4ª sessão trabalho plano de avaliação dom. b

400 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
400
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

4ª sessão trabalho plano de avaliação dom. b

  1. 1. 1O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: Metodologias de Operacionalização (parte I) Plano de Avaliação Domínio B – Leitura e Literacia FORMANDO: LUÍS FILIPE MARQUES DE SOUSA TURMA: DRELVT 4, 2010
  2. 2. 2 Introdução A concretização do Plano de Avaliação tem em vista a operacionalização da avaliação a realizar em 2010-11 no domínio B: Leitura e Literacia, aimplementar na Biblioteca Escolar de que sou responsável. No entanto é evidente a tarefa da autoavaliação na sua multiplicidade de vertentes, sobretudo a partir dadefinição de factores críticos e do registo de evidências para obter o feed-back da acção e concretização do Plano de Melhorias (2009-10, Domínio D: Gestão daBiblioteca Escolar) e implementar o próximo no ano seguinte. Como é referido, o MAABE realiza uma avaliação de carácter qualitativa e formativa orientada para a reflexão dos resultados, no sentido de os melhorar, epara a eficiência das acções e actividades promovidas, devendo esta ter impacto na avaliação da BE e na avaliação (interna e externa) da Escola/Agrupamento. A RBE propõe-nos um modelo de autoavaliação que incide, sobretudo, no impacto que a BE tem na escola - outcomes. No entanto, a avaliação da BE nãopode deixar de ter em conta o trabalho já realizado, através da instalação da BE, do uso dos Recursos Educativos Digitais, da gestão da colecção, entre outrosvectores - inputs. Consideramos que a aplicação do modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar, pressupõe uma planificação sistemática e regular estabelecendoestratégias de correcção e melhoria. Por isso partimos sempre da necessidade do conhecimento integral do MAABE e da apropriação dos utensílios que nosfornece. Tendo sempre a consciência que a implementação do modelo pretende, quer como processo, quer como produto, ser considerado como um processonatural e integrante da BE., materializando-se na apresentação e execução de Plano de Melhorias com vista à avaliação futura. Assim, há que ter bem definido, aferido e parametrizado as seguintes questões: O que se vai avaliar? O que se pretende avaliar? Quando avaliar? Que calendarização se deve estabelecer e metas atingir? Que etapas? Quais osintervenientes e parceiros devem ser tidos em conta na avaliação do processo? Que recursos e instrumentos mobilizar? Como os utilizar? Quais são as evidênciasmais significativas e que deverão ser recolhidas? Como e quando realizar a análise, tratamento, interpretação, apresentação e divulgação dos dados? Qual o nível
  3. 3. 3de desempenho se encontra a BE no (s) domínio (s) e ou subdomínio (s) avaliados? Que etapas e actividades deverão integrar e orientar Plano de Melhoria? Quesugestões de acções de melhoria se deverão implementar como estratégia para a concretização do Plano de Acção da BE? Pede-se ao Professor Bibliotecário que exerça a sua posição estratégica em termos de liderança, sendo ele o líder de todo o processo. Assim deve estar naposse de um conjunto de competências que se traduzam na forma eficaz de execução do seu trabalho. Por sua vez o MAABE, conforme se refere é um documento importante e estratégico enquanto instrumento de avaliação: “( …)a mesma deve estar integrada e ser parte essencial da avaliação interna da escola e base para a avaliação externa como forma de validação do processo de autoavaliação.”, A qualidade dos serviços oferecidos pela BE condiciona a qualidade educativa. E por isso é necessária e imprescindível a motivação e o empenho daEquipa de Apoio ao Coordenador e ao Professor Bibliotecário, para a aplicação e implementação do MAABE. No entanto é solicitado o maior envolvimento e apoioda Direcção, uma vez que se trata de uma avaliação implícita e explicita ao trabalho da Escola/Agrupamento. Este envolvimento e participação torna-se evidente na apropriação do MAABE pelo Coord.BE, PB, Equipa, Colaboradores, Direcção, Cons.Pedagógico,docentes, alunos e Comunidade Educativa. Cabe ao PB e Equipa serem os responsáveis pela selecção do domínio a avaliar em cada ano, pelo acompanhamento eexecução do processo de operacionalização, comunicação/divulgação dos resultados através do relatório final e na apresentação de sugestões de melhoria aintroduzir, apresentando-se o Plano de Melhoria. A equipa da BE e a Direcção tem aqui um papel predominante sendo elas as responsáveis por sensibilizar eenvolver a Comunidade Educativa no processo, tornando o MAABE num documento estratégico, a nível de avaliação e de correcção de metas definidas e a atingir,para e pela Escola/Agrupamento.
