Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

ARCADISMO 1º A.pptx.pdf

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 32 Ad
Advertisement

More Related Content

Recently uploaded (20)

Advertisement

ARCADISMO 1º A.pptx.pdf

  1. 1. Arcadismo: O retorno dos clássicos 1º ano Prof. Maurício Marques
  2. 2. A Origem do Nome ► Arcadismo vem da palavra Arcádia – região do Peloponeso na Grécia – considerada região de morada dos deuses. Lá habitavam pastores que, além do pastoreio, se dedicavam à poesia. ► As arcádias portuguesas foram grupos de poetas que queriam redescobrir o equilíbrio e a sabedoria da antiguidade greco-latina, também chamada de clássica. Daí, então, o nome NEOCLASSICISMO.
  3. 3. ANTROPOCENTRISMO X TEOCENTRISMO HOMEM NÃO SABE SE APROVEITA A VIDA OU SE SEGUE DEUS. AMBIENTE SOMBRIO EXCESSO, EXAGERO SONETO VIDA CAMPESTRE RESTAURAÇÃO DO EQUILÍBRIO ANTIGUIDADE CLÁSSICA ILUMINISMO USO DA RAZÃO APROVEITAR A VIDA SENTIMENTOS UNIVERSAIS LIRA
  4. 4. Princípios do Arcadismo Fugere Urben (Fuga da Cidade) – voltaram-se para a natureza; Lócus amoenus (lugar ameno) – fugir da agitação dos centros urbanos; Carpe diem (aproveite o dia) – aproveitar o tempo presente; Áurea mediocritas (áurea mediocridade) – louvação à vida equilibrada, espontânea, humilde, em contato com a natureza; Inutilia truncat (cortem-se as inutilidades) – linguagem simples e objetiva.
  5. 5. Entendendo o Contexto ► A luz da razão volta a brilhar forte sobre a Europa do século XVIII. O cientista olha para o céu e se pergunta sobre a configuração das estrelas, o filósofo questiona o direito da nobreza a uma vida privilegiada. Assim, razão e ciência iluminam a trajetória humana, explicando fenômenos e propondo novas formas de organizar a sociedade. ► Nesse sentido, como a literatura reflete essas transformações? Vamos ver?
  6. 6. O Arcadismo, de modo geral, foi influenciado pelo Século das Luzes, chamado de Iluminismo. Esse movimento influenciou os pensamentos dos intelectuais e ocasionou a pesquisa e análise do mundo pela perspectiva da razão e da ciência. Assim, tudo era explicado ou por meio científico ou por constatação de algo palpável. Esse período de mudanças filosóficas compreende a segunda metade do século XVIII, no qual a Europa estava dominada economicamente pela burguesia. Enquanto isso, no Brasil, o século do ouro desponta e cresce extraordinariamente, com a mudança do polo econômico da região Nordeste para o Rio de Janeiro e, principalmente, para Minas Gerais. É este estado que irá servir de cenário para os diversos acontecimentos marcantes da história, além da mineração, a Inconfidência, o caso de Tiradentes, influência artística de Aleijadinho e outros.
  7. 7. Os árcades rejeitaram a linguagem rebuscada da poesia barroca e buscaram inspiração na Antiguidade (grega e romana) e em Camões. As histórias da mitologia grega voltaram a inspirar os pintores, como esta obra do francês François Gérard(1770-1837), O primeiro beijo de Amor em Psiquê, 1798. Observe que o artista pintou as duas figuras como se fossem estátuas de mármore, lembrando assim a arte dos antigos escultores gregos
  8. 8. Em Portugal, o Arcadismo terá início em 1756, data da fundação da Arcádia Lusitana, e perdurará até 1825, data da publicação do poema Camões, de Almeida Garrett. No Brasil, irá de 1768, com a publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa, até 1836, quando Gonçalves de Magalhães publicando Suspiros Poéticos e Saudades, inicia o Romantismo.
  9. 9. 1) BUSCA DA SIMPLICIDADE A fórmula básica do Arcadismo pode ser representada assim: Verdade = Razão = Simplicidade Mas se a simplicidade é a essência do movimento - ao avesso da confusão e do retorcimento barroco - como pode o artista ter certeza de que sua obra é integralmente simples? A saída está na imitação (que significa seguir modelos e não copiar), tanto da natureza quanto dos velhos clássicos. Arcadismo: características
  10. 10. 2) IMITAÇÃO DA NATUREZA Ao contrário do Barroco, que é urbano, há no Arcadismo um retorno à ordem natural. Como na literatura clássica, a natureza adquire um sentido de simplicidade, harmonia e verdade. Cultua-se o "homem natural", isto é, o homem que "imita" a natureza em sua ordenação, em sua serenidade, em seu equilíbrio, e condena-se toda ousadia, extravagância, exacerbação das emoções. O bucolismo (integração serena entre o indivíduo e a paisagem física) torna-se um imperativo social, e os neoclássicos retornam às fontes da antiguidade que definiam a poesia como cópia da natureza. Arcadismo: características
