Protocolo de pesquisa velocidade de processamento

3,770 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,770
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
26
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Protocolo de pesquisa velocidade de processamento

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Protocolo de pesquisa métodos quantitativos Turma de Psicologia – 1o Período/2010 Sala 3032
  2. 2. Protocolo de Pesquisa PROTOC2.DOC OU ETICPROT.896(3) 1. Título do Projeto CORRELAÇÃO ENTRE MEMÓRIA OPERACIONAL E VELOCIDADE DE PROCESSAMENTO EM ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA. 1.1. Pesquisador responsável: Nome: Vitor Geraldi Haase Identidade: CPF: Endereço: Correspondência: Telefone: Fax: Correio eletrônico: Nome: Turma do 1° período de Psicologia Identidade: CPF: Endereço: Correspondência: Telefone: Fax: Correio eletrônico: Nome: Isabella Starling Alves Identidade: CPF: Endereço: Correspondência: Telefone: Fax: Correio eletrônico: Nome: Juliana Nassau Fernandes Identidade: CPF: Endereço: Correspondência: Telefone: Fax: Correio eletrônico: 1.2. Instituição responsável: Universidade Federal de Minas Gerais 1.3. Aprovado em: _______________________________________
  3. 3. Diretor da Unidade _______________________________________ Chefe de departamento Recebido na Comissão de Ética da UFMG em Para o relator em Parecer avaliado em reunião de ____________________________________ Aprovado: Diligência/pendências: Não-aprovado: 2. Sumário do Projeto (não exceda o espaço) A seguinte pesquisa lida com o tema “Velocidade de Processamento e Memória Operacional”. Diversos autores têm sugerido que a velocidade de processamento é o fator mais importante no esclarecimento das diferenças de variância relacionadas à idade, em diferentes tipos de tarefas cognitivas, mas principalmente na memória de trabalho. Denominamos memória operacional, nesse estudo, aquela que coordena atividades que estão sendo realizadas numa atividade complexa e que requer primordialmente recursos atencionais. A principal hipótese a ser testada neste trabalho é a de que há relação entre a memória operacional e a velocidade de processamento. Contudo, a pesquisa implica também o teste da hipótese nula que falsifica a hipótese anterior. A amostra para a realização dos testes foi determinada de acordo com a magnitude do efeito esperado embasada em um valor significativo do α, conforme a correlação de Pearson. Serão utilizados dois exames principais: a tarefa de chance de alcance de dígitos nas ordens direta e inversa e, a tarefa de velocidade de recitação de números. A primeira visa avaliar a capacidade de armazenamento de dados na memória de curto prazo verbal e, a segunda visa avaliar a velocidade do processamento destes dados em nível verbal. O resultado esperado é de que os dados sigam uma distribuição normal e, depois de realizada a correlação de Pearson, que eles
  4. 4. apresentem r próximo a 0,44 para que se confirmem as associações das variáveis. Palavras-chave: memória operacional, velocidade de processamento, neuropsicologia. Data prevista para o início do projeto: aproximadamente 18 de maio de 2010 após a aprovação do COEP Data prevista para o encerramento: 08 de junho de 2010 Declaração de apoio institucional Eu confirmo ter lido este protocolo e, se a proposta for financiada, o trabalho será realizado e administrado pelo Departamento/Instituição, de acordo com as condições gerais do edital e das normas do Conselho Nacional de Saúde. Eu também confirmo que o pesquisador principal é funcionário desta instituição. Nome: _______________________________ Data: ____________ Cargo: ____________________________ 3. Descrição da Pesquisa 3.1. Objetivos da pesquisa e Hipótese a ser testada O objetivo desta pesquisa é verificar a relação entre memória de curto prazo e velocidade de processamento. Duas hipóteses serão testadas. A primeira, experimental, refere-se ao fato de que há associação entre memória operacional e velocidade de processamento. E, a segunda, nula, de que não há associação entre memória operacional e velocidade de processamento. 3.2. Antecedentes científicos, relevância e justificativa da pesquisa Atualmente existem inúmeros estudos sobre a relação entre velocidade de processamento e memória de trabalho ou memória de curto prazo (que permite o armazenamento de informações por um curto período de tempo na consciência), a qual será nosso objeto de estudo neste projeto.
