Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

145973060 aula-shampoo

10,338 views

Published on

Published in: Health & Medicine

145973060 aula-shampoo

  1. 1. Xampu São produtos químicos com a função de promover a limpeza dos cabelos e couro cabeludo, remover o material sebáceo, restos celulares, deixando os cabelos macios, brilhantes e penteáveis. Classificação ü Quanto à finalidade: Ø Xampu higiênico: destinado exclusivamente à higiene dos cabelos. De acordo com o tipo de cabelo, pode ser para cabelos oleosos, para cabelos secos ou para cabelos normais. Tipo de cabelo % detergente % sobreengordurante Seco 20 4 Normal 25 3 Oleoso 30 2
  2. 2. Xampu especial: Anticaspa è piritionato de zinco (1-2%); sulfeto de selênio (2,5%); cetoconazol (1%); enxofre (1 %); ácido undecilênico (1 a 10 %). Obs: Pode ocorrer transquelação do zinco do piritionato de zinco com metais como ferro ou cobre presentes como impurezas nas matérias primas, formando complexos altamente coloridos. Deve-se adicionar um sal de zinco solúvel (sulfato de zinco 0,5 %) para manter excesso de íon zinco na formulação. Alguns destes ativos anticaspa são insolúveis, exigindo alta viscosidade para mantê-los em suspensão.
  3. 3. Infantil è clientela exigente; não provocar irritação ocular; pH neutro (pH da lágrima); cor e odor agradáveis; tensoativos suaves. Xampu Condicionador: polímeros catiônicos, compatíveis com tensoativo aniônico. Xampu Com Aditivos: indicado para tratamento do couro cabeludo e cabelos danificados. v Extratos Vegetais: extratos glicerinados na conc. de 1-10 %. Obs: Extratos alcoólicos interferem na formação de espuma e viscosidade.
  4. 4. v Hidrolisados de Proteína: colágeno, queratina, elastina, caseína, seda, etc. Concentração de Uso: 1 a 5 %. Efeito: umectância e condicionamento. Efeito de hidrolisado de proteínas sobre cabelo danificado
  5. 5. v Substâncias emolientes: lanolina e derivados; lecitina; silicones; óleos vegetais (semente de uva, macadâmia, gérme de trigo, amêndoa, jojoba, etc..); álcoois graxos (álcool cetílico, estearílico, cetoestearílico, etc.); polietilenoglicóis – PEGs; vitaminas ??. ü Quanto à forma de apresentação: Ø Líquidos transparentes; Ø Emulsionados; Ø Géis; Ø Pós; Ø Aerossóis.
  6. 6. Propriedades Fundamentais ü Ação detergente balanceada; ü Inocuidade dermatológica; ü Baixo poder irritante sobre mucosas; ü Ação amaciante. Acessórias Fatores de natureza estética; relativos ao manuseio (fluidez controlada); aplicação (espuma, solubilidade frente a água dura – sais de cálcio e magnésio).
  7. 7. Composição básica dos xampus ü Tensoativos: detergência, estabilidade da espuma, ação sobreengordurante; ü Espessante: viscosidade; ü Aditivos: efeitos especiais (perolantes, anticaspa, emolientes, formadores de filme, etc..); ü Conservantes; ü Corantes e essências; ü Veículo: água purificada. Tensoativos São substâncias que alteram a tensão superficial ou interfacial dos líquidos. Aniônicos, Catiônicos, Não Iônicos e Anfóteros. Corpo lipofílico Corpo hidrofílico
  8. 8. Atividade e Valor de Equilíbrio Hidrófilo-Lipófilo (EHL) de Agentes Tensoativos Atividade Antiespumante A: partícula de gordura e sujeira aderida ao cabelo; B: tensoativo envolvendo a sujeira e removendo-a do cabelo. 1 a 3 Emulsificante A/O Princípio de ação de um tensoativo detergente na limpeza do cabelo EHL 3 a 6 Molhante 7 a 9 Emulsificante O/A 8 a 18 Detergente 13 a 16 Solubilizante 15 a 20
