Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
SEGUIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE EXTREMO
BAIXO PESO
III Jornada de Perinatologia – Maternidade Darcy
Vargas
Na foto: cuidados dos recém-nascidos deixados pelos pais com o Dr. Couney
e equipe de enfermeiras para exposição, iniciand...
Evolução dos cuidados
 Apenas na década de 20 foi
estabelecido o início dos
registros de nascimentos e
mortes
 Na década...
Evolução
neonatal
No final da década de 70, a medicina neonatal americana alcança uma
taxa de 50% de sobrevivência para os...
Desenvolvimento neonatal
 Ao final da década de 90, nos EUA, a expectativa de
sobrevida para prematuros de 750 - 1.000g e...
PREMATURIDADE
PREMATURIDADE
Pré –Termo: neonato < de 37 semanas completas ou < de
259 dias a partir da DUM
Baixo peso ao nascer < 2.500g...
Seguimento neonatal
 Com o aumento da sobrevivência e a busca de
melhorias nos cuidados intensivos neonatais,
principalme...
Seguimento neonatal
 Desta forma passamos a criar rotinas sobre nossos
modos de trabalho em busca de comparações cada vez...
Seguimento neonatal
 A idade deve ser corrigida para 40 semanas de
idade gestacional, subtraindo-se a idade
gestacional d...
Seguimento neonatal
 Vários autores sugerem que a correção da idade
para o acompanhamento adequado do crescimento
e princ...
PREMATURIDADE EXTREMA
RN < 1000g (NIH Neonatal Research Network)
• 17% - paralisia cerebral
• 37% - problemas cognitivos
...
Desenvolvimento Pondero-estatural
Seguimento (Follow-up) neonatal
Os pacientes devem ser agendados com neonatologista ou
pediatra:
• no máximo em 15 dias ap...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• Avaliações neurológicas:
Grupo com doença neurológica na UTIN
• 15 dias após a alta hosp...
Seguimento (Follow-up) neonatal
Avaliações psicológicas:
• Interação mãe (pai)-bebê, desenvolvimento motor e
perceptual, s...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• O atendimento prestado pelo especialista em
neonatologia minimiza as dúvidas mais freqüe...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• A observação e intervenção precoces nestas ou em
novas patologias neonatais, que surgem ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Tabela – Análise multivariada avaliando a associação entre doenças e intercorr...
Seguimento (Follow-up) neonatal – Maternidade Darcy
Vargas
• Atualmente são 38 pacientes abaixo de 1000g em
seguimento no ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Teste de
Triagem de
Denver
• O teste de triagem de Denver foi aplicado pela eq...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Teste de
Triagem de
Bayley
• No ambulatório a avaliação do desenvolvimento da ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Tabela – Distribuição de Bayley e Denver alterados segundo os grupos de peso d...
Tabela 1 – Descrição dos dados de nascimento e intercorrências perinatais de todos os pacientes com exame neurológico alte...
6 29 875 7 DMH e HV I. Hipotonia axial e atraso global no
desenvolvimento.
7 30 1205 9 ITU maternal, HCV materna,
DMH e se...
Momentos Felizes
Muito Obrigado !!!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

