Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Planejamento estratégico no poder legislativo

2,850 views

Published on

Representantes de assembleias de todo o país reuniram-se no III Encontro Nacional de Diretores-Gerais de Casas Legislativas para debater a relação entre gestão pública e governança. Realizado nos dias 10 e 11 de novembro, o evento contou com uma palestra da Macroplan, apresentada pelo diretor Gustavo Morelli. Ele mostrou um panorama da evolução recente da administração pública no Brasil, tendências que devem influenciar o movimento nas casas legislativas do país, exemplos de democracia eletrônica no Brasil e no Mundo, além de conceitos de estratégia e planejamento. A apresentação também detalhou a elaboração do Plano Estratégico da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, realizada em parceria com a consultoria.

Published in: Business
  • Be the first to comment

Planejamento estratégico no poder legislativo

  1. 1. Planejamento Estratégico no Poder Legislativo Gustavo Morelli – Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão II Encontro Nacional de Diretores-Gerais de Casas LegislativasInformação confidencial e proprietária da Macroplan® Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir ou reproduzir sem autorização expressa.
  2. 2. Estrutura da apresentação1. O movimento de modernização da gestão pública2. Tendências de entidades legislativas3. Democracia Eletrônica no Brasil e no Mundo4. Planejamento estratégico em casas legislativas 2
  3. 3. Brasil: uma sociedade em mudança ANOS DE ESTUDO DA POPULAÇÃO ACIMA DE 10 ANOS 7,1 7,2Na ultima década a escolaridade 6,6 6,8 6,9 6,4 6,5média da população apresentou 6,1 6,2uma significativa melhora comganho de 1,1 ano de estudo 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: PNAD EVOLUÇÃO DO NUMERO DE USUÁRIOS DE INTERNET NO BRASILEm pouco mais de 10 anos o 67,51 75,98número de usuários de internet noBrasil multiplicou-se por quase 25,9 30,01 9,84 14,38 vezes 2000 2002 2004 2006 2008 2011* * Até julho de 2011 Fonte: Nielsen NetRatings e InternetWorldStats. 3
  4. 4. Brasil: uma sociedade em mudança DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DAS CLASSES SOCIAIS : 2001-2025Entre 2003 e 2010, 32 70 61,7 60 50,5 Classe C*milhões de pessoas 50 40 38,9foram incorporadas ao 30 20,2mercado consumidor 20 Classe D e E 10 18,1 Classe A e Bbrasileiro 0 10,6 2011* 2013* 2015* 2017* 2019* 2021* 2023* 2025* 2003 2001 2005 2007 2009 PIB BRASILEIRO 1990 - 2022Em 2011, o Brasil 8 000 000,00 Milhões de Reais em 2010 7 000 000,00deverá ultrapassar a 6 000 000,00 5 000 000,00Inglaterra e assumir o 4 000 000,00 Cenário 3 000 000,00 Otimistaposto de 6ª maior 2 000 000,00 Cenárioeconomia do mundo 1 000 000,00 Conservador 0,00 2020 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 2022 *Projeção do FMI: 3,8% Fontes : IBGE com cenários Macroplan do Livro “Brasil 2022” . (1) FMI, 2010 4
  5. 5. O movimento de modernização da gestãopúblicaA gestão se tornou centralpara governos devido àmaior exigência por serviçosde qualidade frente àsaceleradas mudanças sociaise econômicas pelas quaispassa a sociedade 5
  6. 6. Principais ideias que tem influenciado a reforma do Estado GERENCIALISMO NOVA GESTÃO PÚBLICA GOVERNANÇA PÚBLICA Medidas de Administração Abertura de novos desburocratização, voltada para os canais de aumento da cidadãos, participação, maior economia e da resultados e transparência, busca eficiência, defesa de descentralizada de maior uma cultura coordenação das gerencial empreendedora 1 2 3 atividades internas e externas ao governoFonte: ABRUCIO, F.L., MORELLI, G, GUIMARÃES, T .B. In: Giambiagi, F. e Porto, C. (orgs.), 2022: Propostaspara um Brasil melhor no ano do bicentenário. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 6
  7. 7. Evolução recente no BrasilExecutivo Governo Federal  Reforma da gestão pública 1995  PPA 2000-2003  Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)  Reforço de carreiras de estado  Governo eletrônico e participação da sociedade (open government) 7
