Darcy Ribeiro: Os Índios e a Civilização - Conclusão

6,401 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,401
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
113
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Darcy Ribeiro: Os Índios e a Civilização - Conclusão

  1. 1. Darcy Ribeiro ~ Os Indios e a Civiliza~ao A Integra<;ao das Popula<;6es Indigenasno Brasil Moderno 4~ edi~ao FICHA CATALOGRAFICA CIP-Brasil_ Caf,alogat;iio-na-tonte Sindieato Nacional dos Editores de Livros, RJ. Ribeiro, Darei, 1922-R368i Os indios e a civiliza9iiO: a integra9ao das popula90es indigenas no Brasil moderno / Darcy Ribeiro. - 3_ ed. - Petr6polis: Vozes, 1982_ iii ~~. 512 p. Bibliografia. I. Civiliza9iio de indios da America do Sui ,I A,r)o ;t>"r r::.,y Brasil. 2. indios da America do Sui - Brasil. 1. Titulo. II. Titulo: A Integra9ao das popula90es indigenas no Brasil moderno. _____y CDD - 980.41 301.451981 Petr6polis Editora Vozes Ltda. J79-0056 CDU - 301.162.1(81=97) 1982
  2. 2. XII Conclusoes I - POPULA<;AO INDIGENA BRASILEIRA A popula9ao indigena do Brasil, cujo montante se encontravaem 1957 entre om minimo de .sessenta e oito mil e cem e um ma-xim; de noven.!a ~.l!.Qve mil e set~eiitos, Ii"ao alcan9a, mesmo nahip6tese mais otimista, RJ,,2%, da popula9ao nacional. Distribuidospelas diversas regi6es do Pais, os valores medios destas avalia96esnos dao um montante provavel de cinqtienta e dois mil quinhentose cinqtienta indios (612i) para a .A.ma4onia; de dezoito mil centoe vinte e cinco (21, %) para 0 B sil Central; de sete mil e sete-centos (9%) para~o Brasil. Oriental, e de cinco mil quinhentos evinte e cinco (6,)_%) par~ re?iao SuI. 431
  3. 3. Distribuidas por categorias correspondentes aos graus de conta- do necessidades novas cuja satisfa«ao so e possivel atraves de re-to, estas medias nos dao os seguintes numeros: quarenta e sete mil la?~_s _~o~omicas com agentes da civiliza«ao. Freqiientemente ternsetecentos e cinqiienta indios para os grupos isolados (57%); dez atItudes de arnbivalencia motivadas, por urn lado, pelo temor aomil duzentos e setenta e cinco para os que estao em conta!~in­ homem branco; e, por outro lado, pelo fascinio que exerce sobretermitente (12%); dezoito mil e setenta e cinco para os que vivem eles urn equipamento infinitamente superior de a«ao sobre a nature-em contat ps~nente (21,4%); e trinta e urn mil qUinhentos e za. Suas at~vidades produtivas come«am a sofrer uma diversifica«aovinte e cinco para os gfUpOS _integrados na sociedade nacional pel~ necessldade de, alem das tarefas habituais, serem obrigados a(36,7%). A discrimina«ao dos-gruposlingtiisticos com mais de dedlcar urn tempo crescente a produ«ao de artigos para troca ou ac~mil pessoas indicam a existencia proviivel de treze mil oito- se aluga~:m co~o !Qr~a de trabalho. Sua cultura e sua lingua co-centos e vinte e cinco indios do tronco lingiiistico Aruak; doze mil me~am Ja a refletir essas novas experiencias ~atraves de certas mo-setecentos e setenta e cinco de lingua Ie; doze mil e quatrocentos dificatOes que a acercam das caracteristicas da sociedade nacional.Tupi e doze mil e duzentos Karib, em territorio brasileiro. ~; Contato permanepte. Incluimbs nesta categoria os grupos que Ja perderam spa autonomia socio-cultural, pois se encontrarn em co~pleta de end ncia da economia regional para 0 suprimento de artIgos -tornados indispensiiveis. No entanto, ainda conservam 2 - GRADS DE INTEGRA<;AO os costu~s tradicionais cOI.Dpativeis com sua nova· condi~ao, em- bora profundamente modificados pelos efeitos curnulativos das com- As popula«Oes indigenas do Brasil moderno sao classificiiveis p~ls6es ecol~gi~as, economicas e culturais que experimentaram. 