III Jornada de Perinatologia de Joinville

364 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

III Jornada de Perinatologia de Joinville

  1. 1. SEGUIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE EXTREMO BAIXO PESO III Jornada de Perinatologia – Maternidade Darcy Vargas
  2. 2. Na foto: cuidados dos recém-nascidos deixados pelos pais com o Dr. Couney e equipe de enfermeiras para exposição, iniciando uma fase de feiras de exposição de recém-nascidos no início da década de 20.
  3. 3. Evolução dos cuidados  Apenas na década de 20 foi estabelecido o início dos registros de nascimentos e mortes  Na década de 50 o início do estudo da deficiência de surfactante como base para doença das membranas hialinas inicia uma enorme redução na mortalidade neonatal  Virginia Apgar desenvolve o escore de APGAR Cuidado Intensivo
  4. 4. Evolução neonatal No final da década de 70, a medicina neonatal americana alcança uma taxa de 50% de sobrevivência para os neonatos com peso de 900g e idade gestacional de 27 semanas Prematuridade extrema: 22-28 semanas
  5. 5. Desenvolvimento neonatal  Ao final da década de 90, nos EUA, a expectativa de sobrevida para prematuros de 750 - 1.000g e de 500 - 749g situava-se em torno de 85% e 45%, respectivamente; enquanto no Brasil, a Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais mostrava, nesta época, sobrevida de 66-73% na faixa de 750-1.000g, e de 9-44% na faixa de 500-749. Rugolo LM. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J Pediatr (Rio J). 2005;81(1Supl):S101-S110.
  6. 6. PREMATURIDADE
  7. 7. PREMATURIDADE Pré –Termo: neonato < de 37 semanas completas ou < de 259 dias a partir da DUM Baixo peso ao nascer < 2.500g Muito baixo peso ao nascer < 1.500g Extremo baixo peso ao nascer < 1.000g Incrivel baixo peso ao nascer < 750g ( micropremie ? ) Prematuridade extrema: 22-28 semanas
  8. 8. Seguimento neonatal  Com o aumento da sobrevivência e a busca de melhorias nos cuidados intensivos neonatais, principalmente sob o aspecto humano, aumentam questionamentos sobre a qualidade de vida futura destes pacientes e seu crescimento adequado ao longo da internação hospitalar e no seu seguimento pós alta.
  9. 9. Seguimento neonatal  Desta forma passamos a criar rotinas sobre nossos modos de trabalho em busca de comparações cada vez mais próximas dos ambientes onde a sobrevivência com qualidade de vida está ocorrendo.
  10. 10. Seguimento neonatal  A idade deve ser corrigida para 40 semanas de idade gestacional, subtraindo-se a idade gestacional de nascimento determinada por data de última menstruação, ecografia obstétrica pré-natal precoce ou idade gestacional pediátrica através do método de Ballard modificado.
  11. 11. Seguimento neonatal  Vários autores sugerem que a correção da idade para o acompanhamento adequado do crescimento e principalmente do desenvolvimento neurológico seja realizada até 2 anos de idade e nos pacientes abaixo de 750 g até os 3 anos de idade corrigida.
  12. 12. PREMATURIDADE EXTREMA RN < 1000g (NIH Neonatal Research Network) • 17% - paralisia cerebral • 37% - problemas cognitivos • 2% - surdez • 2% cegueira  RN < 26 sem: somente 1 em 5 não apresenta alguma limitação aos 6 anos
  13. 13. Desenvolvimento Pondero-estatural
  14. 14. Seguimento (Follow-up) neonatal Os pacientes devem ser agendados com neonatologista ou pediatra: • no máximo em 15 dias após a alta hospitalar • mensalmente até completarem 4 meses (1,2,3 e 4 meses) • aos 6 meses • trimestralmente até completarem 18 meses (9,12,15 e 18 meses) • semestralmente até completarem 5 anos (2, 2½, 3, 3½, 4, 4½, e 5 anos) • anualmente até completarem 8 anos (6, 7 e 8 anos)
  15. 15. Seguimento (Follow-up) neonatal • Avaliações neurológicas: Grupo com doença neurológica na UTIN • 15 dias após a alta hospitalar • mensalmente até completarem 3 meses (1, 2 e 3 meses) • trimestralmente até completarem 12 meses (6, 9 e 12 meses) • semestralmente até completarem 8 anos Grupo de recém-nascidos sem doença neurológica: • trimestralmente até completarem 12 meses (3, 6, 9 e 12 meses) • anualmente até completarem 8 anos
  16. 16. Seguimento (Follow-up) neonatal Avaliações psicológicas: • Interação mãe (pai)-bebê, desenvolvimento motor e perceptual, suporte familiar: • 15 dias após a alta hospitalar • bimensalmente até completarem 6 meses (2, 4 e 6 meses) • trimestralmente até completarem 18 meses (9, 12, 15 e 18 meses) • anualmente até completarem 8 anos • Desenvolvimento cognitivo: • bi-anualmente, a partir dos 4 anos, até completarem 8 anos (4, 6 e 8 anos)
  17. 17. Seguimento (Follow-up) neonatal • O atendimento prestado pelo especialista em neonatologia minimiza as dúvidas mais freqüentes através da antecipação das datas de aparecimento de sinais clínicos de patologias esperadas, como por exemplo a anemia da prematuridade, trazendo tranqüilidade e conforto para os familiares, o que só pode ser feito através de vários estudos de observação clínica e trabalhos de seguimento neonatais.
