Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Antihistaminicos

1,742 views

Published on

antihistaminicos

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Antihistaminicos

  1. 1. 1 FÁRMACOS ANTI-HISTAMÍNICOS HISTAMINA Histamina - palavra grega para tecido (histos) - constituinte normal do corpo (1927) -nos tecidos(mastócitos), no sangue (basófilos) Em solução aquosa: HN N NH2 4 1 N NH NH2 1 3 2 4 5 Tautômeros da histamina HISTAMINA Formas biologicamente ativas em pH fisiológico N NH + NH3 pKa = 9, 40 + H3O+ HN NH NH3 + + pKa = + H2O 5,80 > 96% ± 3% Forma neutra ®quantidade muito pequena forma de penetração nas membranas No pKa dos lipídeos ácidos ( pka baixo) ® dicátion em maior proporção
  2. 2. 2 N RELAÇÃO ESTRUTURA-ATIVIDADE NH + NH3 pKa = 9, 40 + H3O+ HN NH NH3 + + pKa = + H2O 5,80 Monocátion- suficiente para atividade agonista Protonação do anel heterocíclico não é essencial Anel imidazólico - pode ser trocado por triazol, tiazol e piridina, embora com menor potência CONFORMAÇÕES EM SOLUÇÃO AQUOSA N N NH3 + H q2 H N N H NH3 + H H H H H q1 q1 q2 q1 q2 = 0º q1 = 0º = 180º q2 = 60º trans gauche trans preferida em H1 e H2 gauche preferida em H3 LOCALIZAÇÃO DOS RECEPTORES E EFEITOS DA HISTAMINA H1 Þ Acoplado a proteína G. Proteína com 487 aa. No músculo liso dos brônquios, intestino e útero Þ broncoconstrição e edema H2Þ Acoplado a adenilato ciclase. 359 aa. No estômago Þ estimulação as células parietais, com aumento na produção e secreção de ácido H3ÞPouco conhecido. Nos neurônios Þ auto-receptores pré-sinápticos, que mediam inibição por feedback da liberação e síntese de histamina Þ hetero-receptores, que controlam a liberação de outros transmissores, principalmente no SNC
  3. 3. 3 FÁRMACOS ANTI-HISTAMÍNICOS ¨Fármacos que diminuem ou abolem as principais ações da histamina no corpo, pela competição com receptores H1, H2 e H3 da histamina. ¨Eles não inibem a produção de histamina. ANTI-HISTAMÍNICOS H1 Utéis e eficazes no tratamento de respostas alérgicas e inflamatórias, mediadas pela histamina, como rinite, urticária e alergia a alimentos H2 Reduzem secreção ácida gástrica no tratamento de pacientes com úlcera péptica e doenças relacionadas H3 Úteis na regulação cardiovascular, alergia e doenças mentais. INIBIDORES DA LIBERAÇÃO DE HISTAMINA Atividade broncodilatadora. -Em asma 1o, 2o,3o - Em conjuntivite alérgica 4o e 5o Inibem a liberação de histamina, mas não bloqueiam seus efeitos nos receptores
  4. 4. 4 ANTI-HISTAMÍNICOS H1 Usados no tratamento de respostas alérgicas onde histamina é liberada em virtude da ativação celular por processos de hipersensibilidade PROCESSO DE HIPERSENSIBILIZAÇÃO FceR = receptor de alta afinidade LIBERAÇÃO DE NEUROTRANSMISSORES
  5. 5. 5 PRIMEIRA GERAÇÃO DE ANTI-HISTAMÍNICOS H1 X Ar Ar cadeia intermediária N R1 R2 1 2 X = O forte ação s edativa N mais ativos e mais tóxicos CH menos ativos e menos tóxicos cadeia intermediária = CH2CH2 Ar1 e Ar2 = aromático ou heteroaromático R1 e R 2 = alquila Forma trans mais ativa ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ Interação com receptores: -histamínicos -colinergicos, dopaminérgicos, serotoninérgicos DERIVADOS DA ETILENODIAMINA Ar X N Y N CH3 CH3 CH2 Sedação é comum OCH3 N N N CH3 N CH3 CH3 S CH2 metapirileno N N N CH3 CH2 CH3 tripelenamina N N CH3 CH2 pirilamina N N CH3 CH3 CH2 fenbenzamina DERIVADOS DA ETANOLAMINA R2 R1 C O X N CH3 CH3 CH O CH3 N CH3 difenidramina Br CH O N CH3 CH3 dimenidrinato Cl CH O N N CH3 CH3 carbinoxamina Sedação,efeito anticolinérgico, t 1/2 curta
