Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Redação nota mil apresentação

4,719 views

Published on

redação nota mil

Published in: Education
  • Be the first to comment

Redação nota mil apresentação

  1. 1. REDAÇÃO NOTA MIL INSTRUÇÕES
  2. 2. GÊNERO DISSERTATIVO- ARGUMENTATIVO Esse gênero textual exige que o estudante construa e defenda seu ponto de vista, proponha uma tese inicial e apresente argumentos que comprovem o seu principal ponto de vista na sobre o tema proposto na redação.
  3. 3. PRESTAR ATENÇÃO: - Objetividade do tema proposto; - Ausência de pessoalidade; - Fuja de generalizações e frases prontas;
  4. 4. INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA - O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado. - O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas. - A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.
  5. 5. SITUAÇÕES EM QUE A REDAÇÃO RECEBE ZERO - Tiver até 7 linhas escritas, sendo considerada “insuficiente”; - Não atender ao gênero dissertativo- argumentativo; - Apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos; - Apresentar parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto;
  6. 6. PASSOS A SEGUIR: 1 – Leia com atenção o tema – interprete a ideia central presente; 2 – Leia os textos motivadores, verifique o sentido que eles tem com o tema. (Eles são apenas motivadores, não são exatamente o tema da redação); 3 – Planeje a redação: a. Crie a tese a partir da interpretação feita; b. Levante argumentos, fatos, opiniões, dados e informações; c. Analise a partir dos dados, possíveis formas de intervenção do problema;
  7. 7. PARA COMEÇAR: Faça uma pergunta ao tema. Isso propicia reflexões acerca do que se vai escrever. Exemplos: ENEM 2009 (cancelada) – Valorização do idoso Por que é importante a valorização do idoso? ENEM 2010 – O trabalho na construção da dignidade humana De que forma o trabalho participa na construção da dignidade humana?
  8. 8. REDAÇÃO 1 – ENEM 2013EFEITOS DA IMPLANTAÇÃO DA LEI SECA NO BRASIL
  9. 9. Sem álcool Ao se falar em momento de diversão é impossível para muitas pessoas desvincular a imagem de boas risadas de uma lata de cerveja ou um copo de caipirinha. Um churrasco na casa de amigos não é verdadeiramente um churrasco se não for acompanhado por algumas tulipas de chope. E como “homem que é homem não se deixa derrubar por um pouco de cerveja”, lá se vão os casais, famílias e grupos de conhecidos sendo guiados por aqueles que não admitem que ninguém encoste em seus preciosos carros. TESE Define que a abordagem será cultural e comportament al. INTRODUÇÃO 1º PARÁGRAFO
  10. 10. A lei seca, ao entrar em vigor, foi um exemplo de rigor e motivo de orgulho. Policiais munidos de bafômetros por todas as partes, motoristas que se preocupavam até mesmo com o fato de seu enxaguante bucal ter álcool em sua fórmula ou não. As ruas ficaram mais seguras, menos pessoas morreram e os taxistas – diga-se de passagem – ficaram eternamente gratos pela lei. 2º PARÁGRAFO 3º PARÁGRAFO E fora das ruas a campanha de conscientização também teve lugar, apresentando-se de forma bem-humorada ou mostrando as possíveis consequências sangrentas da imprudência. Uma breve retrospecti va de lei antecipa o contrapont o. RETROSPECTIVA
  11. 11. 4º PARÁGRAFO Mas depois de poucos meses o rigor não era mais tão grande e encontrar motoristas exalando álcool por todos os seus poros também não era mais tão difícil. O número de pessoas conscientes dos riscos aos quais estavam se expondo aumentou significativamente, porém, ainda há aqueles que confiam em sua sorte. O conectivo adversativo mas introduz o argumento. CONECTIVO
  12. 12. Para que todo o esforço feito não seja perdido é imprescindível que a fiscalização – tanto policial quanto das pessoas físicas – continue, assim como é importante mostrar às crianças que carros e álcool só podem estar juntos se o último estiver na forma de combustível. Assim, são criados futuros adultos responsáveis e atuais fiscalizadores mirins, tão ou mais eficazes do que pontos na carteira e um bolso menos cheio. 5º PARÁGRAFO Traz uma proposta de intervenção social coerente e adequada ao tema. CONCLUSÃO
