Diabetes mellitus

1,744 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,744
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diabetes mellitus

  1. 1. 11:30 1
  2. 2. Símbolo das Nações Unidas para a diabetes mellitus11:30 2
  3. 3. 1. Visão Geral11:30 3
  4. 4. 1.1 O que é Diabetes? O Diabetes é uma síndrome metabólica de origem múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos. A insulina é produzida pelo pâncreas e é responsável pela manutenção do metabolismo da glicose. A falta desse hormônio provoca déficit na metabolização da glicose e, consequentemente, diabetes. Caracteriza-se por altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) de forma permanente.11:30 4
  5. 5. 1.1 O que é Diabetes? Isto é, um distúrbio metabólico causado pela falta relativa ou absoluta de insulina no organismo. Essa insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas e tem a função de facilitar a absorção da glicose pelo organismo. Por isso, quando ela é produzida em quantidade insuficiente ou atua de forma inadequada, a glicose deixa de ser absorvida pelas células e acumula-se no sangue.11:30 5
  6. 6. 1.1 O que é Diabetes? A Diabetes é uma doença crônica, ou seja, uma doença que não tem cura. Mas assim como qualquer doença crônica existe um controle. O paciente Diabético pode conviver muito bem com a doença se fizer um tratamento adequado. A taxa normal de glicose no organismo deve variar entre 70 a 100mg por 100mL de sangue.11:30 6
  7. 7. 1.2 Tipos Tipo 1: Causado pela destruição das células produtoras de insulina, em decorrência de defeito do sistema imunológico em que os anticorpos atacam as células que produzem esse hormônio. Ocorre em cerca de 5 a 10% dos pacientes com diabetes. Tipo 2: Resulta da resistência à insulina e de deficiência na secreção de insulina. Ocorre em cerca de 90% dos pacientes com diabetes.11:30 7
  8. 8. Infecções Virais Infecções virais podem desencadear respostas auto-imunes que resultam no Diabetes Mellitus tipo 111:30 8
  9. 9. 1.2 Tipos O segundo tipo, a maior incidência é por fatores hereditários e acomete mais os indivíduos na fase adulta, normalmente está associada a obesidade e a idosos. Porém, neste caso, a produção de insulina é normal, mas os tecidos do corpo se tornam resistentes à sua ação, o que acaba impedindo a absorção da glicose pelo organismo e gerando o aumento da taxa de açúcar na corrente sanguínea.11:30 9
  10. 10. Diabetes Gestacional É a diminuição da tolerância à glicose, diagnosticada pela primeira vez na gestação, podendo - ou não - persistir após o parto. Sua causa exata ainda não é conhecida.11:30 10
  11. 11. Diabetes gestacional O aumento da produção de hormônios, principalmente do lactogênio placentário, pode prejudicar a ação da insulina materna.11:30 11
  12. 12. Outros tipos São decorrentes de defeitos genéticos associados a outras doenças ou ao uso de medicamentos. Podem ser: defeitos genéticos da função da célula beta (β); defeitos genéticos na ação da insulina; doenças do pâncreas exócrino (pancreatite, neoplasia, hemocromatose, fibrose cística etc.); defeitos induzidos por drogas ou produtos químicos (diuréticos, corticoides, betabloqueadores, contraceptivos etc.).11:30 12
  13. 13. Resumo Tipos de Diabetes A Diabetes tipo 1 é aquela que a pessoa descobre a doença nos primeiros anos de vida. É necessário aplicar a insulina como tratamento medicamentoso. A Diabetes tipo 2 é desenvolvida ao longo da vida devido fatores genéticos e hábito de vida como a alimentação inadequada. A Diabetes gestacional é desenvolvida durante a gestação e muitas vezes após o parto ela deixa de existir. A gestante que teve Diabetes Gestacional tem uma chance maior de desenvolver a Diabetes tipo 2 ao longo da vida. Encontramos também a pré-Diabetes. São aquelas pessoas que estão apresentando uma resistência ao funcionamento da insulina, hormônio que coloca o açúcar no sangue para ser utilizado, mas que ainda não foram diagnosticadas com a doença.11:30 13
