A ALMA ENCANTADORA DAS RUASJoão do RioThis is a sensible book. This is a book to improve your mind. I do not tell you all ...
Ora, a rua é mais do que isso, a rua é um fator da vida das cidades, a rua tem alma! EmBenares ou em Amsterdão, em Londres...
por aí, de manhã, de dia, à noite, meter-se nas rodas da populaça, admirar o menino da gaitinhaali à esquina, seguir com o...
– Quem há de dizer que esta rua há dez anos só tinha uma casa!Um cavalheiro notável, ao entrar comigo certa vez na Rua Sen...
primeiro balbucio da cidade foi um grito de misericórdia, foi um estertor, um ai! tremendo atiradoaos céus. Dela brotou a ...
Há ruas oradoras, ruas de meeting – o Largo do Capim que assim foi sempre, o Largo de S.Francisco; ruas de calma alegria b...
Nós, os homens nervosos, temos de quando em vez alucinações parciais da pele, doresfulgurantes, a sensação de um contacto ...
também. A rua fatalmente cria o seu tipo urbano como a estrada criou o tipo social. Todos nósconhecemos o tipo do rapaz do...
– Vamos embora! O povo da Travessa está conosco.É a Rua do Senado que, aliada à Travessa, vai sovar a Rua Frei Caneca...Co...
– Ponho-o no olho da rua! brada o pai ao filho no auge da fúria.Aí está a rua como expressão da maior calamidade.– Você es...
Há uma estética da rua, afirmou Bulls. Sim. Há. Porque as atrizes de fama, os oradores maispopulares, os hércules mais che...
Vista Alegre é rua mortaA Formosa é feia e bravaA Rua Direita é tortaA do Sabão não se lava...Toda a psicologia das constr...
Os artistas modernos já não se limitam a exprimir os aspectos proteiformes da rua, a analisartraço por traço o perfil físi...
melhore enquanto ela existir. Não é uma rua onde sofrem apenas alguns entes, é a ruainterminável, que atravessa cidades, p...
O catraieiro sorria, o cigano era presa de uma agitação estranha, agarrando a vítima pelo braço,pela camisa, dando pulos, ...
– Coitados! Andam todos na dolorosa academia da miséria, e, vê tu, até nisso há vocações! Ostrapeiros, por exemplo, divide...
malandros de gravata e roupa alheia, cuja vida passa em parte nos botequins e à porta dascharutarias.– E é rendoso?– Rendo...
– Serve?– Rua!– Mais fica!E quando o ratoeiro volta, traz o seu dia fartamente ganho...Tínhamos parado à esquina da Rua Fr...
Mas o meu amigo não continuou o fio luminoso de sua filosofia. O catraieiro apareceu rubro decólera, e sutilmente cosia-se...
– Por quanto?– É conforme, continuou o petiz. É inicial ou coroa?– É um coração!– Com nome dentro?O rapaz hesitou. Depois:...
porta aberta, cuja alegria e cujas dores se desdobram no estreito espaço das alfurjas e daschombergas, cujas tragédias de ...
– Que quer V.S.? O pequeno estava a arreliar. Marca, moço, marca! E tanto pediu que pôs praaí os risquinhos.Os pequenos, o...
amor, do desprezo, do amuleto, posse, do preservativo, das idéias patrióticas do indivíduo, dasua qualidade primordial.Qua...
É a maior das ofensas: nome no calcanhar, roçando a poeira, amassado por todo o peso damulher...Há ainda a vaidade imitati...
– Uma nova, sim – a oração dos nove.Era num canto de rua, por uma tarde de chuva. O pobre garoto, muito magro, com o pesco...
cama me levanto, a Virgem Nossa Senhora me cubra com o seu manto. Se eu coberto com elefor não terei medo nem pavor, nem c...
Algumas, talvez duvidando do poder dos santos no ócio perpétuo do paraíso, vão diretamente aDeus, levando-os como simples ...
Onipotente Deus, que ao Vosso bem-aventurado mártir S. Lourenço destes esforço para triunfardos incêndios e dos seus torme...
Chamo S. Marcos e S. Manços e seu confidente o anjo mau em meu auxílio para se apoderardo meu espírito e vida, juntamente ...
em seguir a fatalidade. A fatalidade é robusta e ágil. Vai muito adiante fazendo aos homens ummal que as orações remedeiam...
Eu vinha vindo com o frescor da manhã por aquele trecho da praia de Santa Luzia, tão suave etão formoso, onde se amontoam ...
Totalmente interessado, tive uma dessas exclamações de pasmo que lisonjeiam sempre osinformantes e nada exprimem de defini...
– Tal qual. E terminam sempre com a nota policial: quarenta anos presumíveis.Rimos ambos. O sol está brilhante e o céu, in...
Despedi-me, comecei a andar devagar. Um dos urubus aproximou-se.– Estiveram contando coisas a nosso respeito?– Não, absolu...
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
A Alma encantadora das Ruas
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

A Alma encantadora das Ruas

1,898 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,898
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Alma encantadora das Ruas

  1. 1. A ALMA ENCANTADORA DAS RUASJoão do RioThis is a sensible book. This is a book to improve your mind. I do not tell you all I know, becauseI do not want to swamp you with knowledge...Jerome K. JeromeAJoão RibeiroProfunda admiraçãoJOÃO DO RIOA RUAEu amo a rua. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria revelado por mim se nãojulgasse, e razões não tivesse para julgar, que este amor assim absoluto e assim exagerado épartilhado por todos vós. Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nas cidades,nas aldeias, nos povoados, não porque soframos, com a dor e os desprazeres, a lei e a polícia,mas porque nos une, nivela e agremia o amor da rua. É este mesmo o sentimento imperturbávele indissolúvel, o único que, como a própria vida, resiste às idades e às épocas. Tudo setransforma, tudo varia – o amor, o ódio, o egoísmo. Hoje é mais amargo o riso, mais dolorosa aironia, Os séculos passam, deslizam, levando as coisas fúteis e os acontecimentos notáveis. Sópersiste e fica, legado das gerações cada vez maior, o amor da rua.A rua! Que é a rua? Um cançonetista de Montmartre fá-la dizer:Je suís la rue, femme êternellement verte,Je n’ai jamais trouvé d’autre carrière ouverteSinon d’être la rue, et, de tout temps, depuisQue ce pénible monde est monde, je la suis...A verdade e o trocadilho! Os dicionários dizem: "Rua, do latim ruga, sulco. Espaço entre ascasas e as povoações por onde se anda e passeia". E Domingos Vieira, citando as Ordenações:"Estradas e rua pruvicas antiguamente usadas e os rios navegantes se som cabedaes quecorrem continuamente e de todo o tempo pero que o uso assy das estradas e ruas pruvicas". Aobscuridade da gramática e da lei! Os dicionários só são considerados fontes fáceis decompleto saber pelos que nunca os folhearam. Abri o primeiro, abri o segundo, abri dez, vinteenciclopédias, manuseei infolios especiais de curiosidade. A rua era para eles apenas umalinhado de fachadas por onde se anda nas povoações.
  2. 2. Ora, a rua é mais do que isso, a rua é um fator da vida das cidades, a rua tem alma! EmBenares ou em Amsterdão, em Londres ou Buenos Aires, sob os céus mais diversos, nos maisvariados climas, a rua é a agasalhadora da miséria. Os desgraçados não se sentem de todosem o auxílio dos deuses enquanto diante dos seus olhos uma rua abre para outra rua. A rua éo aplauso dos medíocres, dos infelizes, dos miseráveis da arte. Não paga ao Tamagno paraouvir berros atenorados de leão avaro, nem à velha Patti para admitir um fio de voz velho, fracoe legendário. Bate, em compensação, palmas aos saltimbancos que, sem voz, rouquejam comfome para alegrá-la e para comer. A rua é generosa. O crime, o delírio, a miséria não osdenuncia ela. A rua é a transformadora das línguas. Os Cândido de Figueiredo do universoestafam-se em juntar regrinhas para enclausurar expressões; os prosadores bradam contra osCândido. A rua continua, matando substantivos, transformando a significação dos termos,impondo aos dicionários as palavras que inventa, criando o calão que é o patrimônio clássicodos léxicons futuros. A rua resume para o animal civilizado todo o conforto humano. Dá-lhe luz,luxo, bem-estar, comodidade e até impressões selvagens no adejar das árvores e no trinar dospássaros.A rua nasce, como o homem, do soluço, do espasmo. Há suor humano na argamassa do seucalçamento. Cada casa que se ergue é feita do esforço exaustivo de muitos seres, e haveis deter visto pedreiros e canteiros, ao erguer as pedras para as frontarias, cantarem, cobertos desuor, uma melopéia tão triste que pelo ar parece um arquejante soluço. A rua sente nos nervosessa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora dasobras humanas. A rua criou todas as blagues todos os lugares-comuns. Foi ela que fez amajestade dos rifões, dos brocardos, dos anexins, e foi também ela que batizou o imortal Calino.Sem o consentimento da rua não passam os sábios, e os charlatães, que a lisonjeiam lheresumem a banalidade, são da primeira ocasião desfeitos e soprados como bolas de sabão. Arua é a eterna imagem da ingenuidade. Comete crimes, desvaria à noite, treme com a febre dosdelírios, para ela como para as crianças a aurora é sempre formosa, para ela não há o despertartriste, quando o sol desponta e ela abre os olhos esquecida das próprias ações, é, no encantoda vida renovada, no chilrear do passaredo, no embalo nostálgico dos pregões – tão modesta,tão lavada, tão risonha, que parece papaguearcom o céu e com os anjos...A rua faz as celebridades e as revoltas, a rua criou um tipo universal, tipo que vive em cadaaspecto urbano, em cada detalhe, em cada praça, tipo diabólico que tem dos gnomos e dossilfos das florestas, tipo proteiforme, feito de risos e de lágrimas, de patifarias e de crimesirresponsáveis, de abandono e de inédita filosofia, tipo esquisito e ambíguo com saltos de felinoe risos de navalha, o prodígio de uma criança mais sabida e cética que os velhos de setentainvernos, mas cuja ingenuidade é perpétua, voz que dá o apelido fatal aos potentados e nuncateve preocupações, criatura que pede como se fosse natural pedir, aclama sem interesse, epode rir, francamente, depois de ter conhecido todos os males da cidade, poeira d’ouro que sefaz lama e torna a ser poeira – a rua criou o garoto!Essas qualidades nós as conhecemos vagamente. Para compreender a psicologia da rua nãobasta gozar-lhe as delícias como se goza o calor do sol e o lirismo do luar. É preciso ter espíritovagabundo, cheio de curiosidades malsãs e os nervos com um perpétuo desejoincompreensível, é preciso ser aquele que chamamos flâneur e praticar o mais interessante dosesportes – a arte de flanar. É fatigante o exercício?Para os iniciados sempre foi grande regalo. A musa de Horácio, a pé, não fez outra coisa nosquarteirões de Roma. Sterne e Hoffmann proclamavam-lhe a profunda virtude, e Balzac feztodos os seus preciosos achados flanando. Flanar! Aí está um verbo universal sem entrada nosdicionários, que não pertence a nenhuma língua! Que significa flanar? Flanar é ser vagabundo erefletir, é ser basbaque e comentar, ter o vírus da observação ligado ao da vadiagem. Flanar é ir
  3. 3. por aí, de manhã, de dia, à noite, meter-se nas rodas da populaça, admirar o menino da gaitinhaali à esquina, seguir com os garotos o lutador do Cassino vestido de turco, gozar nas praças osajuntamentos defronte das lanternas mágicas, conversar com os cantores de modinha dasalfurjas da Saúde, depois de ter ouvido dilettanti de casaca aplaudirem o maior tenor do Líriconuma ópera velha e má; é ver os bonecos pintados a giz nos muros das casas, após teracompanhado um pintor afamado até a sua grande tela paga pelo Estado; é estar sem fazernada e achar absolutamente necessário ir até um sítio lôbrego, para deixar de lá ir, levado pelaprimeira impressão, por um dito que faz sorrir, um perfil que interessa, um par jovem cujo riso deamor causa inveja.É vagabundagem? Talvez. Flanar é a distinção de perambular com inteligência. Nada como oinútil para ser artístico. Daí o desocupado flâneur ter sempre na mente dez mil coisasnecessárias, imprescindíveis, que podem ficar eternamente adiadas. Do alto de uma janelacomo Paul Adam, admira o caleidoscópio da vida no epítome delirante que é a rua; à porta docafé, como Poe no Homem da Multidões, dedica-se ao exercício de adivinhar as profissões, aspreocupações e até os crimes dos transeuntes. É uma espécie de secreta à maneira deSherlock Holmes, sem os inconvenientes dos secretas nacionais. Haveis de encontrá-lo numabela noite numa noite muito feia. Não vos saberá dizer donde vem, que está a fazer, para ondevai. Pensareis decerto estar diante de um sujeito fatal? Coitado! O flâneur é o bonhommepossuidor de uma alma igualitária e risonha, falando aos notáveis e aos humildes com doçura,porque de ambos conhece a face misteriosa e cada vez mais se convence da inutilidade dacólera e da necessidade do perdão.O flâneur é ingênuo quase sempre. Pára diante dos rolos, é o eterno "convidado do sereno" detodos os bailes, quer saber a história dos boleiros, admira-se simplesmente, e conhecendo cadarua, cada beco, cada viela, sabendo-lhe um pedaço da história, como se sabe a história dosamigos (quase sempre mal), acaba com a vaga idéia de que todo o espetáculo da cidade foifeito especialmente para seu gozo próprio. O balão que sobe ao meio-dia no Castelo, sobe paraseu prazer; as bandas de música tocam nas praças para alegrá-lo; se num beco perdido há umaserenata com violões chorosos, a serenata e os violões estão ali para diverti-lo. E de tanto verque os outros quase não podem entrever, o flâneur reflete. As observações foram guardadas naplaca sensível do cérebro; as frases, os ditos, as cenas vibram-lhe no cortical. Quando o flâneurdeduz, ei-lo a concluir uma lei magnífica por ser para seu uso exclusivo, ei-lo a psicologar, ei-loa pintar os pensamentos, a fisionomia, a alma das ruas. E é então que haveis de pasmar dafutilidade do mundo e da inconcebível futilidade dos pedestres da poesia de observação...Eu fui um pouco esse tipo complexo, e, talvez por isso, cada rua é para mim um ser vivo eimóvel.Balzac dizia que as ruas de Paris nos dão impressões humanas. São assim as ruas de todas ascidades, com vida e destinos iguais aos do homem.Por que nascem elas? Da necessidade de alargamento das grandes colmeias sociais, deinteresses comerciais, dizem. Mas ninguém o sabe. Um belo dia, alinha-se um tarrascal, corta-se um trecho de chácara, aterra-se lameiro, e aí está: nasceu mais uma rua. Nasceu paraevoluir, para ensaiar primeiros passos, para balbuciar, crescer, criar uma individualidade. Oshomens têm no cérebro a sensação dessa semelhança, e assim como dizem de um rapagão:– Quem há de pensar que vi este menino a engatinhar!Murmuram:
  4. 4. – Quem há de dizer que esta rua há dez anos só tinha uma casa!Um cavalheiro notável, ao entrar comigo certa vez na Rua Senador Dantas, não se conteve:– É impossível passar por aqui sem lembrar que a velhice começa a chegar. Quando vim daprovíncia esta rua tinha apenas duas casas no antigo jardim do Convento, e eu tomava choppsno Guarda Velha a três vinténs!Eu sorria, mas o pobre sujeito importante dizia isso como se recordasse os dois primeirosdentes de um homenzarrão, com uma dentadura capaz atualmente de morder as algibeiras deuma sociedade inteira. Era a recordação, a saudade do passado começo. Há nada maisenternecedor que o princípio de uma rua? É ir vê-lo nos arrabaldes. A princípio capim, um braçoa ligar duas artérias. Percorre-o sem pensar meia dúzia de criaturas. Um dia cercam à beira umlote de terreno. Surgem em seguida os alicerces de uma casa. Depois de outra e mais outra.Um combustor tremeluz indicando que ela já se não deita com as primeiras sombras. Três ouquatro habitantes proclamam a sua salubridade ou o seu sossego. Os vendedores ambulantesentram por ali como por terreno novo a conquistar. Aparece a primeira reclamação nos jornaiscontra a lama ou o capim. É o batismo. As notas policiais contam que os gatunos deram numdos seus quintais. É a estréia na celebridade, que exige o calçamento ou o prolongamento dalinha de bondes. E insensivelmente, há na memória da produção, bem nítida, bem pessoal, umaindividualidade topográfica a mais, uma individualidade que tem fisionomia e alma.Algumas dão para malandras, outras para austeras; umas são pretensiosas, outras riem aostranseuntes e o destino as conduz como conduz o homem, misteriosamente, fazendo-as nascersob uma boa estrela ou sob um signo mau, dando-lhes glórias e sofrimentos, matando-as aocabo de um certo tempo.Oh! sim, as ruas têm alma! Há ruas honestas, ruas ambíguas, ruas sinistras, ruas nobres,delicadas, trágicas, depravadas, puras, infames, ruas sem história, ruas tão velhas que bastampara contar a evolução de uma cidade inteira, ruas guerreiras, revoltosas, medrosas,spleenéticas, snobs, ruas aristocráticas, ruas amorosas, ruas covardes, que ficam sem pinga desangue...Vede a Rua do Ouvidor. É a fanfarronada em pessoa, exagerando, mentindo, tomando parte emtudo, mas desertando, correndo os taipais das montras à mais leve sombra de perigo. Essebeco inferno de pose, de vaidade, de inveja, tem a especialidade da bravata. E fatalmenteoposicionista, criou o boato, o "diz-se..." aterrador e o "fecha-fecha" prudente. Começou porchamar-se Desvio do Mar. Por ela continua a passar para todos os desvios muita gente boa. Notempo em que os seus melhores prédios se alugavam modestamente por dez mil réis, era a Ruado Gadelha. Podia ser ainda hoje a Rua dos Gadelhas, atendendo ao número prodigioso depoetas nefelibatas que a infestam de cabelos e de versos. Um dia resolveu chamar-se doOuvidor sem que o senado da câmara fosse ouvido. Chamou-se como calunia, e elogia, comoinsulta e aplaude, porque era preciso denominar o lugar em que todos falam de lugar do queouve; e parece que cada nome usado foi como a antecipação moral de um dos aspectos atuaisdessa irresponsável artéria da futilidade.A Rua da Misericórdia, ao contrário, com as suas hospedarias lôbregas, a miséria, a desgraçadas casas velhas e a cair, os corredores bafientos, é perpetuamente lamentável. Foi a primeirarua do Rio. Dela partimos todos nós, nela passaram os vice-reis malandros, os gananciosos, osescravos nus, os senhores em redes; nela vicejou a imundície, nela desabotoou a flor dainfluência jesuítica. Índios batidos, negros presos a ferros, domínio ignorante e bestial, o
  5. 5. primeiro balbucio da cidade foi um grito de misericórdia, foi um estertor, um ai! tremendo atiradoaos céus. Dela brotou a cidade no antigo esplendor do Largo do Paço, dela decorreram, comode um corpo que sangra, os becos humildes e os coalhos de sangue, que são as praças,ribeirinhas do mar. Mas, soluço de espancado, primeiro esforço de uma porção de infelizes, elacontinuou pelos séculos afora sempre lamentável, e tão augustiosa e franca e verdadeira na suador que os patriotas lisonjeiros e os governos, ninguém, ninguém se lembrou nunca de lhe tirardas esquinas aquela muda prece, aquele grito de mendiga velha: – Misericórdia!Há ruas que mudam de lugar, cortam morros, vão acabar em certos pontos que ninguém dantesimaginara – a Rua dos Ourives; há ruas que, pouco honestas no passado, acabaram tomandovergonha – a da Quitanda. Essa tinha mesmo a mania de mudar de nome. Chamou-se doAçougue Velho, do lnácio Castanheira, do Sucusarrará, do Tomé da Silva, que sei eu? Atémesmo Canto do Tabaqueiro. Acabou Quitanda do Marisco, mas, como certos indivíduos queorganizam o nome conforme a posição que ocupam, cortou o marisco e ficou só Quitanda. Háruas, guardas tradicionais da fidalguia, que deslizam como matronas conservadoras – a dasLaranjeiras; há ruas lúgubres, por onde passais com um arrepio, sentindo o perigo da morte – oLargo do Moura por exemplo. Foi sempre assim. Lá existiu o Necrotério e antes do Necrotério láse erguia a Forca. Antes da autópsia, o enforcamento. O velho largo macabro, com a alma deTropmann e de Jack, depois de matar, avaramente guardou anos e anos, para escalpelá-los,para chamá-los, para gozá-los, todos os corpos dos desgraçados que se suicidam ou morremassassinados. Tresanda a crime, assusta. A Prainha também. Mesmo hoje, aberta, alargadacom prédios novos e a trepidação contínua do comércio, há de vos dar uma impressão de vagohorror. À noite são mais densas as sombras, as luzes mais vermelhas, as figuras maiores. Porque terá essa rua um aspecto assim? Oh! Porque foi sempre má, porque foi sempre ali o Aljube,ali padeceram os negros dos três primeiros trapiches do sal, porque também ali a forcaespalhou a morte!Há entretanto outras ruas, que nascem íntimas, familiares, incapazes de dar um passo sem quetodas as vizinhas não saibam. As ruas de Santa Teresa estão nestas condições. Um cavalheirosalta no Curvelo, vai a pé até o França, e quando volta já todas as ruas perguntam que desejaele, se as suas tenções são puras e outras impertinências íntimas. Em geral, procura-se omistério da montanha para esconder um passeio mais ou menos amoroso. As ruas de SantaTeresa, é descobrir o par e é deitar a rir proclamando aos quatro ventos o acontecimento. Umadas ruas, mesmo, mais leviana e tagarela do que as outras, resolveu chamar-se logo Rua doAmor, e a Rua do Amor lá está na freguesia de S. José. Será exatamente um lugar escolhidopelo Amor, deus decadente? Talvez não. Há também na freguesia do Engenho Velho uma ruaintitulada Feliz Lembrança e parece que não a teve, segundo a opinião respeitável da poesiaanônima:Na Rua Feliz LembrançaEu escapei por um trizDe ser mandado à tábua.Ai! que lembrança infelizTal nome pôr nesta rua!Há ruas que têm as blandícias de Goriot e de Shylock para vos emprestar a juro, para esconderquem pede e paga o explorador com ar humilde. Não vos lembrais da Rua do Sacramento, darua dos penhores? Uma aragem fina e suave encantava sempre o ar. Defronte à igreja, casasvelhas guardavam pessoas tradicionais. No Tesouro, por entre as grades de ferro, uma ou outracara desocupada. E era ali que se empenhavam as jóias, que pobres entes angustiados iamlevar os derradeiros valores com a alma estrangulada de soluços; era ali que refluíam todas aspaixões e todas as tristezas, cujo lenitivo dependesse de dinheiro...
  6. 6. Há ruas oradoras, ruas de meeting – o Largo do Capim que assim foi sempre, o Largo de S.Francisco; ruas de calma alegria burguesa, que parecem sorrir com honestidade – a Rua deHaddock Lobo; ruas em que não se arrisca a gente sem volver os olhos para trás a ver se nosvêem –a Travessa da Barreira; ruas melancólicas, da tristeza dos poetas; ruas de prazersuspeito próximo do centro urbano e como que dele muito afastadas; ruas de paixão romântica,que pedem virgens loiras e luar.Qual de vós já passou a noite em claro ouvindo o segredo de cada rua? Qual de vós já sentiu omistério, o sono, o vício, as idéias de cada bairro?A alma da rua só é inteiramente sensível a horas tardias. Há trechos em que a gente passacomo se fosse empurrada, perseguida, corrida – são as ruas em que os passos reboam,repercutem, parecem crescer, clamam, ecoam e, em breve, são outros tantos passos ao nossoencalço. Outras que se envolvem no mistério logo que as sombras descem – o Largo de Paço.Foi esse largo o primeiro esplendor da cidade. Por ali passaram, na pompa dos pálios e dosbaldaquins d’ouro e púrpura, as procissões do Enterro, do Triunfo, do Senhor dos Passos; porali, ao lado da Praia do Peixe, simples vegetação de palhoças, o comércio agitava as suasprimeiras elegâncias e as suas ambições mais fortes. O largo, apesar das reformas, pareceguardar a tradição de dormir cedo. À noite, nada o reanima, nada o levanta. Uma granderevolução morre no seu bojo como um suspiro; a luz leva a lutar com a treva; os própriosrevérberos parece dormitarem, e as sombras que por ali deslizam são trapos da existênciaalmejando o fim próximo, ladrões sem pousada, imigrantes esfaimados... Deixai esse largo, ideàs ruelas da Misericórdia, trechos da cidade que lembram o Amsterdão sombrio de Rembrandt.Há homens em esteiras, dormindo na rua como se estivessem em casa. Não nos admiremos.Somos reflexos. O Beco da Música ou o Beco da Fidalga reproduzem a alma das ruas deNápoles, de Florença, das ruas de Portugal, das ruas da África, e até, se acreditarmos nafantasia de Heródoto, das ruas do antigo Egito. E por quê? Porque são ruas da proximidade domar, ruas viajadas, com a visão de outros horizontes. Abri uma dessas pocilgas que são a partedo seu organismo. Haveis de ver chineses bêbados de ópio, marinheiros embrutecidos peloálcool, feiticeiras ululando canções sinistras, toda a estranha vida dos portos de mar. E essesbecos, essas betesgas têm a perfídia dos oceanos, a miséria das imigrações, e o vício, o grandevício do mar e das colônias...Se as ruas são entes vivos, as ruas pensam, têm idéias, filosofia e religião. Há ruas inteiramentecatólicas, ruas protestantes, ruas livres-pensadoras e até ruas sem religião. Trafalgar Square,dizia o mestre humorista Jerome, não tem uma opinião teológica definitiva. O mesmo se podedizer da Praça da Concórdia de Paris ou da Praça Tiradentes. Há criatura mais sem miolos queo Largo do Rocio? Devia ser respeitável e austero. Lá, Pedro I, trepado num belo cavalo e comum belo gesto, mostra aos povos a carta da independência, fingindo dar um grito que nuncadeu. Pois bem: não há sujeito mais pândego e menos sério do que o velho ex-Largo do Rocio.Os seus sentimentos religiosos oscilam entre a depravação e a roleta. Felizmente, outrasredimem a sociedade de pedra e cal, pelo seu culto e o seu fervor. A Rua Benjamin Constantestá neste caso, é entre nós um tremendo exemplo de confusão religiosa. Solene, grave, guardatrês templos, e parece dizer com circunspecção e o ar compenetrado de certos senhores detodos nós conhecidos:– Faço as obras do Coração de Jesus, creio em Deus, nas orações, nos bentinhos e só não soupositivista porque é tarde para mudar de crença. Mas respeito muito e admiro Teixeira Mendes...