  13. 13. Sem álcool Ao se falar em momento de diversão é impossível para muitas pessoas desvincular a imagem de boas risadas de uma lata de cerveja ou um copo de caipirinha. Um churrasco na casa de amigos não é verdadeiramente um churrasco se não for acompanhado por algumas tulipas de chope. E como “homem que é homem não se deixa derrubar por um pouco de cerveja”, lá se vão os casais, famílias e grupos de conhecidos sendo guiados por aqueles que não admitem que ninguém encoste em seus preciosos carros. A lei seca, ao entrar em vigor, foi um exemplo de rigor e motivo de orgulho. Policiais munidos de bafômetros por todas as partes, motoristas que se preocupavam até mesmo com o fato de seu enxaguante bucal ter álcool em sua fórmula ou não. As ruas ficaram mais seguras, menos pessoas morreram e os taxistas – diga-se de passagem – ficaram eternamente gratos pela lei. E fora das ruas a campanha de conscientização também teve lugar, apresentando-se de forma bem-humorada ou mostrando as possíveis consequências sangrentas da imprudência. Mas depois de poucos meses o rigor não era mais tão grande e encontrar motoristas exalando álcool por todos os seus poros também não era mais tão difícil. O número de pessoas conscientes dos riscos aos quais estavam se expondo aumentou significativamente, porém, ainda há aqueles que confiam em sua sorte. Para que todo o esforço feito não seja perdido é imprescindível que a fiscalização – tanto policial quanto das pessoas físicas – continue, assim como é importante mostrar às crianças que carros e álcool só podem estar juntos se o último estiver na forma de combustível. Assim, são criados futuros adultos responsáveis e atuais fiscalizadores mirins, tão ou mais eficazes do que pontos na carteira e um bolso menos cheio.
  14. 14. ANÁLISE – EXCELENTE DESEMPENHO O Enem estabelece uma banca corretora de, no mínimo, 2 corretores. A redação Sem álcool recebeu de um avaliador o total de 1000 pontos, e de outro, 960. Além do texto conter todas as orientações escolares de clareza e adequação vocabular, objetividade, perspectiva crítica, construção de um ponto de vista nítido e coerência argumentativa, o texto contém um uso da uma linguagem mais simples, que garantiu a fluidez da leitura.
  15. 15. DESENVOLVIMENTO TEXTUALA autora abre sua dissertação estabelecendo claramente para o leitor que sua abordagem do tema se dará a partir de uma abordagem cultural, e cita claramente os elementos do tema proposto. O segundo e o terceiro parágrafos retornaram ao tema, e preparam para o desenvolvimento de um contraponto. O conectivo de introdução no quarto parágrafo, “mas”, concretizou o ponto de vista e introduziu o contundente contraponto que o sustentou: mesmo com o aumento da conscientização, alguns insistem nas práticas combatidas pelas campanhas espalhadas pelo país. A conclusão ofereceu uma proposta de intervenção social coerente e adequada ao tema, ao ponto de vista apresentado e à argumentação desenvolvida. Apesar de ter projetado qualquer mudança efetiva apenas para o futuro, a ação apresentada – a educação sistemática das novas gerações – vislumbrou o tempo presente.
  16. 16. Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa. Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das varias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo argumentativo em prosa. Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção de argumentação. Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.NOTA: 200 (100%) NOTA: 200 (100%) NOTA: 200 (100%) NOTA: 200 (100%) NOTA: 180 (90%) COMPETÊNCIA 1 COMPETÊNCIA 2 COMPETÊNCIA 3 COMPETÊNCIA 4 COMPETÊNCIA 5
  17. 17. REDAÇÃO 2 – UNESP 2014CORRUPÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL: REFLEXO DA SOCIEDADE BRASILEIRA?