  8. 8. Evolução recente no BrasilExecutivo Governos estaduais  Plano de Longo Prazo e modelos de gestão orientado para resultados Nova onda: Prefeituras 8
  9. 9. Evolução recente no BrasilJudiciário CNJ – modernização institucional, planejamento e gestão estratégica  Meta 1. Criar unidade de gerenciamento de projetos nos tribunais para auxiliar a implantação da gestão estratégica  Meta 2. Implantar sistema de registro audiovisual de audiências em pelo menos uma unidade judiciária de primeiro grau em cada tribunal.  Meta 3. Julgar quantidade igual a de processos de conhecimento distribuídos em 2011 e parcela do estoque, com acompanhamento mensal.  Meta 4. Implantar pelo menos um programa de esclarecimento ao público sobre as funções, atividades e órgãos do Poder Judiciário em escolas ou quaisquer espaços públicos. 9
  10. 10. Evolução recente no BrasilLegislativo Câmara dos Deputados: aprimoramento da área de apoio técnico-administrativo e novo ciclo de gestão estratégica 2012-2023 Assembleia Legislativa de Minas Gerais : planejamento estratégico da atividade político-institucional e implantação da gestão estratégica 10
  11. 11. Estrutura da apresentação1. O movimento de modernização da gestão pública2. Tendências de entidades legislativas 11
  12. 12. Tendências de entidades legislativasTítulo: Mapeamento de Tendências - Mudançase Inovações no Poder Legislativo no Brasil e noMundoAutores: Magna Inácio (UFMG), FátimaAnastasia (PUC-MG); Fabiano Santos (IUPERJ)Ano: 2009 12
  13. 13. Tendências de entidades legislativas1. Incremento da avaliação de eficiência, eficácia e efetividade da legislação nas democracias contemporâneas2. Desenvolvimento de capacidade técnica em áreas estratégicas para o desenvolvimento do Estado, tais como gestão pública, economia e política fiscal3. Processos de reorganização da estrutura interna para ampliar a capacidade de fiscalização e controle do Executivo4. Acompanhamento das políticas públicas e fiscalização das ações do Executivo com foco em resultados5. Institucionalização de procedimentos e ferramentas de interação com a sociedade, visando ao incremento da capacidade de resposta às demandas da sociedade e à melhoria na prestação de contas6. Ampliação da interlocução, cooperação e troca de experiências das casas legislativas7. Uso de indicadores de desempenho no Legislativo8. Incremento na transparência do Poder Legislativo 13
  14. 14. 1. Incremento da eficiência, eficácia e efetividade da legislação nas democracias contemporâneas  Implementação de programas de melhoria do ambiente regulador, com foco na execução de programas de simplificação e consolidação da legislação  Implementação de estratégias de redução dos custos administrativos incidindo sobre setores econômicos e cidadãos em decorrência da legislação  Adoção de mecanismos de consulta pública e de análise de impacto (prospectiva e retrospectiva) como suporte ao processo de decisão legislativa  Previsão de dispositivos legais de revisão após a implantação das decisões legislativas
  15. 15. 2. Desenvolvimento de capacidade técnica em áreas estratégicasDesenvolvimento de capacidade técnica em áreas estratégicaspara o desenvolvimento do Estado, tais como:  Na economia: estabelecer equilíbrio orçamentário no longo prazo, trazendo transparência e previsibilidade para o cenário; apoiar a gestão fazendária através da contínua reestruturação de seus instrumentos  Na administração pública: acompanhar processos de reforma gerencial, trazendo para dentro do setor público novos paradigmas administrativos, sejam do setor privado, sejam do terceiro setor, estabelecendo parcerias com a iniciativa privada e fortalecendo o planejamento estadual 15
  16. 16. 3. Processos de reorganização da estrutura interna para fazer face ao fortalecimento do Executivo Alinhamento do sistema de comissões à estrutura do Executivo Realocação de competências nas comissões e constituição de órgãos de assessoramento e apoio especializado Estado # Comissões # Secretarias Diferença para o Executivo São Paulo 21 22 1 Minas Gerais 15 17 2 Pernambuco 13 21 8 Espírito Santo 13 21 8 Bahia 10 19 9 Rio Grande do Sul 11 17 6 Santa Catarina 14 19 5 Ceará 16 15 -1 Mato Grosso 13 13 0 16