  5. 5. A expressão Memória de Trabalho apareceu pela primeira vez em 1960, como objeto de pesquisas de muitos estudiosos da área e, já nesse momento, muitos trabalhos apontavam para uma possível relação entre a memória de trabalho e as habilidades cognitivas. Nas décadas seguintes os estudos apontavam para o fato de que a velocidade de processamento era um elemento determinante do intelecto do individuo, porém posteriormente descobriu-se que a velocidade de processamento tinha relação com a memória de trabalho e não com o nível de inteligência ser humano. No entanto, foi o trabalho de Carpenter, Just e Shell (1990) o ponto de partida para um despertar científico sobre a importância da Memória de Trabalho na cognição humana. Os resultados obtidos pelos pesquisadores pareceram confirmar tal suposição, pois os sujeitos com maior capacidade de memória de trabalho resolveram itens mais complexos do que sujeitos com menor capacidade de Memória de Trabalho. Nos anos seguintes foram feitos vários outros experimentos em que os resultados também indicaram altas correlações entre Memória de Trabalho e raciocínio. Tais resultados confirmavam, portanto, que o êxito nas tarefas cognitivas dependia da habilidade em manter ativa a informação e da capacidade em processá-la (Kyllonen e Christal, 1990). A partir desta nova descoberta o foco passou a ser a relação entre a memória de trabalho e a velocidade processamento. A teoria da capacidade limitada da memória em curto prazo é uma das explicações disponíveis para a relação destes dois itens. As tarefas cognitivas complexas dependem do fato de que as informações fiquem retidas na memória de curto prazo para que depois possam ser processadas. Assim os indivíduos que recuperarem as informações mais rapidamente não terão os limites de capacidade de armazenamento ultrapassados. Do mesmo modo, na ausência de ensaio a informação na memória de trabalho está sujeita a um declínio ou desaparecimento rápidos. Ou ainda
  6. 6. podemos dizer que quanto mais informações uma tarefa tiver maior será a chance de perdê-las. A memória de trabalho explica como o resultado de tarefas simples de discriminação sensorial, ou dos testes de inteligência está relacionado à velocidade com que são executados os componentes dessas tarefas. 3.3. Projeto de pesquisa (material e métodos, casuística) Equipe de pesquisa A equipe de pesquisa é composta pela turma do 1O período do curso de Psicologia. Dividida em cinco comitês, que serão responsáveis por selecionar possíveis participantes, criação de banco de dados, analisar conforme a bioética a ética de cada estudo, fazer a divulgação de todas as etapas do projeto, elaboração dos projetos de pesquisa, análises estatísticas dos dados levantados e a avaliação da realização do projeto. Participantes dos comitês: 1. Comitê de Redação: Gisele G. M. Moreira Cássio da Silva Marina Brandão Flávia Nunes Santos Pâmela Freitas Késia C. do N. Santiago 3. Comitê de Análise estatística: Luísa Assunção Ana Cláudia Fontes Marianne Carmo Andressa Moreira Marília Beatricci Eduardo Gonçalves Priscilla Moreira Ohno Filippi de Oliveira Rodrigo Souza Heitor Amânico De Moraes Rosimara Reis Silva Jeane Maria Mendes 2. Comitê de Coleta: Maxsander Almeida Tássia T. Correia 4. Comitê de Divulgação: Matheus Bortolosso Rafael da Costa Isabella Soares Barreto
  7. 7. Xilander Rocha Géssica Dorneles Monique Delfim Isa Gontijo Laura Farage de Freitas Luiz Guilherme Pacheco Mônica Alves Márcia Renata Braga 5. Comitê de ética em Priscila de Oliveira Pesquisa: Walter Miez Amostra Estimativa do tamanho amostral A pesquisa tem apenas o interesse em testar hipóteses de correlação, e para esse objetivo buscamos uma amostra de tamanho estatístico significativo tendo a consciência do risco de uma generalização dos resultados. Devido à magnitude do efeito, a amostra foi escolhida nas devidas bases, esperando o valor de r associado ao α esperado. Composição da Amostra A amostra é composta de um só grupo com cerca de 60 pessoas. Os participantes são estudantes