  9. 9. Tensoativo Aniônico Ø Concentração utilizada: 25 a 40%. ü Sais de Alquil Sulfato v Lauril Sulfato de Sódio 0 _ + CH3(CH2)10CH2-0-S-0− Na 0 è è è è Boa detergência; Boa solubilidade; Sensibilidade a eletrólitos e temperatura (turvação); Etoxilação diminui a irritabilidade.
  10. 10. v Lauril Sulfato de Amônio 0 _ + CH3(CH2)10CH2-0-S-0− NH4 0 è Boa detergência; è Boa solubilidade; è Menor sensibilidade a eletrólitos e temperatura; è Liberação de amônia em pH ácido. v Lauril Sulfato de Trietanolamina 0 CH2CH2OH _ + CH3(CH2)10 CH2-0-S-0− NH-CH2CH2OH 0 CH2CH2OH è Boa solubilidade; è Menor Detergência.
  11. 11. ü Sais de Alquil Éter Sulfato v Lauril Éter Sulfato de Sódio 0 ? _ + CH3(CH 2)10CH2-(0CH 2CH 2)n-0-S-0− Na ? n=2a3 0 v è Boa detergência; è Boa solubilidade; è Espessamento com eletrólitos; è Etoxilação diminui a irritabilidade. Lauril Éter Sulfato de Amônio 0 ? _ + CH3(CH 2)10CH2-(0CH 2CH 2)n-0-S-0− NH 4 ? n=2a3 0 è Menor detergência; è Boa solubilidade; è Liberação de amônia.
  12. 12. v Lauril Éter Sulfossuccinato de Sódio è Boa solubilidade; è Poder espumante; è Estabilidade em pH ácido; è Baixa irritabilidade.
  13. 13. v Lauril Poliglicosídio – Plantarem 1200 (C12 - C16) v Decil Poliglicosídio – Plantarem 2000 (C8 – C16) è Bom poder espumante e bom efeito de limpeza; è Efeito estabilizador da espuma; è Aumento da viscosidade quando associado aos aniônicos; è Diminuição da irritabilidade dos aniônicos; è Excelente compatibilidade dermatológica; è Isento de oxido de etileno; è Elevada biodegradabilidade.
  14. 14. Anfóteros
  15. 15. Principais funções dos anfóteros
  16. 16. Espessantes ü Eletrólitos: mais usados NaCl e NH 4Cl. Obs: NaCl até a concentração de soro fisiológico (0.9%) não provoca dados ao cabelo ou couro cabeludo. ü Atuam na formação de micelas do tensoativo formando micelas maiores e cilíndricas. Excesso de sal è gera multidão de micelas cilíndricas com resultante separação levando a uma fase líquida rica em tensoativo e uma fase aquosa com sal. Viscosidade Concentração de eletrólitos
  17. 17. Formação de Micelas Esféricas Formação de Micelas Bastonetes
  18. 18. Conservantes ü Mais utilizados: Parabenos METILPARABENO PROPILPARABENO ü Concentração: 0,1 a 0,2% Ajuste de pH ü Faixa de pH dos shampoos: 5,0 a 7,0 ü Ácidos utilizados Ácido cítrico Ácido lático Ácido fosfórico
  19. 19. Viscosidade dos Xampus Xampus transparentes: 2000 a 5000 centipoise (cps); Xampus perolados: viscosidade acima de 5000 cps. ü Polímeros: Carboxi metil celulose; Hidroxi propil celulose; Hidroxi propil metil celulose; Polivinilpirrolidona. ü Concentração de uso 0,5 a 2%. ü Medida da viscosidade: Viscosímetro Brookfield; Viscosímetro Copo Ford.
  20. 20. Viscosímetro Brookfield Viscosímetro Copo Ford: medir tempo de escoamento. Importante: O ajuste da viscosidade e pH devem ser feitos com todos os componentes incorporados na formulação.
  21. 21. Testes em Xampus Finalidade: medir a eficiência dermatológica. do xampu e a inocuidade Testes para medir a eficiência do xampu Poder espumante: medir a quantidade e o tempo de duração da espuma (Teste Simples). Ex: 25 mL da solução em coluna de vidro de 100 mL (proveta). Agitar girando a coluna 5 vezes, e ler a altura da espuma imediatamente e após 5 minutos. Poder de limpeza: medir o poder de desengraxamento do xampu. Sujeira sintética: 95 ml de dioxano, 2,5 g de lanolina anidra, 2,5 ml de vaselina líquida.
