A empresa no século 21 atualizado 03.12

1,484 views

Published on

empresa textil

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,484
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
30
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A empresa no século 21 atualizado 03.12

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA A EMPRESABRASILEIRA NO SÉCULO 21 A INDÚSTRIA TÊXTIL BRASILEIRA
  2. 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO UMA Autores: Fabiana Ferreira Heverton Martins Luciano Silveira Luiza Guimarães Marília Nogueira Vanessa Rodrigues Trabalho Interdisciplinar DirigidoOrientadora: Prof.ª Claudia Maria de Freitas
  3. 3. O SETORA indústria têxtil é a mais antiga do Brasil, com cercade 200 anos de atuação.Após os anos 50 o setor têxtil passou portransformações de inovações técnicas.Foi uma das precursoras do processo demecanização da produção durante a RevoluçãoIndustrial
  4. 4. A INDÚSTRIA TÊXTIL BRASILEIRAObjetivo Geral : Apresentar a participação do setor Têxtil no desenvolvimento econômico do Brasil Objetivos Específicos: . Apresentar a estrutura de mercado do setor; Verificar a competitividade ; Analisar as variáveis econômicas. Representar a Inovação Tecnológica; Demonstrar o Impacto Ambiental; .
  5. 5. METODOLOGIAA metodologia utilizada no trabalho contemplou análises deteses e artigos universitários referentes a várias atividades dosetor têxtil no âmbito nacional do ano de 2000 até meados de2012. A coleta desses dados deu subsídio à investigação sobre ainfluência do setor nas variáveis econômicas do Brasil, quepermitiu mensurar o peso do setor da indústria têxtil nodesenvolvimento nacional
  6. 6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O surgimento da Conceito deEmpresas do Variáveis Inovação Impacto indústria têxtil estrutura de Competitividade século 21. Econômicas Tecnológica Ambiental no mundo. mercados. O surgimento Concorrência Posição da indústria perfeita ou Empregatícia têxtil no Brasil. pura. Concorrência monopolística PIB (imperfeita). Balança Monopólio. Comercial Oligopólio.
  7. 7. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA• Característica da empresa do século 21 : Busca incondicional por preço baixo Boa qualidade Eficiência na produção• As empresas modernas diferenciam-se das tradicionais devido principalmente ao continuo processo de melhoria e combate às perdas e a filosofia da qualidade total.
  8. 8. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICASurgimento da Indústria Surgimento da Indústria Têxtil no mundo: Têxtil no Brasil: O século era XVIII e o  Suas raízes precedem a cenário, a Inglaterra. chegada e a ocupação do País pelos O setor foi um dos marcos portugueses em 1500. da Revolução Industrial.  A implantação da indústria Expansão do Algodão e o no Brasil ocorreu no período surgimento da máquina a de 1844 até 1913. vapor, impulsionou o desenvolvimento da indústria têxtil.
  9. 9. ANÁLISES DOS OBJETIVOS
  10. 10. ANÁLISES DOS OBJETIVOS • ESTRUTURA DE MERCADO Caracterizado como Oligopólio 30 mil empresas distribuídas no Brasil (formais). 5° maior produtor têxtil do mundo 4° maior parque industrial (Ceará) 3° principal produtor de malha 5 principais países produtores de confecção 2° maior produtor e 3° maior consumidor de Denim
  11. 11. ANÁLISES DOS OBJETIVOSFigura: Concentração de Pólos Têxteis e Confecções:A maior parte de compradores está na região sul. Em nível de exportação a primeira é a Argentina em segundo os Estados Unidos.
  12. 12. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• ESTRUTURA DE MERCADO
  13. 13. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• COMPETITIVIDADE Desafio de aumentar as exportações e ao mesmo tempo manter a competitividade no mercado interno. Baixo grau de produtividade e pouco competitiva internacionalmente. Concorrência Direta Grandes competidores como: Ásia(china), Estados Unidos e Europa Guerra cambial
  14. 14. ANÁLISES DOS OBJETIVOSVARIÁVEIS ECONÔMICAS• POSIÇÃO EMPREGATÍCIA Importante gerador de empregos formais 2° maior gerador do primeiro emprego 2° maior empregador da indústria de transformação Aumento de 13,3% no volume de mão de obra empregada no elo têxtil, entre 2003 e 2007. Aumento de 6,7% em confecção e no número de empresas. (14,3% no elo têxtil e 31% em confecção)
