Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Passos essenciais
para criar um
documento word
acessível.
 O conteúdo exposto deve ser redigido em linguagem
breve e simples sem utilizar estruturas gramaticais
complexas.
 A men...
 O valor de um documento não aumenta com a sua extensão. Deve
evitar-se o uso de frases desnecessariamente longas, não sa...
Idioma do documento
 Os utilizadores com deficiência visual utilizam leitores que
convertem em voz o texto contido num do...
Características da fonte
Para que sejam acessíveis, os conteúdos devem ser o mais claros e simples
possível. O tipo de let...
Características da fonte
Comparação dos tipos de letra “Serif” e “Sans Serif”, formato normal, tamanho 12
o Serif (Times N...
Títulos
Antes de começar a redigir o documento é necessário definir a
estrutura, a qual deverá ter uma ordem lógica e coer...
Parágrafos
Os utilizadores que apresentam dificuldades cognitivas e com
baixa visão podem não perceber o texto e/ou perder...
Alinhamento do texto
Na elaboração de documentos, o alinhamento do texto à esquerda é a configuração
por defeito ainda que...
Espaçamento entre linhas de texto e espaço entre parágrafos
Os utilizadores com deficiência cognitiva apresentam dificulda...
Quebra de página e Quebra de secção
É recomendável utilizar as opções de Quebra de página ou Quebra de
secção através da f...
Colunas
No caso em que for necessário escrever um artigo ou boletim que implique
pôr o texto em mais que uma coluna, recom...
A informação contida em formato de colunas pode tornar-se de
difícil acesso para uma pessoa com deficiência que necessite ...
Tabelas
Um utilizador com cegueira total ou parcial que faça uso de
dispositivos de apoio como os leitores e/ou dispositiv...
Destino Mês Montante Conceito
Colômbia Janeiro 500 Produto B
El Salvador Março 200 Produto A
Espanha Fevereiro 600 Produto...
Para os utilizadores com visão normal, as tabelas podem ser analisadas
sem dificuldades uma vez que o olho localiza o cabe...
Resumo de conteúdo de tabela:
"Detalhe da importação dos produtos A e B. A tabela divide-se em quatro colunas. No
sentido ...
Moreno (2012)2 recomenda o seguinte:
o Não criar tabelas excessivamente grandes. Se for possível, limitá-las a uma só
pági...
Títulos de tabelas
Se o documento incorporar tabelas de dados deverá incluir-se um título para cada uma
delas. Estes títul...
Índices de títulos
O índice oferece uma visualização geral do conteúdo de um
documento, esquematiza a estrutura dos temas ...
Índices de ilustrações
O procedimento para a criação de índice de ilustrações é semelhante ao da criação de
índice. De ref...
Gráficos acessíveis
Tal como no caso das imagens, os gráficos devem ser acessíveis a todos os
utilizadores, independenteme...
o Audiodescrição: Dirigida especialmente a utilizadores com deficiência visual ou visão
limitada, em que os vídeos ou os c...
Uso da cor
Na redação de documentos devemos ter em conta que entre os
utilizadores que acedem à informação existirá uma ce...
Uso semântico da cor
Sugere-se evitar o uso da cor como elemento indicador, ou seja, apelar a outros recursos para disting...
Exemplo de forma correta no uso da cor:
Em relação à inscrição no curso de Acessibilidade Web, os grupos que
ainda têm lug...
Contraste de cores
Deve garantir-se que as combinações das cores de fundo e os primeiros planos tenham
contraste suficient...
As Diretrizes de Acessibilidade ao Conteúdo da Web 1.0, que também são úteis para a
acessibilidade a documentos, estabelec...
Exemplo de combinações entre cores de texto e fundo:
o PRETO SOBRE BRANCO
o BRANCO SOBRE PRETO
o AMARELO SOBRE PRETO
o BRA...
Hiperligações
Se for necessária a utilização de ligações no documento deverá
identificar-se claramente o objetivo de cada ...
Exemplo de forma incorreta:
Uma vez finalizado o prazo de pré-inscrição, a Universidade publicará uma lista contendo o nom...
Conversão de um documento em PDF
Para converter um documento em formato PDF, além de cumprir com os critérios
anteriorment...
Subtemas
o Verificação de acessibilidade no Office 2010
o AccessODF
o Teste de usabilidade
o Conversão de documentos em ou...