universitários do curso de psicologia, sendo composto por adultos jovens, na maioria mulheres. Procedimentos de Recrutamento dos Participantes Todos os participantes serão avaliados ao mesmo tempo e de maneira aleatória. Os dados serão coletados em sala de aula de acordo com a disponibilidade dos participantes. Apenas participarão da pesquisa aqueles alunos que concordarem com as condições expostas no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido que segue em anexo, que deverá ser assinado por eles. Testes a serem aplicados (descrição) e modo de aplicação Tarefa de Alcance de Dígitos (Ordem Direta e Inversa): Na tarefa de Alcance de Dígitos (ordem direta e inversa) avalia-se a capacidade de armazenamento na memória de curto prazo verbal. É uma adaptação da tarefa de apreensão de dígitos (Digit span) que compõe a escala WISC. (Wechsler, 1974). A tarefa consiste de ensaios em que o examinando deve repetir séries de dígitos entre 1 e 9 apresentados pseudo aleatoriamente pelo examinador. Para cada nível de dificuldade são realizados dois ensaios. O critério de acerto e a pontuação correspondem ao tamanho de maior série de dígitos que o participante consegue repetir corretamente em dois ensaios consecutivos. A tarefa de
  8. 8. alcance de dígitos é empregada em duas versões. Na primeira pede-se que o participante repita a seqüência dos números na mesma ordem (ordem direta) e na segunda pede-se que ela repita tarefa na ordem inversa que foi dita (ordem inversa) (Wechsler, 1974). A apresentação na ordem direta privilegia a avaliação da capacidade de armazenamento. O resgate na ordem indireta avalia um componente estratégico ou de função executiva (Natale, 2007). Velocidade de Recitação de Números A tarefa de velocidade de recitação de números avalia a velocidade de processamento de informação, em uma modalidade verbal, que não envolve o componente motor. Estudos têm revelado que essa tarefa funciona como um bom controle, para comparação com outras tarefas envolvendo cognição matemática (Cochon, Cohen, de Moortele, Dehaene, 1999; Zago et al. 2001) enquanto outros autores argumentam ainda que essa tarefa envolva a ativação do sulco intraparietal (Cowel, 2000; Hanakawa, 2003). Nessa tarefa o examinando deve falar os números de 1 a 20 o mais rápido que conseguir e, depois, na ordem inversa de 20 a 1. Os tempos gastos nas duas modalidades (direta e inversa) são cronometrados. Critério Brasil: O critério qualifica a população em classes econômicas por meio de um sistema de pontuação que mede a capacidade de consumo. A padronização do sistema em todo o território brasileiro é que permite, desde 1970, comparar resultados de pesquisas realizadas em locais e períodos diferentes. O sistema tem constituição por análise de regressão da renda familiar em função da posse de bens e escolaridade. São levados em conta o número de automóveis, aparelhos de TV em cores, rádios, banheiros e empregadas domésticas, posse de máquina de lavar roupas, geladeira, freezer e vídeo cassete ou DVD, além do nível de instrução do chefe da família. Mesmo contendo itens de natureza social, não tem pretensão de definir qualquer caráter sociológico. 3.4. Plano de coleta e análise dos dados A coleta dos dados neuropsicológicos será realizada por uma equipe de seis estudantes de graduação em Psicologia da UFMG, sendo que cada um deles realizará cerca de 10 testagens. Os estudantes receberão 4 horas de treinamento teórico e prático, antes de iniciarem o trabalho de campo. O treinamento consistirá de seminários sobre os aspectos teóricos e metodológicos envolvidos no projeto, cobrindo as bases conceituais bem como os procedimentos de aplicação dos testes selecionados. O treinamento será supervisionado pelo pesquisador coordenador do
