Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sequência didática na educação infantil

218,579 views

Published on

Published in: Education

Sequência didática na educação infantil

  1. 1. SEQUÊNCIA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Mestranda Luiza Carvalho de Oliveira
  2. 2. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – O QUE É? • É uma forma de planejamento utilizada quando se trabalha com a pedagogia de projetos. • É um conjunto sistematizado de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo etapa por etapa. • Essa proposta envolve atividades de aprendizagem e avaliação, organizadas de acordo com os objetivos que o professor quer alcançar.
  3. 3. É possível não trabalhar com projetos e criar sequências didáticas? Sim, mas o efeito desta prática pode levar à falta de conexão entre as inúmeras sequências feitas durante o ano, o que configura, em última análise, a antiga fórmula dos livros didáticos e da educação tradicional (no seu pior sentido). A sequência didática não é o contexto, ela esta inserida em um contexto mais amplo que, no caso, é o projeto didático.
  4. 4. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – PARA QUE SERVE? a) Organizar as intenções pedagógicas através de temas, objetivos, conteúdos que atendam as necessidades do projeto didático, dos professores e das crianças; b) Organizar as intenções pedagógicas de tal forma que garanta a transversalidade de seus conteúdos, temas e objetivos; c) Preparar técnica e academicamente o professor, tornando- o capaz de fomentar e propiciar a construção de conhecimentos específicos com o grupo crianças sob sua responsabilidade, posto que é fundamental que se procure, através de pesquisas, ter conhecimentos prévios que ultrapassem o senso comum, o óbvio.
  5. 5. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – VANTAGENS A elaboração de sequências didáticas permite ao professor: • aquisição de novos conhecimentos (amplia seus horizontes); • ampliação de repertório; • previsão de materiais e novas possibilidades de trabalho.
  6. 6. Além de ampliar seus horizontes, garante segurança em relação as suas intenções pedagógicas. Um profissional seguro, é capaz de deixar a condução do projeto nas mãos de suas crianças, do coletivo do grupo e, sabemos, que adotar esta metodologia de trabalho é uma questão de princípios, confiança e muita coragem. É a preparação do profissional para que possa captar, através de uma escuta atenta de seus alunos, quais são suas as hipóteses (sondagem de repertório) e necessidades, e o momento certo de provocá-los.
  7. 7. Ao trabalhar coletivamente, são colocados, à mesa, os conhecimentos e as habilidades de cada professor (formação inicial, criatividade, inciativa, escrita, dança, artes). Portanto, é a convergência das competências que garante a qualidade dos serviços educacionais oferecidos à comunidade. Seria ingênuo desconsiderar que, ao mesmo tempo, divergências surgem e, acreditem é por elas que amadurecemos profissionalmente. Trabalhar as competências do grupo, ao invés de investir, insistentemente, nas dificuldades individuais, não esquecendo que é preciso reconhecê-las para superá-las. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – COLETIVA?
  8. 8. A IMPORTÂNCIA DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL • Preocupação com a formação integral; • As sequências didáticas nos obrigam a pensar, antecipadamente, sobre nossas ações. • A improvisação não tem lugar. A leitura de histórias, o filme, o desenho e as brincadeiras são atividades planejadas e, portanto, possuem finalidades pedagógicas específicas. • Portanto, adotá-la como documentação obrigatória através do Projeto Pedagógico, é uma opção consciente.
  9. 9. O RIGOR NO CUMPRIMENTO DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA • Em uma sequência didática, não há uma cronologia a ser seguida, o professor tem total autonomia para colocá-la em prática, considerando sempre o interesse e o momento vivido por seu grupo. • O professor, ao adquirir novos conhecimentos, provoca situações para que seu grupo de crianças descubra o que ele próprio descobriu. Há, nestes momentos, o que chamamos de “prazer em conhecer”.
  10. 10. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – COMO FAZER? Para fazermos uma sequência didática é preciso estudo e pesquisa. Portanto, para fazê-las não há alternativa senão sairmos da zona de conforto. Uma sequência didática, assim como a música, precisa de um começo um meio e um fim e, além disso, de muita inspiração. Ao organizar uma sequência didática, é preciso preparar detalhadamente cada um dos passos do trabalho:
  11. 11. 1º passo : Recepção/emoção • Emoção • Sensibilidade • Interação social • Simbolização As emoções têm papel preponderante no desenvolvimento da pessoa. É por meio delas que o aluno exterioriza seus desejos e suas vontades. Em geral são manifestações que expressam um universo importante e perceptível, mas pouco estimulado pelos modelos tradicionais de ensino. (A origem do pensamento da criança. H. Wallon, 1989)
  12. 12. 2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos • Tato • Visão • Olfato • Gustação • Audição
  13. 13. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens • Pictórica – desenho • Musical – vocalização, oralidade, rota fonológica e voz • Sinestésica – movimento/psicomotricidade • Midiática – computador • Gráfica – as letras e os números
  14. 14. 4º passo: trabalho explorando uma ou mais Formas • Aplainar • Ampliar • Reduzir • Juntar • Modificar • Quadrado • Triângulo • Círculo • Retângulo
  15. 15. 5º passo: é quando o educador pode lincar conteúdos (Interdisciplinaridade) • Natureza e sociedade • Identidade e autonomia • Movimento • Música • Artes visuais • Literatura Infantil
  16. 16. Não é demais dizer que estes passos não possuem ordem definida, ou seja, o educador pode realizar uma atividade interdisciplinar antes de realizar uma atividade com formas e assim sucessivamente. O importante é lembrar que o conteúdo a ser trabalhado naquela UNIDADE CORPORATIVA precisa passar por todas as linguagens e por todas as etapas, passo a passo, pois é esta diversidade na metodologia que vai possibilitar muito mais estímulo à criança e consequentemente deixará a ela uma organicidade imprescindível para que ela possa perceber as lógicas que o mundo e os conhecimentos desencadeiam.
  17. 17. CONCEITOS ESSENCIAIS • ÓRBITA PEDAGÓGICA: sistema que apresenta os conteúdos que estão diretamente ligados uns aos outros dentro de cada temática. (Almeida, 2010) • UNIDADE CORPORATIVA: organização dos temas para compor interrelações com a vida da criança. Esta unidade tem o objetivo de unir, dar sequência, e apresentar a lógica do cotidiano. (Almeida, 2010) • SEQUÊNCIA DIDÁTICA: é uma maneira de encaixar os conteúdos a um tema e por sua vez a outro dando logicidade ao trabalho pedagógico diário. Para haver sequência didática o aluno pode ter o trabalho desenvolvido a partir da música, dos jogos, das brincadeiras, do lúdico, do material concreto, dos textos e das explorações livres.
  18. 18. • TEXTO:  conjunto de palavras de um autor, em livro, folheto, documento etc. (p. opos. a comentários, adiantamentos, sumários, tradução etc.);  redação original de qualquer obra escrita;  conjunto de palavras citadas para provar alguma ideia ou doutrina; 3 trecho ou fragmentos de obras de um autor.  diz-se do material ilustrativo de uma obra (p. ex., gravura, mapa, foto, desenho etc.) que se imprime à parte, ger. em papel especial e em folha(s), não numerada(s) ou com numeração autônoma, que se intercala(m) entre os cadernos dos livros.
  19. 19. • PORTADORES DE TEXTO: São objetos que, contendo diversos produtos, possuem marcas escritas. Pode ser também conhecido como o suporte de texto. Os portadores de textos podem ser:  uma placa de trânsito;  muitos movimentos feitos pelos guardas de trânsitos;  elementos semióticos, principalmente em embalagens, em manuais, em roteiros turísticos;  os gestos de despedidas, de tchau, de adeus, o gesto de jogar beijo, o gesto de dizer que tudo está positivo, o gesto de dizer com a cabeça uma negação, o movimento da cabeça como uma afirmação e o movimento que fazemos com as mãos no sentido de chamar alguém.
  20. 20. • SUPORTES DE TEXTO: são suportes os objetos elaborados especialmente para a escrita, como livros, revistas, papéis administrativos, periódicos, documentos em geral. • TRABALHO COLETIVO: redigir a partir de assuntos desenvolvidos nas diferentes disciplinas, trabalhos contendo: objetivo, procedimento e conclusão. Neste caso o professor vai redigir o objetivo junto com o aluno, explicando a eles o que significa objetivo, assim como procedimento e conclusão. • HORA DA LEITURA: é o momento em que o professor fará a leitura para os alunos, utilizando diversos textos (contos e fábulas). Antes de iniciar a leitura é importante que o professor faça a apresentação da obra (autor, título, editora, ano, etc.). Poderá ser feita também a troca entre os professores. O professor de uma turma realiza a leitura para outra turma, e assim sucessivamente, ou então pode-se reunir todos os alunos e a cada dia um professor realiza a leitura.