0em quatro categorias referentes aos graus de contato com a socie- nurnero de mdlOS capazes de exprimir-se em ortugues aumenta,dade nacional, a saber: isolados, contato [;ttermitente, contato per- alargando assim os meios de comunica~ao com a sociedade nacio-manente e integrados. Estas categorias represent~m etapas sucessivas n~l. A ~o~ula~~o ~n~igena tende a diminuir, chegando algumase necessiirias da integra«ao das popula«oes indigenas na sociedade t,:bos a. mdlces tao balXos que tornam inoperante a antiga organiza- «ao socIal.nacional. Alguns grupos desaparecem, porem, antes de percorrertodas elas e cada grupo permanece mais ou menos tempo numaetapa, conforme as vicissitudes de suas rela«oes com os civilizados,certas caracteristicas culturais proprias e as variantes economicas da 4. lntegrad~s. Estao incluidos nesta classe aqueles grupossociedade nacional com que se defrontam. que, tendo. expenmentado todas as compulsoes referidas, consegui- ra~ sobrevlve~, ch,egando a, n~ssos dias ilhad01. em meio a popula«ao 1. lsolados. Sao os grupos que vivem em zonas nao alcan- naclOnal, a cUJa vIda economIca se van incorporando como reserva~adas pela-SOCiedade brasileira, so tendo experimentado contatos de mao-de-obra.. ou como produtores especializados em certos ar-acidentais e raros com "civilizados". Apresentam-se como simples- tigos para .0 come:c~o: Em geral vivem confinados em parcelasmente arredio.s ou como hastis. Nesta categoria se encontram as de seus antlgos terntonos, ou, despojados de suas terras, perambu-tribos mais populosas e de maior vigor fisico e, tambem, as linicas lam de. ~m lugar a outro. Alguns desses grupos perderam sua lin-que mantern completa autonomia cultural. gua 0,Dgma.l e, ap~rentemente, nada_os distingue da popula«ao ru- ral com que ,:onvlVem. 19ualmen~~§.!!«ados, vestindo a mesma 2. Contato inte~mitente. Corresponde aqueles grupos cujos r0J.l,P,3, comendo os mesmos alimentos, poderiam ser~ ·confundidosterritorios come«am a ser alcan«ados e ocupados pela sociedade com. seus vizinhl?Lneobrasileiros, se eles proprios nao estivessemnacional. Ainda mantern certa auton.QYlia cultural, mas van surgin- certos de que constituem urn povo a_parte, nao guardassem uma ~ 432 433
  4. 4. especie de lealdade a essa identidade etnica e se nao fossem defini- respondia, em 1967, tao-somente uma popula<;ao de tre 1dos, vistose- discriminados como indios" pela popula<;:ao cir- zetos e vm te. A propor<;ao do exterminio no periodo ~Zeml tre- n . - d dcundante. -- foi, portanto, de 73,4%. -- onsl era 0 5. A et~a de integrat;iio na corresponde a fus!o dos gru- 3. A propo~<;.a? d~ tribos desaparecidas nos primeir(Js embatespos indigeri-aS na sociedaCle nacional como parte in~guivel dela, com a clwlhza<;ao, nesse· meio seculo, indica que hpois essa seria-a- assimiTa<;ao grupal que nao ocorreu em nenhum de b . , . as c.!Jjl.tlC.es so revlvens..a para os ISOlados foram pouco superiordos casos examillados. Aquilo com que nos defrontamos e que foi uma vez que t rmta e tres deles desapareceram enquant -t":- 0 . , es a 50C;::designado como estado de integra<;ao ou como condi<;ao de fndt£- nove consegUlram sobrevlver, passando a outras condi<;- nnta e . a d Qesgenerico representa uma forma de _l.!...CQ..mo_da~iio que concilia uma tera<;:ao. Foram algo maiores, de cerca de 82.% as chan. de m-identifica<;:ao etn1ca espedfica com uma crescente participa<;:ao na b ., . d ces e so- t reVlVenCla . os grupos em contato intermitente pois do S- clUquen- . _.., ,- ..vid!.p.Bmomica e nas esferas de comportamento institucionalizado a e tres eXlstentes em 1900 desapareceram quatorze Os . . .da sociedade nacional. fatores de extin<;ao que operam- nessas primeiras etapa prdmc~PaIs - - . S e lUte- gra<;ao sao a morte em confhtos com os civilizados e sOb d d - ".. retu 0 a epqpula<;ao provoc;.a~a por ep l£ie.J!1las de gripe, sarampo, co ~e- luche e outras enfermldades desconhecidas. q 3 - AVALIA<;AO DOS RESULTADOS DA 4. Os grupos indigenas que alcanc;aram, no periodo e~ . d INTEGRA<;AO a etap a de conVlVlO .e.ermavente, sobre os quais se amma o. . ram , a demalS d as compulsoes de ordem ecologica e biati