  11. 11. 3) AUSÊNCIA DE SUBJETIVIDADE A constante e obrigatória utilização de imagens clássicas tradicionais acaba sedimentando uma poesia despersonalizada. O escritor não anda com o próprio eu. Adota uma forma pastoril: Cláudio Manuel da Costa é Glauceste Satúrnio, Tomás Antônio Gonzaga é Dirceu, Silva Alvarenga é Alcino Palmireno, Basílio da Gama é Termindo Sipílio. Quando o poeta declara seu amor à pastora, o faz de uma maneira elegante e discreta, exatamente porque as regras desse jogo exigem o respeito à etiqueta afetiva. Assim, o seu "amor" pode ser apenas um fingimento, um artifício de imagens repetitivas e banalizadas. Arcadismo: características
  12. 12. 3) IMITAÇÃO DOS CLÁSSICOS Processa-se um retorno ao universo de referências clássicas, que é proporcional à reação anti-barroca do movimento. O escritor árcade está preocupado em ser simples, racional, inteligível. E para atingir esses requisitos exige-se a imitação dos autores consagrados da Antiguidade, preferencialmente os pastoris. Diz um árcade português: O poeta que não seguir os antigos, perderá de todo o caminho, e não poderá jamais alcançar aquela força, energia e majestade com quem nos retratam o formoso e angélico semblante da natureza. Arcadismo: características
  13. 13. Literatura Pastoril O Arcadismo é uma festa campestre, representando a descuidada existência de pastores e pastoras na paz do campo, entre ovelhinhas. Porém, essa literatura pastoril não surge da vivência direta da natureza, ao contrário do que aconteceria com os artistas românticos, no século seguinte. Pode-se dizer que uma distância infinita separa os pastores reais dos "pastores" árcades. E que sua poesia campestre é meramente uma convenção, ou seja, uma espécie de modismo de época a que todo escritor deve se submeter. Sendo assim, estes campos, estes pastores e estes rebanhos são artificiais como aqueles cenários de papelão pintado que a gente vê no teatrinho infantil. Não devemos, pois, cobrar dos árcades realismo do cenário e sim atentar para os sentimentos e ideias que eles, porventura, expressem. No exemplo abaixo, de Tomás Antônio Gonzaga, percebemos que o mundo pastoril é apenas um quadro para o poeta refletir sobre o sentido da natureza: Enquanto pasta alegre o manso gado, minha bela Marília, nos sentemos à sombra deste cedro levantado. Um pouco meditemos na regular beleza, Que em tudo quanto vive nos descobre A sábia natureza.
  14. 14. O Arcadismo adota como missão combater a artificialidade verbal dos poetas barrocos. Por isso, elege a simplicidade como norma para a criação literária. Enquanto pasta alegre o manso gado, Minha bela Marília, nos sentemos À sombra deste cedro levantado. Um pouco meditemos Na regular beleza, Que em tudo quanto vive nos descobre A sábia Natureza (Tomás Antônio Gonzaga) Linguagem : Simplicidade acima de tudo
  15. 15. Um dos aspectos mais artificiais da estética árcade é o fato de os poetas e de suas musas serem identificados como pastores e pastoras. Sou pastor, não te nego; os meus montados São esses, que aí vês; vivo contente Ao trazer entre a selva florescente A doce companhia dos meus gados; (Soneto IV - Cláudio Manuel da Costa) O Pastoralismo
  16. 16. O adjetivo bucólico faz referência a tudo aquilo que é relativo a pastores e seus rebanhos, à vida e aos costumes do campo. Marília de Dirceu: Lira XIII Num sítio ameno, Cheio de rosas De Brancos lírios, Murtas viçosas, Dos seus amores Na companhia, Dirceu passava Alegre o dia. (Tomás Antônio Gonzaga) O Bucolismo
  17. 17. Manuel Maria Barbosa D Bocage 1765 - 1805 Portugal Para conhecer mais sobre Bocage leia o tópico sobre ele nas páginas 49 e 50.
  18. 18. Literatura Colonial Brasileira: Arcadismo (1768 – 1836)
  19. 19. Momento histórico do Neoclassicismo no Brasil O Brasil no século XVIII • Centro econômico da Colônia deslocou-se do Nordeste para o Sudeste (Vila Rica e Rio de Janeiro); • Uma pequena burguesia letrada, faz ecoar na colônia as idéias do Iluminismo francês; • Influenciados pelo Iluminismo francês, pelos ideais da Revolução Americana (1776) e admiradores de Marques de Pombal; • Inconfidência Mineira (1789).
