Ensino mediado 2 2011

253 views

Published on

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
253
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ensino mediado 2 2011

  1. 1. O uso da tecnologia no ensino de Línguas estrangeiras: breve retrospectiva histórica Texto adaptado de Vera Menezes (UFMG)
  2. 2. Movimento diante do novo: <ul><li>REJEIÇÃO </li></ul><ul><li>INSERÇÃO </li></ul><ul><li>NORMALIZAÇÃO </li></ul>
  3. 3. As tecnologias no ensino de línguas <ul><li>Em 1930 os estúdios de Walt Disney produziram cartoons para o ensino de inglês, dando início ao uso de filmes no ensino de línguas. </li></ul><ul><li>A televisão foi inventada em 1926 por John Baird e só chegou ao Brasil em 1950. </li></ul>
  4. 4. Evolução da tecnologia <ul><li>Volumen codex livro </li></ul><ul><li>Fonógrafo gramofone gravador </li></ul><ul><li>Projetor televisão vídeo </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Segundo Lévy (1997), o ensino de línguas mediado por computador teve início com o projeto PLATO em 1960. </li></ul><ul><li>Na década de 80 surgiram no Brasil os primeiros computadores pessoais. </li></ul><ul><li>O acesso à rede mundial de computadores, no Brasil, aconteceu em 1991 com a criação da Rede Nacional de Pesquisa pelo Cnpq. </li></ul><ul><li>O acesso ao público só teve início em 1994. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>No século XXI a internet entra em uma nova fase: a web 2.0. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>1998: Google </li></ul><ul><li>2001: Wikipedia </li></ul><ul><li>2002: Orkut </li></ul><ul><li>2004: Blogs e Podcasts </li></ul><ul><li>2005: Youtube </li></ul><ul><li>2006: Twitter </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Web 1.0: Anos 90 A grande biblioteca digital Foi a primeira geração de internet comercial. Seu grande trunfo era a quantidade de informações disponíveis. Mas o conteúdo era pouco interativo. O usuário ficava no papel de mero espectador da ação que se passava na página que ele visitava. Não tinha autorização para alterar seu conteúdo. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Web 2.0: A construção coletiva do conhecimento Sua essência é permitir que os usuários sejam mais que meros espectadores: eles são parte do espetáculo. Os melhores sites são ferramentas para que os internautas gerem conteúdo, criem comunidades e interajam. Alguns, como a Wikipédia, possibilitam a construção coletiva do conhecimento. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Web 3.0: A Web 3.0 serve-se de software que vai aprendendo com o conteúdo que recolhe na Internet, que analisa a popularidade desse conteúdo e chega a conclusões. Em vez de ter as pessoas refinando os termos da pesquisa, a Web 3.0 será capaz de fazer isto sozinha, aproximando-se do mundo da inteligência artificial. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>A diferença entre a Web 2.0 e a Web 3.0 é a diferença entre obter uma lista de respostas e uma solução concreta e personalizada para uma pergunta. </li></ul><ul><li>Os especialistas em Internet acham que a Web 3.0 será como ter um assistente pessoal que sabe praticamente tudo sobre você e que pode acessar toda a informação da Internet para responder qualquer pergunta sua. Muitos comparam a Web 3.0 com um banco de dados gigante. Enquanto a Web 2.0 utiliza a Internet para conectar pessoas, a Web 3.0 servirá para conectar informações. </li></ul>
  12. 12. Socialização dos computadores e seu uso em 7 fases por Pennington (1996) <ul><li>1. uso para cálculos matemáticos por um grupo de cientistas da elite; </li></ul><ul><li>2. professores e alunos de instituições de prestígio; </li></ul><ul><li>3. toda esfera educacional, incluindo escolas públicas; </li></ul><ul><li>4. objeto de massa; </li></ul><ul><li>5. os educadores se apoderam do computador e eles se tornam cada vez mais parte das práticas pedagógicas. </li></ul><ul><li>6. crianças digitalmente letradas; </li></ul><ul><li>7. acesso universal não apenas às informações, mas também às pessoas. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>“ Não podemos dar tudo pronto no processo de ensino e aprendizagem. Aprender exige envolver-se, pesquisar, ir atrás, produzir novas sínteses fruto de descobertas. O modelo de passar conteúdo e cobrar sua devolução é insuficiente. Com tanta informação disponível, o importante para o educador é encontrar a ponte motivadora para que o aluno desperte e saia do estado passivo, de espectador. Aprender hoje é buscar, comparar, pesquisar, produzir, comunicar.” </li></ul><ul><li>Moran, 2011 http://www.moran10.blogspot.com </li></ul>
  14. 14. Referências <ul><li>http://portfoliodigital.blogspot.com/2007/04/web-10-web-20-web-30.html </li></ul><ul><li>http://teteraconsultoria.com.br/blog/o-que-e-web-3-0/ </li></ul><ul><li>http://informatica.hsw.uol.com.br/web-305.htm </li></ul><ul><li>PAIVA, V.L.M.O. O uso da tecnologia no ensino de línguas estrangeiras: breve retrospectiva histórica , 2008. Disponível em http://www.veramenezes.com/techist.pdf </li></ul>

×