Verificação de acessibilidade no Office 2010
A partir da versão Microsoft Office 2010 (Word, PowerPoint, Excel…), o
utiliz...
AccessODF
é uma extensão para o processador de texto Libre Office Writer que ajuda o autor a
avaliar e reparar problemas d...
Teste de usabilidade
A validação da acessibilidade e usabilidade das características do
documento por parte do utilizador ...
Conversão de documentos em outros formatos para a sua validação
Se a versão do Office não tiver funcionalidades que permit...
FONTE:
http://e-cessibilidade.ulisboa.pt/course/view.php?id=5
Para a validação da acessibilidade de documentos exportados ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Passos essenciais para criar um documento word acessível

107 views

Published on

#ulisboa #moocdca #wordacessivel

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Passos essenciais para criar um documento word acessível

  1. 1. Passos essenciais para criar um documento word acessível.
  2. 2.  O conteúdo exposto deve ser redigido em linguagem breve e simples sem utilizar estruturas gramaticais complexas.  A mensagem que se deseja transmitir deve ser concreta e direta, evitando, tanto quanto possível, o uso de termos técnicos abstratos que poderão tornar- se confusos. Texto claro
  3. 3.  O valor de um documento não aumenta com a sua extensão. Deve evitar-se o uso de frases desnecessariamente longas, não saturar o documento com expressões redundantes do género «como é sabido», «é comumente aceite que», «na minha opinião», «e assim, sucessivamente», «tanto na opinião de A como de B».  Sempre que possível, utilizar palavras simples, procurar dividir as frases e torná-las mais curtas. Não se esquecer de incluir palavras de ligação («mas», «assim», «ainda que») para manter a continuidade e a coerência. Texto claro
  4. 4. Idioma do documento  Os utilizadores com deficiência visual utilizam leitores que convertem em voz o texto contido num documento.  É essencial definir o idioma para que estes dispositivos de ecrã possam fazer a leitura da informação de maneira correta.  Se utilizar palavras escritas noutro idioma deverá assinalar a mudança para outro idioma exceto em nomes próprios, termos técnicos, palavras de língua indeterminada e palavras que não pertencem ao idioma geral do documento mas cujo uso se encontra amplamente generalizado.
  5. 5. Características da fonte Para que sejam acessíveis, os conteúdos devem ser o mais claros e simples possível. O tipo de letra utilizado nos textos pode favorecer ou impedir a compreensão completa da informação. O tipo de letra mais usado é do tipo “serif”, tendo pequenos adornos nos extremos das linhas dos caracteres. As letras Times, Georgia e Garamond são exemplos desta classe. As fontes “Sans-Serif” não têm aquele detalhe. A diferença entre estes dois tipos de letra reflete-se na facilidade de leitura. A de tipo “serif” quando impressa apresenta uma resolução de impressão elevada pelo que os pequenos elementos decorativos na base das letras ficam bem definidos. Pelo contrário, no ecrã do computador, a resolução não é elevada o que torna mais
  6. 6. Características da fonte Comparação dos tipos de letra “Serif” e “Sans Serif”, formato normal, tamanho 12 o Serif (Times New Roman, 12) o Sans Serif (Verdana, 12) Recomenda-se a utilização de fontes do tipo “Sans Serif” como Arial e Verdana, num tamanho não inferior a 12, evitando no que for possível o uso de letra cursiva e fazendo uso moderado de negritos para fazer sobressair textos. Nos casos dos utilizadores com visão reduzida que apresentem problemas de focagem ou a luminosidade, a hipermetropia, a miopia e a visão de túnel, é muito provável que na leitura de documentos estes utilizadores recorram a esquemas de cor de elevado contraste, fontes de grandes dimensões e ícones grandes com a ajuda de ampliadores de ecrã. Apesar de estes dispositivos poderem ajustar as opções de apresentação do equipamento, deve evitar-se utilizar uma fonte demasiado pequena. Como norma, o tamanho da fonte mais pequeno a ser utilizado deve ser 10
  7. 7. Títulos Antes de começar a redigir o documento é necessário definir a estrutura, a qual deverá ter uma ordem lógica e coerente. É importante definir os principais grupos de conteúdos e os títulos nos níveis 1, 2 e 3 que integrarão o título principal. Podemos utilizar um esquema que nos ajude a organizar e orientar a estruturação do documento.