  20. 20. Produções Literárias no Arcadismo ✔ Poesia Épica • Cláudio Manuel da Costa (poema Villa Rica) • Santa Rita Durão (poema Caramuru) • José Basílio da Gama (poema O Uraguai) ✔ Poesia Lírica • Tomás Antônio Gonzaga (Poemas As Liras de Marília de Dirceu). ✔ Poesia Satírica • Tomás Antônio Gonzaga (Poemas Cartas Chilenas)
  21. 21. Cláudio Manuel da Costa ► Influência de Petrarca e Camões (sonetos); ► Resíduos cultistas: (transição Barroco/Arcadismo); ► Fixação pelo cenário rochoso de Minas (“a imaginação da pedra”); ► Conflito interior: provocado pelo contraste entre o rústico mineiro e a vivência intelectual e social na Europa ; ► Ambiguidade: “nativismo” X “colonialismo”; ► Platonismo amoroso: Nise é a musa frequente; ► Temática: o amante infeliz; o contraste rústico X civilizado; a tristeza da mudança das coisas em relação à permanência dos sentimentos. Brasil
  22. 22. “Destes penhascos fez a natureza” Destes penhascos fez a natureza O berço em que nasci: oh! quem cuidara Que entre penhas tão duras se criara Uma alma terna, um peito sem dureza! Amor, que vence os tigres, por empresa Tomou logo render-me; ele declara Contra meu coração guerra tão rara Que não me foi bastante a fortaleza. Por mais que eu mesmo conhecesse o dano A que dava ocasião minha brandura, Nunca pude fugir ao cego engano; Vós que ostentais a condição mais dura, Temei, penhas, temei: que Amor tirano Onde há mais resistência mais se apura. Cláudio Manuel da Costa
  23. 23. Tomás Antônio Gonzaga Elementos não-convencionais: – representação direta da natureza mineira, e não clássica; – lirismo pessoal (depressivo) decalcado da biografia, mas sem exageros. - PSEUDÔNIMO: “DIRCEU” Brasil Para conhecer mais sobre “Marília de Dirceu” leia no livro didático páginas 51 e 52.
  24. 24. Cartas chilenas Sob o pseudônimo de Critilo, Tomás Antônio Gonzaga ironiza nas Cartas chilenas a prepotência e os desmandos do governador Luís da Cunha Meneses, apelidado no texto de Fanfarrão Minésio. Ainda há algumas dúvidas a respeito da autoria desta obra satírica, mas todos os indícios apontam para o autor de Marília de Dirceu. O que já se tornou consenso é o caráter pessoal dos ataques, não havendo nenhuma insinuação nativista ou desejo de sublevação revolucionária nos mesmos.
  25. 25. Uma Curiosidade! O ARCADISMO brasileiro foi o primeiro movimento literário a colocar o índio como personagem importante. A presença do índio (forte por natureza) na poesia reflete o ideal do "bom selvagem" e dá ao Arcadismo brasileiro um tom diferente do europeu.
  26. 26. O Indianismo de Basílio da Gama e Santa Rita Durão BASÍLIO DA GAMA SANTA RITA DURÃO INDIANISMO Glorificação do homem natural que enfrenta os representantes da civilização européia. Glorificação do índio que se converte à religião do dominador luso e o auxilia na conquista da terra
  27. 27. Basílio da Gama ► Poema épico: “O URAGUAI” ► Tema central: a história das tropas luso-espanholas enviadas à região das missões jesuíticas para desalojar os índios e jesuítas (após o Tratado de Madri ) e subsequente destruição de São Miguel. O poema é a narração da luta pela posse da terra, travada em 1757 e foi dedicado ao irmão do Marquês de Pombal.
  28. 28. Frei José de Santa Rita Durão Mineiro de Mariana, Minas Gerais. Sua obra consiste basicamente no Caramuru, poema épico do descobrimento da Bahia, que narra as aventuras de Diogo Álvares Correia. Entre os personagens destacam-se: o português Diogo Correia, o Caramuru; e as índias Moema e Paraguaçu. Moema era apaixonada por Diogo, mas é Paraguaçu quem se casa com ele. Quando os dois estão indo para Paris, Moema se lança ao mar nadando atrás do navio e acaba morrendo afogada.
  29. 29. O Arcadismo e a Inconfidência Mineira A descoberta do ouro nas Minas Gerais deslocou para o sudeste o desenvolvimento urbano brasileiro no século XVIII. A produção cultural, acontecia principalmente na Bahia e em Pernambuco, passa a se concentrar na cidade de Vila Rica (atual Ouro Preto), a mais próspera da região.
  30. 30. Libertas quae sera tamen proclamar a República Objetivos dos inconfidentes tornar o Brasil independente de Portugal. A bandeira escolhida estamparia o lema dos inconfidentes, extraído de um verso de Virgílio: Libertas quae sera tamen (liberdade ainda que tardia).
  31. 31. Atividade ➔ Livro didático de Português ★ Páginas 49 e 50 - Responder em seu caderno às questões 1, 2, 3, 4, 5 e 6.

×