  18. 18. A sociedade brasileira é marcada por uma constante troca de favores, por uma necessidade de obter vantagens que corrompe desde as camadas sociais mais baixas às mais elevadas. Assim descreveu Manuel Antônio de Almeida em seu “Memórias de um Sargento de Milícias”, publicado no século XIX. Seu diagnóstico, entretanto, continua válido para a sociedade atual: num momento em que escândalos de corrupção ganham destaque na mídia, torna-se nítido que a corrupção manifesta nos mais diversos níveis da vida do brasileiro, no público e no privado, sendo os esquemas de corrupção no Congresso Nacional apenas a mais evidente das manifestações. RECURSO EXCELENTE: A intertextualida de é bastante interessante quando o texto citado se encaixa no contexto da redação. E o livro é um cânone da literatura brasileira. NORMA PADRÃO: prefira o uso formal: em um. 1º PARÁGRAFO Sobre a corrupção no Congresso e nas relações sociais
  19. 19. O Brasil teve suas estruturas burocráticas e jurídicas organizadas sempre de forma a atender, ao longo da história do país, aos interesses de um grupo restrito, de uma elite que nunca hesita em utilizar-se de estratégias espúrias para se manter no poder. Torne-se como exemplo a chamada “politica de governadores”, que marcou a República Oligárquica e que consiste num “toma lá – dá cá” entre governadores e presidente, confirmando o diagnóstico de Manuel Antônio de Almeida em relação à onipresença de troca de favores na sociedade brasileira. Por um lado, esse histórico cristaliza uma tradição na qual tudo é válido para manter-se no poder, tornando a corrupção entre autoridades algo corriqueiro; por outro, fez surgir, entre muitos que estavam e estão distanciados do poder, a convicção de que é impossível ascender social e 2º PARÁGRAFO
  20. 20. 3º PARÁGRAFO Portanto, a corrupção que mancha a imagem dos políticos brasileiros hoje – e que torna o povo ainda mais convicto de que é natural que a honestidade seja exceção em quaisquer relações – tem as mesmas raízes que as pequenas infrações cometidas no dia a dia e que caracterizam o chamado “jeitinho brasileiro”. Essas infrações derivam de um pensamento incrustado na mentalidade coletiva dos brasileiros, segundo o qual pequenos desvios são essenciais para obter vantagens em determinadas situações, e de que esses desvios são desprezíveis e não terão grandes consequências. É esse tipo de pensamento que faz com que a politica seja vista acima de tudo como um meio para obter benefícios próprios em detrimento dos interesses coletivos. BOA SUBSTITUIÇÃ O: O uso de parênteses é inapropriado em uma dissertação. O autor fez ótimo uso dos travessões.
  21. 21. Desconstruir esse pensamento é eliminar a legitimidade que a corrupção adquire através da generalização desses pequenos desvios cotidianos. A melhor forma de fazê-lo é realizar uma revolução silenciosa nas casas e nas escolas, de modo que, num futuro próximo, a desonestidade seja vista como exceção – e não o contrário. 4º PARÁGRAFO CUIDADO AO CONCLUIR: A regra geral é: se a proposta não pede solução, evite apresenta- la.
  22. 22. Sobre a corrupção no Congresso e nas relações sociais A sociedade brasileira é marcada por uma constante troca de favores, por uma necessidade de obter vantagens que corrompe desde as camadas sociais mais baixas às elevadas. Assim descreveu Manuel Antônio de Almeida em seu “Memórias de um Sargento de Milícias”, publicado no século XIX. Seu diagnóstico, entretanto, continua válido para a sociedade atual: num momento em que escândalos de corrupção ganham destaque na mídia, torna-se nítido que a corrupção manifesta nos mais diversos níveis da vida do brasileiro, no público e no privado, sendo os esquemas de corrupção no Congresso Nacional apenas a mais evidente das manifestações. O Brasil teve suas estruturas burocráticas e jurídicas organizadas sempre de forma a atender, ao longo da história do país, aos interesses de um grupo restrito, de uma elite que nunca hesita em utilizar-se de estratégias espúrias para se manter no poder. Torne-se como exemplo a chamada “politica