  8. 8. Parágrafos Os utilizadores que apresentam dificuldades cognitivas e com baixa visão podem não perceber o texto e/ou perder o ponto de leitura se o texto se apresentar de uma forma que dificulte a sua leitura. Deve-se, por isso, prestar muito atenção aos parágrafos tendo em conta três aspetos importantes: o alinhamento do texto, a largura das margens e o espaço entre as linhas do texto e os parágrafos.
  9. 9. Alinhamento do texto Na elaboração de documentos, o alinhamento do texto à esquerda é a configuração por defeito ainda que se possa utilizar o alinhamento ao centro, à direita ou justificado. Muitas pessoas preferem visualizar um texto justificado mas estudos demonstram que os textos alinhados à esquerda são mais simples de ler. Assim, o texto não deve ser justificado. Pessoas com certas dificuldades cognitivas experimentam problemas na leitura de textos justificados em ambas as margens. Nos textos justificados, os espaços desiguais entre as palavras podem provocar a abertura de “ruas” (espaços em branco) que transcorrem várias linhas dificultando a leitura e, nalguns casos, tornando-a impossível. Nos textos justificados também ocorrem aproximações exageradas entre algumas palavras tornando-se difícil localizar a separação das palavras.
  10. 10. Espaçamento entre linhas de texto e espaço entre parágrafos Os utilizadores com deficiência cognitiva apresentam dificuldades na leitura continuada de um texto quando as linhas estão demasiado juntas. Torna-se difícil reconhecer as linhas seguintes, bem como o final de cada parágrafo. Para o espaçamento entre linhas que integram um parágrafo, recomenda- se a utilização de um espaço e meio. Espaço e meio refere-se ao facto de que a parte superior de uma linha dista 150% da parte superior da linha de baixo. Para uma fácil compreensão e leitura dos textos, os parágrafos devem distinguir-se facilmente uns dos outros.
  11. 11. Quebra de página e Quebra de secção É recomendável utilizar as opções de Quebra de página ou Quebra de secção através da ferramenta do Word que nos permite que o texto mude de página sem termos de ir ao fim da linha. Listas, Numerações e Marcas de Lista Em relação às listas deve evitar-se, em termos gerais, o uso de travessões, asteriscos ou símbolos como elementos de separação, pois ao fazê-lo, ainda que se esteja a simular a criação de uma lista, não é a forma correta de o fazer. O Microsoft Word tem ferramentas adequadas para o fazer: “Marcas de lista” ou “Numeração”.
  12. 12. Colunas No caso em que for necessário escrever um artigo ou boletim que implique pôr o texto em mais que uma coluna, recomenda-se a utilização da ferramenta adequada, evitando o uso do tabulador para separar texto ou simulá-lo através de tabelas. Mesmo assim, ao utilizar colunas de texto deve-se garantir a existência de espaços amplos entre as colunas. Se este aspeto não for tomado em conta os leitores lerão as filas de forma corrida em vez de descerem pela coluna.
  13. 13. A informação contida em formato de colunas pode tornar-se de difícil acesso para uma pessoa com deficiência que necessite de tecnologia de apoio, pelo que se recomenda que seja utilizada apenas se for mesmo necessário.
  14. 14. Tabelas Um utilizador com cegueira total ou parcial que faça uso de dispositivos de apoio como os leitores e/ou dispositivos braille, lerá as tabelas linha por linha através das colunas. As tabelas são elementos que, sem dúvida, criam problemas de acessibilidade porque não é clara a informação para esses utilizadores. Por exemplo, a tabela que apresentamos em baixo teria a seguinte leitura: Destino, Mês, Montante, Conceito, Colômbia, Janeiro, 500, Produto B, El Salvador, Março, 200, Produto A, Espanha, Fevereiro, 600, Produto B
  15. 15. Destino Mês Montante Conceito Colômbia Janeiro 500 Produto B El Salvador Março 200 Produto A Espanha Fevereiro 600 Produto B
  16. 16. Para os utilizadores com visão normal, as tabelas podem ser analisadas sem dificuldades uma vez que o olho localiza o cabeçalho de cada dado e associa a informação contida nos campos. Porém, o utilizador com deficiência visual perde a informação que a tabela fornece ao recorrer a um dispositivo para obter a leitura das linhas, a qual pode ser relevante ou não, dependendo do desenho e disposição da informação. É, portanto, conveniente descrever como uma tabela encaixa no contexto do documento.