acumula- . . - processo de aculturac;ao, tiveram suas chance~ de sOb~a,. a,s ~o Vma aprecia<;ao numenca dos efeitos do impacto da civiliza- reduzidas a 33%, conforme se comprova pelo fato de te-eVlVedncla<;:ao sobre as popula<;6es tribais no curso do seculo XX, mostra que pareCId 0 VIn t e OltO das tnnta e nove tribos nestas cone! _ esa- . e " em ., l<;:oes Os grupos que Ja se encontravam integrados em 1900 suport . Iho r as VICISSIt ud es d 0 contato, sobrevivendo na proporrao aram me- . . ~ d1. no trftnsito da condi<;ao de isolamento a de integra<;ao, oiten- uma vez que dVInte e nove grupos desapareceram doze. N--% , e " e 60 ta e sete grupos indigenas foram leVados a exterminio e qua- desapareceram quatro de cada dez tribos existentes em 19 0 0 !2.!.~1,se todos eles sofreram grandes redu<;6es demogrcificas e profundas de se prever que, a preva I " as mesmas condil6es _ 0 , sendo ecerem cit-. ..transforma<;6es nos seus modos de vida. Enquanto na rela<;ao de t d . " , "quenta e se e os atuals cento e quarenta e tres grupos hoje existtribos indigenas existentes em 1900 sobressai a coluna correspon- saparecerao a t 0 f d0 seculo. - e 1m entes de- ldente aos grupos isoli9,Qs, com .4:i,§% do total, na rela<;ao de } .....,.... .?/ 1 ·s:. > ~ " r1957 sobressai a ultima, dos grupo.s e.xtintos, com .32,8% do total.2. 0 vulto do exterminio em numero de pessoas foi muito mais ponderavel. Aos cento e cinco grupos isolados de 1900, cor- 4. - AS FACES DA CIVILIZA<;AOrespondia, segundo uma avaIia<;ao grosseira, uma popula<;:ao decinqiienta mil indios. Aos seus sobreviventes, cIassificaveis nas di- A sociedade nacional apresenta caracteristicas tao diferentes categorias de integra<;ao (exceto os ainda isolados) cor- tao relevantes para 0 processo de integrac;ao das POPUlal()~ers~sd: " es lU 1- 434 435
  5. 5. genas, conforme assuma a forma de economia extrativa, agrIcola ser medidas pela propor9ao de 60% de extin9ao dos grupos que seou pastoril, que nao podemos trata-Ia como lima constante. Estas defrontam com frentes de economia agricola; 45,7% dos que saodifer~s se explicam pela forma especifica de a9ao de cada frente atingidos por ecollomias extrativas e 30,2% dos que foram alcanc;a-de expansao sobre os grupos indigenas, decorrente de seu carMer dos pel as frentes pastoris. Estas diferen9as exprimem, essencial-de empr~ ~apitalistas especializadas na utiliza9ao de certos ~e­ mente, 0 carater de fronteiras novas de expansao civilizatoria dacursos-do territorio e, em conseqliencia, integradas por popula90es frente extrativista e de algumas frentes agricolas, em contrastediferenciadas em suas caracterlsticas socio-culturais. com as pastoris que constituem, em geral, areas de antiga ocupa9ao. A proponrao de grupos indigenas nas areas de economia extrativa (48,9%), pastoril (20,9%) e agrIcola (2,8%) confirma essa asser-1. A econamia extrativa imp6e a dissolu9ao dos grupos tribais c;ao, refletindo 0 .grau de penetra9ao e dominio da sociedade nacio- mais densos e sua dispersao pela mata atraves do engajamen- nal em cada uma delas. Esta anaIise impoe a conclusao de que 0to dos homens como remeiros e tarefeiros e das mulheres como determinante fund(!mental do destino dos gropos - indigenas e aamasias e produtoras de mantimentos. 0 baixo grau de o"ganiza- .p.dinamica da sociedade nacignal. Esta, avanc;ando inexoravelmente9ao da vida social e de imposi9ao das institui90es nacionais que sobre as poucas faixas inexplcrradas do territorio brasileiro ondeprevalecem nessas areas coloca os indios diante de grupos instaveis ainda sobrevivem grupos isolados, atua dizimadoram<nte sabre elesextremamente agressivos e de formas particularmente arcaicas e e, a medida que consolida a ocupa9ao e ascende a maiores concen-des_~_oticas de engajamento da .rp.ao-de-obra para a produ9ao. tra96es demograticas, envolve a todos os grupos, fazendo baixar 0 numero de tribos e seu montante populacional.2. A .e.