Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Estilos parentais e práticas educativas

4,035 views

Published on

Apresentação sobre a forma de educar os filhos e o comportamento deles no futuro;

Published in: Education
  • Be the first to comment

Estilos parentais e práticas educativas

  1. 1. 1
  2. 2. 2 ESTILOS PARENTAIS E PRÁTICAS EDUCATIVAS: FATORES DE RISCO E FATORES PROTETIVOS Profa. Ms Ludmila de Moura
  3. 3. 3
  4. 4. 4 Psicologia do Desenvolvimento • Relações familiares = área de pesquisa • Temas: –Interação entre pais e filhos • Processos normativos do desenvolvimento • Etiologia de aspectos patológicos do comportamento de crianças e adolescentes
  5. 5. 5 Identificar e descrever • A) As atitudes parentais: – Crenças e valores que servem de base para suas ações; • B) As práticas educativas parentais: – Estratégias específicas utilizadas em diferentes contextos; • C) Os estilos parentais: – Conjunto de atitudes, práticas e expressões que caracterizam a natureza das interações pais-filhos nas diversas situações.
  6. 6. 6 Estudos • Comportamento anti-social, o distúrbio de conduta e a delinquência = mesma variável • Não surgem repentinamente na adolescência • São precedidos por comportamentos anti- sociais na infância e tendem a permanecer na idade adulta.
  7. 7. 7 Manifestação destes comportamentos • Altera-se ao longo do desenvolvimento • Por exemplo: – Criança anti-social – problemas na escola – Adolescente – roubos – Adulto – agressivo com o cônjuge e negligente com os filhos • Estas alterações → mudanças tanto em nível individual (amadurecimento) como em nível ambiental (oportunidades)
  8. 8. 8 Estudos • Correlação estreita entre as características dos pais ou familiares e/ou dinâmica familiar e o posterior desenvolvimento de diversos tipos de distúrbios de comportamento.
  9. 9. 9
  10. 10. 10 FATORES DE RISCO E FATORES PROTETIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE PROBLEMAS DE COMPORTAMENTO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  11. 11. 11 Vulnerabilidade Situações adversas ↓ ↓ ↓ diferentes respostas → adaptativas ↓ outras de maiores riscos O tipo de resposta do indivíduo depende da sua vulnerabilidade.
  12. 12. 12 Vulnerabilidade • Predisposição para o desenvolvimento de disfunções psicológicas ou de respostas pouco adequadas à ocasião. • Refere-se a uma variável individual. • Opera sómente quando um risco está presente. • Risco – envolve o ambiente em que o indivíduo está inserido.
  13. 13. 13 Fatores de Risco • Condições que estão associadas a uma alta probabilidade de ocorrência de resultados negativos ou indesejáveis. • Incluem comportamentos que podem comprometer a saúde, o bem-estar ou o desempenho social do indivíduo. – Ex: criança em situação de risco = com desenvolvimento fora de sua faixa etária e de sua cultura.
  14. 14. 14 Fatores de Risco • Características individuais: – Sexo, variáveis demográficas, habilidades sociais e intelectuais, história genética e aspectos psicológicos; • Características ambientais: – Eventos estressantes de vida, área residencial, apoio social, características familiares e culturais.
  15. 15. 15 Eventos estressantes • Quaisquer mudanças no ambiente que normalmente induzem a um alto grau de tensão e interferem nos padrões normais de resposta do indivíduo.
  16. 16. 16 Fator de risco • Para o desenvolvimento psicológico e social: – Baixo nível sócio-econômico Para famílias pobres: – Baixa remuneração parental, – Baixa escolaridade, – Famílias numerosas, – Ausência de um dos pais.
  17. 17. 17 Fator de risco • Para problemas de comportamento, como delinquência ou distúrbio anti-social: – Práticas parentais exercidas na família, – Problemas de comportamento na infância, – Comportamento anti-social em algum membro da família, – Abandono ou pouco envolvimento escolar.
  18. 18. 18 Fatores de risco • Para problemas de comportamento, como delinquência ou distúrbio anti-social → • Variáveis familiares: – Negligência parental, – Padrões parentais inadequados de cuidado e supervisão, – Modelos inapropriados de responsabilidade social e desempenho acadêmico
  19. 19. 19 Fatores protetivos • São influências que modificam, melhoram ou alteram a resposta dos indivíduos a ambientes hostis (que predispõem a consequências mal adaptativas). • São condições ou variáveis que diminuem a probabilidade do indivíduo desenvolver problemas.