  17. 17. 4. Acompanhamento de políticas públicas com foco nos resultadosNo acompanhamento de políticas públicas, os Legislativos têm conjugado osmecanismos tradicionais com a produção de estudos e avaliações de impacto porórgãos internos, uso de diagnósticos de agências externas e de organizações civis:  Uso de estudos dos órgãos internos de apoio ao trabalho parlamentar para instruir a revisão das leis e a fiscalização das ações do Executivo:  Congressional Research Service (Câmara dos Deputados – EUA)  Conselho de Altos Estudos (Câmara dos Deputados e Senado – Brasil)  Auditorias de desempenho operacional realizadas pelos órgãos de controle auxiliares do Poder Legislativo:  National Audit Office – Reino Unido  Government Accountability Office – EUA 17
  18. 18. 5. Institucionalização de procedimentos de interação com a sociedadeInstitucionalização de procedimentos de interação com os cidadãos, visando aoincremento dos graus de “responsividade” e responsabilidade vertical e horizontal dascasas legislativas, por meio de:  Interações face a face com os cidadãos  Comissões de participação popular / legislação participativa - Brasil  Pesquisas de opinião pública - Parlamento Europeu  Interações mediadas (veículos tradicionais e novas tecnologias)  Compromisso com o princípio de transparência  Crescente abertura dos trabalhos das comissões para a mídia - Holanda, África do Sul  Ambas as formas  Parlamento Europeu  Congresso da Argentina - audiências públicas de comissões subsidiadas por fóruns e debates virtuais 18
  19. 19. 6. Ampliação da interlocução, cooperação e troca de experiências das casas legislativasAmpliação da interlocução, cooperação e troca de experiências das casaslegislativas entre si e com organismos multilaterais, no âmbito estadual,nacional e internacional, contribuindo para a inserção de novos temas enovos conteúdos na agenda legislativa e para a difusão de novosprocedimentos e ferramentas  União Interparlamentar (UPI) - rede de interações entre legislativos dos cinco continentes  Parlamento Europeu - suporte ao exercício das atividades representativas, legislativas e de controle de outras casas legislativas  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) 19
  20. 20. 7. Uso de indicadores de desempenho do Legislativo Uso de indicadores de desempenho – tanto de processos quanto de resultados – para prestar contas aos públicos externos e subsidiar a tomada de decisão estratégica pelos públicos internos Instrumentos Informações Atividade Atividade Procedimentos Nomeações de de registro e sobre os Legislativa Legislativa Produção legal e decisões autoridades publicização legisladores (coletiva) (individual)• Daily Digest: • Indicadores de • Total de dias e de • Proposições • Número de • Proposições • Número de sumário da composição horas destinados à legislativas pedidos de legislativas nomeações para atividade demográfica do sessão legislativa relatadas por verificação de transformadas cargos por congressual legislativo por autoria quorum em norma órgão de destino • Número de diária partido: número jurídica (confirmadas, proposições • Proposições • Número de de mulheres, rejeitadas,• Resumé of apresentadas, por legislativas votações • Proposições número de retiradas) Congressional tipo de iniciativa aprovadas por nominais legislativas legisladores em Activity: autoria realizadas aprovadas por primeiro • Ações e reuniões divulgação das autoria mandato, de comissão estatísticas número de realizadas na • Número de leis sobre o parlamentares Câmara dos vetadas desempenho do afroamericanos, Deputados e no trabalho • Número de vetos descendentes de Senado parlamentar derrubados hispânicos, • Reuniões de asiáticos e comissão indígenas agendadas para o dia seguinte