£ollo_mia agricola ja nao se interessa pelo indio como mao- de-obra ecoffio produtor, mas simplesmente dispu!a asj.errasque ele ocupa para estender as la,.vouras. Suas variantes principais- a grande lavoura comerciaI; a economia granjeira - operamde forma distinta sobre os indios. Ambas 0 fazem, porem, de modomenos agressivo que evitativo em face dos indios com que se 5 - REA<;;OES ETNICAS DIFERENCIAISdefrontam. o rumo e 0 ritmo do processo de transfigura9ao itnica podem3. A economia pastoril age diante do indio movida pela neces- ser alterados de acordo com certas variant~s correspondentes a c~­ sidade de limpar os campos de seus ocupantes humanos para racterlsticas das popula96es tribais, dentre as quais ressaltam:entrega-Ios ao gado e evitar que 0 indigena, desprovido de ca9a, asubstitua pelos rebanhos que tomaram seu lugar., Aqui, como nocaso da frente agricola, 0 que mais afeta os indios e a tendencia ao 1. a magnitude das po .ula90es em confronto, ou em outras pa-monopolio da terLa para sua convers~o em past~ens. A defesa lavras, 0 vulto demografico da sociedade nacional em relac;aodo gado contra os indios, torna as frentes pastgris particularmente ao diminuto volume das populac;6es tribais. Essa despropor9 aoagressivas, levando-as a promover chacinas t~o devastadoras quan- decorre das respectivas etapas evolutivas que, no caso das etniasto as das frentes extrativistas. tribais apenas permite aglutinar nucleos de popula9ao limitada e tendente a desdobrar-se em novos grupos a medida que crescem; mas no caso das sociedades nacionais possibilita urn crescimento4. As diferen9as entre 0 impacto que cada uma dessas frentes quase i1imitado. Este se processa tanto pelo incremento vegetativo de expansao desencadeia sobre os grupos tribais nao podem quanta pelo poder de desenraizar, deculturar e aculturar individuos 436 437
  6. 6. tomados d.as etnias tribais e engajados num sistema socio-economico vamente flexiveis e maleaveis ou como rigidas e conservativas. , . . ~ .--- . , . . . . . . En- ..• global, cUJos descendentes se fundem na etnia nacional. tretanto, uma postma aberta tanto pode acnitar as aiteras:oes ne- o efeito crucial dessas disparidades foi impossibilitar os indi- cess arias ao enfrentamento da nova situas:ao e a conquista de um genas de enfren a unifica.Plll1,en.te aos brasileiros como duas enti- novo equilibrio, como pode acelerar 0 processo de transfiguras:ao, da~es de magnitude equivalente. Ao contrario, compeliu cada micro- acumulando compulsoes que, em certos casos, Ievam os grupos indi- etma a o. Q - e, sozinha, aos agentes locais de uin~ e~or;n~- socie- genas a um colapso. Por outro lado, uma atitude conservadora, tan- dade ~aclOnal em expansao. 0 resultado foi 0 des,q,arecimento to pode conduzir a u~ condma evitativa que preserve 0 grupo, da mal?r part.e _dos gru~os indfgenas e a condena~ao dos sobrevi- como a uma incapacidade, igualmente fatal, de mudans:a, em con- ventes a cond.Hrao de ~~croetni~s incapazes de alcans:ar um mon- sonancia com as exigencias da nova situas:ao de existencia. tante populaclOnal suflclente para poder aspirar a independencia como estados nacionais autonomos. 4. A distancia relativa entre a cultura tribal, sobretudo seu sis- 2. A ~titude das populas:oes indfgenas para com os agentes da tema adaptativo e a da sociedade nacional. Com efeito 0 sis- socieda e nacional. tema adaptativo das populas:oes rurais "brasileiras e, em grande parte, uma heran~a dos metodos de luta pela subsistencia das tri- bos agricolas da flo resta tropical que foram encontradas na costa a) uma atitude agul}.rrida de defesa energica contra a in- pelos primeiros colonizadores, especialmente os grupos Tupi. Em vasao de seus territorios e de agressividade contra as fren- conseqiiencia, esses grupos encontram maior facilidade de acultura- tes pioneiras, explica a preserva~ao de alguns grupos indf- s:ao e integra<;:ao porque tem, de partida, uma