  7. 7. Nós, os homens nervosos, temos de quando em vez alucinações parciais da pele, doresfulgurantes, a sensação de um contacto que não existe, a certeza de que chamam por nós. Asruas têm os rolos, as casas mal assombradas, e há até ruas possessas, com o diabo no corpo.Em S. Luís do Maranhão há uma rua sonâmbula muito menos cacete que a ópera célebre domesmo nome. Essa rua é a Rua de Santa Ana, a lady Macbeth da topografia. Deu-se lá umcrime horrível. Às dez horas, a rua cai em estado sonambúlico e é só gritos, clamores: sangue!sangue!Ruas assim ainda mostram o que pensam. Talvez as outras tenham maiores delírios, mas sãocomo os homens normais – guardam dentro do cérebro todos os pensamentos extravagantes.Quem se atreveria a resumir o que num minuto pensa de mal, de inconfessável, o mais honestocidadão? Entre as ruas existem também as falsas, as hipócritas, com a alma de Tartufo e deIago. Por isso os grandes mágicos do interior da África Central, que dos sertões adustoslevavam às cidades inglesas do litoral sacos d’ouro em pó e grandes macacos tremendos, têmuma cantiga estranha que vale por uma sentença breve de Catão:O di ti a uê, chêF’u, a uá nyOdé, odá, bi ejôSa lo dêSentença que em eubá, o esperanto das hordas selvagens, quer dizer apenas isto: rua foi feitapara ajuntamentos. Rua é como cobra. Tem veneno. Foge da rua!Mas o importante, o grave, é ser a rua a causa fundamental da diversidade dos tipos urbanos.Não sei se lestes um curioso livro de E. Demolins, Comment la route crée le type social. É umarevolução no ensino da Geografia. "A causa primeira e decisiva da diversidade das raças, dizele, é a estrada, o caminho que os homens seguirem. Foi a estrada que criou a raça e o tiposocial. Os grandes caminhos do globo foram, de qualquer forma, os alambiques poderosos quetransformaram os povos. Os caminhos das grandes estepes asiáticas, das tundras siberianas,das savanas da América ou das florestas africanas insensivelmente e fatalmente criaram o tipotártaro-mongol, o lapão-esquimó, o pele-vermelha, o índio, o negro".A rua é a civilização da estrada. Onde morre o grande caminho começa a rua, e, por isso, elaestá para a grande cidade como a estrada está para o mundo. Em embrião, é o princípio, acausa dos pequenos agrupamentos de uma raça idêntica. Daí, em muitos sítios da terra asaldeias terem o único nome de rua. Quando aumentam e crescem depois, ou pela devoção damaioria dos habitantes ou por uma impressão de local, acrescentam ao substantivo rua ocomplemento que das outras as deve diferençar. Em Portugal esse fato é comum. Há umaaldeia de 700 habitantes no Minho que se chama modestamente Rua de S. Jorge, uma outra noDouro que é a Rua da Lapela, e existem até uma Rua de Cima e uma Rua de Baixo.Nas grandes cidades a rua passa a criar o seu tipo, a plasmar o moral dos seus habitantes, ainocular-lhes misteriosamente gostos, costumes, hábitos, modos, opiniões políticas. Vós todosdeveis ter ouvido ou dito aquela frase:– Como estas meninas cheiram a Cidade Nova!Não é só a Cidade Nova, sejam louvados os deuses! Há meninas que cheiram a Botafogo, aHaddock Lobo, a Vila Isabel, como há velhas em idênticas condições, como há homens
  8. 8. também. A rua fatalmente cria o seu tipo urbano como a estrada criou o tipo social. Todos nósconhecemos o tipo do rapaz do Largo do Machado: cabelo à americana, roupas amplas àinglesa, lencinho minúsculo no punho largo, bengala de volta, pretensões às línguasestrangeiras, calças dobradas como Eduardo VII e toda a snobopolis do universo. Esse mesmorapaz, dadas idênticas posições, é no Largo do Estácio inteiramente diverso. As botas são debico fino, os fatos em geral justos, o lenço no bolso de dentro do casaco, o cabelo à meiacabeleira com muito óleo. Se formos ao Largo do Depósito, esse mesmo rapaz usará lenço deseda preta, forro na gola do paletot, casaquinho curto e calças obedecendo ao molde correntena navegação aérea – calças à balão.Esses três rapazes da mesma idade, filhos da mesma gente honrada, às vezes até parentes,não há escolas, não há contactos passageiros, não há academias que lhes tranformem o gostopor certa cor de gravatas, a maneira de comer, as expressões, as idéias – porque cada rua temum stock especial de expressões, de idéias e de gostos. A gente de Botafogo vai às "primeiras"do Lírico, mesmo sem ter dinheiro. A gente de Haddock Lobo tem dinheiro mas raramente vai aoLírico. Os moradores da Tijuca aplaudem Sarah Bernhardt como um prodígio. Os moradores daSaúde amam enternecidamente o Dias Braga. As meninas das Laranjeiras valsam ao som dasvalsas de Strauss e de Berger, que lembram os cassinos da Riviera e o esplendor dos kursaals.As meninas dos bailes de Catumbi só conhecem as novidades do senhor Aurélio Cavalcante. Asconversas variam, o amor varia, os ideais são inteiramente outros, e até o namoro, essaencantadora primeira fase do eclipse do casamento, essa meia ação da simpatia que se fundeem desejo, é abolutamente diverso. Em Botafogo, à sombra das árvores do parque ou nogrande portão, Julieta espera Romeu, elegante e solitária; em Haddock Lobo, Julieta garruleiaem bandos pela calçada; e nas casas humildes da Cidade Nova, Julieta, que trabalhou todo odia pensando nessa hora fugace, pende à janela o seu busto formoso...Oh! sim, a rua faz o indivíduo, nós bem o sentimos. Um cidadão que tenha passado metade daexistência na Rua do Pau Ferro não se habitua jamais à Rua Marquês de Abrantes! Osintelectuais sentem esse tremendo efeito do ambiente, menos violentamente, mas sentem. Euconheci um elegante barão da monarquia, diplomata em perpétua disponibilidade, que anecessidade forçara a aceitar de certo proprietário o quarto de um cortiço da Rua Bom Jardim.O pobre homem, com as suas poses à Brummell, sempre de monóculo entalado, era oescândalo da rua. Por mais que saudasse as damas e cumprimentasse os homens, nuncaninguém se lembrava de o tratar senão com desconfiança assustada. O barão sentia-sedesesperado e resumira a vida num gozo único: sempre que podia, tomava o bonde deBotafogo, acendia um charuto, e ia por ali altivo, airoso, com a velha redingote abotoada, a"caramela" de cristal cintilante... Estava no seu bairro. Até parece, dizia ele, que as pedras meconhecem!As pedras! As pedras são a couraça da rua, a resistência que elas apresentam ao novotranseunte. Refleti que nunca pisastes pela primeira vez uma rua de arrabalde sem que o vossopasso fosse hesitante como que, inconscientemente, se habituando ao terreno; refleti nessascoisas sutis que a vida cria, e haveis de compreender então a razão por que os humildes limitamtodo o seu mundo à rua onde moram, e por que certos tipos, os tipos populares, só o sãorealmente em determinados quarteirões.As ruas são tão humanas, vivem tanto e formam de tal maneira os seus habitantes, que há atéruas em conflito com outras. Os malandros e os garotos de uma olham para os de outra comopara inimigos. Em 1805, há um século, era assim: os capoeiras da Praia não podiam passar porSanta Luzia. No tempo das eleições mais à navalha que à pena, o Largo do Machadinho e aRua Pedro Américo eram inimigos irreconciliáveis. Atualmente a sugestão é tal que eles seintitulam povo. Há o povo da Rua do Senado, o povo da Travessa do mesmo nome, o povo deCatumbi. Haveis de ouvir, à noite, um grupo de pequenos valentes armados de vara:
  9. 9. – Vamos embora! O povo da Travessa está conosco.É a Rua do Senado que, aliada à Travessa, vai sovar a Rua Frei Caneca...Como outrora os homens, mais ou menos notáveis, tomavam o nome da cidade onde tinhamnascido – Tales de Mileto, Luciano de Samosata, Epicarmo de Alexandria – os chefes dacapadoçagem juntam hoje ao nome de batismo o nome da sua rua. Há o José do Senado, oJuca da Harmonia, o Lindinho do Castelo, e ultimamente, nos fatos do crime, tornaram-secélebres dois homens, Carlito e Cardosinho, só temidos em toda a cidade, cheia deCardosinhos e de Carlitos, porque eram o Carlito e o Cardosinho da Saúde. Direis que é umaobservação puramente local? Não, cem vezes não! Em Paris, a Ville-Lumière, os bandos deassassinos tomam freqüentemente o nome da rua onde se organizaram; em Londres há ruasdos bairros trágicos com esse predomínio, e na própria história de Bizâncio haveis de encontrarruas tão guerreiras que os seus habitantes as juntavam ao nome como um distintivo.E assim os tipos populares.Tive o prazer de conhecer dois desses tipos, em que mais vivamente se exteriorizava ainfluência psicológica da rua: o Pai da Criança e a Perereca.O Pai da Criança estava deslocado, na decadência. Esse ser repugnante nascera como umadepravação da Rua do Ouvidor. Quando o vi doente, nas tascas da Rua Frei Caneca, como jánão estava na sua rua, não era mais notável. Os garotos já não riam dele, ninguém o seguia, e onojento sujeito conversava nas bodegas, como qualquer mortal, da gatunice dos governos. Sófui descobrir a sua celebridade quando o vi em plena Ouvidor, cheio de fitas, vaiado, cuspindoinsolências, inconcebível de descaro e de náusea. A Perereca, ao contrário. Na Rua do Ouvidorseria apenas uma preta velha. Na Rua Frei Caneca era o regalo, o delírio, a extravagância. Osmalandrins corriam-lhe ao encalço atirando-lhe pedras, os negociantes chegavam às portas,todas as janelas iluminavam-se de gargalhadas. E por quê? Porque esses tipos são o riso dasruas e assim como não há duas pessoas que riam do mesmo modo não há duas ruas cujo risoseja o mesmo.Se a rua é para o homem urbano o que a estrada foi para o homem social, é claro que apreocupação maior, a associada a todas as outras idéias do ser das cidades, é a rua. Nóspensamos sempre na rua. Desde os mais tenros anos ela resume para o homem todos osideais, os mais confusos, os mais antagônicos, os mais estranhos, desde a noção de liberdadee de difamação – idéias gerais – até a aspiração de dinheiro, de alegria e de amor, idéiasparticulares. Instintivamente, quando a criança começa a engatinhar, só tem um desejo: ir para arua! Ainda não fala e já a assustam: se você for para a rua encontra o bicho! Se você sairapanha palmadas! Qual! Não há nada! É pilhar um portão aberto que o petiz não se lembramais de bichos nem de pancadas!Sair só é a única preocupação das crianças até uma certa idade. Depois continuar a sair só. Equando já para nós esse prazer se usou, a rua é a nossa própria existência. Nela se fazemnegócios, nela se fala mal do próximo, nela mudam as idéias e as convicções, nela surgem asdores e os desgostos, nela sente o homem a maior emoção.Quando se encontra o amorNa rua, sem o saber...