  17. 17. Resumo de conteúdo de tabela: "Detalhe da importação dos produtos A e B. A tabela divide-se em quatro colunas. No sentido da esquerda para a direita, a primeira coluna 'Destinos’ contém os três principais destinos de proveniência da importação: Colômbia, El Salvador e Espanha. Na segunda coluna encontra-se o mês em que se realizou a importação, neste caso Janeiro, Março e Fevereiro. A terceira coluna detalha o montante cujos valores são 500, 200 e 600. Para a quarta coluna especifica-se o tipo de produto que se importou. Como conclusão, os dados da tabela mostram que no caso da Colômbia, realizaram- se 500 importações do produto B no mês de Janeiro. Para El Salvador, 200 importações do produto A durante durante o mês de Março, e de Espanha no mês de Fevereiro foram feitas 600 importações do produto B”.
  18. 18. Moreno (2012)2 recomenda o seguinte: o Não criar tabelas excessivamente grandes. Se for possível, limitá-las a uma só página. o As tabelas divididas em várias páginas costumam causar problemas de acessibilidade. o No caso de as tabelas serem inevitavelmente grandes e ultrapassarem uma página, deverá repetir-se os cabeçalhos da tabela em cada nova página e não dividir linhas ao passar a página. o Desenhar tabelas simples, evitando combinar células e tabelas complexas. Como mencionado na secção das colunas, recomenda-se que o desenho de texto em colunas seja feito através da ferramenta disponibilizada pelo Word evitando assim o uso de tabelas ou tabuladores, porque a leitura será feita sempre por linhas e não colunas, causando grande confusão num utilizador com deficiência visual.
  19. 19. Títulos de tabelas Se o documento incorporar tabelas de dados deverá incluir-se um título para cada uma delas. Estes títulos ajudarão os utilizadores a conhecer a informação contida em cada tabela quando acedem ao documento através de um leitor. Legendas nas imagens Quando inserimos uma imagem é sempre recomendável incluir um título ou uma legenda. Isto ajudará o utilizador a identificar o conteúdo e ajudará os autores do documento a fazer referências à dita imagem e a estruturar melhor o documento. O Word tem uma ferramenta própria para a criação de legendas que permite criar um índice de legendas.
  20. 20. Índices de títulos O índice oferece uma visualização geral do conteúdo de um documento, esquematiza a estrutura dos temas e subtemas que o integram, estabelecendo uma ligação direta ou referência a um ponto específico do documento em geral. Para esta funcionalidade estar operacional é necessário usar os títulos. À medida que forem incluídos novos temas e/ou subtemas poder- se-á atualizar o índice.
  21. 21. Índices de ilustrações O procedimento para a criação de índice de ilustrações é semelhante ao da criação de índice. De referir que as imagens terão que ter obrigatoriamente legendas para que seja possível criar o respetivo índice. Textos alternativos Os elementos não textuais (imagens, fórmulas matemáticas, gráficos, diagramas ou esquemas, vídeos, áudio e tabelas de texto) deverão dispor de um texto alternativo que descreva a informação que se deseja transmitir. A descrição contida nestes elementos deverá substituir a informação visual ou auditiva com o propósito de ajudar os utilizadores com deficiência sensorial para que, acedendo ao documento com um dispositivo de apoio (como linhas braille ou leitores), possam obter informação completa.
  22. 22. Gráficos acessíveis Tal como no caso das imagens, os gráficos devem ser acessíveis a todos os utilizadores, independentemente das suas limitações. Para tal é necessário considerar o uso da cor, textos alternativos e legendas que facilitem o acesso à informação que se deseja transmitir. Elementos multimídia Se o documento contem áudio ou vídeo, deverá assegurar-se de que a informação que pretende transmitir é acessível, procurando que os utilizadores que têm uma deficiência visual ou auditiva possam compreender a mensagem
  23. 23. o Audiodescrição: Dirigida especialmente a utilizadores com deficiência visual ou visão limitada, em que os vídeos ou os conteúdos de imagem são descritos e narrados no momento da sua transmissão. o Legendagem: Trata-se de fazer passar legendas do que está a ser dito num produto audiovisual. Está indicado para pessoas com deficiência auditiva. o Grafia Braille: é um sistema por pontos que as pessoas com deficiência visual utilizam para ler e escrever. o Língua Gestual: é a língua utilizada por pessoas surdas. o Leitura fácil: Os textos em leitura fácil estão redigidos em linguagem resumida e simples para que possam ser compreendidos por pessoas com problemas cognitivos ou deficiência intelectual.