  18. 18. Seguimento (Follow-up) neonatal • A observação e intervenção precoces nestas ou em novas patologias neonatais, que surgem após o uso de novas terapias só podem ser concretizadas através do seguimento neonatal especializado. • Existem alterações que ainda irão surgir e que teremos que estar preparados para associá-las aos cuidados intensivos neonatais realizados.
  19. 19. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Tabela – Análise multivariada avaliando a associação entre doenças e intercorrências perinatais com óbito. Doenças e Intercorrências perinatais RR* (IC 95%) p APGAR de 5° < 4 5,6 (2,2 – 14,3) < 0,001 Doença de membrana hialina 4,7 (2,4 – 9,4) < 0,001 Pneumonia 2,1 (1,0 – 4,5) < 0,03 Convulsões 1,5 (0,5 – 4,5) .4 Ductus arteriosus patente 1,2 (1,0 – 3,7) .4 Enterocolite 1,2 (0,6 – 2,6) .6 Idade gestacional < 28 sem 1,1 (0,4 – 2,7) .8 Escape de ar pulmonar 1,0 (0,5 – 1,7) .9 Hemorragia intracraniana 0,9 (0,5 – 1,7) .8 Peso de nascimento < 1000g 0,9 (0,3 – 2,4) .8 * RR = risco relativo entre densidades de incidência de óbito obtido em modelo de regressão de azares proporcionais (Modelo de Cox); IC: intervalo de confiança.
  20. 20. Seguimento (Follow-up) neonatal – Maternidade Darcy Vargas • Atualmente são 38 pacientes abaixo de 1000g em seguimento no ambulatório de seguimento de extremo baixo peso. • Tem uma média de 27 semanas de idade gestacional ao nascimento. • Tem um peso médio de 805g de nascimento. • O paciente mais antigo da coorte nasceu em junho de 2008.
  21. 21. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Teste de Triagem de Denver • O teste de triagem de Denver foi aplicado pela equipe de neurologia infantil vinculada ao ambulatório de follow-up neonatal. • O teste baseia-se na observação direta do que a criança é capaz de fazer e no relato dos pais ou da pessoa que lida habitualmente com a criança. A avaliação é feita em 4 grandes áreas do desenvolvimento: • motora grosseira • motora fina adaptativa • pessoal-social • linguagem
  22. 22. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Teste de Triagem de Bayley • No ambulatório a avaliação do desenvolvimento da criança também foi realizada através das Escalas Bayley de Desenvolvimento Infantil, segunda edição (Bayley Scales of Infant Development - BSID II). O teste foi aplicado em crianças com a idade corrigida mínima de 6 meses e idade corrigida máxima de 38 meses. • A BSID-II foi aplicada pela equipe de psicologia vinculada ao Ambulatório de Follow-up Neonatal, a qual possuía treinamento e experiência na aplicação do teste. Considerou-se como teste normal os RNs que tiveram escores iguais ou superiores a 85, moderadamente alterados os RNs que tiveram escores ≥ 75 e < 85, sendo o teste gravemente alterado quando o escore foi < que 75.
  23. 23. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Tabela – Distribuição de Bayley e Denver alterados segundo os grupos de peso de nascimento por idade gestacional Teste de Avaliação AIG PIG p n = 59 n = 26 Bayley alterado 5 (8)* 1 (4) .66 n = 66 n = 30 Denver alterado 7 (11) 1 (3) .42 n: número total de pacientes acompanhados em cada grupo. * número total e (percentual)
  24. 24. Tabela 1 – Descrição dos dados de nascimento e intercorrências perinatais de todos os pacientes com exame neurológico alterado no follow-up, e anormalidades dos testes de neurodesenvolvimento. Paciente IG PN APGAR 5° Intercorrências Perinatais Anormalidades nos testes de neurodesenvolvimento 1 23 675 7 ECN I, DBP, ductus patente, pneumonia e sepse cultura +. Hipotonia axial e atraso na linguagem. 2 23 650 3 DMH, DBP, HV III, ductus patente, e sepse cultura +. Atraso global no desenvolvimento e hiporreflexia generalizada. 3 26 905 5 DMH, ECN I, DBP e HV I. Atraso global no desenvolvimento, hipotonia axial e escore de Bayley < 85. 4 27 855 8 DMH, DBP, HV III, ductus patente e hidrocefalia. Paralisia cerebral e escore de Bayley < 85. 5 29 920 6 Descolamento de placenta, DMH, HV I, ECN I, ductus patente e sepse cultura +. Escore de Bayley < 85. IG: idade gestacional em semanas; PN: peso de nascimento em gramas; ECN: enterocolite necrosante; DBP: displasia broncopulmonar; DMH: doença de membrana hialina; HV: hemorragia ventricular; ITU: infecção de trato urinário; HCV: hepatite C e BR: bolsa rota.
  25. 25. 6 29 875 7 DMH e HV I. Hipotonia axial e atraso global no desenvolvimento. 7 30 1205 9 ITU maternal, HCV materna, DMH e sepse cultura +. Atraso na linguagem. 8 31 1320 7 Oligohidrâmnio, BR > 24h, ECN I e sepse cultura +. Escore de Bayley < 85. 9 32 1500 7 Ductus patente. Estrabismo, hipotonia axial, diplegia espástica e escore de Bayley < 85. 10 32 1020 5 ITU materna, uso de misoprostol,hidrocefalia, DMH, DBP, HV IV e sepse cultura +. Quadriparesia espástica e escore de Bayley < 85.
  26. 26. Momentos Felizes
  27. 27. Muito Obrigado !!!

×