Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula 03 - Funções psíquicas

23,920 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Aula 03 - Funções psíquicas

  1. 1. LAMPSI Liga Acadêmica de MedicinaPsiquiátrica do Rio Grande do Norte Curso de PsicopatologiaConsciência/ Atenção/ Orientação
  2. 2. A CONSCIÊNCIA E SUAS ALTERAÇÕES
  3. 3. DEFINIÇÕES BÁSICAS• Conceito: conhecimento compartilhado com outro ou conhecimento compartilhado consigo mesmo.• Husserl (fenomenologia)  consciência como fenômeno ativo, visando ao mundo e produzindo sentido para os objetos que se lhe apresentam. É o dirigir-se a algo de forma ativa e produtiva.
  4. 4. NEUROPSICOLOGIA DA CONSCIÊNCIA ESTÍMULOS INTRÍNSECOS (Proprioceptivos, Viscerais) E EXTRÍNSECOS (Órgãos dos sentidos) Vias ascendentes SRAA (Tronco cerebral e Mesencéfalo  principalmente:porção tegmentar, parte superior da ponte e mesencéfalo) Projeções talâmicas Ativação e manutenção do tônus cerebral nos HEMISFÉRIOS CEREBRAIS Moruzzi e Magoun  estar desperto e agir conscientemente dependem do SRAA
  5. 5. Sistema Reticular Ativador Ascendente• O alerta está relacionado especialmente ao locus ceruleus, localizado no 1/3 superior da ponte, que é a maior fonte de norepinefrina no cérebro.
  6. 6. Sistema Reticular Ativador Ascendente• O sono está relacionado aos núcleos da rafe, localizados na parte inferior da ponte e no bulbo, cujas terminações secretam serotonina.• O ciclo sono-vigília é controlado pelo núcleo supra-quiasmático no hipotálamo posterior.
  7. 7. NEUROPSICOLOGIA DA CONSCIÊNCIA• Outras áreas de importância: - Corticais visuais: visão pré-consciente. - Lobo parietal direito: reconhecimento do próprio corpo, objetos e mundo além da apreensão da “realidade”. - Áreas pré-frontais: organização da ativi- dade mental consciente. - Interações tálamo-corticais: ativação da atividade cortical relativa à consciência.
  8. 8. CAMPO DA CONSCIÊNCIA FOCO MARGEM: Automatismos mentais e estados subliminares
  9. 9. INCONSCIENTE• Eficaz, dinâmico e determinante da vida psíquica. É pilar da psicanálise.• Há dois tipos: VERDADEIRO PRÉ-CONSCIENTEIncapaz de consciência, inacessível à Representações, idéias e sentimentosevocação voluntária. suscetíveis de serem evocados peloSó acessível por técnicas especiais esforço voluntário.(hipnose, psicanálise). Fatos, lembranças e idéias esquecidos sãoRevela-se por subprodutos: sonhos, atos evocáveis voluntariamente a qual-querfalhos, chistes e sintomas neuró-ticos. hora.• Sintomas neuróticos: satisfação indireta ou substitutiva de impulsos recalcados (tendências excluídas da consciência pela autocensura mas que permanecem no inconsciente).
  10. 10. INCONSCIENTE• Características dinâmicas: - Sede de idéias latentes, mas com caráter dinâmico e atuante. - Verificação clínica do caráter dinâmico: # Resistência para chegar ao inconsciente; # Produção renovada de derivados do recalque.
  11. 11. ALTERAÇÕES NORMAIS – O SONO• Dividido em 2 fases básicas: REM e NREM.• Fase REM: - 20-25% do tempo total de sono. - EEG = estágio I NREM. - Instabilidade do SNA simp (FC,FR,TA,FSC,DC). - Ocorrência da maior parte dos sonhos. - 1º período REM: 70-120 min após adormecer (latência REM). - > qtd. no último 1/3 da noite (4 às 7 horas). - Narcolepsia e depressão:  latência REM. - Padrão de movimentos oculares rápidos e conjugados + relaxamento muscular profundo e generalizado.