serie de elementos genas que, assim, puderam manter sua autonomia, embora comuns que permitem maior grau de compreensao reciproca e fa- sofrendo pesadas perdas e profundas transformas:oes em cilitam 0 escambo e, depois, 0 comercio. Ja as tribos de filias:ao seus modos de vida. Entretanto, em virtude da disparidade cultural diversa enfrentam obstaculos muito maiores ao se defron- das massas em confronto, os indios so podem deter as fren- tarem com a sociedade nacional, porque tudo para elas e diferente, tes pioneiras por algum tempo, a custa de um tremendo desde os habitos alimentares e os metodos de produs:ao, ate a con- desgast~ ~a ~ropria popula~ao e ate que provoquem, com cepc;ao do mundo. Pode-se afirmar, portanto, que urn dos fatores ) SUa reslstencla, uma concentra~ao dessas frentes que as que 3.9vam_ ou entr~am 0 processo de integras:ao e a diU#.. cia ~orn~ ~apazes de avancar sobre eles como uma avalanche ureSlstlvel. --, . cultuwl, tanto abso1nta - entre 0 nivelde desenvolvimento tecno- ~ logico dos indios (agricolas e pre-agricolas) e 0 da sociedade na- b! uma .~titude d<!sil e de receptividade por parte dos ill- cional - quanta r~iillva, vale dizer, entre as diversas variedades d:o~, faclhtando os contatos e criando condi~oes para uma de culturas indigenas e a sociedade rural brasileira com sua pre- raplda sucessao de etapas de integras:ao, provoca uma ponderante heranc;a Tupi. Essa ativac;ao tern como conseqiiencia acumulas:ao dos efeitos dissociativos de cada uma delas principal a rapida dissocias:ao e a pronta extinc;ao dos grupos mais que os condena a um pronto desaparecimento. habilitados para 0 convivio com a civilizac;ao. Vma confirmac;ao do peso deste fator nos e dada pelo fato de que os grup6s Tupi foram os mais vulneraveis as compulsoes a que todos se viram sub-3. A ~redisp.?sis:ao d?s grup?S indfgenas a ac~tas;ao ovejeis:ao metidos, uma vez que perderam umaproporc;ao muito maior de de 100vas:oes permlte classlficar as culturas tribais como relati- seus representantes registrados em 1900, ~--- 438 439
  7. 7. 6 - A INTERVENCJO PROTECIONISTA todos estes casos, a competi9ao entre mlSSlOnanos cat6licos e pro- testantes provocaram ruptura da solidariedade tribal. Urn dos condicionantes fundamentais do curso do processo de transfigur aD e.tnica e a intera9ao intervencionista conduzida seja com 0 objetivo de simples prote~ao, seja com propositos d~ catequese. -.- 7 - FAToRES CAUSAIS DA TRANSFIGURACJO f:TNICA 1. A pr?te~ao oficial aos indios so prestou servi90s efetivamente relevantes na pacifica9ao das tribos hostis, em que dava so-II IU9ao aos problemas da ex ansao CIa sociedade nacional e nao aos As diversas eta as de inte ra9ao correspondem a passos do(l pr.oblemas indigenas que the competia amparar. As form as mais processo de trans igurat;iio etnico-cultural que, operando atraves de eflcazes de amparo da interven9ao protecionista, consistem: compulsoes de natureza ec010gicri; bio!li:a, de coer90es de natureza a) na cria9~0 de condi90e~r..!i!!ciais de intera9ao que, atrasando tecnologico-cultural, socio-economica e ideologica, conduzem os in- a sucessao de etapas ae integra9ao, assegura aos indios mais digenas da (;ondi9ao de indios-tribais a de-indios-g~.nfu:.icos. J tempo e maior liberdade de resistencia as diversas compulsoes a Cada uma dessas compulsoes corresponde ·a urn fator causal que sao submetidos. especifico que produz efeitos tambem especificos, embora e1es se b) na ~~r~~a2Ji grupos indigenas da posse indisputada de urn somem ns~outros, acarretando as popula90es indigenas condi- terntono onde possam manter uma economia comunitaria. 