  14. 14. 2. Sintomas11:30 14
  15. 15. 2.1 Sintomas de Diabetes Principais sintomas do diabetes tipo 1:  Vontade de urinar diversas vezes  Fome frequente  Sede constante  Perda de peso  Fraqueza  Fadiga  Nervosismo  Mudanças de humor  Náuseas e vômito11:30 15
  16. 16. Sintomas de Diabetes11:30 16
  17. 17. Sede Aumento da sede é um dos sintomas de hiperglicemia.11:30 17
  18. 18. 2.1 Sintomas de Diabetes Principais sintomas do diabetes tipo 2:  Infecções frequentes  Alteração visual (visão embaçada)  Dificuldade na cicatrização de feridas  Formigamento nos pés e furúnculos.11:30 18
  19. 19. Diagnóstico O diagnóstico do diabetes normalmente é feito com base na verificação das alterações da glicose no sangue em jejum e após ingestão de grandes doses de açúcar em dois dias diferentes.11:30 19
  20. 20. Diagnóstico Para realizar o teste confirmatório do Diabetes o paciente deve permanecer em jejum 8h (é permitido beber água) antes da primeira coleta de sangue. Em seguida deve-se ingerir 75g de glicose anidra (ou 82,5g de glicose monoidratada), dissolvidas em 250-300ml de água, em no máximo 5 minutos. Uma nova coleta de sangue é feita 2 horas após a ingestão de glicose. Durante a espera o paciente não pode fumar e deve permanecer em repouso.11:30 20
  21. 21. 3. Tratamento e Cuidados11:30 21
  22. 22. 3.1 Tratamento de Diabetes O tratamento correto do diabetes significa manter uma vida saudável, evitando diversas complicações que surgem em consequência do mau controle da glicemia.11:30 22
  23. 23. Alimentação para Diabéticos  Retirar totalmente o açúcar, mel, açúcar mascavo, açúcar cristal, açúcar orgânico e todas as preparações que vão esses ingredientes (doces e sobremesas)  Não misturar e nem repetir os carboidratos na mesma refeição. Ex: arroz, batata, mandioca, mandioquinha, macarrão, pão, aveia, granola.  Prefira o carboidrato integral. Ex: pão integral, macarrão integral, aveia, granola. A fibra presente nesse alimento ajuda a liberar o açúcar no sangue aos poucos e controlar a sobra de açúcar no sangue.11:30 23
  24. 24. Alimentação Carnes, ovos e laticínios devem ser consumidos com moderação, pois possuem proteínas que, em excesso, também alteram a glicemia e sobrecarregam os rins, além de possuírem muita gorduras saturadas e colesterol ruim.11:30 24
  25. 25. Alimentação para Diabéticos  Consumir em torno de 3 frutas por dia, mas deve ser fracionado, ou seja, uma de cada vez a cada 3 horas. De preferência, consuma a casca junto.  Não tomar suco de frutas concentrados. Somente 1 fruta por copo.  Os vegetais são importantíssimos na alimentação. As folhas podem ser consumidas à vontade. Em relação aos legumes cuidado com a beterraba. Nunca tome suco de beterraba. Consuma a beterraba junto com a refeição em pequena quantidade (em torno de 2 fatias finas ou 1 colher de sopa da beterraba ralada junto do almoço e jantar).11:30 25
  26. 26. Alimentação Deve-se consultar um nutricionista para organizar a dieta melhor recomendada para seu caso.11:30 26
  27. 27. Alimentação para Diabéticos  É preciso entender a diferença entre light e diet. Uma alimento classificado como light diz que esse alimento tem redução de pelo menos 25 % de um dos componentes. O diet significa que o alimento tem ausência total de um nutriente. No caso dos Diabéticos o termo correto é o diet, por ter ausência total de açúcar. Se for comprar algum alimento light precisa conferir nos ingredientes descritos no rótulo, se na composição tem açúcar ou não.  Os doces diet são boas opções para saciar a vontade de doces. Mas cuidado com a quantidade. Muitas vezes esses alimentos são mais gordurosos do que as versões normais.11:30 27
