Circulación de saberes sobre enseñanza en
propuestas curriculares: las relaciones entre
el discurso académico, el discurso...
Década de 70 do século XX
Segundo Soares (2002), quando a ditadura militar intervém, nas
décadas de 60 e 70, o ensino teria assumido caráter pragmát...
Os Guias Curriculares (São Paulo, 1975)
Em sua parte específica sobre ensino de língua portuguesa, afirmase a proposta est...
Os Guias Curriculares (São Paulo, 1975)
Nos Guias, Gramática tem sentido diferente da tradicional gramática
normativa que ...
Década de 80 do século XX
-Movimento pelas eleições diretas para presidente (movimento de
abertura política);
- consolidaç...
A década de 80 do século XX
Geraldi, Silva & Fiad (1996) destacam “a presença constante de
quatro aportes da Linguística p...
A Proposta Curricular (São Paulo, 1986)
“(...) Se conseguirmos que ele [o conceito de trabalho]
esteja no centro de nossas...
- Noção de texto que a Proposta Curricular apresenta
como satisfatória:

“Assim, o texto falado ou escrito constitui-se pe...
No discurso a que pertence o texto da
Proposta Curricular:
-à noção de interação se associa a noção de
linguagem como ativ...
A década de 90 do século XX
-Estado democrático de direito;
- Em caminho para a consolidação da oferta plena do acesso à
e...
Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997)
• compreender a cidadania como participação social e política,
assim c...
Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997)
• conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões
sociai...
“A questão não é falar certo ou errado, mas saber qual forma de
fala utilizar, considerando as características do contexto...
Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa
(década de 10 dos anos 2000)
-Psicogênese da língua escrita
-Letramento
-...
Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa
(década de 10 dos anos 2000)
“É com base no reconhecimento dessas semelha...
Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa
(década de 10 dos anos 2000)
“(...) a ampliação das capacidades
de leitur...
Referências bibliográficas
BORGES, Abílio César. Terceiro livro de leitura para uso das escolas brasileiras.
65ª edição. R...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares

481 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
481
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
128
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • {}
  • 3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares

    1. 1. Circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares: las relaciones entre el discurso académico, el discurso pedagógico y el discurso oficial.
    2. 2. Década de 70 do século XX
    3. 3. Segundo Soares (2002), quando a ditadura militar intervém, nas décadas de 60 e 70, o ensino teria assumido caráter pragmático e utilitarista, e seu objetivo seria o desenvolvimento do uso da língua, o que se conseguiria com alterações na disciplina, que se fundamentaria a partir de então em elementos da Teoria da Comunicação. Nesse novo contexto, o aluno seria visto como um emissor-receptor de códigos os mais diversos, e não mais apenas do verbal. Ainda segundo a autora, a concepção de língua como sistema (ensino de gramática), e a concepção de língua como expressão estética (ensino da retórica e poética, e, posteriormente, estudo de textos), foram substituídas pela concepção de língua como comunicação.
    4. 4. Os Guias Curriculares (São Paulo, 1975) Em sua parte específica sobre ensino de língua portuguesa, afirmase a proposta estar fundamentada em perspectiva funcional de linguagem: “O guia que ora se apresenta baseia-se no caráter funcional da língua e está centrado no objetivo geral da matéria: desenvolver a habilidade de comunicar-se mais ampla e mais eficazmente nas diferentes situações de discurso: Troca de informação; Manifestação de emoções; Manifestações volitivas, etc”. (São Paulo, 1975, p. 3) “produção e compreensão de frases, na medida em que consegue variedade e complexidade de estruturas e amplia suas possibilidades de escolha e seleção ao comunicar-se”. (idem)
    5. 5. Os Guias Curriculares (São Paulo, 1975) Nos Guias, Gramática tem sentido diferente da tradicional gramática normativa que ditava regras prescritivas para o uso erudito da língua. Decorre, daí, que o papel da Gramática é tornar o falante consciente do sistema de transformações que os modelos sofrem para atingir um grau de aceitabilidade, dentro da língua. O ensino de Língua Portuguesa partiria do princípio de que a língua se define por sua estrutura, e ensinar língua consistiria, então, em realizar: “exercícios de língua (exercícios estruturais, de análise, de síntese, de classificação, de relacionamento, de transformações), para que o aluno se habilite a usar a língua para produção e compreensão de frases, na medida em que consegue variedade e complexidade de estruturas e amplia suas possibilidades de escolha e seleção ao comunicar-se”. (idem)
    6. 6. Década de 80 do século XX -Movimento pelas eleições diretas para presidente (movimento de abertura política); - consolidação de áreas do conhecimento e de perspectivas teóricas: os estudos linguísticos, a sociolinguística, o sócio-interacionismo e a psicogênese da língua escrita; - contingente cada vez maior de alunos frequentando os bancos escolares
    7. 7. A década de 80 do século XX Geraldi, Silva & Fiad (1996) destacam “a presença constante de quatro aportes da Linguística para o ensino de língua materna”: “a concepção sócio-interacionista ou sócio-histórica de linguagem inspirando as atividades de ensino; a noção de texto, como um produto do trabalho interativo com vínculos às suas condições discursivas de produção; a noção de variedade linguística como própria de qualquer língua, deslocando a noção de certo/errado e redefinindo as discussões sobre o ensino da chamada língua padrão; e a reorganização das práticas de sala de aula em torno da leitura, da produção de textos e da análise linguística.’ (p. 325-26)
    8. 8. A Proposta Curricular (São Paulo, 1986) “(...) Se conseguirmos que ele [o conceito de trabalho] esteja no centro de nossas preocupações pedagógicas, como prática de um sujeito em uma ação transformadora, estaremos conseguindo formar, em nossos alunos, uma capacidade linguística plural, pela qual poderão inclusive, de quebra, dominar as regras gramaticais, os artifícios da retórica e da argumentação, os rótulos fornecidos pela história literária. Isso, sem a metade de nossos bloqueios de expressão verbal.” (p. 19)
    9. 9. - Noção de texto que a Proposta Curricular apresenta como satisfatória: “Assim, o texto falado ou escrito constitui-se pela interação dos interlocutores, falante ou ouvinte, autor e seus leitores, envolvendo quem o produz e quem o interpreta. Por um lado, como vimos, esse processo implica no recurso a aspectos sistemáticos e a regras (lingüísticas, lógicas, conversacionais,...) que permitem aos participantes da comunicação identificar-se e identificar o quadro lingüístico e cultural em que se situam.”
    10. 10. No discurso a que pertence o texto da Proposta Curricular: -à noção de interação se associa a noção de linguagem como atividade humana, histórica e social; -há oposição em relação a concepções de linguagem que a consideram uma atividade escolar, ordenada numa dada disciplina, de caráter exclusivamente gramatical.
    11. 11. A década de 90 do século XX -Estado democrático de direito; - Em caminho para a consolidação da oferta plena do acesso à escolarização básica; - Novos referenciais para o tratamento do ensino e aprendizagem de língua portuguesa coexistem com os desenvolvidos na década de 80: estudos do letramento; a perspectiva dos gêneros de discurso; o interacionismo sóciodiscursivo.
    12. 12. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997) • compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito; • posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
    13. 13. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1997) • conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao País; • conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais;
    14. 14. “A questão não é falar certo ou errado, mas saber qual forma de fala utilizar, considerando as características do contexto de comunicação, ou seja, saber adequar o registro às diferentes situações comunicativas. É saber coordenar satisfatoriamente o que falar e como fazê-lo, considerando a quem e por que se diz determinada coisa. É saber, portanto, quais variedades e registros da língua oral são pertinentes em função da intenção comunicativa, do contexto e dos interlocutores a quem o texto se dirige. A questão não é de correção da forma, mas de sua adequação às circunstâncias de uso, ou seja, de utilização eficaz da linguagem: falar bem é falar adequadamente, é produzir o efeito pretendido.” (PCN 1ª a 4ª séries, p. 26)
    15. 15. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (década de 10 dos anos 2000) -Psicogênese da língua escrita -Letramento - A noção de “consciência fonológica”
    16. 16. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (década de 10 dos anos 2000) “É com base no reconhecimento dessas semelhanças entre o que está presente em propostas curriculares elaboradas em diferentes partes do país, que se pode afirmar que alguns conhecimentos e algumas capacidades cognitivas possam fazer parte dos acordos firmados nas escolas públicas que tenham como finalidade a construção de situações favoráveis de aprendizagem, em uma perspectiva inclusiva, isto é, em uma perspectiva de garantia de aprendizagem para todos. A busca por um currículo inclusivo rompe com os valores relativos à competitividade, ao individualismo, à busca de vantagens individuais. Os princípios de um currículo inclusivo incluem a definição de alguns conhecimentos a serem apropriados por todos os estudantes, respeitando-se as singularidades, diferenças individuais e de grupos sociais.” (Pacto – caderno Unidade 01 Ano 3, pág. 7-8)
    17. 17. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (década de 10 dos anos 2000) “(...) a ampliação das capacidades de leitura, escrita, fala e escuta são direitos de aprendizagem fundamentais e tais domínios são importantes não somente para a constituição dos sujeitos como seres de linguagem, mas também para a aprendizagem dos conceitos e teorias relativos aos diferentes componentes que compõem o currículo da Educação Básica.” (idem, p. 13)
    18. 18. Referências bibliográficas BORGES, Abílio César. Terceiro livro de leitura para uso das escolas brasileiras. 65ª edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1890, primeira edição, 1871 (Bruxelas). BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. GERALDI, J.W., SILVA, L.L.M. & FIAD, R.S. Linguística, Ensino de Língua Materna e Formação de Professores, in D.E.L.T.A., vol.12, nº 2, pp.307 -326, 1996. SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Guias Curriculares para o ensino de 1º grau. São Paulo, Cerhupe, 1975. PAULO. Secretaria da Educação. Subsídios à Proposta Curricular de Língua Portuguesa para o 1º e 2º graus – coletânea de textos. São Paulo: CENP, vol. 1, 1986 [1988] Silva, Márcia Cabral da. Infância, de Graciliano Ramos: uma história da formação do leitor no Brasil. Tese de Doutorado, IEL/UNICAMP, Campinas, SP, 2004. SOARES, Magda. Português na escola – História de uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos (org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.

    ×