de governadores”, que marcou a República Oligárquica e que consiste num “toma lá – dá cá” entre governadores e presidente, confirmando o Por um lado, esse histórico cristaliza uma tradição na qual tudo é válido para manter-se no poder, tornando a corrupção entre autoridades algo corriqueiro; por outro, fez surgir, entre muitos que estavam e estão distanciados do poder, a convicção de que é impossível ascender social e economicamente sem optar por meios escusos. Portanto, a corrupção que mancha a imagem dos políticos brasileiros hoje – e que torna o povo ainda mais convicto de que é natural que a honestidade seja exceção em quaisquer relações – tem as mesmas raízes que as pequenas infrações cometidas no dia a dia e que caracterizam o chamado “jeitinho brasileiro”. Essas infrações derivam de um pensamento incrustado na mentalidade coletiva dos brasileiros, segundo o qual pequenos desvios são essenciais para obter vantagens em determinadas situações, e de que esses desvios são desprezíveis e não terão grandes consequências. É esse tipo de pensamento que faz com que a politica seja vista acima de tudo como um meio para obter benefícios próprios em detrimento dos interesses coletivos. Desconstruir esse pensamento é eliminar a legitimidade que a corrupção adquire através da generalização desses pequenos desvios cotidianos. A melhor forma de fazê-lo é realizar uma revolução silenciosa nas casas e nas escolas, de modo que, num futuro próximo, a desonestidade seja vista como exceção – e não o contrário.
  23. 23. ANÁLISE – BOA ARGUMENTAÇÃO E ESCRITA DE QUALIDADESim, a corrupção no Congresso Nacional é reflexo da sociedade brasileira; mas essa realidade que fez parte do passado brasileiro e é evidente em nosso presente não precisa ser a base de nosso futuro – essa é a abordagem dessa redação feita para o vestibular da Unesp de 2014. Aproveitando bem a proposta, o candidato soube montar um panorama da população brasileira, acostumada com a troca de favores e a busca de privilégios. O autor divide a sociedade em duas partes, uma elite que sempre se beneficiou de sua posição para ter vantagens e os menos abastados, que assistem à situação, ou acabam fazendo parte do jogo escuso, a fim de ter privilégios também, e deixar sua posição subalterna. Esse panorama é apresentado como uma constante na historia nacional. Pode-se observar que, de acordo com os argumentos apresentados, a politica, por representar a instância máxima do poder, seria não só o reflexo dos desvios da sociedade, mas o caminho natural daqueles que
  24. 24. BOA ESTRUTURAÇÃOVale a pena ressaltar que a construção da argumentação na redação é bem realizada. Do paralelo com Memorias de um Sargento de Milícias à exemplificação da conduta durante a República Oligárquica, o desenvolvimento trabalha para confirmar a visão apresentada pelo candidato em sua tese. No primeiro paragrafo, ele apresenta sua tese, respondendo à pergunta formulada e preparando o leitor para o desenvolvimento da argumentação: a corrupção no Congresso é apenas a mais evidente. A partir daí, desenvolvo uma boa paragrafação, enriquecida por um vocabulário sofisticado e preciso, boa construção de períodos e uso ótimo e seguro de pontuação: vírgulas, travessões, dois-pontos e aspas bem empregados segundo a norma-padrão. Note que, no terceiro parágrafo, a conjunção “portanto” introduz o leitor para o sentido conclusivo do que vai ler. Esse bloco conclui a defesa da tese que o candidato afirma no início, e a redação poderia ter terminado aí, sem prejuízo para a argumentação e para a boa avaliação do autor. Isso porque uma das orientações que se dá aos candidatos é de que não apresente uma solução. Porém, nesse caso, o candidato fez isso com competência, apontando para uma possibilidade de mudança. A conclusão traz uma proposta de intervenção social, para que a desonestidade deixe de ser vista como parte inerente de nosso
  25. 25. ANA CAROLINA ALENCAR GABRIEL LIMA MARCOS SIMONELLI NICOLE MARTINHO 01 09 22 25 3ºD

×