  28. 28. Alimentação para Diabéticos  Não abuse das quantidades de adoçante. A recomendação é de 3 a 5 gotas por copo ou 1 sachê por copo. Dê preferência para os adoçantes naturais (steviosídeo ou sucralose).  O mais importante de tudo é a aceitação da doença. Do momento que o Diabético aceita que o açúcar não poderá mais ser consumido, ele ficará aberto a começar a gostar das versões diet. A resistência no tratamento é o que mais dificulta. É lógico que o sabor do diet não é igual ao alimento normal, mas é possível consumir alimentos diets que são gostosos também.11:30 28
  29. 29. Açúcar Ao contrário dos outros tipos de açúcares, o betaglucano, retirado do capim natal rosa, pode diminuir a quantidade de glicose da corrente sangüínea.11:30 29
  30. 30. 4. CONVIVENDO (PROGNÓSTICO)11:30 30
  31. 31. 4.1 Complicações Possíveis O prolongamento da hiperglicemia (altas taxas de açúcar no sangue) pode causar sérios danos à saúde:  Retinopatia diabética: lesões que aparecem na retina do olho, podendo causar pequenos sangramentos e, como consequência, a perda da acuidade visual.  Nefropatia diabética: alterações nos vasos sanguíneos dos rins que fazem com que ocorra uma perda de proteína pela urina. O órgão pode reduzir a sua função lentamente, mas de forma progressiva até a sua paralisação total.11:30 31
  32. 32. 4.1 Complicações Possíveis  Neuropatia diabética: os nervos ficam incapazes de emitir e receber as mensagens do cérebro, provocando sintomas, como formigamento, dormência ou queimação das pernas, pés e mãos.  Dores locais e desequilíbrio.  Enfraquecimento muscular.  Traumatismo dos pêlos.  Pressão baixa.  Distúrbios digestivos.11:30 32
  33. 33. 4.1 Complicações Possíveis  Excesso de transpiração e impotência.  Pé diabético: ocorre quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve uma úlcera (ferida). Seu aparecimento pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e os níveis de glicemia são mal controlados. Qualquer ferimento nos pés deve ser tratado rapidamente para evitar complicações que podem levar à amputação do membro afetado.11:30 33
  34. 34. Pé diabético Caso não limpe, cuide bem e esteja atento para ferimentos nos pés, os danos podem levar a necessidade de amputação.11:30 34
  35. 35. 4.1 Complicações Possíveis  Infarto do miocárdio e acidente vascular: ocorrem quando os grandes vasos sanguíneos são afetados, levando à obstrução (arteriosclerose) de órgãos vitais como o coração e o cérebro. O bom controle da glicose, a atividade física e os medicamentos que possam combater a pressão alta, o aumento do colesterol e a suspensão do tabagismo são medidas imprescindíveis de segurança. A incidência desse problema é de duas a quatro vezes maior em pessoas com diabetes.11:30 35
  36. 36. Arteriosclerose11:30 36
  37. 37. 4.1 Complicações Possíveis  Infecções: o excesso de glicose pode causar danos ao sistema imunológico, aumentando o risco da pessoa com diabetes contrair algum tipo de infecção. Isso ocorre porque os glóbulos brancos (responsáveis pelo combate a vírus, bactérias etc.) ficam menos eficazes com a hiperglicemia. O alto índice de açúcar no sangue é propício para que fungos e bactérias se proliferem em áreas como boca e gengiva, pulmões, pele, pés, genitais e local de incisão cirúrgica.11:30 37
  38. 38. 4.2 Convivendo/ Prognóstico Pacientes com diabetes devem ser orientados a:  Realizar exame diário dos pés para evitar o aparecimento de lesões.  Manter uma alimentação saudável.  Utilizar os medicamentos prescritos.  Praticar atividades físicas.  Manter um bom controle da glicemia, seguindo corretamente as orientações médicas.11:30 38
  39. 39. É possível monitorar o controle de glicemia em casa, por meio do teste de “ponta de dedo”11:30 39
  40. 40. Exercício Físico Exercícios físicos ajudam na prevenção de complicações tanto do tipo 1 quando do tipo 2 de diabetes ao manter sobre controle os níveis de glicemia.11:30 40
  41. 41. Obrigado!11:30 41

×