  9. 9. projeto. Colaborará no projeto, sob orientação do Prof. Vitor Haase, duas alunas de graduação, monitoras da matéria de Métodos Quantitativos em psicologia, Isabella Starling Alves e Juliana Nassau Fernandes. O trabalho de treinamento e a coleta de dados serão desenvolvidos durante o primeiro semestre letivo de 2010. O trabalho de coleta de dados será realizado na universidade, em dependências cedidas pela direção da mesma, e será de forma individual, conforme cronograma da pesquisa. A pesquisa se fundamenta em um delineamento não-experimental correlacional transversal. O primeiro passo na análise de dados da nossa pesquisa será a realização de uma estatística descritiva, visando principalmente definir a natureza da distribuição dos dados e a eventual necessidade de realizar transformações com vistas à normalização dos mesmos. A distribuição dos dados será estudada com auxilio do Softwer Excel através de um histograma com a distribuição dos escores, histogramas comparativos com ajuste para a distribuição normal, bem como gráficos de dispersão e box-plots e um estudo de tendência central e dispersão dos escores (a média, o desvio padrão, a mediana e o desvio quartil). O segundo passo se baseia em uma estatística inferencial, o teste estatístico da hipótese nula será realizado por meio de medidas de correlação. Serão usados os coeficientes r de Pearson ou rho de Spearman, conforme a distribuição seja considerada normal ou não. O nível de significância a ser adotado será de alfa = 0,05 e será realizada uma estimativa post hoc do poder estatístico do estudo para beta = 0,20. 3.5. Análise crítica dos possíveis riscos e benefícios A participação no projeto se enquadra na característica de risco mínimo. Não serão coletados materiais biológicos ou realizados procedimentos invasivos. O único tempo gasto do participante deve ser aquele relacionado com a obtenção do consentimento livre e esclarecido e a aplicação do teste. Os participantes podem sentir cansaço provocado na aplicação dos testes. Porém, este será de curta duração não sendo provável que ocorram problemas. Além disso, os participantes podem se sentir constrangidos devido ao fato de que os testes serão aplicados por seus colegas de classe, mas para tanto o nome de cada participante será preservado com o uso de apelidos escolhidos pelo mesmo. O benefício previsto aos participantes é a ciência de algumas habilidades neuropsicológicas. 3.6. Plano de divulgação dos resultados
  10. 10. A divulgação dos resultados ocorrerá, no tempo já determinado, através da publicação em blog disponível na internet (específico da pesquisa) e também em seminários apresentados em sala de aula. 3.7. Explicitação dos critérios para suspender ou interromper a pesquisa: Não há critérios para suspensão da pesquisa, uma vez que não é um estudo terapêutico e nem tampouco envolve coleta de material biológico ou procedimentos que invadam a privacidade dos participantes. Caso a pesquisa cause cansaço ou ansiedade nos mesmos serão tomadas medidas de relaxamento, serão ouvidos pelos aplicadores e esclarecidos quanto á natureza da participação na pesquisa. 3.8. Local da pesquisa: A pesquisa se realizará nas dependências da Universidade Federal de Minas Gerais, que oferece infra-estrutura necessária a todos os estágios da pesquisa. 3.9. Orçamento financeiro detalhado: Há previsão de gastos com impressão e Xerox para aplicação dos testes e com Banners para divulgação em eventos. Totalizando uma soma de cerca de 80 reais (60 para o banner e 20 para Xerox). O dinheiro será arrecadado através de doações da turma do primeiro período. 3.10. Explicitação da existência ou não de acordo preexistente quanto á propriedade das informações geradas: Os pesquisadores se comprometeram a divulgar os resultados da pesquisa mesmo sendo ele favorável ou não ás suas hipóteses iniciais. Os resultados obtidos na pesquisa serão de livre acesso na internet e possivelmente em eventos da UFMG. Não há nenhuma cláusula restritiva a divulgação dos resultados. 3.11. Os resultados da pesquisa serão tornados públicos, sejam eles favoráveis ou não ás hipóteses iniciais: Declaramos formalmente que os resultados serão tornados públicos quer sejam favoráveis ou não ás hipóteses iniciais testadas. 3.12. O uso e destinação do material e/ou dados coletados.