  21. 21. 8. Incremento na transparência do Poder Legislativo Órgão Tipo de Quem deve Quando a A declaração é competente Supervisão ou Incremento na transparência do Poder Legislativo por meio da Modelo/países declaração?* declarar? declaração deve sanção? para receber a pública ou ser feita? confidencial?** declaração? disponibilização pública de informações sobre a instituição e os Verbalmente, no legisladoresBritânico início do debate Obrigatória parasobre proposta As declarações Publicada no Em geral apenasAustrália, 1984/ Declaração de  Adoção de mecanismos de transparência fiscal dos parlamentares1994; Irlanda 1995; interesses todos os parlamentares cujo interesse pecuniário se geralmente vão para o Presidente Diário Oficial sanções moraisPortugal, 1993; relacione com o da Assembleia e  Modelo Britânico e Nórdico: declaração dedados são assunto os interesses mantidos A nãoFrancês  Modelo Francês: declaração de bens na Secretaria Há ampla variação declaração pode Geral. Mas os (quanto mais ser punida Obrigatória para Por escrito, no  Regulamentação de códigos de conduta parlamentarAlgeria, Cabo Verde,Hungria, Itália, Japão, Declaração todos os começo e no fim registros também podem ser detalhada a penalmente de bens exigência da (prisão ouPolônia, Espanha, parlamentares do mandato mantidos por declaração, multa) e  Implementação de processo legislativo eletrônicoUruguai, Venezuela outro órgão: menos pública politicamente Departamento será) (perda do  Implementação de políticas institucionais de sistematização e de Facultativa (mas Geral de Auditoria mandato) Por escrito, no ou ComissõesNórdico melhoria da acessibilidade às informações legislativas Declaração de uma vez escolhido começo e no fim específicas Em geral apenas Publicada noSuécia, Holanda interesses declarar, tem que do mandato Diário Oficial sanções morais ser completa) 21
  22. 22. Estrutura da apresentação1. O movimento de modernização da gestão pública2. Tendências de entidades legislativas3. Democracia Eletrônica no Brasil e no Mundo 22
  23. 23. Democracia Eletrônica no Brasil e noMundoTítulo: Estudo de Boas Práticas:Democracia Eletrônica no Brasil e noMundoAutores: Tiago Peixoto (Banco Mundial),Helder RibeiroAno: 2009Acesse o estudo aqui 23
  24. 24. Democracia Eletrônica – uma definiçãosimplesUso de tecnologias da informação e comunicação (TIC)enquanto meios para:  aumentar a transparência de processos políticos  facilitar a participação cidadã nos sistemas de tomadas de decisão  melhorar a qualidade do processo de formação de opinião na esfera pública a partir da abertura de novos espaços de informação e deliberaçãoFonte: Macroplan – Prospectiva, Estratégia e Gestão 24
  25. 25. Boas práticas analisadas Categoria Nº Nome Governo/Sociedade País Endereço Eletrônico 1 Open Congress Sociedade Estados Unidos http://www.opencongress.org 2 They Work for you Sociedade Reino Unido http://theyworkforyou.com 3 Open Parlamento Sociedade Itália http://parlamento.openpolis.it 4 Nos Dèputès Sociedade França http://www.nosdeputes.fr 5 Votewatch.eu Sociedade União Européia http://www.votewatch.eu 6 Hear from your MP Sociedade Reino Unido http://www.hearfromyourmp.comTransparência 7 Capitol Words Sociedade Estados Unidos http://www.capitolwords.org da Ação 8 Open Legislation Governo Estados Unidos http://open.nysenate.gov/legislation Parlamentar 9 Public Whip Sociedade Reino Unido http://www.publicwhip.org.uk 10 Blog dos Deputados Governo Brasil http://www.aleac.net 11 Visible Vote Sociedade Estados Unidos http://visiblevote.us 12 EU Profiler Sociedade União Européia http://www.euprofiler.eu/language/pt 13 YouTube House Governo Estados Unidos http://www.youtube.com/user/househub 14 BBC Democracy Live Sociedade Reino Unido http://news.bbc.co.uk/democracylive/hi Sistema de 15 Fix my street Sociedade Reino Unido http://www.fixmystreet.com Informação 16 Ushahidi Sociedade Kenya http://www.ushahidi.com 25 Geográfica