  22. 22. Teste sobre mechas de cabelo: Impregnar com 1 g de sujeira sintética, mechas de cabelo limpas com peso padronizado (Ex: 7 cm de comprimento e peso de 2.5 g). Lavar com uma quantidade padronizado do shampoo a ser testado (Ex: 4g / 1000 mL) em balão de vidro por 5 minutos. Enxaguar com água sobre um tamis. Secar com ar quente. Após 30 minutos pesar e verificar mudança de peso. Efeito sobre os cabelos: Teste com mechas de cabelo ou voluntários. Teste com Mechas: Utilizar mechas de cabelo, algodão ou lã e verificar a facilidade de pentear as mechas úmidas e secas.
  23. 23. Teste com Painel de Voluntários: Teste de meia cabeça Aplicar o shampoo em metade da cabeça, e verificar a diferença entre os dois lados. Todos os testes devem ser feitos com água purificada, da torneira e água dura (sais de cálcio e magnésio). Testes de Segurança de Uso: Testes de inocuidade dermatológica: Irritação Dérmica; Irritação Ocular.
  24. 24. SHAMPOO BASE Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 250 g Cocoanfocarboxiglicinato de Na 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 40 g Metilparabeno 2g Cloreto de sódio 8g Água destilada q.s.p. 1000 ml SHAMPOO GEL Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 200 g Lauril sulfato de trietanolamina 50 g Dietanolamina de ác graxo de coco 20 g Hidroxietilcelulose 10 g Metilparabeno 2g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  25. 25. SHAMPOO DE HAMAMÉLIS – CABELOS OLEOSOS Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 330 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g Ext glicólico de hamamélis 3 ml Metilparabeno 2g Essência 4 ml Cloreto de sódio 9g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  26. 26. SHAMPOO DE ALGAS – CABELO NORMAL Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 250 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g Ext glicólico de àlgas 3 ml Metilparabeno 2g Essência 6 ml Poliglicol poliamina 30 g Cloreto de sódio 8g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  27. 27. SHAMPOO DE LANOLINA – CABELO SECO Componentes Concentração Lauril éter sulfato de Na 300 g Cocoanfocarboxiglicinato de sódio 20 g Dietanolamina de ác graxo de coco 30 g Hidrolisado de proteína 30 g PEG-7-gliceril-ác graxo de coco 5g Lanolina etoxilada 10 g Metilparabeno 2g Essência 2 ml Poliglicol poliamina 30 g Cloreto de sódio 4g Água destilada q.s.p. 1000 ml
  28. 28. Rinses e Condicionadores Formas cosméticas cuja finalidade principal é promover o condicionamento dos cabelos após a lavagem com shampoo. Tipo de Formulação: Os rinses e condicionadores tradicionais são emulsões com alto teor de água (85 %) com tensoativos catiônicos e emolientes. Classificação dos rinses Comuns: uso diário. Complemento do antiestática e sobreengordurante. xampu. Atividade Especiais: além da atividade antiestática e sobreengordurante, promovem o tratamento dos cabelos danificados e couro cabeludo. Possuem aditivos especiais. São chamados de condicionadores, bálsamos, etc.