  20. 20. 20 Fatores protetivos • São a contra parte positiva dos fatores de risco. • Incluem características individuais e ambientais.
  21. 21. 21 Fatores protetivos • Três categorias: • 1) atributos disposicionais da criança – Atividades, dificuldades, autonomia, orientação social positiva, auto-estima e preferências; 2) características familiares - coesão, práticas efetivas, bom funcionamento familiar, vínculo afetivo, apoio e monitoramento parental; 3) apoio individual e/ou institucional - para a criança e para a família.
  22. 22. 22 Família • Fator protetivo e fator de risco. • É o grupo social básico do indivíduo. • Relações entre pais e filhos = enorme complexidade.
  23. 23. 23 Família • Responsável pela socialização da criança: • adquirem comportamentos, habilidades e valores apropriados e desejáveis em sua cultura; • internalização de normas e regras → desempenho social mais adaptado e a aquisição de autonomia;
  24. 24. 24
  25. 25. 25 AS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS
  26. 26. 26
  27. 27. 27 Definição e Perspectivas Históricas • Práticas educativas parentais – influências filosóficas e socioeconômicas. • Filosofia: • “natureza pecaminosa” X “natureza virtuosa”
  28. 28. 28 “Natureza pecaminosa” • Hobbes – teologia judaico-cristã. • Salvação da alma da criança, por Deus, com auxílio dos pais; • Pais = inibir os desejos das crianças, utilizando sua autoridade, para preservar a ordem definida pela religião e pela tradição cultural.
  29. 29. 29 “Natureza virtuosa” • Rosseau • O melhor é permitir à natureza seguir seu curso; • A intervenção no desenvolvimento da criança poderia degenerá-la; • Educadores = não darem nenhuma ordem às crianças, mas deixarem que aprendessem com sua própria experiência.
  30. 30. 30 Influências sócio-econômicas • Séc. XVIII – altas taxas de mortalidade infantil: –preocupação dos pais se iriam ou não criar seus filhos e não como criá-los; –como criar um filho, para que tivesse uma vida longa; –Evitavam estabelecer uma ligação afetiva próxima e profunda com o filho.
  31. 31. 31 Séc. XVIII e XIX • Ética da Revolução Industrial: • desenvolver –o comportamento moral, –a integridade, –a honestidade, –o espírito trabalhador e –a cortesia no indivíduo.
  32. 32. 32 Início do Séc. XX • Criação infantil – opinião e supervisão médica: • Objetivo de redução dos índices de mortalidade – atenção à higiene e à prevenção de doenças. • Paralelo entre higiene física e higiene mental = estabelecimento de hábitos regulares.
  33. 33. 33 Séc. XX • Valorização de outras necessidades da criança, além da sobrevivência: –Necessidades psicológicas, como atenção e amor; –Os pais precisaram modificar suas atitudes e exigências em relação aos filhos; –respeitar os direitos das crianças → postura excessivamente permissiva
  34. 34. 34
  35. 35. 35 Classificação das Práticas Educativas Parentais e seus Efeitos sobre o Desenvolvimento • Hoffman (1975, 1979): • Técnicas coercitivas = aplicação ou a ameaça de uso direto de força, punição física e privação de privilégios; • Técnicas indutivas = uso da explicação; descrição de regras ou das consequências físicas e emocionais do comportamento, para as outras pessoas.
  36. 36. 36
  37. 37. 37 Técnicas coercitivas • Objetiva forçar a criança a comportar-se de forma apropriada. • Forma = Verbalmente, por ordens e comandos e fisicamente (punição física).
  38. 38. 38
  39. 39. 39 Técnicas coercitivas • A criança recebe informação e treino, sendo pressionada a alterar seu comportamento inadequado.
  40. 40. 40
  41. 41. 41 Punição • Ponto de vista cognitivo: sanções externas permitem que a criança avalie seu comportamento. • Processo de condicionamento – inibe certos comportamentos → gera ansiedade, medo e hostilidade.
  42. 42. 42
  43. 43. 43 Punição • Ansiedade – dificuldade de perceber “por que está sendo punida” e qual a forma adequada de se comportar. • Os efeitos da punição – limitados ao tempo, ao lugar e ao agente punidor.
  44. 44. 44
  45. 45. 45 Grusec e Kuczynski, 1980 • Pesquisa: • 100% mães – técnicas coercitivas (retirar privilégios, forçar comportamento adequado) • 70% - brigar, bater e gritar em algumas situações
  46. 46. 46
  47. 47. 47 “Punição psicológica” • Privação de privilégios e de afeto. • Privação de afeto = ameaça de rompimento de um forte laço emocional entre os pais e a criança • Gera insegurança e ansiedade.