  26. 26. Boas práticas analisadas (cont.) Categoria Nº Nome Governo/Sociedade País Endereço Eletrônico 17 Write to them Sociedade Reino Unido http://writetothem.com 18 No. 10 e-petitions Governo Reino Unido http://petitions.number10.gov.uk 19 E-democracia Governo Brasil http://www.edemocracia.camara.gov.br 20 TID+ Governo Estônia http://tidplus.netInteratividade e 21 Senador Virtual Sociedade Chile http://senadorvirtual.senado.cl Participação 22 Regulations.gov Governo Estados Unidos http://www.regulations.gov http://www.whitehouse.gov/open/ 23 Open for Questions Governo Estados Unidos innovations/OpenforQuestions 24 Health Reform Governo Estados Unidos http://www.healthreform.gov/ http://www.hcdiputados- 25 Banca 93 Governo Argentina ba.gov.ar/banca93_index.htm 26 Subsidy Scope Sociedade Estados Unidos http://subsidyscope.com/bailout/tarp/mapTransparência 27 Recovery.gov Governo Estados Unidos http://www.recovery.gov de Gastos 28 StateStat Governo Estados Unidos http://mdimap.towson.edu/statestatEconomia dos 29 Apps for Democracy Governo/Sociedade Estados Unidos http://www.appsfordemocracy.orgDados Abertos 26 30 Data.gov Governo Estados Unidos http://www.data.gov
  27. 27. Democracia Eletrônica – alguns casos desucessoData.gov, EUA: repositório de dados emformato aberto gerado pela administraçãofederal tendo por objetivo permitirpesquisadores, desenvolvedores e empresascriarem aplicativos de utilidade públicaRecovery.org, EUA: monitora a efetividadede aproximadamente U$ 800 bilhões eminvestimentos federais: site permite acessargráficos e mapas georeferenciados einformações detalhadas sobre osbeneficiários, fazendo com que a sociedadeassuma um papel decisivo na fiscalização daação governamental 27
  28. 28. Democracia Eletrônica – alguns casos desucesso (cont.)Fix My Street, Reino Unido: permite aocidadãos indicarem problemas emdeterminadas áreas do município em ummapa online: as autoridades competentessão automaticamente notificadas e osproblemas são retirados do site ao seremsolucionadosProjeto OASIS, Coréia do Sul (SEOUL).Plataforma virtual que visa a participação ecolaboração da sociedade na construção deuma cidade melhor. O site prevê aproposição de ideias e a formação degrupos presenciais para discutir com maiorprofundidade as proposições (média de3.780 acessos por dia). 28 28
  29. 29. Estrutura da apresentação1. O movimento de modernização da gestão pública2. Tendências de entidades legislativas3. Democracia Eletrônica no Brasil e no Mundo4. Planejamento estratégico em casas legislativas 29
  30. 30. Definir estratégia não é nada fácil...Seis Definições  Estratégia é um “Plano”  Estratégia é um “Padrão”  Estratégia é uma “Posição”  Estratégia é uma “Perspectiva”  Estratégia é um “Truque”Fonte: Safári de Estratégias (Henry Mintzberg et al., 2000)  Estratégia é um “discurso”Fonte: Corporate Strategy Organizations & Subjectivity: a Critique (Knights & Morgan, 1991) 30
  31. 31. Uma definição simples Um conjunto de grandes escolhas Que orienta a construção de uma visão de futuro de médio e longo prazos para um dado segmento da realidade (econômica, social, ambiental, tecnológica, organizacional, mercadológica etc.) Visando a geração e apropriação de valor Sob condições de incerteza 31
  32. 32. O que todos concordam sobre estratégia ...  Diz respeito tanto à organização como ao ambiente  Sua essência é complexa  Envolve conteúdo e processo  Não é puramente deliberada  Existem em níveis diferentes  Envolve vários processos de pensamentoFonte: Adaptado de Chaffee, 1985: 89-90 32
  33. 33. Processo de formulação estratégica Objetivos de Médio Prazos Objetivos de Longo Prazos Futuro desejado Estratégias especificas e Visão Projetos B Estratégicos E1 E2 E1 En En Cenários mais A prováveis Onde estamos? CENÁRIOS POSSÍVEIS Como evoluiremos da situação atual Aonde poderemos chegar? (A) à situação desejada (B)?Fonte: Macroplan 33
  34. 34. Componentes essenciais do planoestratégico Missão Visão de Futuro Objetivos estratégicos Estratégias específicas Carteira de projetos e processos estratégicos Sistema de monitoramento Recursos financeiros referentes à programação estratégica 34
  35. 35. Níveis de planejamento estratégico NÍVEL CARACTERÍSTICA Direcionamentos institucionais; focos INSTITUCIONAL de atuação e grandes opções estratégicas Orientado para as entregas INSTITUCIONAL finalísticas; detalhamento dos FINALÍSTICO direcionamentos institucionais em objetivos, estratégias e projetos finalísticosFINALÍSTICO FUNCIONAL Orientado para as funções de apoio; detalhamento dos direcionamentos FUNCIONAL corporativos em objetivos, estratégias e projetos de apoio 35