  15. 15. ANÁLISES DOS OBJETIVOSVARIÁVEIS ECONÔMICAS• PIB ( PRODUTO INTERNO ) Participa com uma fatia de 3,5% no PIB nacional Faturamento R$90 bilhões no ano de 2011 5% do PIB da indústria de transformação
  16. 16. PESO DA INDÚSTRIA: PIB (Produto Interno Bruto)
  17. 17. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• VARIÁVEIS ECONOMICASBALANÇA COMERCIAL Constantes déficits desde 2006. O principal motivo da elevação das importações é o câmbio desvalorizado. Os produtos mais importados são os de confecção que representam 37% das importações, com destaque para o vestuário que representa 33% das importações. E os produtos mais exportados são as fibras têxteis que representam 62% das exportações, com destaque para o algodão, onde o Brasil é um dos maiores produtores, que representa 57% das exportações.
  18. 18. A balança comercial do setor têxtil ANO EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO SALDO 2000 1.222 1.606 (384) 2001 1.306 1.233 73 2002 1.185 1.033 152 2003 1.656 1.061 595 2004 2.079 1.422 657 2005 2.221 1.518 703 2006 2.109 2.142 (33) 2007 2.364 3.010 (646) 2008 2.425 3.833 (1.408) 2009 1.896 3.481 (1.585) 2010 2.265 5.038 (2.773) 2011 3.013 6.567 (3.554)Fonte: ABIT, 2012.
  19. 19. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• VARIÁVEIS ECONOMICASBALANÇA COMERCIAL• O balanço divulgado pela ABTI apontou queda de 0,3% na produção da indústria de vestuário e confecção e de 11,9% na produção do segmento têxtil, analisando-se o período entre janeiro e maio do ano de 2012 em comparação a igual período de 2010. Já o varejo cresceu 6,86%.• Entre janeiro e setembro de 2012, o déficit da balança comercial do setor têxtil e de confecção do Brasil cresceu 13,2% (excluída a fibra de algodão), na comparação com igual período do ano anterior.
  20. 20. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Investimentos em máquinas, P&D e logística Aumento no consumo mundial (Vestuário, cama, mesa e banho) Plano Brasil Maior ( Estímulos ao Investimento e a Inovação)
  21. 21. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• IMPACTO AMBIENTAL Etapas as quais podem ser causadoras de degradação ambiental.• a) Geração de efluente(despejo líquido poluído)• b) Odor do óleo de enzimagem (ou “odor de rama”)• c) Geração de resíduos• d) Ruído e Vibração
  22. 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS• Ao Julgar pelos números, é possível dizer que a indústria têxtil brasileira está em meio a uma das crises mais decisivas por qual já passou o setor. Estatísticas apontam que entre janeiro e setembro de 2012, o déficit da balança comercial do setor têxtil e de confecção do Brasil cresceu 13,2%.
  23. 23. CONSIDERAÇÕES FINAIS O PROBLEMA > DESINDUSTRIALIZAÇÃO PRIMARIZAÇOCASIONANDO > IMPORTAÇÕES ÃO PREDATÓRIAS EXPORTAÇÃO PRÁTICAS GUERRA PERDA DE CÂMBIO DESLEAIS DE FISCAL COMPETITIVIDADE COMÉRCIO CUMULATIVIDADE DEMAIS CÂMBIO JUROS CARGA TRIBUTÁRIA ASSIMETRIAS
  24. 24. CONSIDERAÇÕES FINAISE que para a sobrevivência do setor no século 21 o governo terá que reduzir os custos vinculados aos salários para aumentar a competitividade da indústria nacional a partirdo incentivo à inovação tecnológica e agregação de valor como propõe atualmente o Plano Brasil
  25. 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  26. 26. ANÁLISES DOS OBJETIVOS• REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS• FILHO,N. H. B .– Conjuntura Setores Industriais- MINISTÉRIO DA FAZENDA - 2010.• IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia d Estatística. Micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2003• ABDI – Agencia Brasileira de Desenvolvimento Industrial - Boletins de Acompanhamento Setorial – Têxtil e Vestuário.: Disponível em: www.abdi.gov.br. Acesso 2012.• ABTI – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção -: Disponível em: www.abti.gov.br. Acesso 2012.• SINDIMALHAS – Sindicato das Indústrias Têxteis de Malhas no Estado de Minas Gerais -: Disponível em: www.sindimalhas gov.br. Acesso 2012.• VASCONCELLOS, A. - Fundamentos de Economia - 2°ed. - 2006• KON, A.; COAN, D. C. Transformações da indústria têxtil brasileira: a transição para a modernização. Revista de Economia Mackenzie, ano 3, n. 3, p. 11-34, 2006.

×