Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doces típicos de natal

247 views

Published on

Published in: Food
  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

Doces típicos de natal

  1. 1. DOCES TÍPICOS DE NATAL Trabalho Por: Maria Neto e Sara João
  2. 2. O BOLO REI A S UA HI S TÓR I A História do Bolo Rei O bolo-rei nasceu há cerca de vinte séculos. Tanto tempo! Segundo a tradição mais antiga, o bolo-rei nasceu no tempo do rei Herodes I, o Grande. A caravana dos reis magos e sábios ia prestar homenagem ao Menino Deus Decidiu escolher quem seria o primeiro a dar-lhe os presentes. Como não chegavam a acordo, resolveram fazer um bolo com uma fava no interior. Aquele a quem coubesse a fatia com a fava seria o primeiro a oferecer-lhe os presentes. Existe, no entanto, outra interpretação para o aparecimento do bolo-rei. Na Roma antiga, durante as festas dedicadas a saturno, aquele a quem saísse a fava ficava a ser simbolicamente o rei . Mais tarde, os cristãos vão aproveitar este costume para relembrar os três reis magos, na festa da Epifania. Os Franceses, posteriormente, tiveram a ideia de cortar o bolo em tantas fatias quantos os convidados e ainda mais uma, a que chamavam a “Parte de Deus”, que seria distribuída a um pobre. O convidado a quem calhasse a fatia com a fava era designado “rei” ou “rainha”. Este rei escolheria então uma rainha e dava-lhe um presente ou vice-versa. Entre nós, a tradição modificou-se um pouco e, como sabes, aquele a quem calhar a fava terá de pagar, no ano, seguinte, o bolo-rei!...
  3. 3. BOLO REI EM POR T UGA L Bolo Rei em Portugal Tanto quanto se sabe, a primeira casa onde se vendeu em Lisboa o bolo-rei foi a Confeitaria Nacional, certamente depois de 1869. A pouco e pouco, a receita do bolo-rei generalizou-se. Outras confeitarias de Lisboa passaram a fabricá-lo, o que deu origem a versões diversas, que de comum tinham apenas a fava. No Porto, foi posto à venda pela primeira vez em 1890, por iniciativa da Confeitaria de Cascais. Diz-se que este bolo-rei foi feito segundo receita que o proprietário daquela confeitaria, Francisco Júlio Cascais, trouxera de Paris. Inicialmente, só era fabricado na véspera do Dia de Reis, mas a partir de 1920, a Confeitaria de Cascais passou a ter bolo-rei quase todos os dias. Na altura, já muitas confeitarias de Lisboa o vendiam. Assim, actualmente em Portugal, o consumo de Bolo Rei é mais significativo entre finais de Novembro e o dia 6 de Janeiro. Embora, o gosto por este bolo no nosso país faça com que ele seja vendido durante todo o ano, a verdade é que as vendas deste disparam durante a época acima assinala, até porque durante a época natalícia, o Bolo Rei não se limita a ser um bolo com um gosto agradável, ele é na verdade um verdadeiro símbolo desta época! Não há dúvidas, que o bolo-rei veio de Paris. O «nosso» bolo-rei segue a receita utilizada a sul do Loire, um bolo em forma de coroa, feito de massa levedada (massa de pão). Acrescenta-se, de qualquer modo, que as várias receitas os bolos continham uma fava simbólica, que nem sempre era uma verdadeira fava, podendo ser um pequeno objecto de porcelana. Hoje em dia, o bolo-rei inclui um brinde e uma fava. O brinde é um pequeno objecto metálico sem outro valor que não seja o de símbolo, e mesmo assim pouco evidente para a maioria das pessoas. A fava representa uma espécie de azar: quem ficar com ela tem que comprar outro bolo-rei
  4. 4. Bolo rei
  5. 5. SONHOS SUA FORMAÇÃO Sonho de Natal ou simplesmente sonho é um doce típico da culinária de Portugal, consumido tradicionalmente na quadra natalícia. Os sonhos de Natal são fritos, apresentando uma forma esférica e uma tonalidade exterior alaranjada e uma tonalidade interior amarelada. Os seus ingredientes incluem leite, casca de limão, sal, farinha de trigo, ovos e óleo para a fritura. A massa dos sonhos é preparada em vários passos, envolvendo a fervura do leite com a casca de limão e a farinha e a adição dos ovos. Segue-se a fritura, sendo colocadas colheradas de massa em óleo quente, moldadas em forma de bola, que devem fritar de ambos os lados. Durante a fritura, os sonhos viram-se normalmente sozinhos. Por fim, podem ser servidos polvilhados apenas com açúcar, com uma combinação de açúcar e canela ou com uma calda.
  6. 6. SONHOS
  7. 7. RABANADAS HI S TÓR I A A rabanada aparece documentada no século XV, citado por Juan del Encina: «mel e muitos ovos para fazer rabanadas», ao parecer como prato indicado para recuperar de partos. As primeiras receitas remontam ao livro de cozinha de Domingo Hernández fde Maceras (1607) e "Arte de cozina, pastelería, vizcochería y conservería" de Francisco Martínez Motiño (1611). A rabanada era, no inicio do século XX, muito comum nas tabernas de Madrid e servia-se com jarros de vinho A associação das rabanadas à quaresma deve-se talvez à necessidade de aproveitar o pão, que durante o tempo que não se comia carne, era por isso menos consumido, mesmo assim sendo produzido a mesma quantidade
  8. 8. Rabanadas
  9. 9. LEBKUCHENHAUS CASA DE GENGI B R E A famosa casinha de Gengibre tem origem na Alemanha, mas, hoje em dia e muito popular em diversos países. Quem nunca fez uma deveria, e muito bacana e as crianças adoram a montagem. As primeiras casinhas foram feitas por padeiros Alemães inspirados pelo conto de Hansel and Gretel (João e Maria no Brasil). Apesar de as primeiras receitas escritas serem datadas do seculo XVI, a historia do biscoito de gengibre e muita mais antiga vindo da Época Romana na forma de bolo de mel. Eles eram feitos com formato de coração e a tradição se espalhou por toda a Europa. Padeiros então, começaram a fazer em formatos de animais para serem vendidos durante as ferias de natal. Mais tarde, imigrantes alemães levaram a tradição para a América. Curiosidade: Desde 1991, os moradores de Bergen, na Noruega, constroem uma cidade de “Gingerbread House” na semana antes do Natal, chamada de Pepperkakebyen (Norueguês para ” cidade de gingerbread”).
  10. 10. LEBKUCHENHAUS

×