Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revolta da vacina

3,020 views

Published on

Trabalho final de didática, aula para o ensino médio sobre a Revolta da Vacina;

  • O que aconteceria se as pessoas que não deixassem se vacinar? Elas seriam mortas?
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Revolta da vacina

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIDÁTICA – PROFª RACHEL COLACIQUE REVOLTA DA VACINA
  2. 2. Antecedentes O período da Primeira República no Brasil foi conturbado, marcado por várias reformas e muitas manifestações contrárias. O Rio de Janeiro tinha um sério histórico de epidemias que ocorriam devido as péssimas condições de saneamento. O povo vivia aglomerado no Centro da cidade, em casas de cômodos, cortiços que facilitava a proliferação de doenças.
  3. 3. Antecedentes Em meio a essa situação caótica, o desenvolvimento da cidade faz com que o governo comece a tomar uma série de medidas para melhorar a situação da capital nacional. Uma dessas mudanças foi a Reforma Urbana realizada por Pereira Passos, que desalojou a população pobre do Centro para mudar a imagem da cidade o que foi o início de uma série de revoltas por parte da população.
  4. 4. Jornal da Época falando sobre a Reforma Urbana
  5. 5. Demolição dos Cortiços
  6. 6. A Revolta
  7. 7. Iniciava-se o programa de saneamento de Oswaldo Cruz. Para combater a peste, ele criou brigadas sanitárias que cruzavam a cidade espalhando raticidas, mandando remover o lixo e comprando ratos. Em seguida o alvo foram os mosquitos transmissores da febre amarela. Finalmente, restava o combate à varíola. Autoritariamente, foi instituída a lei de vacinação obrigatória. A população, humilhada pelo poder público autoritário e violento, não acreditava na eficácia da vacina. Os pais de família rejeitavam a exposição das partes do corpo a agentes sanitários do governo.
  8. 8. A lei da vacina obrigatória foi o estopim da revolução, o povo ocupou as ruas, derrubaram bondes, apedrejaram prédios públicos e a desordem se espalhou. A cidade do Rio se tornou uma zona de guerra. A revolta durou uma semana, de 10 a 16 de novembro de 1904. O presidente Rodrigues Alves revoga a lei da vacinação obrigatória e colocou o exército, a marinha e a polícia na rua. Os conflitos foram intensos, mas por fim conseguiram parar os populares e reinstalar a ordem.
  9. 9. A população toma um bonde durante a Revolta
  10. 10. “ Repercussão
  11. 11. Repercussão ” Crônica de Olavo Bilac a revista Kósmos de novembro de 1904
  12. 12. Repercussão “Durante as mazorcas de novembro de 1904, eu vi a seguinte e curiosa coisa: um grupo de agentes fazia parar os cidadãos e os revistava. O governo diz que os oposicionistas à vacina, com armas na mão, são vagabundos, gatunos, assassinos, entretanto ele se esquece que o fundo dos seus batalhões, dos seus secretas e inspetores, que mantêm a opinião dele, é da mesma gente. Essa mazorca teve grandes vantagens:
  13. 13. 1) demonstrar que o Rio de Janeiro pode ter opinião e defendê-la com armas na mão; 2) diminuir um pouco o fetichismo da farda; 3) desmoralizar a Escola Militar. Pela vez primeira, eu vi entre nós não se ter medo de homem fardado. O povo, como os astecas ao tempo de Cortez, se convenceu de que eles também eram mortais.” “É notório que aos governos da República do Brasil faltam duas qualidades essenciais a governos: majestade e dignidade.
  14. 14. Vimos durante a mazorca um ministro, o da Guerra, e um general, o Piragibe, darem ordens de simples inspetores em altas vozes e das sacadas de duas Secretarias de Estado. Eis a narrativa do que se fez no sítio de 1904. A polícia arrebanhava a torto e a direito pessoas que encontrava na rua. Recolhia-as às delegacias, depois juntavam na Polícia Central. Aí, violentamente, humilhantemente, arrebatava-lhes os cós das calças e as empurrava num grande pátio. Juntadas que fossem algumas dezenas, remetia-as à ilha das Cobras, onde eram surradas desapiedadamente.
  15. 15. Eis o que foi o terror do Alves; o do Floriano foi vermelho; o do Prudente, branco, e o Alves, incolor, ou antes, de tronco e bacalhau.” Crônica de Lima Barreto, do seu arquivo pessoal
  16. 16. Conclusão A Revolta da Vacina possui várias interpretações, porém não é possível negar o caráter popular e participativo da população nesse movimento. Se melhoras foram alcançadas, não é possível afirmar, mas foi exposto os métodos do governo quando os participantes foram mandados para o Acre como punição. Foi um episódio que marcou a história do Rio de Janeiro e de todo o Brasil.
  17. 17. Bibliografia MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrícia Ramos. História das cavernas ao terceiro milênio

×