  11. 11. Declaramos formalmente que os dados coletados na pesquisa serão utilizados com a finalidade de atingir os objetivos descritos no projeto e também para fins de divulgação na Universidade Federal de Minas Gerais. Os resultados serão de uso exclusivo dos pesquisadores e ficarão sobre responsabilidade do coordenador e professor Dr. Vítor Geraldi Haase que irá mantê-los em uma sala trancada com chaves. 4. Informações relativas aos sujeitos da pesquisa 4.1. Características da população a estudar Como amostra da população em estudo será usado o conjunto de alunos do curso de psicologia da UFMG, em torno de 60 pessoas entre 17 e 28 anos, sendo a maioria do sexo feminino, sem nenhuma patologia clínica diagnosticada, de classes sociais diversificadas assim como a cor. 4.2. Métodos que possam afetar diretamente os sujeitos da pesquisa De acordo com a ética da pesquisa não há no estudo métodos que causem danos aos participantes. 4.3. Identificação das fontes de material para pesquisa Os resultados da avaliação poderão ser empregados em outros estudos para fins de comparação, no âmbito de futuros projetos encaminhados ao COEP. A responsabilidade pelo armazenamento dos dados comportamentais será do professor Dr. Vitor Geraldi Haase. A utilização dos dados em pesquisas posteriores ficará na dependência da aprovação de projetos específicos pelo COEP. 4.4. Plano de recrutamento de indivíduos e os procedimentos a serem seguidos O recrutamento dos participantes será feito na própria sala de aula, sendo então informados os objetivos da pesquisa, seus riscos, benefícios e métodos utilizados na mesma. Participarão da pesquisa apenas aqueles que concordarem com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e o assinarem. 4.5. Termo de Conhecimento Livre e Esclarecido Correlação entre memória de curto-prazo e Velocidade de processamento
  12. 12. Estamos realizando um estudo sobre a correlação entre a memória de curto prazo e velocidade de processamento. Para esse fim solicitamos a sua contribuição participando de testes neuropsicológicos. A pesquisa objetiva, através de testes específicos com os participantes voluntários, coletar informações que auxiliem na produção de material científico. Se esta hipótese for confirmada (de que a capacidade de memória de curto- prazo depende da velocidade de processamento) então haverá uma explicação para as dificuldades cognitivas de pessoas com retardo mental e idosos. Assim podem ser desenvolvidas medicações ou dar mais tempo a esse grupo de pessoas em suas tarefas cognitivas. Declaro que fui informado de forma clara e detalhada dos objetivos e da justificativa deste projeto de pesquisa. Também fui igualmente informado de que posso receber respostas que esclareçam quaisquer dúvidas em relação à pesquisa; de que tenho a liberdade de retirar o meu consentimento e deixar de participar do estudo a qualquer momento, sem que isso me traga qualquer prejuízo; que a minha participação é voluntária e não implica nenhum compromisso financeiro entre mim e a equipe de pesquisa; da segurança que não serei identificado e que será mantido o caráter confidencial das informações relacionadas à minha privacidade e de que os resultados do meu teste serão utilizados em trabalhos científicos, publicados em um blog e apresentados oralmente na Semana de Iniciação Científica (SIC) de 2010 com minha identidade mantida confidencialmente. O Pesquisador responsável pelo projeto é o Professor Vitor Geraldi Haase. Este documento foi revisado e aprovado pelo COEP (Comitê de Ética em Pesquisa) Prof. Dr. VITOR GERALDI HAASE CRM-MG 29960-T Coordenador da Pesquisa