  29. 29. Tensoativos catiônicos v Sais de Amônio Quaternário 1. Cloreto de Cetil trimetil Amônio Nome comercial: Dehyquart Genamin C1650. A, Nasaquat 32-50A, 2. Cloreto de Estearil Dimetil Benzil Amônio Nome comercial: Dehyquart SDB, Nasaquat SDB 25 W. 3. Mistura de Álcool Estearílico/Metosulfato Berrenil Trimetilamônio Nome comercial: Incroquat Behenyl TMS. Principal Função: atividade antiestática e apresentam elevada substantividade (prolongamento da ação). Os tensoativos catiônicos são irritantes, devem ser usados em baixa concentração ( 3%).
  30. 30. Emolientes e Sobreengordurantes Função: restaurar o conteúdo graxo necessário ao (retirado pelo shampoo) e dar corpo ao creme. Álcoois graxos: concentração utilizada: 4%. 1. Álcool cetílico Nome comercial: Cetax 16, Alkol 16. 2. Álcool Estearílico. 3. Álcool Cetoestearílico. Nome comercial: Lanete S, Cetax 50, Alkol 16/18. 4. Silicones: Dimeticone, Dimeticone Copoliol. 5. Lanolina e derivados. cabelo
  31. 31. Finalidade Cosmética dos Rinses Ação Antiestática; Sobreengordurante; Emoliente. pH adequado (pH ácido 3,5 a 4,5), fechamento da cutícula do cabelo Æ aumento do brilho. Mecanismo de Acão: neutralização das cargas negativas geradas sobre os grupos funcionais da queratina, após a lavagem com xampu (aniônico), diminuindo a repulsão entre os fios do cabelo, facilitando o pentear.
  32. 32. Mecanismo de Ação dos Quaternários de Amônio Formulação Básica v v v v v v Agente antiestático; Sobreengordurante; Emulgente (não iônico); Perfume; Corante; Água Purificada.
  33. 33. Formulas Orientativas: Condicionadores “Rinse Off”
  34. 34. Condicionador “Leave On”
  35. 35. Xampus Condicionadores Xampus onde associamos o efeito de limpeza do xampu, com o efeito condicionante do rinse (brilho, maciez e facilidade de pentear). v Agentes Condicionadores: Detergentes anfóteros: em pH ácido têm caráter CATIÔNICO. v Material Graxo (emulsionado no shampoo): álcool graxo, ácidos graxos, lanolina e derivados, silicones (dimeticone copoliol, óleos vegetais (germen de trigo, semente de uva, jojoba, amêndoa), etc. v Compostos quaternários: sais de amônio quaternário são incompatíveis com tensoativos aniônicos.
  36. 36. Resinas catiônicas: concentração utilizada: 0,5 a 2%. Não reagem com os tensioativos aniônicos. Depositam-se no fio por adsorção (substantividade), porém não devem se acumular (cumulatividade) evitando sensação de engraxamento. Mecanismo de ação de polímeros catiônicos
  37. 37. Silicones quaternizados: Trimetilsilanodimeticone. Hidrolisado de proteína: concentração utilizada: 1 a 5% - PM 1000 a 10.000. Tipo: colágeno, leite, seda, queratina, etc. São adsorvidos pelo cabelo formando filme protetor necessário tempo de contato. Quanto mais danificado o cabelo maior a adsorção. Tensioativos não iônicos: Concentração utilizada: 0,5% Ação: sobreengordurante PEG 7M PEG 14M PEG 45M PEG 90M n = 7000 n = 14000 n = 45000 n = 90000 H (OCH2CH2)n OH
  38. 38. Resinas Catiônicas: aumentam a condutividade cabelos diminuindo a eletricidade estática. dos É necessário verificar o efeito das resinas: Teste com mechas, lava-se repetidas vezes as mesmas, com o xampu condicionador, e verifica-se o aumento de peso após cada lavagem. Tensioativos aniônicos e eletrólitos interferem na adsorção das resinas catiônicas.
  39. 39. Fórmulas orientativas:

×