  48. 48. 48
  49. 49. 49 Privação de afeto Formas de expressão: • Desaprovação; • Indiferença; • Isolamento da criança; • Privação condicionada de amor – “Eu não gosto de v. quando v. faz isso!” • Ameaça da perda permanente de amor – “Eu vou embora …”
  50. 50. 50
  51. 51. 51 TÉCNICAS INDUTIVAS
  52. 52. 52
  53. 53. 53 Técnicas indutivas • Termo “indução” – Hoffman (1975, 1979, 1994) = uso da explicação; • Modificar o comportamento por meio da descrição de regras ou das consequências físicas e emocionais do comportamento, para as outras pessoas.
  54. 54. 54
  55. 55. 55 Processo de socialização • Pais – estratégias disciplinares → desejam que a criança se desenvolva e se torne: –independente de sanções externas, –socialmente responsável, –capaz de regular seu próprio comportamento, –internalize as normas sociais – sistema de valores.
  56. 56. 56
  57. 57. 57 Indução • Facilita a internalização de normas morais e sociais. • Direciona a atenção da criança para as consequências de seu comportamento sobre as outras pessoas (mais do que para a punição em si mesma) e para as exigências lógicas da situação.
  58. 58. 58 Técnicas indutivas • Influenciam mais efetivamente crianças e adolescentes – internalização de valores dos pais (do que métodos coercitivos). • Controle parental firme na infância → necessidade de poucas regras na adolescência.
  59. 59. 59 Crianças pré-escolares • Explicações complexas são pouco efetivas (confundem a criança, não facilitam a obediência, nem o comportamento pró-social). • Explicar brevemente as regras; • Providenciar uma consequência firme para o comportamento inadequado.
  60. 60. 60 Comportamento típico • Disciplina indutiva = Independência de sanções externas, capacidade de empatia e de sentir culpa. • Disciplina coercitiva = Medo do castigo externo e de punição.
  61. 61. 61
  62. 62. 62 Práticas educativas inconsistentes • Inconsistências dos pais: • Um mesmo comportamento ora é punido, ora é recompensado, sem razão. • Um pai recompensa, outro pai pune, o mesmo comportamento.
  63. 63. 63 Práticas educativas inconsistentes • Não fica claro quais padrões de comportamento são esperados e adequados → maior risco de desenvolver distúrbio de conduta e comportamento delinquente.
  64. 64. 64
  65. 65. 65 Amor - Psyche
  66. 66. 66 Afetividade • Afetividade = expressão emocional de amor. • Elemento importante na relação pais- filhos. • Práticas disciplinares efetivas – pais envolvidos emocionalmente com os filhos; ofereçam amor e apoio.
  67. 67. 67
  68. 68. 68 Afetividade • Filho – mais receptivo para as técnicas disciplinares; segue o exemplo dos pais; sente-se emocionalmente seguro; é empático com os outros. • Facilita o desenvolvimento da consciência e a internalização de normas sociais.
  69. 69. 69
  70. 70. 70 Afetividade • Não quer dizer aprovação incondicional. • Falta de afetividade ou rejeição parental: – desajustamento social da criança; – agressividade ou delinquência (quando combinada com punição severa)
  71. 71. 71
  72. 72. 72
  73. 73. 73 DETERMINANTES DAS PRÁTICAS PARENTAIS
  74. 74. 74 • São as práticas parentais que produzem o comportamento da criança ou é o comportamento da criança que determina a prática de socialização utilizada pelos pais?
  75. 75. 75
  76. 76. 76 Determinantes das Práticas Parentais • Modelo de influência recíproca é mais aceito • Hoffman (1994): – as técnicas disciplinares antecedem o comportamento da criança; – Os pais possuem maior poder sobre estas; – a criança deve se ajustar aos pais;
  77. 77. 77
  78. 78. 78 Sistema de crenças dos pais • Atribuição dos pais para o comportamento dos filhos: – acreditar que não são completamente competentes ou responsáveis – técnicas indutivas; – acreditar que a criança previu e causou intencionalmente – técnicas coercitivas.
  79. 79. 79 Escolha da técnica educativa • Depende da percepção de culpa da criança sobre as consequências de seu comportamento. • Características dos pais, como educação e valores pessoais, afetam seus padrões disciplinares.
  80. 80. 80 ESTILOS PARENTAIS
  81. 81. 81 Definição e Classificação dos Estilos • Dois parâmetros de diferenciação dos estilos – responsividade e exigência
  82. 82. 82 Responsividade • Sincronicidade do comportamento de filhos e cuidadores. • Características: – Reciprocidade, – Comunicação, – Afetividade, – Apoio, – Reconhecimento e respeito à individualidade do filho.