  10. 10. – Ponho-o no olho da rua! brada o pai ao filho no auge da fúria.Aí está a rua como expressão da maior calamidade.– Você está em casa, venha para a rua se é gente!Aí temos a rua indicando sítio livre para a valentia a substituir o campo de torneio medieval.– É mais deslavado que as pedras da rua!Frase em que se exprime uma sem-vergonhice inconcebível.– É mais velho que uma rua!Conceito talvez errado porque há ruas que morrem moças.Às vezes até a rua é a arma que fere e serve de elogio conforme a opinião que dela se tem.– Ah! minha amiga! Meu filho é muito comportado. Já vai à rua sozinho...– Ah! meninas, o filho de d. Alice está perdido! Pois se até anda sozinho na rua!E a rua, impassível, é o mistério, o escândalo, o terror...Os políticos vivem no meio da rua aqui, na China, em Tombuctu, na França; os presidentes derepública, os reis, os papas, no pavor de uma surpresa da rua – a bomba, a revolta; os chefesde polícia são os alucinados permanentes das ruas; todos quantos querem subir, galgar a inútile movediça montanha da glória, anseiam pelo juízo da rua, pela aprovação da via pública, e hána patologia nervosa uma vasta parte em que se trata apenas das moléstias produzidas pelarua, desde a neurastenia até à loucura furiosa. E que a rua chega a ser a obsessão em que secondensam todas as nossas ambições. O homem, no desejo de ganhar a vida com maisabundância ou maior celebridade, precisava interessar à rua. Começou pois fazendo discursosem plena ágora, discursos que, desde os tempos mais remotos aos meetings contemporâneosda estátua de José Bonifácio, falam sempre de coisas altivas, generosas e nobres. Um belo dia,a rua proclamou a excelente verdade: que as palavras leva-as o vento. Logo, nós assustados,imaginamos o homem-sandwich, o cartaz ambulante; mandamos pregar-lhe, enquanto dorme,com muita goma e muita ingenuidade, os cartazes proclamando a melhor conserva, o doce maisgostoso, o ideal político mais austero, o vinho mais generoso, não só em letras impressas mascom figuras alegóricas, para poupar-lhe o trabalho de ler, para acariciar-lhe a ignorância, paraalegrá-la. Como se não bastassem o cartaz, a lanterna mágica, o homem-sandwich,desveladamente, aos poucos, resolvemos compor-lhe a história e fizemos o jornal – esseformidável folhetim-romance permanente, composto de verdades, mentiras, lisonjas, insultos eda fantasia dos Gaboriau que somos todos nós...
  11. 11. Há uma estética da rua, afirmou Bulls. Sim. Há. Porque as atrizes de fama, os oradores maispopulares, os hércules mais cheios de força, os produtos mais evidentes dos blocos comerciais,vivem de procurar agradá-la. Desse orgulho transitório surgiu para a rua a glória policroma daarte. O temor de serem esquecidos criou para cada uma a roupagem variada, encheu-as comoMelusinas de pedra, como fadas cruéis que se teme e se satisfaz, de vestidos múltiplos, decores variegadas, de fanfreluches de papel, da ardência fulgurante das montras de cambiantesluzentes; deu-lhes uma perpétua apoteose de sacrifício à espera do milagre do lucro ou dapopularidade. A estética, a ornamentação das ruas, é o resultado do respeito e do medo quelhes temos...No espírito humano a rua chega a ser uma imagem que se liga a todos os sentimentos e servepara todas as comparações. Basta percorrer a poesia anônima para constatar a flagranteverdade. É quase sempre na rua que se fala mal do próximo. Folheemos uma coleção de fados.Lá está a idéia:Adeus, ó Rua DireitaÓ Rua da Murmuração.Onde se faz audiênciaSem juiz nem escrivão.Aliás muito tímida, como devendo ser cantada por quem tem culpa no cartório. Mas, se umapaixonado quer descrever o seu peito, só encontra uma comparação perfeita.O meu peito é uma ruaOnde o meu bem nunca passa,É a rua da amarguraOnde passeia a desgraça.Se sente o apetite de descrever, os espécimens são sem conta.Na rua do meu amorNão se pode namorar:De dia, velhas à porta,De noite, cães a ladrar.E é suave lembrar aquele sonhador que, defronte da janela da amada e desejando realizar oimpossível para lhe ser agradável, só pôde sussurrar esta vontade meiga:Se esta rua fosse minhaEu mandava ladrilharDe pedrinhas de brilhantePara meu bem passar.O povo observa também, e diz mais numa quadra do que todos nós a armar o efeito de períodosbrilhantes. Sempre recordarei um tocador de violão a cantar com lágrimas na voz como diantedo inexorável destino:
  12. 12. Vista Alegre é rua mortaA Formosa é feia e bravaA Rua Direita é tortaA do Sabão não se lava...Toda a psicologia das construções e do alinhamento em quatro versos! A rua chega a preocuparos loucos. Nos hospícios, onde esses cavalheiros andam doidos por se ver cá fora, encontreiplanos de ruas ideais, cantores de rua, e um deles mesmo chegou a entregar-me um longopoema que começava assim:A rua...Cumprida, cumprida, atua...Olê! complicada, complicada, aluaA ruaNua!Essa idéia reflete-se nas religiões, nos livros sagrados, na arte de todos os tempos, cada vezmais afiada, cada vez mais sensível. Na literatura atual a rua é a inspiração dos grandesartistas, desde Victor Hugo, Balzac e Dickens, até às epopéias de Zola, desde o funambulismode Banville até o humorismo de Mark Twain. Não há um escritor moderno que não tenhacantado a rua. Os sonhadores levam mesmo a exagerá-la, e hoje, devido certamente à correntesocialista, há toda uma literatura em que a alma das ruas soluça. Os poetas refinados levam amórbida inspiração a cantar os aspectos parciais da rua. Como os românticos cantavam os pés,os olhos, a boca e outras partes do corpo das apaixonadas, eles cantam o semblante das casasvazias, os revérberos de gás como Rodenbach:Le dimanche, en semaine, et par tous les tempsL’un est debout, un autre, il semble, s’agenouille.Et chacun se sent seul comme dans une foule.Les revérbéres des banlieuesSont des cages oú des oiseaux déplient leurs queues.Os pregões, as calçadas, e houve até um – Mário Pederneiras –que nos deu a sutilíssima eadmirável psicologia das árvores urbanas:Com que magoado encantoCom que triste saudadeSobre mim atuaEsta estranha feição das árvores da rua.E elas são, entretanto,A única ilusão rural de uma cidade!As árvores urbanasSão, em geral, conselheiras e friasSem as grandes expansões e as grandes alegriasDas provincianas.Não têm sequer os plácidos carinhosDessas largas manhãs provinciais e enxutas.Nem a orquestra dos ninhosNem a graça vegetal das frutas.
  13. 13. Os artistas modernos já não se limitam a exprimir os aspectos proteiformes da rua, a analisartraço por traço o perfil físico e moral de cada rua. Vão mais longe, sonham a rua ideal, comosonharam um mundo melhor. Williams Morris, por exemplo, imaginou nas Novelas de partealguma a rua socialista e rara, com edifícios magníficos, sem mendigos e sem dinheiro.Rimbaud, nas Illuminations, teve a idéia da rua babélica, reproduzindo nos edifícios, sob o céucinzento, todas as maravilhas clássicas da arquitetura. Bellamy, no Locking Bockward, jásonhava o agrupamento dos grandes armazéns; e hoje, entre essas ruas de sonho, queGustavo Khan considera as ruas utópicas e que talvez se tornem realidade um dia, é o estranhoe infernal sulco descrito por Wells na História dos tempos futuros, rua em que tudo dependeráde sindicatos formidáveis, em que tudo será elétrico, em que os homens, escravos de meiadúzia, serão como os elos de uma mesma corrente arrastados pelo trabalho através doscasarões.Mas, a quem não fará sonhar a rua? A sua influência é fatal na palheta dos pintores, na almados poetas, no cérebro das multidões. Quem criou o reclamo? A rua! Quem inventou acaricatura! A rua! Onde a expansão de todos os sentimentos da cidade? Na rua! Por isso paradar a expressão da dor funda, o grande poeta Bilac fez um dia:A Avenida assombrada e triste da saudadeOnde vem passear a procissão chorosaDos órfãos do carinho e da felicidade.E certo poeta árabe, reconhecendo com a presciência dos vates que só a rua nos pode dar aexpressão do sofrimento absoluto como da alegria completa, escreveu a celebrada Praça doriso ao nascer da aurora; o riso de cristal das crianças, o riso perlado das mulheres, o riso gravedos homens a formar um conjunto de tanta harmonia que as árvores também riam no canto dospássaros, e a própria umbela azul do céu se estriava d’ouro no imenso riso do sol..Neste elogio, talvez fútil, considerei a rua um ser vivo, tão poderoso que consegue modificar ohomem insensivelmente e fazê-lo o seu perpétuo escravo delirante, e mostrei mesmo que a ruaé o motivo emocional da arte urbana mais forte e mais intenso. A rua tem ainda um valor desangue e de sofrimento: criou um símbolo universal. Há ainda uma rua, construída naimaginação e na dor, rua abjeta e má, detestável e detestada, cuja travessia se faz contra anossa vontade, cujo trânsito é um doloroso arrastar pelo enxurro de uma cidade e de um povo.Todos acotovelam-se e vociferam aí, todos, vindos da Rua da Alegria ou da Rua da Paz,atravessando as betesgas do Saco do Alferes ou descendo de automóvel dos bairroscivilizados, encontram-se aí e aí se arrastam, em lamentações, em soluços, em ódio à vida e aoMundo. No traçado das cidades ela não se ostenta com as suas imprecações e os seusrancores. É uma rua esconsa e negra, perdida na treva, com palácios de dor e choupanas depranto, cuja existência se conhece não por um letreiro à esquina, mas por uma vaga apreensão,um irredutível sentimento de angústia, cuja travessia não se pode jamais evitar. Correi os mapasde Atenas, de Roma, de Nínive ou de Babilônia, o mapa das cidades mortas. Termas, canais,fontes, jardins suspensos, lugares onde se fez negócio, onde se amou, lugares onde se secultuaram os deuses – tudo desapareceu. Olhai o mapa das cidades modernas. De século emséculo a transformação é quase radical. As ruas são perecíveis como os homens. A outra,porém, essa horrível rua de todos conhecida e odiada, pela qual diariamente passamos, essa éeterna como o medo, a infâmia, a inveja. Quando Jerusalém fulgia no seu máximo esplendor, jáela lá existia. Enquanto em Atenas artistas e guerreiros recebiam ovações, enquanto em Romaa multidão aplaudia os gladiadores triunfais e os césares devassos, na rua aflitiva cuspinhava oopróbrio e chorava a inocência. Cartago tinha uma rua assim, e ainda hoje Paris, New York,Berlim a têm, cortando a sua alegria, empanando o seu brilho, enegrecendo todos os triunfos etodas as belezas. Qual de vós não quebrou, inesperadamente, o ângulo em arestas dessa rua?Se chorastes, se sofrestes a calúnia, se vos sentistes ferido pela maledicência, podereis ter acerteza de que entrastes na obscura via! Ah! Não procureis evita-la! Jamais o conseguireis.Quanto mais se procura dela sair mais dentro dela se sofre. E não espereis nunca que o mundo
  14. 14. melhore enquanto ela existir. Não é uma rua onde sofrem apenas alguns entes, é a ruainterminável, que atravessa cidades, países, continentes, vai de pólo a pólo; em que sealanceiam todos os ideais, em que se insultam todas as verdades, onde sofreu Epaminondas epela qual Jesus passou. Talvez que extinto o mundo, apagados todos os astros, feito o universotreva, talvez ela ainda exista, e os seus soluços sinistramente ecoem na total ruína, rua daslágrimas, rua do desespero – interminável rua da Amargura.O QUE SE VÊ NAS RUASPequenas ProfissõesO cigano aproximou-se do catraieiro. No céu, muito azul, o sol derramava toda a sua luzdourada. Do cais via-se para os lados do mar, cortado de lanchas, de velas brancas, o desenhomultiforme das ilhas verdejantes, dos navios, das fortalezas. Pelos boulevards sucessivos quevão dar ao cais, a vida tumultuária da cidade vibrava num rumor de apoteose, e era ainda maisintensa, mais brutal, mais gritada, naquele trecho do Mercado, naquele pedaço da rampa,viscoso de imundícies e de vícios. O cigano, de frack e chapéu mole, já falara a dois carroceirosmoços e fortes, já se animara a entrar numa taberna de freguesia retumbante. Agora, pelos seusgestos duros, pelo brilho do olhar, bem se percebia que o catraieiro seria a vítima, a vítimadefinitiva, que ele talvez procurasse desde manhã, como um milhafre esfomeado.Eduardo e eu caminhamos para a rampa, na aragem fina da tarde que se embebia de todosaqueles cheiros de maresia, de gordura, de aves presas, de verduras. O catraieiro batianegativamente com a cabeça.– Uma calça, apenas uma, em muito bom estado.– Mas eu não quero.– Ninguém lhe vende mais barato, palavra de honra. E a fazenda? Veja a fazenda.Desenrolou com cuidado um embrulho de jornal. De dentro surgiu um pedaço de calça cor decastanha.– Para o serviço! Dois mil réis, só dois!...Eu tenho família, mãe, esposa, quatro filhos menores.Ainda não comi hoje! Olhe, tenho aqui uns anéis...não gosta de anéis?O catraieiro ficara, sem saber como, com o embrulho das calças, e o seu gesto fraco denegativa bem anunciava que iria ficar também com um dos anéis. O cigano desabotoara o frack,cheio de súbito receio.– É um anel de ouro que eu achei, ouro legítimo. Vendo barato: oito mil réis apenas. Tudo dezmil réis, conta redonda!