  24. 24. Uso da cor Na redação de documentos devemos ter em conta que entre os utilizadores que acedem à informação existirá uma certa percentagem que poderá ser, num certo grau, daltónica. Em muitos casos pode significar que não se é capaz de distinguir as cores ou uma cor específica, ou visualizar apenas as cores a preto e branco. Tendo em conta que há utilizadores com limitações deve-se sempre procurar um desenho acessível a todos, sendo cuidadoso nos seguintes aspetos: o uso semântico da cor e o contraste das cores.
  25. 25. Uso semântico da cor Sugere-se evitar o uso da cor como elemento indicador, ou seja, apelar a outros recursos para distinguir grupos ou ações. Se, em última instância, for necessária a sua utilização, assegurar-se de que toda a informação que é transmitida através de cores também se encontra disponível sem cor. Exemplo de forma incorreta no uso da cor: Em relação à inscrição no curso de Acessibilidade Web, os grupos com lugar disponível encontram-se marcados a cor azul. Os marcados a cor encarnada não se encontram disponíveis. o Grupo 01: Segunda e Terça-feira o Grupo 02: Quarta e quinta-feira o Grupo 03: Sexta e Sábado o Grupo 04: Domingo
  26. 26. Exemplo de forma correta no uso da cor: Em relação à inscrição no curso de Acessibilidade Web, os grupos que ainda têm lugar disponível encontram-se marcados como “Disponível”. Os grupos fechados, ou seja, sem lugar disponível, encontram-se marcados como “Não disponível”. o Grupo 01: Segunda e Terça-feira (Disponível) o Grupo 02: Quarta e quinta-feira (Não disponível) o Grupo 03: Sexta e Sábado (Não disponível) o Grupo 04: Domingo (Disponível)
  27. 27. Contraste de cores Deve garantir-se que as combinações das cores de fundo e os primeiros planos tenham contraste suficiente para que sejam percebidos por pessoas que sofram de daltonismo ou deficiência na percepção da cor. As Diretrizes de Acessibilidade ao Conteúdo da Web 1.0, que também são úteis para a acessibilidade a documentos, estabelecem na Diretriz 2: “Não se baseie unicamente na cor”. Prioridade 2.2: “Assegure-se de que as combinações das cores de fundo e primeiro plano tenham suficiente contraste para que sejam percebidas por pessoas com dificuldades de percepção de cor ou de ecrãs a preto e branco [Prioridade 2 para as imagens, Prioridade 3 para texto].”
  28. 28. As Diretrizes de Acessibilidade ao Conteúdo da Web 1.0, que também são úteis para a acessibilidade a documentos, estabelecem na Diretriz 2: “Não se baseie unicamente na cor”. Prioridade 2.2: “Assegure-se de que as combinações das cores de fundo e primeiro plano tenham suficiente contraste para que sejam percebidas por pessoas com dificuldades de percepção de cor ou de ecrãs a preto e branco [Prioridade 2 para as imagens, Prioridade 3 para texto].” Nas diretrizes para o desenho de ambientes educativos acessíveis a pessoas com deficiência visual indica-se uma mostra de exemplos de combinações entre cores de textos e fundos, representando um contraste elevado com o propósito de facilitar a leitura aos utilizadores com este tipo de deficiência visual.
  29. 29. Exemplo de combinações entre cores de texto e fundo: o PRETO SOBRE BRANCO o BRANCO SOBRE PRETO o AMARELO SOBRE PRETO o BRANCO SOBRE AZUL o BRANCO SOBRE VERMELHO o AZUL SOBRE BRANCO o VERMELHO SOBRE BRANCO o AMARELO SOBRE VERDE Não se deve esquecer que o tamanho e tipo de letra intervêm na leitura e compreensão do texto. Para torná-lo legível deve utilizar no mínimo o tamanho de letra 12 e tipo Sans Serif.
  30. 30. Hiperligações Se for necessária a utilização de ligações no documento deverá identificar-se claramente o objetivo de cada ligação. Segundo o Manual de acessibilidade e boas práticas da Universidade do País Basco, Espanha, as ligações do tipo “clique aqui”, “mais informação” ou “ler mais” não são aconselháveis porque não descrevem suficientemente a ligação. Quando uma ligação interna ou externa conduz o utilizador a uma página diferente deverá indicar-se corretamente onde é que a ligação conduz antes que o utilizador entre na ligação.