90es cada vez mais precarias de sobrevivencia biologica e de exis- G.ra9as a estas formas de interven9ao, puderam sobreviver muitas tencia como etnias autonomas. tnbos ,que teriam desaparecido se estabelecessem rela90es livres e espontaneas com agentes da sociedade nacional, perdendo suas ter- ras ~ ~endo engajadas na for9a de trabalho regional nas precarias 1. As r:ompulsoes ecol6gicas afetam os grupos indigenas em duas condl90es que lhes sao oferecidas. Lamentavelmente, ela nao pode formas basicas. PrimelW, como uma competi9ao entre popula- operar - ou operou deficientemente - em todo 0 Pais fazendo 90es que disputam recursO"s diferentes de urn mesmo territorio e sentir sua aus~ncia em areas como 0 Jurwi-Purus, 0 Guap~re e ou- culmina com a dizima9ao intencional dos indios ou a transforma9ao tras, por maIS altas propor90es de grupos desaparecidos no se- do seu habitat de forma tao drlistica que torna inoperante seu anti- culo XX. go sistema adaptativo, amea9ando-os, tambem por isso, de extin9aO. ... Se@ndg, como urn mecanismo de miscigena9ao que, assegurando ... aos nao-indios 0 papel de reprodutores, mediante a tomada de 2. A a9 ao missionaria, sendo conduzida com propositos de incor- mulheres iridigenas, resultam na identifica9ao da prole com a etnia , p ora9ao a? indigena a cristandade e, por esta via, a sociedade paterna e contribuem para reduzir 0 substrato humano indispensa: .(f e a cultura nacI~.nal, ?~erou, fre. iientemente, de forma mais !1~gati­ va que a prote9ao oflclal. Para IStO contribuiram tanto a intoleran- vel para a preserva9ao da etnia tribal. H~/I.: _ "- .: 0 cia d~s mission~ri~s diante da cultura indfgena, como a despreo- c~~~9ao da~ mlssoes em garantir aos indios a posse do seu ter- 2. As compulsoes bi6ticas de maior relevancia consistem na in- ntono; e,. amda, ~s pratic~s de desmembramento da familia indige- corpora9ao dos indios indenes nos circuitos de S9~~io de na pela mterna9ao dos fllhos nas escolas missiomirias a fim de molestias de que sao portadores os agentes da civiliza9ao e tern [-. receberem educa9ao orienJada no sentido de destribaliza-Ios. Em como efeito a depopula9ao e 0 debilitamento dos sobreviventes a 440 441 1 .f
  8. 8. niveis tais que, muitas vezes, importam na sua compIextlll~ao eta flsica. do retorno real ou compensat6rio a formas tradicionais de existen- cia, sempre quando isto ainda e possivel; seja mediante altera<;oes sucessivas nas institui<;:oes tribais que tornem menos deleteria a 3. ~s coerfoes tec~ol~gico-culturais resultam da ado<;:ao de novos intera<;:ao com a sociedade nacional. Esta rea<;ao nao e, obviamente, I~strum,e!lt0s e .tecll1~ag de rodu<;:ao que, apesar de mais efica- urn prop6sito lucidamente perseguido, mas antes uma conseqiien- zes, :em efeHos nOCIVOS porque impoem a dependencia da tribo em cia necessaria de sua natureza de entidade etnica. As uniformidades rela<;:ao aos rovedor~s. desses b~ns q~e n~o podeln produzir,e por- mais gerais do processo de transfial:!ra<;ao etnica PS.dem;;:- assim que provocam uma sene de efeitos dissoclativos sobre a vida tribal. sumariadas: . .. ~ -- 4. As, coerfoes s6ci2:~c!.?n8micas consistem essencialmente no en- 1. ao primeiro contato padfico com a sociedade nacional, 0 indI- . gaJamento dos Indios em urn sistema rodutivo de caniter_eapi- gena the empresta urn eriorme prestigio em virtude de sua imen- tahsta-mertantil ~ue, possibilitando a apropria ao JriYada d; ;uas sa superioridade tecnica e, geralmente, se faz receptivo aos ele- t~s e a conscn<;:~o dos individuos na for<;:~..je t abal~g_r~giQnal, mentos culturais que Ihe sao apresentados defonruCindiscriminada, anuI~m a autonomia cultural e provocam profundos desequiHbrios adotando tanto os que possam ser de utilidade imediata como ou- -~._. na vIda social dos indigenas. -- tros, superfluos e ate inconvenientes; .... 5. As coerfoes ideol6gicas consistem, principalmente, na trauma- 2. ap6s essa primeira fase, vern outra em que se definem prefe- tiza~ao _cu.Itural e em frustra~oes ~lc.o&sicas resultantes-da rencias e idiossincrasias, se estabilizam habitos novos e se fi- desmorahza<;:ao do ethos tribal e a compulsao de redefinir, passo xam necessidades economicas cOhmicentes-i uri1onv~io cada vez a ~asso, todos os corpos de cren<;:as e valores, assim como as pr6- mais intense; c~m os agentes locais da sociedade nacional. pnas. c,?nscienci. s !r:~iduais de acordo com a altera9ao das suas condl<;oes de eXlstenCla. 