  36. 36. Desafio do planejamento em casaslegislativas MODERNIZAR A GESTÃO ALINHAR A ATIVIDADE LEGISLATIVA AOS REQUERIMENTOS DO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO E AS EXPECTATIVAS DA SOCIEDADE 36
  37. 37. Planejamento estratégico em casas legislativas: ainda existem poucas experiências com foco na área fim  Parlamento do Canadá (House of Commons)  Assembleia Estadual de Quebec  Parlamento do Reino Unido (House of Commons)  Parlamento da Escócia  Parlamento de Nova Zelândia  Assembleia Estadual de Queensland  Assembleia Estadual de Western Austrália  Parlamento da África do Sul  Assembleia da Província de Western CapeFonte: Strategic planning at the National Assembly of Québec. Canadian Parliamentary Review/Autumn 2009 37
  38. 38. Exemplo: Parlamento da África do Sul Missão Exercer a representação, de modo a atuar como a voz do povo, e cumprir as funções constitucionais de legislar e fiscalizar o Executivo Visão de Futuro Construir um parlamento efetivo para a população sul-africana, que atenda às necessidades do povo e cujo foco seja a melhoria da qualidade de vidaFonte: http://www.revparl.ca/english/issue.asp?art=1343&param=195 [acessado em 04.11.2011] 38
  39. 39. Elaboração do PlanoEstratégico da ALMG 39
  40. 40. Exemplo: Assembleia Legislativa de Minas GeraisConstrução participativa do planoestratégico:  Sondagem junto à sociedade via Internet, com 1.878 respondentes  Entrevistas presenciais com 52 deputados  Sondagem via web com 668 servidores  Realização de painéis temáticos com a participação de parlamentares, servidores e público em geral  Realização de entrevistas presenciais com integrantes da Mesa, líderes de bancadas, diretores da ALMG, academia, jornalistas e outros atores externos 40
  41. 41. Desdobramento da estratégia na carteira de projetos  Análise e consolidação dos projetos e ações inventariados  Priorização da carteira inicial de projetos estratégicos  Estruturação de projetos estratégicos Projeto/ação Projeto/ação Manter NÃO eliminado eliminado NÃO NÃO NÃO Os dados SIM SIM Há SIM120 Projetos Há possibilidade Carteira estão É um projeto de agrupamento? maturidade? organizada corretos? ou ação? 72 Ações SIM Consolidar/ Agrupar Gate 1 Gate 2 Gate 3 Gate 4 41
  42. 42. Direcionamento Estratégico da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais 2010-2020Visão de Futuro 2020Visão de Futuro 2020 Missão MissãoSer reconhecida como o poder do cidadão na construção de uma Exercer a representação e promover a participação da sociedade na Exercer a representação e promover a participação da sociedade naSer reconhecida como o poder do cidadão na construção e na avaliação de políticas públicassociedade melhor elaboração das leis estaduais elaboração das leis estaduais e na avaliação de do Estado de Minas Gerais para ode uma sociedade melhor para o desenvolvimento políticas públicas desenvolvimento do Estado de Minas GeraisCompromissosCompromissos Exercer a Produzir legislação de Formular políticas públicas Avaliar e fiscalizar Atuar de forma ética e representação política qualidade, em sintonia eficazes e promover políticas públicas transparente e Atuar de com participação da comProduzir da os interesses Formular políticas estratégias de Avaliar e com foco em garantir uma gestão Exercer a sociedade sociedade desenvolvimento sustentável resultados forma e austera eficiente ética e legislação de públicas eficazes e fiscalizar representação transparente e qualidade, em promover políticasObjetivos com políticaObjetivos garantir uma FINALÍSTICOS sintonia com os estratégias de públicas com participação F RGANIZACIONAIS interesses da OINALÍSTICOS gestão desenvolvimento Fiscalizar os órgãos e entidades da foco em Consolidar-se como ponto de convergência daAmpliar e aprimorar a sociedade Garantir a Fiscalizar os órgãos as administração pública e avaliar e eficiente e do poder público e da sociedade na a Intensificar sociedade Direcionar a