  6. 6. 6 ALQUILAMINAS N N CH3 CH3 R N N CH3 CH3 feniramina N N CH3 CH3 Cl clorfeniramina N N CH3 CH3 Br bromofeniramina t 1/2 longa < efeito no SNC S > R afinidade H1 PIPERAZINAS ANTI-HISTAMÍNICAS N N R2 R1 R1 = H R2 = CH3 R1 = Cl R2 = CH3 ciclizina clorciclizina R1 = Cl R2 = CH3 meclizina CH3 CH3 CH3 R1 = Cl R2 = C buclizina Atividade R1 = Cl R2 = CH2CH2OCH2CH2OH hidroxizina anticolinérgica e anti-histaminérgica R1 = Cl R2 = CH2CH2OCH2COOH cetirizina significantes *2a geração - menos efeitos sedativos devido à natureza anfotérica * TRICÍCLICOS ANTI-HISTAMÍNICOS cadeia intermediária Y X N R1 R2 ANÉIS NÃO SÃO PLANARES X = C, CH, N e tc Y = CH2, S , O, NH, CH2O CH2CH2, CH=CH e tc cadeia intermediária = 2C R1 e R 2 = CH3 ou ane l de 5 membros ( -_ ) mais que ( + ) S N N CH3 CH3 CH3 prome tazina hipnót ico se dativo N OCH3 CH3 ciproe ptadina e fe ito an ticol iné rgico anorexia ne rvos a caque xia N N CH3 azatidina -Pronunciado efeito sedativo -Longa duração de ação
  7. 7. 7 SEGUNDA GERAÇÃO DE ANTI-HISTAMÍNICOS H1 HO C N H N N OH CH3 CH3 CH3 terfenadina 1o agente não s edante arritmias cardíacas perigos as(dose alta) Cl O COOH ce tirizina lon ga d uraç ão d e aç ão alta s e le tividade para H 1 C N COOCH2CH3 Cl loratidina 2 a geração de tricíclicos não sedante H O N O CH3 CH3 CH3 ebastina alta seletividade para H1 SEGUNDA GERAÇÃO DE ANTI-HISTAMÍNICOS H1 ¨ Efeitos antialérgicos ¨ Sem sedação ¨ Ação antagonista periférica e seletiva em H1 ¨ Menor efeito anticolinérgico ¨ Afinidade diminuída por receptores adrenérgicos e serotoninérgicos ¨ Limitado efeito no SNC (não penetram significativamente pela barreira hematoencefálica devido à sua natureza anfotérica) ¨Muitos com atividade antialérgica separada da atividade anti-histamínica, o que não é bem entendido ANTI-HISTAMÍNICOS H1 TÓPICOS ¨Mastócitos (células produtoras de histamina) em concentração alta na conjuntiva ¨ Histamina é importante na resposta alérgica ocular ¨ Uso Þ coceira nos olhos,congestão da conjuntiva,eritema ¨ Características dos compostos: - pKa adequado (em pH=7,4) - solubilidade em água (menor irritação) - solubilidade adequada para uso tópico ocular
  8. 8. 8 ANTI-HISTAMÍNICOS H1 TÓPICOS O C N CH3 CH3 COOH alopatadina anti histamínico tricíclico longa ação início de ação rápido seletivo para H1 COOH perda de atividade muscarínica limitada penetração C N F CH3 N COOH levocabastina seletivo H1 em alergia sazonal, conjuntivite pequena absorção N N N N CH3 O CH3 emedastina em conjuntivite seletivo H1 N N N O Cl CH3 azelastina rinite alérgica (spray nasal) asma e alergia (sistêmica) C S N CH3 cetotifeno seletivo H1 em conjuntivite (tópico) em rinite, alergia, asma (sistêmico) ANTAGONISTAS H2 Diminuem secreção do ácido gástrico que ocorre a nível de células parietais na mucosa gástrica SECREÇÃO ÁCIDA NAS CÉLULAS PARIETAIS PGE - muco e bicarbonato protegendo mucosa Caminhos - AMPc e Ca 2+