  15. 15. O catraieiro sorria, o cigano era presa de uma agitação estranha, agarrando a vítima pelo braço,pela camisa, dando pulos, para lhe cochichar ao ouvido palavras de maior tentação; ninguémnaquele perpétuo tumulto, ninguém no rumor do estômago da cidade, olhava sequer para onegócio desesperado de cigano. Eduardo, que nessa tarde passeava comigo, arrastou-me peloex-Largo do Paço, costeando o cais até a velha estação das barcas.– Admiraste aquele negociante ambulante?– Admirei um refinado "vigarista"...– Oh! meu amigo, a moral é uma questão de ponto de vista. Aquele cigano faz parte de umexército de infelizes, a que as condições da vida ou do próprio temperamento, a fatalidade,enfim, arrasta muita gente. Lembras-te de La romera de Santiago, de Velez de Guevara? Há láuns versos que bem exprimem o que são essas criaturas:Estos son algunos hombresDe obligaciones, que pasanNecesidad, y procuranDe esta suerte remediarlaSaliendose a los caminos...É quanto basta como moral. Não sejamos excessivos para os humildes.O Rio tem também as suas pequenas profissões exóticas, produto da miséria ligada às fábricasimportantes, aos adelos, ao baixo comércio; o Rio, como todas as grandes cidades, esmiúça nopróprio monturo a vida dos desgraçados. Aquelas calças do cigano, deram-lhas ou apanhou-asele no monturo, mas como o cigano não faz outra coisa na sua vida senão vender calçar velhase anéis de plaquet, aí tens tu uma profissão da miséria, ou se quiseres, da malandrice – que ésempre a pior das misérias. Muito pobre diabo por aí pelas praças parece sem ofício, semocupação. Entretanto, coitados! o ofício, as ocupações, não lhes faltam, e honestos,trabalhosos, inglórios, exigindo o faro dos cães e a argúcia dos reporters.Todos esses pobres seres vivos tristes vivem do cisco, do que cai nas sarjetas, dos ratos, dosmagros gatos dos telhados, são os heróis da utilidade, os que apanham o inútil para viver, osinconscientes aplicadores à vida das cidades daquele axioma de Lavoisier: nada se perde nanatureza. A polícia não os prende, e, na boêmia das ruas, os desgraçados são ainda exploradospelos adelos, pelos ferros-velhos, pelos proprietários das fábricas...– As pequenas profissões!... É curioso!As profissões ignoradas. Decerto não conheces os trapeiros sabidos, os apanha-rótulos, osselistas, os caçadores, as ledoras de buena dicha. Se não fossem o nosso horror, a Diretoria deHigiene e as blagues das revistas de ano, nem os ratoeiros seriam conhecidos.– Mas, senhor Deus! é uma infinidade, uma infinidade de profissões sem academia! Até pareceque não estamos no Rio de Janeiro...
  16. 16. – Coitados! Andam todos na dolorosa academia da miséria, e, vê tu, até nisso há vocações! Ostrapeiros, por exemplo, dividem-se em duas especialidades – a dos trapos limpos e a de todosos trapos. Ainda há os cursos suplementares dos apanhadores de papéis, de cavacos e dechumbo. Alguns envergonham-se de contar a existência esforçada. Outros abundam empormenores e são um mundo de velhos desiludidos, de mulheres gastas, de garotos e decrianças, filhos de família, que saem, por ordem dos pais, com um saco às costas, para cavar avida nas horas da limpeza das ruas.De todas essas pequenas profissões a mais rara e a mais parisiense é a dos caçadores, queformam o sindicato das goteiras e dos jardins. São os apanhadores de gatos para matar e levaraos restaurants, já sem pele, onde passam por coelho. Cada gato vale dez tostões no máximo.Uma só das costelas que os fregueses rendosos trincam, à noite, nas salas iluminadas doshotéis, vale muito mais. As outras profissões são comuns. Os trapeiros existem desde que nóspossuímos fábricas de papel e fábricas de móveis. Os primeiros apanham trapos, todos ostrapos encontrados na rua, remexem o lixo, arrancam da poeira e do esterco os pedaços depano, que serão em pouco alvo papel; os outros têm o serviço mais especial de procurar panoslimpos, trapos em perfeito estado, para vender aos lustradores das fábricas de móveis. Asgrandes casas desse gênero compram em porção a traparia limpa. A uns não prejudica aintempérie, aos segundos a chuva causa prejuízos enormes. Imagina essa pobre gente, quandochove, quando não há sol, com o céu aberto em cataratas e, em cada rua, uma inundação!– Falaste, entretanto, dos sabidos?– Ah! os sabidos dedicam-se a pesquisar nos montes de cisco as botas e os sapatos velhos, ebatem-se por duas botas iguais com fúria, porque em geral só se encontra uma desirmanada.Esses infelizes têm preço fixo para o trabalho, uma tarifa geral combinada entre oscompradores, os italianos remendões. Um par de botas, por exemplo, custa 400 réis, um par desapatos 200 réis. As classes pobres preferem as botas aos sapatos. Uma bota só, porém, nãose vende por mais de 100 réis.– Mas é bem pago!– Bem pago? Os italianos vendem as botas, depois de consertadas, por seis e sete mil réis! E omesmo que acontece aos molambeiros ambulantes como o cigano que acabamos de ver – osbelchiores compram as roupas para vendê-las com quatrocentos por cento de lucro. Há ainda osselistas e os ratoeiros. Os selistas não são os mais esquadrinhadores, os agentes sem lucro dodesfalque para o cofre público e da falsificação para o burguês incauto. Passam o dia perto dascharutarias pesquisando as sarjetas e as calçadas à cata de selos de maços de cigarros e seloscom anéis e os rótulos de charutos. Um cento de selos em perfeito estado vende-se por 200réis. Os das carteiras de cigarros têm mais um tostão. Os anéis dos charutos servem paravender uma marca por outra nas charutarias e são pagos cem por 200 réis. Imagina uns cemselistas à cata de selos intactos das carteirinhas e dos charutos; avalia em 5% os selos perfeitosde todos os maços de cigarros e de todos os charutos comprados neste país de fumantes; ecalcula, após este pequeno trabalho de estatística, em quanto é defraudada a fazenda nacionaldiariamente só por uma das pequenas profissões ignoradas.– Gente pobre a morrer de fome, coitados...– Oh! não. O pessoal que se dedica ao ofício não se compõe apenas do doloroso bando de pésdescalços, da agonia risonha dos pequenos mendigos. Trabalham também na profissão os
  17. 17. malandros de gravata e roupa alheia, cuja vida passa em parte nos botequins e à porta dascharutarias.– E é rendoso?– Rendoso, propriamente, não; mas os selistas contam com o natural sentimento de todos osseres que, em vez de romper, preferem retirar o selo do charuto e rasgar a parte selada dascarteirinhas sem estragar o selo.– Mas os anéis dos charutos?– Oh! isso então é de primeiríssima. Os selistas têm lugar certo para vender os rótulos doscharutos Bismarck – em Niterói, na Travessa do Senado. Há casas que passam caixas e caixasde charutos que nunca foram dessa marca. A mais nova, porém, dessas profissões, que saltamdos ralos, dos buracos, do cisco da grande cidade, é a dos ratoeiros, o agente de ratos, oentreposto entre as ratoeiras das estalagens e a Diretoria de Saúde. Ratoeiro não é um cavador– é um negociante. Passeia pela Gamboa, pelas estalagens da Cidade Nova, pelos cortiços ebibocas da parte velha da urbs, vai até ao subúrbio, tocando um cornetinha com a lata na mão.Quando está muito cansado, senta-se na calçada e espera tranqüilamente a freguesia,soprando de espaço a espaço no cornetim.Não espera muito. Das rótulas há quem os chame; à porta das estalagens afluem mulheres ecrianças.– Ó ratoeiro, aqui tem dez ratos!– Quanto quer?– Meia pataca.– Até logo!– Mas, ô diabo, olhe que você recebe mais do que isso por um só lá na Higiene.– E o meu trabalho?– Uma figa! Eu cá não vou na história de micróbio no pêlo do rato.– Nem eu. Dou dez tostões por tudo. Serve?– Heim?
  18. 18. – Serve?– Rua!– Mais fica!E quando o ratoeiro volta, traz o seu dia fartamente ganho...Tínhamos parado à esquina da Rua Fresca. A vida redobrava aí de intensidade, não detrabalho, mas de deboche.Nos botequins, fonógrafos roufenhos esganiçavam canções picarescas; numa taberna escuracom turcos e fuzileiros navais, dois violões e um cavaquinho repinicavam. Pelas calçadas,paradas às esquinas, à beira do quiosque, meretrizes de galho de arruda atrás da orelha echinelinho na ponta do pé, carregadores espapaçados, rapazes de camisa de meia e calçabranca bombacha com o corpo flexível dos birbantes, marinheiros, bombeiros, túnicasvermelhas e fuzileiros – uma confusão, uma mistura de cores, de tipos, de vozes, onde a luxúriacrescia.De repente o meu amigo estacou. Alguns metros adiante, na Rua Fresca, um rapaz doceiroarriara a caixa, e sentado num portal, entregava o braço aos exercícios de um petiz da altura deum metro. Junto ao grupo, o cigano, com outro embrulho, falava.– Vês? Aquele pequeno é marcador, faz tatuagens, ganha a sua vida com três agulhas e umpouco de graxa, metendo coroas, nomes e corações nos braços dos vendedores ociosos. Ocigano molambeiro aproveita o estado de semi-dor e semi-inércia do rapaz para lhe impingirqualquer um dos seus trapos...um psicólogo, como todos os da sua raça, psicólogo como assuas irmãs que lêem a buena dicha por um tostão e amam por dez com consentimento deles.Oh! essas pequenas profissões ignoradas, que são partes integrantes do mecanismo dasgrandes cidades!O Rio pode conhecer muito bem a vida do burguês de Londres, as peças de Paris, a geografiada Manchúria e o patriotismo japonês. A apostar, porém, que não conhece nem a sua própriaplanta, nem a vida de toda essa sociedade, de todos esses meios estranhos e exóticos, detodas as profissões que constituem o progresso, a dor, a miséria da vasta Babel que setransforma. E entretanto, meu caro, quanto soluço, quanta ambição, quanto horror e tambémquanta compensação na vida humilde que estamos a ver.Estos son algunos hombresDe obligaciones, que pasanNecesidad, y procuranDe esta suerte remediarlaSaliendose a los caminos...