Assegurarqualidade da participação da sociedade nas sustentável Consolidar-se como ponto de resultadosDisponibilizaraprimorar Ampliar e os Legislativo delegislação Inovar mediante a articulação comunicação entidades da Melhorar a austera políticas públicas, com foco em discussão das estratégias e políticas atividades do Poder alto nível Garantir a convergência do poder recursos resultados incorporação de públicas para o desenvolvimento do Estado com a participação da capacitação para a administração Promover qualidade donecessários para qualidade melhores práticas a público e da sociedade na gasto e as Casas ORGANIZACIONAIS nas e sociedade compreensãopública e avaliar as aprimorar o da e novas Legislativas discussão das estratégias e aumentar a Disponibilizar os desempenho e a valorizaçãopolíticas públicas, educação atividadesdas Poderde Assegurar alto do nível Direcionar a Inovar mediante a Melhorar a Intensificar adesempenhorecursos necessários comunicação para tecnologias de incorporação de eficiênciado qualidade do articulaçãoo para com do corpo legislação das atividades Promover apolíticas públicas para o para a Legislativo para aprimorar o atividades do capacitação e a compreensão com foco em cidadania melhores práticas e informação e educação gasto e Poder as Casas fortalecimento desempenho das gerencial do e do Poder e a valorização novas tecnologias de desenvolvimento do Estado oPoder Legislativo desempenho comunicação resultados para a aumentar a Legislativo Legislativas para do Poder Legislativoatividades do Poder corpo gerencial das atividades do técnico informação e cidadania eficiência do fortalecimento do Legislativo e técnico Poder Legislativo comunicação Poder Legislativo Legislativo Poder Legislativo
  43. 43. OBJETIVOS FINALÍSTICOS Consolidar-se Fiscalizar os como ponto de órgãos e Ampliar e convergência entidades da aprimorar a da sociedade Garantir a administraçã participação na discussão qualidade o pública e da sociedade das estratégias da avaliar as nas Direcionamento atividades do e políticas legislação políticas Estratégico públicas para o públicas, com Legislativo desenvolvimen base em to do Estado resultados Monitoramento Objetivos e Avaliação Estratégicos GESTÃO ESTRATÉGICA VISÃO GERAL Gerenciamento Linhas de Ação FISCALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO Promover parcerias visando à transferência de dados, metodologias e técnicas para monitoramento e avaliação de políticas públicasResultado 1 Projetos Estratégicos Incrementar a participação das comissões permanentes no processo de fiscalização Adotar instrumentos de participação da sociedade Resultado 2 Projeto 1 nos processos de monitoramento e avaliação de Portal implantado até políticas públicas dezembro de 2011 Fortalecer as capacidades institucionais do Legislativo Implantar modelo de monitoramento e Resultado “n” avaliação das políticas públicas Projeto 2 Linha de ação “n” Projeto “n”
  44. 44. Direcionamento Estratégico de Longo Prazo Direcionamento com horizonte de 10 anos (resolução) 7ª Mesa 6ª Mesa 4ª Mesa 3ª Mesa 2ª Prioridades e carteira de 1ª Mesa projetos para cada biênioMesa (deliberação)2010 2012 2014 2016 2018 2020
  45. 45. Reflexão Final Os desafios de um mundo cada vez mais globalizado e conectado “em tempo real” estão colocando governos de todo o mundo cada vez mais a prova pelas populações Há uma crescente demanda para os Governos e as próprias democracias no sentido de se adequarem às novas exigências da representação, participação e prestação dos serviços requeridos pelos cidadãos, que crescem em ritmo acelerado O poder legislativo, devido ao seu papel institucional, pode ser ator fundamental neste processo, desde que consiga “se conectar” com esta nova sociedade Para tanto, é fundamental ir muito além de fazer bem feito a gestão das funções de suporte as atividades parlamentares 45
  46. 46. gustavo.morelli@macroplan.com.br www.macroplan.com.brInformação confidencial e proprietária da Macroplan® Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir ou reproduzir sem autorização expressa. 46

×