  9. 9. 9 SITIOS DE AÇÃO DOS FÁRMACOS ANTI-HISTAMÍNICOS H2 Antagonistas do receptor H2 inibem a produção de ácido pela competição reversível com histamina pelos sítios receptores H2 na membrana basolateral das células parietais ANTI-HISTAMÍNICOS H2 Aplicação terapêutica ¨ No tratamento de úlcera duodenal e gástrica ¨ Doença do refluxo do gastroesofágico (GERD) ¨ Doenças de hipersensibilidade patológica ¨ Sangramento gastrintestinal ¨ Em associação no tratamento de H. pylori ¨ H1+H2 -urticária idiopática que não responde só a H1 - dermatite de contato
  10. 10. 10 REA DOS ANTI-HISTAMÍNICOS H2 N N R1 R2 R1 = H, CH3 R2 = CH2 S CH2CH2 NH NHCH3 ¨Anel imidazólico Y ¨ substituinte em C4 (R1), metila (agonista H2 seletivo) ¨ R2 = cadeia com 4 átomos, entre eles um S, e unidade polar não básica ¨ S maior potência que C ¨ Substituinte guanidina ¨ Y = grupo que puxa elétrons(diminui basicidade da guanidina que então não protona em pH fisiológico ANTI-HISTAMÍNICOS H2 HN N CH2 NH NHCH3 S CH3 burimamida CH3 S HN N NH NHCH3 NC N cimetidina CH3 S HN N NH NHCH3 S metiamida HN N X NH NHCH3 R Y - metabolismo de 1o passo - biodisponibilidade oral de 50% ANTI-HISTAMÍNICOS H2 S NH NHCH3 Ar CH NO2 troca de imidazol por outro anel (fármacos úteis) troca de aminociano por nitrometileno (aumento da potência) N N S famotidina NH2 NH2 S H2N N SO2NH2 CH3 CH3 O NO2 S S NH NHCH3 N N CH NO2 nizatidina S N CH3 CH3 ranitidina NH NH - mais potente, mais usada - metabolismo de 1o passo - biodisponibilidade oral de 50% - metabolismo de 1o passo - biodisponibilidade oral de 50% - 90% metabolizada - t 1/2 1,5 - 4 horas (ação curta)
  11. 11. 11 EFEITOS ADVERSOS NOS ANTI-HISTAMÍNICOS H2 Mais comuns (< 3 %) Diarréia, dor de cabeça, sonolência, fadiga, dor muscular, constipação Menos comuns -SNC - confusão, delírio, halucinação (em ¯ função renal) - Ginecomastia em homens - Galactorréia em mulheres - ¯ Conteúdo do esperma e impotência reversível - Atravessam placenta e são excretados no leite - Cimetidina ( com anel imidazólico) inibe citocromo P450 e altera metabolismo e concentração de fármacos ANTI-HISTAMÍNICOS H3 Receptores H3 Auto receptores Controlam síntese e liberação de histamina pré-sinápticamente Hetero receptores Controlam a liberação de outros transmissores, principalmente no SNC AGONISTAS H3 HN N NH2 CH3 R- alfa-metilhistamina (o mais potente) HN N S NH2 NH Imetil HN N CH2 NH2 NH SKF 91606 HN N NH Imepipa
  12. 12. 12 ANTAGONISTAS H3 HN N NH S NH Cl clobenpropit HN N CH3 S NH NH N N impromidina HN N S N NH tioperamida HN N O N C (CH2)4 GT- 2016 ¨ semelhança com anti-histamínicos H2 ¨retêm grupo imidazol, mas substituintes variados APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS DOS ANTI - H3 ¨Na asma Þ redução da neurotransmissão não-adrenérgica, não colinérgica e colinérgica e relaxamento das vias aéreas ¨ Na isquemia do miocárdioÞ ¯ excessiva liberação de norepinefrina ¨ Antidiarréico ¨ Tratamento de úlceras Þ diminui secreção gástrica ¨ No SNC Þ regulam vigília ¨ Na epilepsia Þ alta densidade de H1 ¨ Outras desordens do SNC Þ regula liberação de neurotransmissores

×