3. Quando a mortalidade e a desorganiza<;:ao interna do grupo, conseqiiente das compuls5el-~col£gicas ~.Qticas, come<;:a a alerta-Ios para 0 pre<;o que estao pagando pelo convivio padfico com os civilizados, sobrevem, em geral, fases de violenta contra- acultura ao, Quase sempre ja e tarde para voltar atras:-;eJa poique 8 - SEQO:f:NCIA T1PICA DA TRANSFIGURA<;AO a fuga se torna impraticavel, seja porque a pr6pria cultura tribal ETNICA ja esta traumatizada pelas duvidas, contradi<;oes e interesses em conflito. Alguns grupos encontram expressao para 0 seu desengano em movime!,ltos m~"siAl1~l;(.OS que se reiteram periodicamente; ou-II As rela<;:oes da sociedade nacional com as tribos indigenas se tros, na exacerba<;j.o da condu1.~giosa, como uma rea<;ao com- processam c~mo urn enfrentamento entre entidades etnicas mutua- pensat6ria. A--rnaioria, porenl,Cal numa atitude de resigna<;:ao e mente, exclusivas: Dada a despropor<;:ao demognlfica e a de nivel de amarga reserva para com a sociedade nacional. .- - . ,,- -~ .... ~. evolutIvo que eXlste. entre elas, a 4Ual~ao repr~senta 1ma amea<;a per~a~e de deslllt~greS:~o das Jl nias tribais. A rea<;:ao estas consiste, ess~ncialmente, num esfor<;o p;;a-manter ou ..u>c!Jtl rar 4. Em todos os casos - se 0 grupo sobrevive - prossegue 0 sua ~~t.?~o~a e para pre~r sua identidad~ica, seja atraves procea~~ acultura~ao e de transfigl;!.QwigJtnica.Jegido, ago- ra, pelas compulsoes decorrentes da satisfa<;ao de necessidades 442 443
  9. 9. adquiridas que exigem u~a interac;ao cada vez mais intensa com 1. Preve-se uma re~1.!~1iQ. p~gr~ssiya da populac;ao indlgena, a o c~texto !egional e a mcorI!Q[!c;ao_progressiva dos indios na medida em que os diversos grupos passem da condil;ao de iso- for~3~!~~!~0, como a camada mais ~~ dela. lamento a de integrac;ao. Esta reduc;ao nao condenani a parcela --------- indigena da populac;ao ao desaparecimento como contingente huma- no, porque os grupos indigenas, ao alcanc;arem a integrac;ao, tendem 5 . q~sti!1o de cada grupo dependeni, fundamentalmente, do a experimentar certo grau de incremento demognifico. Este incre- . ~m2.1:m que opera ~nsfigurac;ao etnica. Quando e muito mento que, presentemente, permite a alguns grupos refazer parte co -~~ Intenso, acumulam-se tensoes que -nd-enam a t flb 0 ao extermmlO ~ . do seu montante original, podeni levar muitos outros grupos a au- pela perda, d.e seu substrato populacional e pelo colapso de s~a mentar sua populac;ao, desde que Ihes sejam asseguradas condic;oes de vida adequadas. estrutur~ ~o~lO-culturaI. Quando e ~l!!S!L.. enseja redefinic;oes do patfl~omo cultural, recuperac;ao dos desgastes biol6gicos e 0 estabelecimento de formas de acomodarao entre a trl·bo e seu con- t. <~ "-"~". 2. As lingtias indl~nas, emb()ra modificadas em seu vocabulario :xto reglOn~1 Ade .conviVlo que possibiIl1am prolongar a sobreviven_ CIa e a pefSlstenCIa da identificac;ao etnica. para exprimir as novas experiencias do grupo e em sua estru- --------- tura pela coexistencia com outra lingua, devida ao El.!?gjJistD0, continuarao sendo faladas, exceto nos casos de dispersao dos gru- pos falantes ou de sua fusao com outras tribos. 6. Vma vez fixados os vinculos de dependencia economica para c~m 0 CO~~glonal, a tribo s6 pod~s elementos d~ a~tIga cultura que sejam compativeis com sua condic;ao de in- 3. Contudo, as culturas indfgepas, somente podendo .,.so_breviver dlO~"~~t~rados, .emb,or~" ?ao_ass~ilados. 1sso importi n-;ma-~Itu­ auton.QUl.i!S.. nas areasr;e;£i~radas ou~& penetr;c;ao r~cente e ~ac;~lO_ que culmmara por configura-los como indjos generic~ue fraca OU nas condi<;.oesartrficiais da interve~c;ao~Ptq!ecionista, qu~s: nada cons~rv~m do. patrimonio original, Iiias Pt;rmanecem constituem obsolescencias destinadas a se descaracterizarem na me- deflmd~s ~omo m~lOs e Identifi~ndo.::S"e__como tais. 0 convivio dida em que a sociedade nacional crescra e ganhe homogeneidade I desses md~0s.