  13. 13. Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da UFMG Av. Antônio Carlos 6627, FAFICH-UFMG, Sala 4060 Comitê de Ética em Pesquisa (COEP-UFMG) Av. Antônio Carlos, 6627- Unidade Administrativa II- 2º andar- Campus Pampulha-UFMG Belo Horizonte, ......... de ......................... de ............ Assinatura do participante: ___________________________________ Assinatura do pesquisador: ___________________________________ 4.6. Riscos, com avaliação de sua possibilidade e gravidade: No referido projeto, a participação tem como característica o risco mínimo, pois os participantes serão distinguidos por apelidos de escolha própria, com a finalidade de preservar suas identidades. Evitando assim, o constrangimento dos participantes, já que os aplicadores dos testes serão os próprios colegas de classe. Além disso, não haverá qualquer procedimento invasivo ou coleta de materiais biológicos. Durante a aplicação dos testes, os participantes podem sentir cansaço, mas não é possível eu ocorram problemas, devido a curta duração dos testes. O tempo dos participantes apenas será gasto com a aplicação dos testes e com a obtenção do consentimento livre e esclarecido. 4.7. Medidas para proteção ou minimização de quaisquer riscos eventuais: Todos os registros da pesquisa serão guardados no Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento da UFMG, e para manutenção do
  14. 14. banco de dados, serão utilizados mecanismos para preservar a identidade dos participantes. Os pesquisadores irão passar por treinos, a fim de que sejam capacitados para deixarem seus colegas à vontade e para reconhecerem um possível cansaço dos participantes. Caso o cansaço ocorra, os testes serão interrompidos. Os únicos que terão acesso aos dados dos testes serão os pesquisadores do projeto e de maneira nenhuma os resultados da pesquisa serão utilizados para outros fins que não sejam éticos. 4.8. Ressarcimento de gastos (quais) aos sujeitos da pesquisa: Não existe pressuposição de indenização de gastos aos voluntários na pesquisa. Termo de Compromisso Termo de Compromisso do pesquisador responsável em cumprir os termos da Resolução 196, de 10 de outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde. 5. Qualificação dos pesquisadores Currículo do pesquisador responsável: Vitor Geraldi Haase: http://lattes.cnpq.br/2208591466035438 Os demais pesquisadores estão com a graduação no curso de psicologia em andamento, incluindo alunos do 1º e 3° período. Referências Bibliográficas: COLOM, Roberto; FLORES-MENDOZA, Carmen E.. Armazenamento de curto prazo e velocidade de processamento explicam a relação entre memória de trabalho e o fator g de inteligência. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 22, n. 1, Apr. 2006 . RIBEIRO, Iolanda S.; ALMEIDA, Leandro S.. Velocidade de processamento da informação na definição e avaliação da inteligência. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 21, n. 1, abr. 2005 . RIBEIRO, Rui Bártolo e ALMEIDA, Leandro S. Tempos de reação e inteligência: a robustez dos dados face à fragilidade da sua
  15. 15. interpretação. Aval. psicol. [online]. nov. 2005, vol.4, no.2 [citado 18 Maio 2009], p.95-103. Wechsler, D. (1974) Wechsler intelligence scale for children: Revised. New York: Psychological Corporation. Natale Lorenzo Lanzetta; 2007. Adaptação e investigação psicométrica de um conjunto de tarefas para a avaliação das funções executivas em pré-escolares: um estudo transversal. Tese (Mestrado) apresentada ao Curso de Mestrado em Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas, Belo- Horizonte 2007 (Artigos usados:) http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 37722005000100002&lang=pt http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 166X2005000300003&lang=pt http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 37722006000100014&lang=pt http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678- 51772009000200005 http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 37722005000100002&script=sci_arttext

×