  21. 21. • CARTAZES: trabalhar com os alunos, por exemplo, Direitos e Deveres, construindo com eles e deixando sempre que eles construam. É interessante que o professor dirija o trabalho de maneira que os itens de deveres e direitos tenham o mesmo número. COMBINADOS da sala: O que eu posso e o que eu não posso fazer. COMBINADOS do recreio: estabelecer com os alunos o objetivo do recreio. • ENTREVISTA: momento em que são convidados artistas da região ou profissionais especializados (bombeiros, eletricistas, engenheiros, professores, repentistas, contadores de histórias, etc.) para irem à escola e fazer uma apresentação/palestra/conversa. O evento demanda ação das crianças junto com o(a) professor(a): elaborar o cronograma, selecionar as pessoas, fazer o convite, organizar a apresentação da pessoa, avaliar a atividade, etc.
  22. 22. UNIDADE CORPORATIVA
  23. 23. DICAS PARA A ALFABETIZAÇÃO • Ambiente alfabetizador: Traga músicas para a sala de aula, assistam filmes, façam teatros, pendurem o que as crianças quiserem nas paredes, cultivem plantas na sala, leiam jornais, façam paródias, desenhem, pintem, façam esculturas de papel, de argila; modelem, movimentem, conversem e vivam todas estas possibilidades. Isso é um ambiente alfabetizador. • Leituras compartilhadas: É um trabalho de estimulação. Ler o jornal para os alunos, pedir para eles “lerem” pelas imagens e tentar decifrar o que estão achando; ler história, mapas, enciclopédias, gibis, revistas semanais, bulas de remédio, receitas de comidas, instruções e assim por diante. Ler, ler de tudo, ler muito, junto com os alunos.
  24. 24. • Desconstrua tudo: depois de uma boa leitura necessariamente devem surgir perguntas; se elas não surgirem, provoque-as. Faça você mesmo as perguntas que gostaria que seus alunos fizessem, mas não fizeram. Os alunos podem não fazê-las porque ainda não sabem ou ainda não pegaram o jeito da coisa, mas é só provocar que as coisas começam a acontecer. Ao desconstruir o que leu o movimento surgirá naturalmente e como movimento gera movimento, eis a maravilha da alfabetização se dando. • Use tudo em caixa alta e cursiva ao mesmo tempo: ao registrar uma pergunta feita pelo aluno, Professora, como se escreve isso?, faça sempre em caixa alta porque esta letra facilita a visualização do traço por parte da criança. Letras peladinhas, sem frufrus e em caixa alta, facilitam a compreensão. No entanto, como nós não ficaremos o resto da vida escrevendo assim, é importante já apresentar neste momento a outra forma de registro da mesma palavra, a letra em caixa baixa, ou minúscula e a cursiva.
  25. 25. JOGOS E BRINCADEIRAS • Jogos:  Só após os 3 anos uma criança consegue se sensibilizar para o jogo, antes disto, é impossível;  Os jogos podem ser divididos em: a) jogos motores – têm como principal objetivo o desenvolvimento, o aprimoramento ou a manutenção das capacidades físicas e também das habilidades motoras. b) jogos cognitivos – são aqueles que estimulam e desenvolvem funções cognitivas como a percepção, atenção, memória, linguagem, as funções executivas (raciocínio, lógica, estratégias, tomada de decisões e resolução de problemas), dentre outros. c) jogos afetivos - são aqueles que possibilitam às crianças trocas afetivas intensas na sua realização. Requerem socialização.
  26. 26. • Nos jogos as crianças aprendem: Regras; A ganhar e a perder; A esperar a sua vez; A dividir; A aguçar os sentidos; A pensar sistematicamente; A ter autonomia; A socializar-se; Etc.
  27. 27. • Brincadeiras:  A brincadeira se caracteriza por alguma estruturação e pela utilização de regras.  A brincadeira é uma atividade que pode ser tanto coletiva quanto individual.  Na brincadeira a existência das regras não limita a ação lúdica, a criança pode modificá-la, ausentar-se quando desejar, incluir novos membros, modificar as próprias regras, enfim existe maior liberdade de ação para as crianças.  A brincadeira pode ou não usar o brinquedo.  A brincadeira, sempre que possível, deve incluir o mundo adulto, na forma de faz-de-conta.
  28. 28. OBJETIVOS CONTEÚDOS TEMPO ESTIMADO MATERIAL NECESSÁRIO DESENVOLVIMENTO AVALIAÇÃO O que se espera que os alunos aprendam com a atividade proposta, tendo como foco a aprendizagem, e não o ensino. Conteúdos curriculares trabalhados na atividade. Envolve as várias etapas da atividade, as intervenções a serem feitas, a criação de situações mais adequadas à realidade da turma. Verificação do processo de aprendizagem. Parâmetros a serem usados no decorrer das etapas. Atividades específicas, como problemas e perguntas.

×