  83. 83. 83 Exigência • Disponibilidade dos pais para agirem como agentes socializadores: – Supervisão, – Monitoramento do comportamento dos filhos, – Estabelecimento de expectativas de desempenho, – Cobrança, – Disciplina consistente.
  84. 84. 84 4 Estilos parentais • Autoritátio • Indulgente • Negligente • Autoritativo
  85. 85. 85 Pais autoritários • Alta exigibilidade e baixa aquiescência; • Rígidos, impõem valores, regras e punições – respeito às tradições; • Relação unilateral – obediência à hierarquia e conformismo;
  86. 86. 86 Pais indulgentes • Alto nível de responsividade e baixo nível de exigência; • Tolerantes e afetivos, complacentes; • Dificuldades em impor limites;
  87. 87. 87 Pais negligentes • Baixo nível de exigência e responsividade; • Pouco interesse em dar apoio emocional aos filhos; não demonstram afetos; • Não se interessam pelas atividades e sentimentos dos filhos;
  88. 88. 88 Pais autoritativos • Alto grau de responsividade e de exigência; • Interação – conselhos, regras e normas; • Controle afetivo e protetivo; • Encorajamento da liberdade e da autonomia; abertura ao diálogo; • Reconhecem os interesses individuais da criança, suas qualidades e competências;
  89. 89. 89
  90. 90. 90 IMPLICAÇÕES DOS ESTILOS PARENTAIS SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  91. 91. 91 Pais autoritários • Filhos – limite na capacidade de auto- regulação : → alta competência acadêmica e baixos índices de problemas de comportamento ; → baixa auto-estima e auto-eficácia.
  92. 92. 92 Pais indulgentes • Filhos: • autonomia e boa auto-estima • problemas de externalização (hiperatividade, agressividade, abuso de substâncias ilícitas e delinquência)
  93. 93. 93 Pais negligentes • Filhos: • comprometimento do desenvolvimento psicológico → prejuízo na competência social e acadêmica; → depressão, ansiedade, somatizações e problemas de externalização.
  94. 94. 94 Pais autoritativos • Filhos = adaptação psicológica sadia: – Maiores níveis de auto-estima; – Autoconfiança; – Autoconceito positivo; – Competência social; – Melhor rendimento escolar; – baixo índice de depressão, ansiedade, delinquência e abuso de drogas.
  95. 95. 95
  96. 96. 96 Fatores que influenciam os Estilos Parentais
  97. 97. 97 Nível sócio-econômico (NSE) • NSE baixo – mais restritivos e autoritários, usam mais da força; • NSE alto – mais permissivos ou autoritativos; • Diferenças mais pronunciadas em relação aos filhos homens do que às filhas.
  98. 98. 98 Escolaridade dos pais Baixa escolaridade: • Estilo mais autoritário; • Poucos recursos pessoais dos pais para lidarem com o comportamento dos filhos; • Repetem modelos autoritários de seus pais (?).
  99. 99. 99 Influência dos pais • Mais importantes para os adolescentes de NSE mais alto do que para os de NSE baixo; • Classe média – menor número de filhos – maior proximidade entre os membros; • Atualmente - cultura de maior dependência dos filhos.
  100. 100. 100 Tipo de filiação • Visão dos adolescentes: • Biológica – estilo parental negligente • Adotiva – estilo mais indulgente e autoritativo –Alto investimento afetivo; compensarem estresses anteriores da criança; insegurança pela valorização da consanguinidade
  101. 101. 101 Idade dos filhos • Quanto mais velhos, percebiam os pais mais como autoritativos, menos permissivos e autoritários • Hipótese: diferenças na criação de acordo com a ordem de nascimento e a idade?
  102. 102. 102 Gênero da criança e dos pais • Os jovens descrevem: • Mãe – responsividade, compreensão e aceitação • Pai – julgador, menos disponível à discussão de sentimentos, dúvidas e problemas
  103. 103. 103 Gênero da criança Os pais tendem a ser : • mais autoritários ou negligentes com os meninos; • Mais autoritativos ou indulgentes com as meninas.
  104. 104. 104 Estilo parental Visão dos pais e dos filhos: • Filhos – visão mais negativa das atitudes parentais; • Quanto maior a discrepância na visão sobre o funcionamento familiar, menor é o bem-estar psicológico dos adolescentes, ao longo do tempo. • Discrepâncias são maiores em períodos de mudança – adolescência.
  105. 105. 105
  106. 106. 106 •www.psicologiainsite.com.br
  107. 107. Referências • HUTZ, C.S. (org.) Situações de Risco e Vulnerabilidade na Infância e na Adolescência – aspectos teóricos e estratégias de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. 107

×