-~eneflcos com a pOlmlac;ao"bra"sile1ra e mediatizado de desenvolvimento. por urn corpo de repres,:~t~ac;oes recfproca~ que, figurando uns aos olhos dos. outros da forma mais preconceituosa, antes as isola que os comumca, perpetuando sua con<!l9"aocl-e-;lternos em oposic;ao. 4. Qualquer previsao sobre ° destino dos grupos indfgenas bra- sileiros deve levar em conta que, entre as varias formas de compulsao merce das quais a sociedade nacional os afeta, sobres- sae as de ~~teF s0ci,g;e~~omico. Estas nao sao, porem, intrinse- cas a sociedade nacional, mas decorrentes de sua forma de ordena- crao institucionaI. Com efeito, e como uma formacrao capitalista 9 - PERSPECTIVAS FUTURAS de carater neocololli I que a sociedade brasileira mais-rfe a os gro- pos indigenas, pela apropriac;ao de suas terras para a explorac;ao extr~sta ou para formar novas faZe~B <jgricolas e asJoris e pelo seu aliciamento como mao-de- b" ;ira1a para ser desgas- o presente. estudo do pr?~.esw_de tr~nsfigural;ao etnica permi- tada na producrao de mercadorias. 0 cadter hist6rico e circunstan-t: f~z~r as segullltes pr~soes com respeito as popti~es indigenas cial dessas instituil;oes abre aos gropos tribais que consigam sobre-b. asrlelras. viver a elas, certas perspectivas de assimilacrao ou de persistencia 444 445
  10. 10. como etnias minoritarias dentro de urn novo contexto etnico na- cional multi-etnico, mais capacitado· a assegurar liberdade e bern estar a seus componentes. 10 - SUMARIO o copioso material examinado neste estudo demonstra que os grupos indfgenas que c1assificamos como integrados percorreram todo 0 caminho da acultura<;:ao no curso do qua suas peculiaridades cultur-ais se-aiterarameliiiiformizaram tanto que ja nao sao subs- tancialmente maiores que as as outras variantes da sociedade na- cional, em sua fei<;:ao rustica. Apesar disso, permanecem Indios~ porque sua acultura<;:ao nao desembocou l1iima assiml a<;:ao, mas no estabeleclmen:rnae urn modus vivendi (ill de uma forma_d~ acomo- da<;:i!2. Isto significa que 0 gradient da transfigura<;:ao Hnlc; vai d·o Observa90es sabre a Ji1(fio-tribal ao mdio-genericO"e na do indf ~na ao brasileiro. Signi- Bibliagrafia fida, tambem, que as entidades e icas sao· muito mais resistentes do que se sup6e geralmenfe, porque s6 exigem condi<;:6es mfnimas para perpetuar-se; e porque sobrevive tot~L transforma<;:ao do t seu patrimonio cultur~ racial. Significa, ainda, que a Ifqgy,a, os costumes, as creJl9as, sao atributos ext§:p.os a etgia,suscetlveis de profundas alteras:6es, sem que esta sofra colapso ou muta9ao. A copiosidade das fontes citadas na bibliografia que segue ) Si~ifica, por fim, que as etnia~ sao categoria~~ciona~ entre J aconselha discriminar aqui os nossos debitos para com os autores agrupamentos humanos, compostas antes de representa96es recipro- cujas obras foram mais utilizadas na elabora~ao deste trabalho. cas e de lealdades morais do que de especificidades culturais e Jaciais. - --- As conclus6es a que chegamos no exame da intera9ao entre 1. FONTES TEORICAS GERAIS os mdios e a civiliza9ao no seculo XX sao provavelmente validas pa:a os per!~dos anteriores. Sua generaliza9ao exige, porem, pes- qUIsas especlflcas em que esta· hip6tese seja acuradamente analisada. Na elabora9ao do presente trabalho apelamos amplamente para os estudos antropol6gicos dos fenomenos de mudan9a eultur~1. Dentre estes merecem destaque, 0 Memorandum sabre acultura9ao de R. Redfield, M. Linton e M. J. Herskovitz (1936) e a "formula- ~ao explorat6ria" de A. G. Barnett, B. Siegel e ou~ros (1954),. bern como as analises do processo de aculturas:ao devldas a R. Lmton (Ed.) 1940, Fernando Ortiz (1940), J. Steward (1943 e 1951); 446 447

×