  4. 4. 41. OBJECTO DA AVALIAÇÃO: Selecção do Domínio e Indicadores Para o presente ano lectivo de 2010-11 foi seleccionado o Domínio B – Leitura e Literacia. Já que consideramos a leitura como uma competência transversal epromotora das mais diversas articulações curriculares e se encontra no desenvolvimento de todas as competências que se pretendem que os alunos adquiram.Neste sentido, a BE, articulará com o Departamento de Línguas a fim de promover e levar a efeito as actividades inscritas em Plano Anual de Actividades. Destaforma, e pela 2ª vez a implementação do MAABE, parece-nos útil e pertinente o modo como será realizada a autoavaliação tornando a recolha de evidências o maispreciso e claro. Estas deverão traduzir o impacto que a realização das actividades realizadas e implementadas terão no sucesso educativo dos alunos e napromoção da melhoria da qualidade dos serviços pedagógicos fornecidos pela BE e pela Escola/Agrupamento.
  5. 5. 51.1. PLANO DE AVALIAÇÃO: - Domínio B, Leitura e Literacia
  6. 6. Indicadores Factores críticos de sucesso Evidências Instrumentos de recolha Intervenientes ● A BE disponibiliza uma • Realização das actividades • Questionários aos docentes • Coord.BE/ Professor colecção variada e adequada propostas pelo Plano Anual • Questionários aos alunos Bibliotecário aos gostos,interesses dos de Actividades da BE • Estatística de ocupação para • Equipa da BE utilizadores; 6 • Identifica novos públicos e • Menção e articulação dos leitura, em sala de aula e na • Profs. Colaboradores adequa a colecção e as Projectos Curriculares de biblioteca • Direcção do Agrupamento práticas às necessidades Turma com a BE • Estatística de requisição • Conselho Pedagógico desses públicos; • Registo das requisições, domiciliária • Departamentos Curriculares • Promove acções formativas circulação e uso de recursos • Estatísticas de participação • Docentes (em geral) que ajudem a desenvolver as da BE relacionados com a nas actividades previstas no • Alunos competências na área da leitura PAA da BE • Comunidade Educativa leitura; • Registo da utilização da BE • PE, PAA e PCT’s • Incentiva o empréstimo para actividades de leitura • Actas de reuniões programada/ articulada com domiciliário; • Relatórios diversos, • Está informada relativamente outros docentes relacionados com o trabalho às linhas de orientação e • Registos de actividades e da BE actividades propostas pelo projectos que envolvam • Relatório da articulação PNL e desenvolve as acções implicitamente e entre a BE (PB) /DirecçãoB.1.Trabalho da BE ao implicadas na sua explicitamente a BEserviço da promoção da implementação; • Relatório da Avaliação • Registo de consultas Intermédialeitura na Escola/ • Incentiva a leitura informativa, presenciaisAgrupamento associando-se e articulando • Registo da requisição dos com os departamentos no RED pela Comunidade desenvolvimento das Educativa actividades de ensino/ aprendizagem ou a projectos • Acções de Formação de e actividades que incentivem Utilizadores realizadas e a leitura informativa; registo de sugestões e • Promove encontros com apreciação escritores ou outros eventos • Registo da articulação e culturais que aproximem os colaboração da BE com a alunos dos livros ou de outros Direcção e vice-versa materiais/ambientes e • Aplicação do Questionário incentivem o gosto pela aos docentes (QD2) leitura; • Aplicação do Questionário • Apoia os alunos nas suas aos alunos (QA2) escolhas e conhece as novidades literárias e de divulgação que melhor se adequam aos seus gostos. • A leitura e as literacias • Projectos e actividades • Questionários aos docentes • Coord.BE/ Professor constam como meta no comuns realizadas neste • Questionários aos alunos Bibliotecário Projecto Educativo e curricular âmbito (Semana do Livro e • de Escola/ Agrupamento, em • Estatística de ocupação para Equipa da BE da Leitura, Feiras do Livro, leitura, em sala de aula e na • Profs. Colaboradores articulação com a BE; Sessões com autores e BE • Direcção do agrupamento • A BE trabalha articuladamente ilustradores, Hora do conto, com docentes e Articulação e apoio às • Estatística de requisição • Conselho Pedagógico departamentos na escolas do 1CEB, …) domiciliária • Departamentos Curriculares implementação de estratégias/ • Produção de Materiais de • Estatísticas de participação • Docentes (em geral)
  7. 7. 7
