até meados brasileira, pois encerrou um período longo de crescimentodos anos de 1950, decorria da insuficiente capacidade de iniciado no pós-guerra mundial. A década encerrou umfinanciamento do processo, já que o país dependia da modelo de desenvolvimento denominado de substituição dereceita das exportações de bens agrícolas, em especial do importações, no qual o processo de industrialização ocorreucafé, para cobertura das importações de bens motivado por estrangulamentos externos, contando comindustrializados. Além disso, o capital estrangeiro, de fonte elevada proteção do mercado, seja através de controles diretos ou indiretos das importações.privada ou oficial, era escasso. A sucessão de desequilíbrios nos anos de 1980 e o No governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960) a impacto na produção e no emprego significaram umaentrada do capital estrangeiro, na forma de empréstimos, alteração efetiva de tendência da economia. A crise dafinanciamentos e investimentos, garantiu a instalação de dívida externa, provocada pela elevação dos jurosnovas empresas, particularmente as produtoras de bens de internacionais e pelo fim do fornecimento de créditoconsumo duráveis e também de máquinas e equipamentos. externo em prazos e juros atrativos, aprofundou oOs investimentos públicos realizados permitiram a ampliação desequilíbrio nas contas externas, já debilitadas pelada malha rodoviária e da oferta de energia. segunda grande elevação do preço do barril do petróleo ... 19 r e v i s t a F A E B U S I N E S S , n. 4, dez. 2 0 02
  3. 3. ao final dos anos de 1970. Com o agravamento da situação à implementação de ousadas (e criticáveis) medidas de das contas externas, o governo brasileiro recorre ao Fundo estabilização no início do governo Collor, em março de 1990. Monetário Internacional (FMI) para obter novos recursos A política de combate à inflação desse governo, assentada e o aval da instituição para um programa de ajuste da no tripé “ajuste fiscal provisório, congelamento de preços e economia, conseguindo, assim, renegociar os débitos salários e bloqueio dos ativos financeiros por 18 meses”, vencidos e a vencer com os credores internacionais e obter também não conseguiu assentar as bases de estabilização novas linhas de créditos comercial e interbancário. a longo prazo. O acordo fechado com o FMI para o biênio 1983-1984 Outras tentativas de enfrentamento da inflação sucedem-se (Plano Collor II, em 1991, e política gradualista impôs uma política drástica de ajuste interno e externo, do ministro Marcílio Marques Moreira), porém sem sob a responsabilidade do setor público. As metas a serem conseguir desarmar as condições responsáveis pelo atingidas, seja na área fiscal, visando à redução do déficit processo inflacionário. Conseguiam-se ganhos temporários, público, seja na área externa, com objetivo de obter o mas a permanência da crítica situação fiscal, os choques equilíbrio no balanço de pagamento, resultaram na redução de oferta, o grau de indexação da economia e as da demanda interna com sérios impactos sociais expectativas adversas dos agentes quanto ao decorrentes do aumento do desemprego, da queda dos comportamento da economia mantinham as elevadas rendimentos dos trabalhadores e da aceleração da inflação. pressões inflacionárias. Políticas de estabilização Globalizados e pobres Apesar do êxito relativo das metas externas, negociadas com o FMI, a aceleração da inflação e a deterioração das A proposta de retomada de crescimento do governo contas públicas, decorrentes do elevado peso dos encargos Collor, alinhada ao ideário neoliberal, significou uma da dívida pública interna e externa, foram indicativos das alteração profunda na forma de inserção da economia prioridades a serem perseguidas no governo José Sarney brasileira na economia internacional, no relacionamento do (1985-1989) e no governo Collor de Mello (1990-1992). setor público com o setor privado e na atuação do Estado No governo Sarney as políticas de na economia. O início da abertura comercial, estabilização implementadas (Plano Apesar de a economia isto é, gradual redução das alíquotas Cruzado, Plano Bresser, ortodoxia brasileira estar entre incidentes nos bens importados, foi a gradualista e Plano Verão) não as maiores do mundo estratégia utilizada, visando ao aumento da conseguiram assegurar a manutenção da e sua trajetória ter competitividade da economia. Além disso, estabilidade a longo prazo e, ao contrário, o processo de desregulamentação da sido rica e complexa, reforçaram as atitudes defensivas dos economia, o programa de privatização das infelizmente há muito agentes econômicos, os quais não estatais, a abertura do mercado financeiro pouco a se falar dos desejavam mais ser surpreendidos com ao capital internacional, entre outras avanços sociais políticas heterodoxas, que significavam medidas, significou a formação das bases congelamentos dos preços e salários, para a integração da economia ao processo quebra de contratos, mudança de moeda, alteração das de globalização, um caminho sem volta para o país, regras de indexação, entre outras. considerando, ainda, o aprofundamento desta opção peloEconomia A manutenção da inflação em elevados patamares, próximo presidente eleito: Fernando Henrique Cardoso. chegando a um processo hiperinflacionário ao final do ano O Plano Real, implementado em 1994, significou uma de 1989, e a crítica crise fiscal, com o encurtamento dos complexa engenharia de combate à inflação, baseado que prazos da dívida interna, rolada no curtíssimo prazo, levaram foi no ajuste fiscal (novamente provisório), na indexação 20 r e v i s t a F A E B U S I N E S S , n .4, dez. 2002
  4. 4. plena da economia a uma unidade de conta, a Unidade de pobreza e miséria da população brasileira, da melhoriaReal de Valor, que alinhou os preços relativos, e na reforma das condições de vida de grande parte da população urbana,monetária. Além disso, também foi fundamental a enfim de realizações efetivas no campo social.aceleração do processo de abertura e a valorização do Que este seja o momento de reflexão, de uma féreal, em relação ao dólar, no início do plano, que ampliou a verdadeira e de uma esperança firme para a ação solidáriaoferta de bens importados, pressionando, para baixo, os em prol de um país socialmente mais justo a ser construídopreços internos. nos próximos 45 anos. Este é um brevíssimo resumo dos principais eventosocorridos na economia do Brasil nos últimos 45 anos. Apesarde a economia brasileira estar entre as maiores do mundo esua trajetória ter sido rica e complexa, infelizmente há muitopouco a se falar dos avanços sociais. Conforme a afirmaçãotão conhecida: o Brasil é um país rico com muitos pobres eé, antes de tudo, um país injusto. Maria Anita dos Anjos é economista, mestre em História Econômica Quiçá pudéssemos, nesta data, comemorar os ganhos pela UFPR, doutoranda em Engenharia de Produção pela UFSC esociais obtidos nas últimas décadas, decorrentes da professora da FAE Business School.melhoria da distribuição de renda, da redução dos índices E-mail: nita@milenio.com.br ... 21 r e v i s t a F A E B U S I N E S S , n. 4, dez. 2 0 02

×