  19. 19. Mas o meu amigo não continuou o fio luminoso de sua filosofia. O catraieiro apareceu rubro decólera, e sutilmente cosia-se com as paredes, ao aproximar-se do cigano.De repente deu um pulo e caiu-lhe em cima de chofre.– Apanhei-te, gatuno!O cigano voltara-se lívido. Ao grito do catraieiro acudiam, numa sarabanda de chinelas, fúfias,rufiões, soldados, ociosos, vendedores ambulantes.– Gatuno! Então vendes como ouro um anel de plaquet? Espera que te vou quebrar os queixos.Sacudiu-o, atirou-o no ar para apanhá-lo com uma bofetada. O cigano porém caiu num bolo,distendeu-se e partiu como um raio por entre a aglomeração da gentalha, que ria. O catraieiro,mais corpulento, mais pesado, precipitou-se também.Os vagabundos, com o selvagem instinto da caça, que persiste no homem – acompanharam-no.E pelos boulevards, onde se acendiam os primeiros revérberos, à disparada entre os squaressucessivos, a ralé dos botequins, aos gritos, deitou na perseguição do pobre cigano molambeiro,da pobre profissão ignorada, que, como todas as profissões, tem também malandros.Então Eduardo sentenciou.– Tu não conhecias as pequenas profissões do Rio. A vida de um pobre sujeito deu-te todosesses úteis conhecimentos. Mas, se esse pobre sujeito não fosse um malandro, nãoconhecerias da profissão até mesmo os birbantes.A moral é uma questão de ponto de vista. Para julgar os homens basta a gente defini-lossegundo os seus sucessivos estados. Se te aprouver definir os profissionais humildes pela tuaúltima impressão, emprega os mesmos versos de Guevara com uma pequena modificação:Estos son algunos hombresDe obligaciones, que pasanNecesidad, y procuranDe esta suerte remediarlaCorriendo por los caminos...Os Tatuadores– Quer marcar?Era um petiz de doze anos talvez. A roupa em frangalhos, os pés nus, as mãos pouco limpas eum certo ar de dignidade na pergunta. O interlocutor, um rapazola louro, com uma douradacarne de adolescente, sentado a uma porta, indagou:
  20. 20. – Por quanto?– É conforme, continuou o petiz. É inicial ou coroa?– É um coração!– Com nome dentro?O rapaz hesitou. Depois:– Sim, com nome: Maria Josefina.– Fica tudo por uns seis mil réis.Houve um momento em que se discutiu o preço, e o petiz estava inflexível, quando vindo doquiosque da esquina um outro se acercou.– Ó moço, faço eu; não escute embromações!– Pagará o que quiser, moço.O rapazola sorria. Afinal resignou-se, arregaçou a manga da camisa de meia, pondo em relevo amusculatura do braço. O petiz tirou do bolso três agulhas amarradas, um pé de cálix comfuligem e começou o trabalho. Era na Rua Clapp, perto do cais, no século XX... A tatuagem!Será então verdade a frase de Gautier: "o mais bruto homem sente que o ornamento traça umalinha indelével de separação entre ele e o animal, e quando não pode enfeitar as própriasroupas recama a pele"?A palavra tatuagem é relativamente recente. Toda a gente sabe que foi o navegador Loocks quea introduziu no ocidente, e esse escrevia tattou, termo da Polinésia de tatou ou to tahou,desenho. Muitos dizem mesmo que a palavra surgiu no ruído perceptível da agulha da pele: tac,tac. Mas como é ela antiga! O primeiro homem, decerto, ao perder o pêlo, descobriu a tatuagem.Desde os mais remotos tempos vêmo-la a transformar-se: distintivo honorífico entre unshomens, ferrete de ignomínia entre outros, meio de assustar o adversário para os bretões,marca de uma classe para selvagens das ilhas Marquesas, vestimenta moralizadora para osíncolas da Oceânia, sinal de amor, de desprezo, de ódio, bárbara tortura do Oriente, baixausança do Ocidente. Na Nova Zelândia é um enfeite; a Inglaterra universaliza o adorno dosselvagens que colhem o phormium tenax para lhe aumentar a renda, e Eduardo com a âncora eo dragão no braço esquerdo é só por si um problema de psicologia e de atavismo.Da tatuagem no Rio faz-se o mais variado estudo da crendice. Por ele se reconstrói a vidaamorosa e social de toda a classe humilde, a classe dos ganhadores, dos viciados, das fúfias de
  21. 21. porta aberta, cuja alegria e cujas dores se desdobram no estreito espaço das alfurjas e daschombergas, cujas tragédias de amor morrem nos cochicholos sem ar, numa praga que se fazde lágrimas. A tatuagem é a inviolabilidade do corpo e a história das paixões. Esses riscos naspeles dos homens e das mulheres dizem as suas aspirações, as suas horas de ócio e a fantasiada sua arte e a crença na eternidade dos sentimentos – são a exteriorização da alma de quemos traz.Há três casos de tatuagem no Rio, completamente diversos na sua significação moral: osnegros, os turcos com o fundo religioso e o bando das meretrizes, dos rufiões e dos humildes,que se marcam por crime ou por ociosidade. Os negros guardam a forma fetiche; além dosgolpes sarados com o pó preservativo do mau olhado, usam figuras complicadas. Alguns, comoo Romão da Rua do Hospício, têm tatuagens feitas há cerca de vinte anos, que se conservamnítidas, apesar da sua cor – com que se confunde a tinta empregada.Quase todos os negros têm um crucificado. O feiticeiro Ononenê, morador à Rua do Alcântara,tem do lado esquerdo do peito as armas de Xangô, e Felismina de Oxum a figura complicada dasanta d’água doce. Esses negros explicam ingenuamente a razão das tatuagens. Na coroaimperial hesitam, coçam a carapinha e murmuram, num arranco de toda a raça, num arranco milvezes secular de servilismo inconsciente:– Eh! Eh! Pedro II não era o dono?E não se fotografam com um pavor surdo, como se fosse crime usar essas marcas simbólicas.Os turcos são muçulmanos, maronitas, cismáticos, judeus, e nestas religiões diversas não hágente mais cheia de abusões, de receios, de medos. Nas casas da Rua da Alfândega, Núncio eSenhor dos Passos, existem, sob o soalho, feitiçarias estranhas, e a tatuagem forra a pele doshomens como amuletos. Os maronitas pintam iniciais, corações; os cismáticos têm verdadeiroseikones primitivos nos peitos e nos braços; os outros trazem para o corpo pedaços deparamentos sagrados. É por exemplo muito comum turco com as mãos franjadas de azul, cincofranjas nas costas da mão, correspondendo aos cinco dedos. Essas cinco franjas são asimbolização das franjas da taleth, vestimenta dos Khasan, nas quais está entrançado a fio deouro o grande nome de Ihaveh.A outra camada é a mais numerosa, é toda a classe baixa do Rio – os vendedores ambulantes,os operários, os soldados, os criminosos, os rufiões, as meretrizes. Para marcar tanta gente atatuagem tornou-se uma indústria com chefes, subchefes e praticantes.Quase sempre as primeiras lições vieram das horas de inatividade na cadeia, na penitenciária enos quartéis; mas eu contei só na Rua Barão de S. Félix, perto do Arsenal de Marinha, e nasruelas da Saúde, cerca de trinta marcadores. Há pequenos de dez, doze anos, que saem demanhã para o trabalho, encontram os carregadores, os doceiros sentados nos portais.– Quer marcar? perguntam; e tiram logo do bolso um vidro de tinta e três agulhas.Muitos portugueses, cujos braços musculosos guardam coroas da sua terra e o seu nome porextenso, deixaram-se marcar porque não tinham que fazer.
  22. 22. – Que quer V.S.? O pequeno estava a arreliar. Marca, moço, marca! E tanto pediu que pôs praaí os risquinhos.Os pequenos, os outros marcadores ambulantes, têm um chefe, o Madruga, que só no mês deabril deste ano fez trezentas e dezenove marcações. Madruga é o exemplo da versatilidade e dasignificação miriônima da tatuagem. Tem estado na cadeia várias vezes por questões ebarulhos, vive nas Ruas da Conceição e S. Jorge, tem amantes, compõe modinhas satíricas e époeta. É dele este primor, que julga verso:Venha quanto antes d. ElisaEnquanto o Chico Passos não atiçaFogo na cidade...Homem tão interessante guarda no corpo a síntese dos emblemas das marcações – um Cristono peito, uma cobra na perna, o signo de Salomão, as cinco chagas, a sereia, e no braçoesquerdo o campo das próprias conquistas. Esse braço é o prolongamento ideográfico do seumonte de Vênus onde a quiromancia vê as batalhas do amor. Quando a mulher lhe desagrada eacaba com a chelpa, Madruga emprega leite de mulher e sal de azedas, fura de novo a pele,fica com o braço inchado, mas arranca de lá a cor do nome.Enquanto andou a fornecer-me o seu profundo saber, Madruga teve três dessas senhoras – aJandira, a Josefa e a Maria. A primeira a figurar debaixo de um coração foi a Jandira. Um belodia a Jandira desaparecia, dando lugar à Josefa, que triunfava em cima, entre as chamas. Ummês depois a letra J sumira-se e um M dominava no meio do coração.Os marcadores têm uma tabela especial, o preço fixo do trabalho. As cinco chagas custam1$000, uma rosa 2$000, o signo de Salomão,o mais comum e o menos compreendido porquenem um só dos que interroguei o soube explicar, 3$000, as armas da Monarquia e da República6$ a 8$, e há Cristos para todos os preços.Os tatuadores têm várias maneiras de tatuar: por picadas, incisão, por queimadurasubepidérmica. As conhecidas entre nós são incisivas nos negros que trouxeram a tradição daÁfrica e, principalmente, as por picadas que se fazem com três agulhas amarradas e embebidasem graxa, tinta, anil ou fuligem, pólvora, acompanhando o desenho prévio. O marcador trabalhacomo as senhoras bordam.Lombroso diz que a religião, a imitação, o ócio, a vontade,o espírito de corpo ou de seita, aspaixões nobres, as paixões eróticas e o atavismo são as causas mantenedoras dessa usança.Há uma outra – a sugestão do ambiente. Hoje toda a classe baixa da cidade é tatuada – tatuam-se marinheiros, e em alguns corpos há o romance imageográfico de inversões dramáticas;tatuam-se soldados, vagabundos, criminosos, barregãs, mas também portugueses chegados daaldeia com a pele sem mancha, que influência do meio obriga a incrustar no braço coroas doseu país.Andei com o Madruga três longos meses pelos meios mais primitivos, entre os atrasadosmorais, e nesses atrasados a camada que trabalha braçalmente, os carroceiros, oscarregadores, os filhos dos carroceiros deixaram-se tatuar porque era bonito, e são no fundoincapazes de ir parar na cadeia por qualquer crime. A outra, a perdida, a maior, o oceanomalandragem e da prostituição é que me proporcionou o ensejo de estudar ao ar livre o que sepode estudar na abafada atmosfera das prisões. A tatuagem tem nesse meio a significação do
  23. 23. amor, do desprezo, do amuleto, posse, do preservativo, das idéias patrióticas do indivíduo, dasua qualidade primordial.Quase todos os rufiões e os rufistas do Rio têm na mão direita entre o polegar e o indicador,cinco sinais que significam as chagas. Não há nenhum que não acredite derrubar o adversáriodando-lhe uma bofetada com a mão assim marcada. O marinheiro Joaquim tem um Senhorcruficificado no peito e uma cruz negra nas costas. Mandou fazer esse símbolo por esperteza.Quando sofre castigos, os guardiões sentem-se apavorados e sem coragem de sová-lo.– Parece que estão dando em Jesus!A sereia dá lábia, a cobra atração, o peixe significa ligeireza na água, a âncora e a estrela ohomem do mar, as armas da República ou da Monarquia a sua compreensão política. Pelonúmero de coroas da Monarquia que eu vi, quase todo esse pessoal é monarquista.Os lugares preferidos são as costas, as pernas, as coxas, os braços, as mãos. Nos braços estãoem geral os nomes das amantes, frases inteiras, como por exemplo esta frase de um soldadode um regimento de cavalaria: viva o marechal de ferro!... desenhos sensuais, corações. Otronco é guardado para as coisas importantes, de saudade, de luxúria ou de religião. Hei delembrar sempre o Madruga tatuando um funileiro, desejoso de lhe deixar uma estrela no peito.– No peito não! cuspiu o mulato, no peito eu quero Nossa Senhora!A sociedade, obedecendo à corrente das modernas idéias criminalistas, olha com desconfiançaa tatuagem. O curioso é que – e esses estranhos problemas de psicologia talvez não sejamnunca explicados – o curioso é que os que se deixam tatuar por não terem mais que fazer, emgeral, o elemento puro das aldeias portuguesas, o único quase incontaminável da baixa classedo Rio, mostram sem o menor receio os braços, enquanto os criminosos, os assassinos, os quejá deixaram a ficha no gabinete de antropometria, fazem o possível para ocultá-los e escondemos desenhos do corpo como um crime. Por quê? Receio de que sejam sinais por onde se faça oseu reconhecimento? Isso com os da polícia talvez. Mas mesmo com pessoas, cujos intentosconhecem, o receio persiste, porque decerto eles consideram aquilo a marca de fogo dasociedade, de cuja tentação foram incapazes de fugir, levados pela inexorável fatalidade.Há tatuagens religiosas, de amor, de nomes, de vingança, de desprezo, de profissão, de beleza,de raça, e tatuagens obscenas.A vida no seu feroz egoísmo é o que mais nitidamente ideografa a tatuagem.As meretrizes e os criminosos nesse meio de becos e de facadas têm indeléveis idéias deperversidade e de amor. Um corpo desses, nu, é um estudo social. As mulheres mandammarcar corações com o nome dos amantes, brigam, desmancham a tatuagem pelo processo doMadruga, e marcam o mesmo nome no pé, no calcanhar.– Olha, não venhas com presepadas, meu macacuano. Tenho-te aqui, desgraça! E mostram aomalandro, batendo com o chinelo, o seu nome odiado.
  24. 24. É a maior das ofensas: nome no calcanhar, roçando a poeira, amassado por todo o peso damulher...Há ainda a vaidade imitativa. As barregãs das vielas baratas têm sempre um sinalzinho azul naface. É a pacholice, o grain de beauté, a gracinha, principalmente para as mulatas e as negrasfulas que o consideram o seu maior atrativo. Quando envelhecem, as pobres mulheres mandamapagar os sinais – porque querem ir limpas para o outro mundo, e a Florinda, há pouco falecida,que rolara quarenta anos nos bordéis de S. Jorge e da Conceição, dizia-me antes de morrer:– Ai, meu senhor, isto é para os homens! Quando se fica velho arranca-se, porque a terra nãovê e Deus não perdoa.Grande parte desses homens e dessas mulheres têm o delírio mais sensual, fazem os nomesqueridos em partes melindrosas, marcam os membros delicados com punhais, lâmpadas eoutros símbolos. Neste caso eu tenho o Antônio Doceiro, um lindo rapazito que foi bombeirodepois de ter rolado pelo mundo, e a Anita Pau. Ambos têm desenhos curiosos por todo o corpo,e a pobre Anita mostra no calcanhar por extenso o nome do pai seus filhos e traz em cada seioa inicial dos dois pequenos como numa oferenda – a sua única oferenda de mãe aosdesgraçados perdidos...Num meio de tão fraca ilusão, onde as miçangas substituem os pendentifs d’arte e a vida rugeentre o desejo e o crime, depois de muito os pobres entes marcados como uma cavalhada – acavalhada da luxúria e do assassínio –, começa a gente a sentir uma concentrada emoção e aimaginar com inveja o prazer humano, o prazer carnal, que eles terão ao sentir um nome e umafigura debaixo da pele, inalteráveis e para todo o sempre.Aquele pequeno impressionou-me de novo na sua profissão estranha. Indaguei:– Quanto fizeste hoje?– Hoje fiz doze mil réis.E eu compreendi que afinal tatuador deve ser uma profissão muito mais interessante que a deamanuense de secretaria...Orações– Que está você a vender?– Orações, sim senhor.– Novas?