  8. 8. 81.2. CALENDARIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES Actividades 1º Período 2º Período 3º PeríodoSelecção e divulgação do domínio, junto doConselho PedagógicoApresentação do Plano de Melhorais para2010-11(Dominío D)Elaboração de cronograma das actividades,definião do Plano Anual de ActividadesAnálise do domínio e subdomínios definição doPlano de AvaliaçãoDefinição e destaque dos Factores Críticos deSucessoAplicação dos inquéritos/ questionários propostospela RBERecolha de evidênciasRegisto de autoavaliação no quadro-sintesereferente ao domínio pré-seleccionado e emavaliaçãoTratamento e análise das evidênciasAvaliação Intermédia Fevereiro 2011Avaliação FinalElaboração do Relatório Final de ActividadesApresentação do Relatório Final de Actividades aoConselho Pedagógico e Conselho Geral deAgrupamentoElaboração do Plano de Melhorias (2011-12)Apresentação Plano de Melhorias (2011-12)
  9. 9. 92. APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL No final do processo, i.e., final do ano lectivo, tendo como base a análise dos dados, a Equipa da BE, elaborará um Relatório Final de Auto-Avaliação da BEque deverá referir com objectividade os resultados apurados, nomeadamente o nível de desempenho obtido em cada um dos indicadores e onde são identificadosos pontos fortes, os pontos fracos e os aspectos que necessitam de desenvolvimento e sugestões de melhoria, o qual deverá ser apresentado e aprovado peloConselho Pedagógico. A elaboração do relatório tem por base o MAABE, uma vez que o tem como linha de orientação bastante útil e funcional, devendo ser remetidoelectronicamente a esta entidade. Importante frisar que o Relatório de Autoavaliação da BE deverá integrar o Relatório da Avaliação Interna do Agrupamento, e quedesta forma contribuirá para a Avaliação Externa do Agrupamento. Os resultados deverão ser apresentados e comunicados à Equipa, à Direcção, ao ConselhoGeral, ao Conselho Pedagógico e aos Departamentos Curriculares, fazendo-se a sua divulgação nos meios julgados mais adequados e eficazes.
  10. 10. 103. PLANO DE MELHORIA Os resultados da avaliação devem ser objecto de análise e reflexão em Conselho Pedagógico, incluindo o contributo de outros agentes educativos/parceiros(identificados como “Critical Friend”, onde se incluem a CIBE/RBE, Bib. Municipal e restantes parceiros e comunidade educativa). No Cons.Ped. devem serdefinidos rumos estratégicos e acções de melhoria futura dos serviços a prestar pela BE em prol do sucesso educativo dos alunos e da melhoria da qualidade daOrganização Escolar, devendo as mesmas estar em conformidade com o Projecto Educativo da Escola/Agrupamento e com a missão e objectivos da BE. Assim, noPlano de Melhoria a definir, devem ser indicadas as áreas prioritárias de actuação; os objectivos a alcançar e as acções a desenvolver; os intervenientes e recursos;as parcerias a implementar; a calendarização e a monitorização de todo o processo visando a sua implementação eficaz. Neste contexto, o registo da autoavaliação no quadro-síntese referente ao domínio avaliado constitui, desde logo, uma mais valia, pressupondo que seapontem acções para a melhoria do desempenho desse domínio. É ainda de realçar que, embora estando em destaque o domínio que foi avaliado, esse Plano de Melhoria não deve apenas contemplar esse domínio, masser um documento abrangente a todos os domínios, uma vez que a recolha de evidências podem revelar pontos críticos nos restantes. Nesta matéria, o PB e a suaEquipa terão, um papel dominante pois também faz parte das suas competências o conhecimento dos aspectos essenciais dos vários domínios que integram oMAABE e apontar propostas de melhoria para os mesmos.
  11. 11. 114. CONCLUSÃO Tal como é referenciado devemos ter em atenção o seguinte, que a planificação de um Plano de Avaliação deverá: ● Clarificar adequadamente os objectivos da BE; ● Esclarecer os objectivos de aprendizagem dos alunos em relação à biblioteca; ● Estabelecer os indicadores adequados para essas aprendizagens; ● Recolher as evidências apropriadas, lidando com dados de natureza quantitativa e qualitativa; ● Assegurar a realização do processo de recolha, tratamento, análise e comunicação dos dados. Tudo isto com o objectivo principal de se procederem a mudanças com vista à eficiência e à melhoria dos serviços da BE em prol do enriquecimento escolare pessoal dos utilizadores, especialmente dos alunos. É importante ter consciência que a avaliação dos impactos das BE no sucesso educativo é particularmente complexa, uma vez que não é possívelseparar/distinguir, numa diversidade de variáveis possíveis, o contributo efectivo da BE, separando-a de outras influências, pelo menos de uma forma directa. Daíque seja aconselhável que não se avaliem os resultados da acção da Biblioteca de uma forma global, mas aplicada a determinadas actividades, serviços ouprogramas concretos. Nesse contexto, de forma que me parece perfeitamente legítima, uma das críticas mais apontadas ao MAABE, é a dificuldade na recolha deevidências demonstrativas do impacto da Biblioteca. .

×