Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Hipertextos

908 views

Published on

Material de apoio a aula de Narrativas Hipertextuais, especialização em jornalismo digital (PUCRS, 2016)

Published in: Education
  • Login to see the comments

Hipertextos

  1. 1. hipertextos Narrativas Hipertextuais, PUCRS 2016
  2. 2. Hieroglifo, I ching, : pré-pré-pré hipertexto. Não-linearidade. Memex. Hipertexto. Hipermídia. Linguagem digital: características. Base de dados como forma cultural. Entender a mídia, entender os computadores. Materialidades: os objetos importam. Software.(“Software takes command”)
  3. 3. Na ficção: o poder das artes de antecipar os futuros Conto " O jardim dos caminhos que se bifurcam" ( O jardim de veredas que se bifurcam), (1941), Jorge Luis Borges, presente em “Ficções” (dá nome a primeira parte, é o último conto dessa parte). “Não conjecturei outro processo senão o de um volume cíclico, circular. Um volume cuja última página fosse idêntica à primeira, com possibilidade de continuar indefinidamente.” (Borges, 1941, p.105) O Jogo de Amarelinha, Júlio Cortazar (1963) Se numa noite de inverno um viajante… (1981), Italo Calvino Role Playing Games (RPGs) …. Mais em: http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/1999_palacios_hipertexto_naolinearidade.pdf
  4. 4. “As we may think”: Bush e o memex (1945) “A soma das informações aumenta em um ritmo prodigioso, e não encontra eco em relação à evolução dos meios de armazenamento e acesso aos dados. A mente humana associa, não usa índices”. Vannevar Bush (1890-1974) pensa no memex como um dispositivo em que associações podem ser feitas à mesma palavra ou ideia. Não foi construído, só imaginado. Mas inspirou Ted Nelson (1937-) e o Xanadú (1960: “toda a produção do mundo num único sistema de documentos; precursor da ideia da world wide web). Inventor do termo “hipertex”:escrita não sequencial. Douglas Engelbert (pioneiro no desenho gráfico do hipertexto, 1968), Andries van Dam, entre outros pioneiros no hipertexto.
  5. 5. No campo das ideias Foucault, Derrida e outros (em especial na linguística) já pensavam no texto enquanto multilinear, nós, nexos, redes em vez de centralizado, hierárquico, linear Barthes, S/Z (1970): texto “ideal” ; lexia: blocos de significação, unidades de leitura que contém vários significados. Leitura implica escritura - interação. “En este texto ideal, abundan las redes (réseaux) que actúan entre sí sin que ninguna pueda imponerse a las demás; este texto es una galaxia de significantes y no una estructura de significados; no tiene principio, pero sí diversas vías de acceso, sin que ninguna de ellas pueda calificarse de principal; los códigos que moviliza se extienden hasta donde alcance la vista”. (In Landow, 1992, p.15)
  6. 6. Hiper(mídia) como conhecemos hoje Michael Joyce, “Afternoon, a story” (1987, publicado em disquete em 1990) https://www.youtube.com/watch?v=djIrHF8S6-Q Mais em: http://www.eastgate.com/catalog/Afternoon.html
  7. 7. Lev Manovich e a “nova mídia”
  8. 8. O que mudou? 1) Representação numérica: todo elemento pode ser representado por números e por funções matemáticas, e desta forma pode ser manipulado; 2) Modularidade: todos os elementos se integram, porém sem perder sua individualidade, podendo ser acessados de forma independente dos outros elementos; 3) Automação: parte da ação humana pode ser substituída por processos automatizados através de rotinas desempenhadas pelo computador; 4) Variabilidade: um mesmo elemento pode existir de várias formas. 5) Transcodificação: tudo pode ser transformado e convertido em outro formato. Mais: http://baixacultura.org/manovich-e-a-nova-midia/, “The Language of New Media”.
  9. 9. Base de dados como forma cultural Arquivos relacionados entre si, coleções organizadas de dados que se relacionam de forma a criar algum sentido. RUPTURA: A narrativa (fora da base de dados) é construída por uma sucessão de causas e conseqüências encadeadas. Nas bases de dados os elementos não são ordenados, todos os registros tem sua relevância e podem ser vistos de forma independente. Multilinear, descentralizado. Mais: “The Language of New Media”, MANOVICH, 2001 - (2006 edição em espanhol);
  10. 10. “Software no comando” “A escola e o hospital, a base militar e o laboratório científico, o aeroporto e a cidade – todos os sistemas sociais, econômicos e culturais da sociedade moderna – são acionados via software. O software é a cola invisível que une tudo e todos.” Software Studies. “Seguir as pessoas enquanto eles navegam por um site e analisar os caminhos pelos quais andam, em vez de apenas analisar o conteúdo do site”. Entender a mídia, entender os computadores (e o software). Softwares como produto principal: música, game, livro, e… jornalismo? Mais em: : http://baixacultura.org/software-como-musica-poesia-jornalismo/ e “Softwares Takes Command”, Manovich (2013).
  11. 11. Mas não só ele A partir da digitalização e da internet, estamos nos dando conta de que, na verdade, não é só o software que “importa”, mas todos os objetos técnicos. A tecnologia não é neutra. Virada “não humana” nas pesquisas em comunicação. Virada “ontológica” nas ciências humanas. Teoria Ator-rede (Bruno Latour, John Law, Michel Callon, Annemarie Mol, Madeleine Akrich, entre outros) “Múltiplas realidades, múltiplas narrativas”.
  12. 12. gracias! http://leofoletto.info leofoletto@gmail.com - @leofoletto http://baixacultura.org info@baixacultura.org - @baixacultura

×