Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doenças causadas por protozoários (protozooses) 3º ANO

1,512 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Doenças causadas por protozoários (protozooses) 3º ANO

  1. 1. Professores: Frederico Martins e Quitéria Paravidino - 2015
  2. 2. PARASITAS MONOXENOS:  Passam por um único tipo de hospedeiro. PARASITAS HETEROXENOS:  Passam por dois tipos de hospedeiro: •Hospedeiro intermediário: no qual o parasita se reproduz de maneira assexuada; •Hospedeiro definitivo: no qual o parasita se reproduz de maneira sexuada.
  3. 3.  Agente etiológico: Entamoeba histolytica (sarcodíneo).  Hospedeiro definitivo: ser humano.  Duas formas: trofozoíto (forma ativa) e cisto (forma de resistência).  Locais parasitados: intestino grosso e, às vezes, pulmões, cérebro e fígado.
  4. 4. Transmissão
  5. 5.  Agentes etiológicos (apicomplexos):  Plasmodium vivax: acessos febris de 48 em 48 horas (febre terçã benigna – ocorre de 3 em 3 dias).  Plasmodium malariae: acessos febris de 72 em 72 horas (febre quartã benigna – ocorre de 4 em 4 dias).  Plasmodium falciparum: acessos febris irregulares, de 36 a 48 horas (febre terçã maligna, pois as hemácias parasitadas aglutinam-se e provocam a obstrução de vasos sanguíneos, podendo levar o indivíduo à morte).
  6. 6.  Vetor: mosquitos fêmeas do gênero Anopheles (mosquito prego) Anopheles albitarsis Anopheles darlingi
  7. 7. Hospedeiro definitivoHospedeiro intermediário
  8. 8. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium vivax: Febre terça benigna 0 48 96
  9. 9. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium falciparum: Febre terçã maligna 0 48 96 41
  10. 10. Tempo (horas) Temperatura (ºC) 37 38 39 Plasmodium malarie: Febre quartã benigna 0 72 144
  11. 11.  Agente etiológico : Trypanosoma cruzi  Protozoário flagelado com membrana ondulante.  Não apresenta reprodução sexuada.
  12. 12.  HOSPEDEIROS VERTEBRADOS  Homem, gambás, morcegos, roedores, tatus, tamanduás, macacos, aves domésticas, cães,...  HOSPEDEIROS INVERTEBRADOS (VETORES)  Triatoma infestans,  Triatoma brasiliensis,  Panstrogylus megistus,  Rhodnius prolixus,... (popularmente chamados de barbeiros ou chupanças)
  13. 13. Triatoma brasiliensis Triatoma infestans Rhodnius prolixus
  14. 14. Sinais de porta de entrada
  15. 15.  Febre, edema localizado, hepatomegalia, esplenomegalia e, às vezes, insuficiência cardíaca e perturbações neurológicas.  Miocardite aguda e meningoencefalite, que causam mortalidade. Sintomas da fase aguda
  16. 16.  Duração média: 20 a 40 anos.  Forma indeterminada: não há sintomas ou apresenta cardite discreta.  Forma Cardíaca: epicardite, miocardite, endocardite, cardiomegalia e insuficiência cardíaca. Fase crônica  Forma Digestiva: hipersalivação e hiperssecreção péptica, alterações no peristaltismo e absorção excessiva de glicose.  Megaesôfago e megacólon.
  17. 17.  Pelo vetor (barbeiro): a infecção ocorre pela penetração de T.cruzi eliminados nas fezes ou urina, durante o repasto sanguíneo.  Transfusão sanguínea.  Congênita: de mãe para filho através da placenta.  Oral: amamentação (fase aguda), alimentos contaminados com fezes ou urina de barbeiros  Transplante Transmissão
  18. 18.  Melhoria das habitações rurais;  Combate ao barbeiro no interior dos domicílios e no peridomicílio;  Controle do doador de sangue e de órgãos;  Controle de transmissão congênita.  NÃO HÁ VACINA.  Tratamento pode ser eficaz no início da doença.
  19. 19.  Agente etiológico; Toxoplasma gondii (apicomplexo).  Hospedeiro definitivo: gato.  Hospedeiros intermediários: mamíferos e aves.
  20. 20.  Pode ser assintomático.  Quadros graves no miocárdio, fígado e músculos.  Lesões na retina que podem evoluir para cegueira.  Após fase aguda pode ficar em estado latente, podendo reapresentar-se espontaneamente ou por queda do nível de imunidade.
  21. 21.  Transmissão de mãe para feto durante a gestação (via placenta).  Pode ocorrer: abortamento, crescimento intra- uterino retardado, morte fetal (morte após 20 semanas de gestação), prematuridade (nascimento antes de 37 semanas);  malformações diversas: microftalmia (olhos pequenos), microencefalia (cabeça pequena), hidrocefalia, retardo mental, hepatoesplenomegalia (aumento com alteração da função do fígado e do baço), lesões de pele e calcificações dentro do cérebro.
  22. 22.  Agente etiológico: Giardia lamblia (flagelado)  Duas formas: cisto e trofozoíto.  Local de parasitismo: intestino delgado.  Sintomas: cólicas e diarreias.
  23. 23.  Agente etiológico: Trichomonas vaginalis (flagelado com membrana ondulante)  Transmissão: relações sexuais, roupas íntimas,...  Desenvolvimento de outras DST.  Sintomas  Mulheres: prurido; corrimento esverdeado, ralo e espumoso; odor fétido.  Homens: queimação na uretra, prurido, corrimento leve ou são assintomáticos.
  24. 24.  Agente etiológico: Leishmania braziliensis (flagelado)  Vetor: fêmea do mosquito do gênero Lutzomyia (Phlebotomus), conhecido popularmente como mosquito-palha.
  25. 25.  Ambiente rural e matas:roedores e raposas.  Ambiente urbano: cães e ser humano. RESERVATÓRIOS SINTOMAS NOS CÃES Emagrecimento Perda de pelos Lesões na pele SINTOMAS NOS HUMANOS Lesões na pele (picada) Ulcerações na face Lesões nasobucofaringeanas
  26. 26.  Agente etiológico:Leishmania chagasi, protozoário flagelado.  Vetor: Lutzomia longipalpis.  Mosquito de tamanho diminuto e de cor clara, que vive em ambientes escuros, úmidos e com acúmulo de lixo orgânico.  Suas fêmeas se alimentam de sangue, preferencialmente ao fim da tarde, para o desenvolvimento de seus ovos. Leishmaniose visceral (calazar)
  27. 27.  Ambiente rural e matas:roedores e raposas.  Ambiente urbano: cães e ser humano. RESERVATÓRIOS SINTOMAS NOS CÃES Emagrecimento Perda de pelos Lesões na pele SINTOMAS NOS HUMANOS Febre de longa duração Fraqueza Emagrecimento e palidez Hepatomegalia e esplenomegalia Problemas na medula óssea (óbito)

×