  25. 25. – Uma nova, sim – a oração dos nove.Era num canto de rua, por uma tarde de chuva. O pobre garoto, muito magro, com o pescoçomuito comprido, sobraçava o maço de orações, a sorrir.– Mas, criatura, a oração dos nove foi desmoralizada!– E agora é que se vende mais. Olhe, eu hoje vendi quatrocentos folhetos. Só de oração dosnove, trezentos e vinte cinco.Eu acredito nos prodígios. É uma opinião individual mas definitiva. Se a oração dos nove, depoisde assustar toda a cidade e de incomodar o arcebispo, ainda continuava com um tão grandenúmero de crentes, era porque tinha prodigiosas virtudes. Comprei a oração e estuguei o passo.Que é afinal uma oração? É um levantamento da alma a Deus com o desejo de o servir e gozar,e S. João de Damasco já a definia um pedido de coisas convenientes, com medo de que os fiéispedissem também inconveniências. Aquele menino magro, naquela esquina de rua, era um dosinsignificantes agentes desse tremendo micróbio da alma.Si I’on en croit les savantsPour qui toute la NatureN’est qu’un bouillon de cultureMortel aux pauvres vivants.Quantas orações andam por aí impressas em folhetinhos maus,vendidas nas grandes livrarias enos alfarrabistas, exportadas para a província em grossos maços, ou simplesmentemanuscritas, de mão em mão, amarradas ao pescoço dos mortais em forma de breve! Há nessaestranha literatura edições raras, exemplares únicos que se compram a peso de ouro; oraçõesárabes dos negros muçulmins, cuja tradução não se vende nem por cinqüenta mil réis; oraçõesde pragas africanas, para dizer três vezes com um obi na boca; orações para todas as coisaspossíveis e impossíveis. O homem é o animal que acredita – principalmente no absurdo. Leveimuito tempo a colecionar essas súplicas bizarras. Há mais de mil: de S. Bento, de Santa Luzia,de Santa Helena, Monserrate, S. João Batista, Milagre de Jesus Cristo, Maria Eterna, SantaBárbara, Menino Deus, Santa Catarina, Senhora do Socorro, Santa Teresa, S. Antônio, S. Jorge,Nossa Senhora da Guia, S. Marcos, S. Benedito, Santo Sepulcro, Nossa Senhora do Rosário,Magnificat, Anjo Custódio, S. Lourenço, S. Joaquim, S. Estevão, Bom Parto, Anunciação paradefumar a casa, Santa Filomena, Conceição, S. Roque, S. Sebastião, S. Anastácio, S. Simão,Menino Deus contra o sol e o mar salgado, Maria Madalena, Dores, S. Pedro e S. Paulo, S.Emídio, S. Tiago pelos agonizantes, Sonhos de Nossa Senhora, Juízo Divinal, Perdão Eterno,Senhor dos Passos, S. Cosme e S. Damião, Nossa Senhora da Glória, que sei eu? Há atéorações a santos que o Papa desconhece e nunca foram canonizados, como a oração de S.Gurmim, boa para a dor de calos, e a de S. Puiúna, infalível nas nevralgias. Os homens vivemno mistério das palavras conciliadoras.Antes de nascer tem logo a oração do Bom Parto, em que se suplica à Virgem, apelando para onascimento de Jesus, um bom sucesso. Toda a mulher que trouxer consigo esta oração nopescoço, rezando todos os dias 7 ave-marias, e uma salve-rainha, 7 dias antes de parir, terásempre junto a seu leito a Virgem Santíssima do Bom Parto.Acompanham-na a oração para a dentição e a de Nossa Senhora dos Remédios, logo depois denascido. Quando já fala, decora a oração para ao deitar na cama: "Nesta cama me deito, desta
  26. 26. cama me levanto, a Virgem Nossa Senhora me cubra com o seu manto. Se eu coberto com elefor não terei medo nem pavor, nem coisa que deste ou outro mundo for" e a oração paralevantar da cama, que se pronuncia mesmo ao ruminar os mais horrendos delitos.Depois começam os contratos extravagantes, as rezas covardes em que se lisonjeia os santospara obter deles altos favores e até clamorosas maldades. Têm a forma de padre-nossos, sãoàs vezes assinadas por homenzinhos que as precedem de palavras contando o milagre do seuachado. Não há em todo esse baixo mundo de crença uma oração inteiramente altruística oudesfeita dos egoísmos terrenos. Só duas existem defendendo apenas a Igreja – a de S. Pedro eS. Paulo e a de S. Miguel, que por sinal começa neste violento estilo:Ó arcanjo S. Miguel, meu poderoso protetor, a quem Deus onipotente encarregou a defesa geralde todos os homens, apesar de terem o Anjo da Guarda, e que sois capitão dos nove casosangélicos, cuja prerrogativa me animo a suplicar-vos que me perdoeis o atrevimento com quevos falo apontando-vos a relaxação, atrevimento, altivez e desenvoltura, falta de religião e víciosde que estão possuídos os corações cristãos...As outras pedem pelo menos o céu, e estão neste caso modesto a do Rosário e a de SãoBenedito. Os autores, porém, prudentemente, numa nota à parte, comunicam aos crentes osbens de tais rezas:Quem usar desta oração e rezar com viva fé, ao menos uma vez por semana, não será mordidopor cão danado; se for à guerra não morrerá nem será vencido, não se afogará nem morreráqueimado, sua casa estará em paz, tudo lhe irá bem, os invejosos, os maus olhos, os malintencionados, nem os que usam de maléficos e feitiçarias lhe farão dano algum.E ainda por cima, se rezar umas ave-marias, terá indulgências.As outras são verdadeiros requerimentos ou cartas de empenho.O sujeito reza como vai ao ministro do Interior pedir um lugar de guarda-civil. A bajulação équase idêntica. Diante do altar, a humanidade trata de viver da mesma maneira por que vivediante dos césares, dos senhores feudais ou do chefe de polícia.Ó incomparável Senhora da Conceição Aparecida, mãe de meu Deus, Rainha dos Anjos,Advogada dos Pecadores. Refúgio e Consolação dos Aflitos e dos Atribulados ó VirgemSantíssima cheia de bondade, lançai sobre nós um olhar favorável.E como um poeta sem emprego diante de um oligarca estadual:Lembrai-vos, Clementíssima Mãe Aparecida, não constar de todos que a vós têm recorrido eimplorado vossa singular proteção, fosse por vós algum abandonado. Animado por estaconfiança, a vós recorro e vos tomo de hoje para sempre por minha mãe, minha protetora,minha consolação, meu guia...
  27. 27. Algumas, talvez duvidando do poder dos santos no ócio perpétuo do paraíso, vão diretamente aDeus, levando-os como simples advogados. Há, por exemplo, a oração de São Elesbão e SantaEfigênia reunidas não sei por quê. Pois bem. A oração começa assim:Atendei, ó Deus onipotente, às nossas súplicas, e porque nos confessar réus de muitospecados, permiti que sejamos absolvidos deles pelas intercessões dos gloriosos mártires S.Elesbão e Santa Efigênia e que o precioso sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo fiquemoslavado e relavado das nossas culpas; limpo e puro mais do que quando nascemos.Esta petição é um modelo de lisonjearia, de adulação, de humildade postiça, de engrossamentoao velho potentado de todos os tempos, infinitamente multiplicado nesta democrática época depotentados! É o supra-sumo do rés-do-chão, é a flor perfeita da maneira de pedir!Não são, entretanto, Santa Efigênia e São Elesbão os únicos atirados ao secundário papel deadvogados, S. Jerônimo, advogado contra os tremores subterrâneos, também o é, tendo comocompensação um hino.Jerônimo santo, máximo penitente,Rogai por nós a Deus eficazmente.Jerônimo santo, sábio e forte,Assiste-nos agora e na hora da morte.E S. Simão, que livra do raio, não faz outra coisa senão pedir a Deus que fulmine apenas ospára-raios, e Santa Bárbara, coitada, logo que começa a trovejar tem que pedir a Deus menosbarulho para não ouvir este hino fantástico:Salve, virgem gloriosaE Bárbara generosaDo paraíso fresca rosaLírio de castidadeSalve ó virgem toda formosaLavada na fonte da castidade.Mas as orações são antes de tudo um meio de remediar o mal. Que faz a oração de São LuísGonzaga, praticada pelas meninas do Rio desde o tempo em que a Rua Teófilo Otoni eramusicalmente a Rua das Violas? Remedeia os males de amor. Quando uma rapariga cai dejoelhos e soluça:Ó Luis santo, adorado de angélicos costumes, eu, indigníssima devota vossa, vos recomendosingularmente a castidade da minha alma e do meu corpo. Rogo por vossa angélica pureza queintercedais por mim ante o cordeiro imaculado Cristo Jesus e sua mãe Santíssima Virgem e queme preserveis de todo o passado grave, não permitindo que eu saia manchada com algumanódoa de impureza...Podeis ter a certeza, ó mortais, que a tentação anda no coração da donzela de tal forma que S.Luís, apesar de angélico e de santo, chegará fatalmente tarde para a salvar. E assim uma velhasenhora solteira que recitar convictamente a oração de S. Lourenço:
  28. 28. Onipotente Deus, que ao Vosso bem-aventurado mártir S. Lourenço destes esforço para triunfardos incêndios e dos seus tormentos, concedei que se extinga em nós o fogo...Ah! Deus de bondade! esta pobre senhora, assim velha e assim solteira, está muito mal!S. Luis e S. Lourenço, entretanto, gozam da relativa liberdade de vir quando querem. SantoOnofre porém, pequeno e barbadinho, vive estrangulado no cós das saias das senhoras paraouvir todas as manhãs esta suprema ironia súplice:Meu glorioso Santo Onofre bispo, confessor de meu senhor Jesus Cristo, em Roma fostes aospés do padre santo vos ajoelhar, pedistes pão para as solteiras, pão para as casadas, pão paraas viúvas, pão para as donzelas. Pedi para mim também que sou sua inquilina. Meu gloriosoSanto Onofre, vos peço que me deis comida para comer, roupa para vestir, dinheiro para gastare graça para vos servir. Amém!E Santo Onofre não protesta, não grita, não foge, como S. Silvestre, educado na humildadeevangélica, tolera este lamentável pedido:Valha-me o senhor S. Silvestre, pelas três camisas que veste, no ano de trinta e sete, matastese feristes e abrandastes os corações dos mouros, as bocas das serpentes. Assim eu abrandareio coração dos meus inimigos que venham ajoelhar-se aos meus pés, porque Deus que é Deuspode e acaba com tudo que quer, traga teu coração debaixo de teu pé esquerdo...Que diz o venerável Santo a esse coração sem concordância pronominal metidomiseravelmente debaixo de um pé? Talvez nem saiba a mísera crendice, e ande lá por cima noazul, esquecido da maldade humana...As almas, apesar de benditas, porém, já por aquiandaram, já sentiram o amor, o ciúme e o medo, e a oração que as incensa é também velhaca echeia de sandices:Minhas almas santas benditas, aquelas que são do mesmo senhor Jesus Cristo, por aquelasque morreram enforcadas, por aquelas três almas que morreram degoladas, por aquelas trêsalmas que morreram a ferro frio, juntas todas três, todas seis a todas nove, para darem trêspancadas no coração dos inimigos, que eles ficarão humildes a mim debaixo de paz econsolação, a ponto de terem olhos e não me ver, pernas e não me alcançarem, braços e nãome agarrarem – para sempre e sem fim.Os homens, à solta, no recato das alcovas deliram calmamente. Há gente que antes de sair rezaa oração de S. Jorge, para não ser ofendida pelos seus inimigos, e a de Santa Catarina paraalcançar o perdão dos pecados; há senhoras que aspergem os cantos da casa com água benta,dizendo a oração da bênção das casas, que consta de 382 palavras, e a oração de SantoAnastácio contra os demônios; há seres pensantes que trazem ao pescoço a oração de S.Roberto contra os feitiços, oração que, segundo o editor, estava junto a uma "milagrosa carta,achada em um lugar três léguas distante de S. Marcos, escrita com letras de ouro e pela mão deDeus Nosso Senhor, Filho da Virgem Maria"!É pois natural que as almas não se ofendam com um mau pedido e que S. Marcos – pobresanto! sorria quando ouvia à meia-noite esta tremenda oração brava, que lembra as cenas deenfeitiçamento medievo:
  29. 29. Chamo S. Marcos e S. Manços e seu confidente o anjo mau em meu auxílio para se apoderardo meu espírito e vida, juntamente com a pessoa que desejo fazer o mal, ou bem e com o dedopolegar da mão esquerda faço três vezes o Sinal da Cruz e com uma faca de ponta espetada naporta da rua ou mesa, com um lenço ou guardanapo bem alvo direi as seguintes palavras: Cristomorreu, Cristo sofreu, Cristo padeceu: assim peço-vos meu glorioso São Marcos e São Mançosque sofra e padeça os maiores tormentos e torturas deste mundo a pessoa que eu quero paramim e pegando na faca com toda a fé e coragem que me dá esta Oração darei quatro golpes naporta, ou mesa e pela quarta vez chamarei São Marcos e São Manços e o anjo mau, para medar força e coragem de dizer: "Credo em Cruz" em círculo onde se acha a faca! Amém."Oh! o poder da palavra pronunciada misteriosamente! Os homens de todos os países, de todasas terras têm-lhe um terror sagrado. Essas orações ainda guardam um sentido mais ou menosclaro. A maior parte porém é apenas um estranho jogo de disparates, uma trapalhadaalucinante. Há uma oração contra o sol, que ao lê-la sente a gente a vertigem do desequilíbrio:Deus quando pelo mundo andou muito sol e calor apanhou, encontrou com Nossa Senhora comque o sol se tiraria com um guardanapo de olhos e copo d’água fria. Sim, como falo verdadetorna o sol a seu lugar, vai esta senhora pelo mar abaixo com o copinho de água fria, o mal queela tem no corpo e na cabeça tire de Deus e da Virgem Maria.É exatamente a maneira rítmica, o disparate deduzido dos literatos do Hospício e até hoje, se eupercebi que tais palavras são contra o calor, não me foi possível ainda saber o que quer dizeresta formidável oração do mar sagrado:Mar sagrado, eu te venho salvar, a tua água te venho pedir para fortuna por Deus para minhacasa levar; para que me dê ouro para guardar e prata para gastar, cobre para dar aos pobres.Como exemplo de estilo desvairado há, entretanto, outras quase tão lindas como as poesiasnefelibatas, pela sua dolorosa e obtusa ingenuidade. Está neste caso "O Perdão Eterno."S. José que caminhava com a Virgem MariaTanto caminha de noite como de diaAbre a porta porteiroQue aqui está a Virgem MariaNão quis parir na camaNem na cortina.Pariu na manjedouraOnde o bento boi comia.Desceram os anjos dos céus, cantando Ave MariaSubiu para o céu rezando Santa Maria.O eterno lhe perguntou, como ficou a parida?Ficou coberto de ouro o seu bento filhoE o berço em que ele embalava era de ouro e latãoAqui se acaba esta santa oração.Quem esta oração rezar 7 sexta-feira, da paixão,E outras tantas carnais,Tem cem anos de perdão,Se for seu pai, sua mãe, mais toda a sua geração.Há na Ilíada um trecho muito citado e rico de verdades. Homero fala das orações e diz "Asorações são filhas do grande Zeus, filho de Cronos. Capengas, zarolhas, feiarronas ocupam-se
  30. 30. em seguir a fatalidade. A fatalidade é robusta e ágil. Vai muito adiante fazendo aos homens ummal que as orações remedeiam." É destino do homem rezar, pedir o auxílio do desconhecidopara o bem e para o mal, é sina deste pobre animal, mais carregado de trabalhos que qualqueroutro bicho da terra ou do mar, ter medo e desconfiar das próprias forças. A fatalidade o vaiconduzindo por caminhos que são despenhadeiros às vezes e campos de risos raramente. Ohomem chora, ergue os olhos para o azul do céu, a menor das suas ilusões povoa-o de forçasinvisíveis e fala, e pede, e suplica. Que importa que diga tolices ou frases lapidares, horrores oupensamentos suaves? É preciso remediar a fatalidade.E é por isso que enquanto existir na terra um farrapo de humanidade, esse farrapo será ummoinho de orações.É por isso, talvez, que os vendedores de orações acabam mais ou menos supersticiosos dessasuperstição teimosa que acredita apesar de tudo; é por isso que um pobrezinho vendedordessas fantasias do pavor ignorante não sai de casa sem recitar à estrela dos pastores estasprecavidas frases:Desta casa meaparto em boapaz boa viagem.Deus adiante, abela cruz atrás eu no meio, altos emontes para mim sejam. Oremosbocas de cães e lobos sejam fecha-das, tenham olhos e não me vejam,tenham pernas e não me sigamtenham boca e não me falem,tenham braçose não me pe-guem, tão guar-dado me vejamcomo a VirgemMaria guardouo seu amadofilho desde asportas de Be-lém até Jeru-salém. –Amén...Os Urubus– Estou esperando!– Não quero!– Deixá-lo passar!– Naufragou!