  31. 31. Exemplo de forma incorreta: Uma vez finalizado o prazo de pré-inscrição, a Universidade publicará uma lista contendo o nome dos alunos, o dia e hora de apresentação para matrícula. o + info o Mais... o Informação o Inscrição Exemplo de forma correta: Uma vez finalizado o prazo de pré-inscrição, a Universidade publicará uma lista contendo o nome dos alunos, o dia e hora de apresentação para matrícula. o Mais informação sobre o processo de inscrição. o Inscrever-se online
  32. 32. Conversão de um documento em PDF Para converter um documento em formato PDF, além de cumprir com os critérios anteriormente expostos, deve-se configurar no Word as opções de acessibilidade para a conversão em PDF. Breve descrição do tema Existe uma ampla variedade de ferramentas e técnicas para a avaliação da acessibilidade de documentos. A avaliação adverte para os problemas de acesso ao conteúdo que possam ser experimentados pelas pessoas com deficiência, pela sua necessidade funcional e/ou pela utilização de produtos de apoio; também permite avaliar o cumprimento das diretrizes de acessibilidade definidas pela WAI. Neste tema iremos abordar algumas dessas técnicas de avaliação da acessibilidade de documentos.
  33. 33. Subtemas o Verificação de acessibilidade no Office 2010 o AccessODF o Teste de usabilidade o Conversão de documentos em outros formatos para a sua validação
  34. 34. Verificação de acessibilidade no Office 2010 A partir da versão Microsoft Office 2010 (Word, PowerPoint, Excel…), o utilizador tem à sua disposição uma ferramenta automática para avaliar em que medida um dado documento é acessível. A ferramenta para a verificação de acessibilidade apresenta um painel de tarefas que mostra os resultados da inspeção, dividida em três categorias: “Erro”, “Aviso” e “Sugestão” complementadas com uma secção de informação adicional que guia o autor para o motivo e procedimento da correção.
  35. 35. AccessODF é uma extensão para o processador de texto Libre Office Writer que ajuda o autor a avaliar e reparar problemas de acessibilidade que possam dificultar ou impedir pessoas com deficiência de ler documentos em formato (Open Document Text, odt). Entre as validações que a extensão realiza, destacam-se: o Validação do contraste de cores entre o texto e o fundo o Validação da inclusão do texto alternativo para imagens e outros objetos. o Validação da inclusão de identificação de linguagem no documento e mudanças de linguagem no texto. o Validação do uso apropriado de estilos de cabeçalho. o Validação do uso apropriado de tabelas.
  36. 36. Teste de usabilidade A validação da acessibilidade e usabilidade das características do documento por parte do utilizador final é a mais importante pois permite- lhe perceber se pode realizar todas as tarefas, encontrar a informação desejada, e entrar em todo o conteúdo e em quanto tempo. A validação pode realizar-se através de testes com pessoas com diferentes deficiências, com diferentes níveis de experiência técnica e graus de familiaridade distintos com o conteúdo, fazendo uso de ferramentas de apoio técnico como leitores, dentre os quais se pode mencionar: o JAWS (software pago) o NVDA (software livre)
  37. 37. Conversão de documentos em outros formatos para a sua validação Se a versão do Office não tiver funcionalidades que permitam a verificação da acessibilidade, o documento pode ser guardado como PDF ou como página HTML, permitindo uma validação de acessibilidade com diferentes ferramentas disponíveis. Para a validação de acessibilidade de documentos exportados como página de HTML sugerem-se algumas ferramentas: o Examinator (Avaliação WCAG 2.0) o Achecker (Avaliação WCAG 2.0, HTML y CSS) o TAW (Avaliação WCAG 2.0 beta) o HERA (Avaliação WCAG 1.0) o WAVE, (Web Accessibility Evaluation Tool)
  38. 38. FONTE: http://e-cessibilidade.ulisboa.pt/course/view.php?id=5 Para a validação da acessibilidade de documentos exportados em PDF propõem-se as seguintes ferramentas: o Ferramentas de validação online PDFCheck Accesibility Egovmon o Ferramenta de validação PDF Accessibility Checker (PAC)

×