  31. 31. Eu vinha vindo com o frescor da manhã por aquele trecho da praia de Santa Luzia, tão suave etão formoso, onde se amontoam as coisas lúgubres da cidade – a Santa Casa, o Necrotério, oserviço de enterramentos. Entre as árvores fronteiras ao hospital vendedores ambulantesvociferavam os pregões de canjica, de mingau, de pães doces; dos bondes pejados de gentesaltavam criaturas doentes, paralíticas algumas, de óculos outras. Pelas escadas de pedralavada formigava constantemente a turba doente, mostrando as mazelas, como um insulto euma afronta aos que estavam sãos, entre os enfermeiros do hospital, de calça de zuarte azul edólmã pardo, nédios e sadios. Eu vinha precisamente pensando como gozam saúde osenfermeiros, e aquelas frases maçônicas fizeram-me mal. Parei, consultei o relógio. Os quatrotipos não se ralavam mais com a minha presença. Dois olhavam com avidez os bondes quevinham da Rua do Passeio; dois estavam totalmente voltados para o lado da Faculdade. Aoaparecer um bonde, um magrinho bradou:– Largo!Prestei atenção. Do tramway em movimento saltou um cavalheiro defronte do Necrotério.– De cima! bradou outro tipo.– Última! regougou o terceiro.E cercaram o cavalheiro.– V. Sa. há de aceitar um cartãozinho da nossa casa. Não precisa de se incomodar. Tratamosde tudo! Faça negócio comigo!A um tempo falavam todos, e o cavalheiro, coberto de luto, com o lenço empapado de suor e delágrimas, murmurava, como se estivesse a receber pêsames:– Muito obrigado! Muito obrigado!Aproximei-me de um dos funcionários do serviço mortuário.– Que espécie de gente é essa?– Oh! não conhece? São os urubus!– Urubus?– Sim, os corvos.. . É o nome pelo qual são conhecidos aqui agenciadores de coroas e fazendaspara luto. Não é muito numerosa a classe, mas que faro, que atividade!
  32. 32. Totalmente interessado, tive uma dessas exclamações de pasmo que lisonjeiam sempre osinformantes e nada exprimem de definitivo. E sorriu, tossiu e falou. Foi prodigioso.– Os agenciadores de coroas levantam-se de madrugada e compram todos os jornais para verquais os homens importantes falecidos na véspera. Defunto pobre não precisa de luxo, e coroaé luxo. Logo que tomam as notas disparam para a casa do morto e propõem adiantar o que fornecessário para o enterro, com a condição de se lhes comprarem as coroas. Algumas casastêm mesmo nos cartões os seguintes dizeres – encarregam-se de tratar de enterros sem cobrarcomissão de espécie alguma. E os títulos dessas casas davam para um tratado de psicologiarecreativa. Há os poéticos os delicados, os floridos, os babosos, os fúnebres – "Tributo daSaudade, "Coroa de Violetas", "Flor de Lis", "Bogari", "A Jardineira", "Coroa de Rosas"...– Mas...e estes homens aqui?– Estes homens são os urubus de Santa Luzia, serviço especial e maçônico. Três ficam àentrada principal da Santa Casa. Quando avistam um tipo, brada o primeiro: estou esperando!Se o tipo não tem cara de enterro: não quero! Deixá-lo passar. Se o homem vem de tílburi,correm até aqui a acompanhá-lo... Se o tílburi segue, bradam: naufragou! E voltam ao lugardonde não saíram os outros. É interessante ouvir-lhes o diálogo. Tu é que não correste!Conheço o homem; antes fosse, era meu o negócio...– Mas é horrível!– É a vida, meu caro. Aqui estacionam sete agentes; o assalto ao freguês vai pela vez, comoaos sábados, nos barbeiros. Quatro oferecem grinaldas aos passageiros que saltam dosbondes; três aos que vêm a pé. Ao ver o bando ao longe há a frase: De cima! que é o sinal. Dolado de lá! quando ele salta do lado oposto. Última! quando salta no Necrotério. um dos urubusacerta, grita: Estou empregado! E feito o negócio o outro avança, dizendo: Grinalda! para obtercomo resposta: A tua é minha...Quando aparece por acaso algum freguês conhecido de um agenciadores dá-se o "combate".Os três que ficaram "desempregados", desejando "furar" o agenciador amigo, quando nãoconseguem convencê-lo arranjam meio de o cacetear até que o negócio não se realize. Nessaocasião assistimos a cenas calorosas, a conflitos sérios, em que se faz sentir a intervenção dapolícia. Mas à noite, graças aos deuses, acabado o trabalho, vão todos para a venda do Antônio,à Rua da Misericórdia, beber cerveja.– São estes então? fiz, voltando-me.– Estes só, não. Há outros, os que fazem ponto no Largo da Batalha e rendem estes à hora doalmoço e que só têm o posto depois de ter todas as notas dos tipos que estão na secretaria etratar de enterros.– Como os agentes de polícia?
  33. 33. – Tal qual. E terminam sempre com a nota policial: quarenta anos presumíveis.Rimos ambos. O sol está brilhante e o céu, inteiramente azul, dá-nos desejos de viver e decompreender a vida pelos seus mais ridentes aspectos.– Os urubus devem ter nome?– Têm, são urubus urbanos. Vê o senhor aquele? É o Chico Basílio. Há cerca de 30 anos exercea profissão. Está vendo aquele grupo? Encontra lá o Brasilino, o Caranguejo, o Bilu, o Espanholda Saúde, o Mangonga. Os outros são o Joaquim, o Tatuí, o Paulino, o Cá e Lá, o Buriti, oManduca.Neste momento um mocinho de lápis e linguado de papel na mão indagou, entrando:– Alguma coisa de novo?– Sim, pode entrar.O mocinho desapareceu. O complacente informante sorria.– Outro urubu.– Outro?– São os que parecem reporters. Vêm para a secretaria da Santa Casa munidos de tiras dealmaço para copiar dos livros os nomes e residências das pessoas mortas, isto é, só copiam osdaquelas cujo enterro custar mais de 100$. Saem daqui para o lugar indicado e ficam às portasà espera que o corpo saia, um, dois, cinco às vezes. Quando o cadáver sai e a família aindaestá aos soluços, embarafustam com as amostras de luto. Contaram-me que chegam àconcorrência, a ver quem faz o luto em 24 horas mais em conta. Neste serviço conheço oFerraz, o Saul, o Guedes, o Matos, o Araújo, o Campos, o Mesquita.Eu ouvia o meu informante um pouco melancólico. Que diabo! Por que urubus, naquele pedaçoda cidade que cheira a cadáveres e a morte?Não há terra onde prospere como nesta a flora dos sem-ofício e dos parasitas que nãotrabalham. Esses sujeitinhos vestem bem, dormem bem, chegam a ter opiniões, sistema moral,idéias políticas. Ninguém lhes pergunta a fonte inexplicável do seu dinheiro. Aqueles pobresrapazes, lutando pela vida, naquele ambiente atroz da morte, vestindo a libré das pompasfúnebres, impingindo com um sorriso à tristeza coroas e crepes, só para ganhar honestamente avida, eram dignos de respeito. Por que urubus? Maçonaria da má sorte, pelotão dos tristes,seres sem o conforto de uma simpatia, no limite do nada, encarregados de fornecer os símbolosde uma dor que cada vez a humanidade sente menos.
  34. 34. Despedi-me, comecei a andar devagar. Um dos urubus aproximou-se.– Estiveram contando coisas a nosso respeito?– Não, absolutamente.– Que se há de fazer? A comissão é tão pequena! Quando quiser uma coroa...– Deus queira que não! fiz assustado.E apertei a mão do homem urubu com um tremor de superstição e de susto.Os Mercadores de Livros e a Leitura das RuasExatamente na esquina do teatro S. Pedro, há dez anos, Arcanjo, italiano, analfabeto, vendejornais e livros. É gordo, desconfiado e pançudo. Ao parar outro dia ali, tive curiosidade de veros volumes dessa biblioteca popular. Havia algumas patriotadas, a Questão da Bandeira, oHolocausto, a d. Carmen de B. Lopes, a Vida do Mercador e de Antônio de Pádua, o Evangelhode um Triste e os Desafogos Líricos. Estavam em exposição, cheios de pó, com as capasentortadas pelo sol.– Vende-se tudo isso?– Oh! não. Há quase um ano que os tenho. Os outros sim – modinhas, orações, livros desonhos, a História da Princesa Magalona, o Carlos Magno, os testamentos dos bichos.Levantei as mãos para o céu como pedindo testemunho do alto. As obras vendáveis ao povodeste começo de século eram as mesmas devoradas pelo povo dos meados do século passado!– Mas não é possível...– Pode perguntar aos outros vendedores.Atirei-me a esse inquérito psicológico. Os vendedores de livros são uma chusma incontável quetodas as manhãs se espalha pela cidade, entra nas casas comerciais, sobe aos morros,percorre os subúrbios, estaciona nos lugares de movimento. Há alguns anos, esses vendedoresnão passavam de meia dúzia de africanos, espapaçados preguiçosamente como o JoãoBrandão na Praça do Mercado. Hoje, há de todas as cores, de todos os feitios, desde os velhosmaníacos aos rapazolas indolentes e aos propagandistas da fé. A venda não é franca senão emalguns pontos onde se exibem os tabuleiros com as edições falsificadas do Melro de Junqueiroe da Noite na Taverna. Os outros batem a cidade, oferecendo as obras. E há então toda umagama de maneiras para passar a fazenda. Os mais atilados, os mais argutos, os mais

×