  12. 12. ALTERAÇÕES NORMAIS – O SONO• Fase Não-REM: - Atividade elétrica cerebral síncrona com elementos próprios(complexos K e ondas lentas). -  atividade do SNA simpático e  relativo da atividade do SNA parassimpático - Estágios: # 1: EEG de baixa voltagem, sono leve e superficial. # 2: EEG c/ aspectos fusiformes e espículas de alta voltagem (complexos K). # 3: EEG lento, c/ondas delta. # 4: + profundo, ondas delta, difícil despertar e caso ocorra, gera confusão. # Sono de ondas lentas: estágios 3 e 4.
  13. 13. ALTERAÇÕES NORMAIS – O SONHO• Sonha-se várias vezes durante a noite mas pouco é lembrado (> 8 min. pós-REM impede a lembrança).• Vivências predominantemente visuais.• Freud: - Fenômeno psicológico rico e revelador de desejos e temores, mesmo que de forma indireta e disfarçada. - Transforma conteúdos latentes em manifestos (sonhos lembrados). - Negociação entre inconsciente e consciente.
  14. 14. ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS• Consiste no rebaixamento do nível de consciência.• Obnubilação/turvação: - Rebaixamento leve a moderado. - Paciente sonolento ou parecendo desperto. -  clareza do sensório,  concentração e integração de informações do ambiente. - Perplexidade c/ pensamento algo confuso.• Sopor: - Rebaixamento + profundo, evidentemente sonolento e só desperto por estímulo enérgico. - S/ ação espontânea, lentificação EEG.
  15. 15. ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS• Coma: - Grau mais profundo do rebaixamento. - Ausência de qq. indício de consciência e atividade voluntária. - Sinais neurológicos: movimentos oculares errantes, nistagmo, transtorno do olhar conjugado, ausência do reflexo de acomodação... - Rigidez de decorticação e descerebração e anormalidade difusas ou focais no EEG.
  16. 16. ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS• Síndromes psicopatológicas associadas: - Delirium: designa > parte das síndromes confusionais agudos, cursando com  nível de consciência, desorientação TE, agitação/lentificação, ilusões/alucinações visuais, flutuação do QC ao longo do dia (piora ao anoitecer). - Estado onírico:consciência turva + estado semelhante a 1 sonho vívido (alucinação visual intensa e cênica),forte carga emocional,amnésia posterior. Ex: psicose tóxica, abstinência a drogas (DT) e febre tóxico-infecciosa. Atual: delirium.
  17. 17. ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS- Síndrome do cativeiro (Locked-in): paralisia total dos nn. cranianos e dos membros por destruição da base da ponte (infarto/mielinólise da porção central) com preservação do nível de consciência e respiração e comunicação por meio de movimentos oculares (piscamento).
  18. 18. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS• Perturbação de parte do campo da consciência geralmente associada a alteração quantitativa.• “Transtornos focais/do conteúdo” da consciência.• Estados crepusculares: afunilamento da consciência + atividade psicomotora ± coordenada com atos explosivos/descontrole emocional. Duração variável. Ex: histeria aguda, epilepsia e intoxicações.• Dissociação da consciência: divisão da consciência c/ perda da sua unidade durando de minutos a horas. Ex: histeria e ansiedade intensa, visando se desligar da realidade p/  sofrimento.
  19. 19. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS• Transe: dissociação + atividade motora automática e estereotipada + suspensão parcial dos movimentos voluntários. Religioso (cultural) e histérico (conflitos e transtornos psicopatológicos).• Estado hipnótico: técnica refinada de concentração da atenção e alteração induzida da consciência, assemelha-se ao transe, há > sugestionabilidade do indivíduo e pode haver lembrança de cenas e fatos esquecidos bem como indução de anestesia, paralisia, rigidez muscular e alterações vasomotoras.
  20. 20. SEMIOTÉCNICA• Primeira função a ser avaliada.• Desperto ou sonolento?  ver fácies e atitude.• Perplexidade?   integração c/ estímulos ambientais.• Orientação TE auxilia avaliação da consciência.• Teste da parede ou do papel em branco e do globo ocular: alucinações visuais simples/complexas.• Escala de coma de Glasgow: - Abertura ocular: 4 (espontânea,verbal,dor,não). - Resposta verbal: 5 (coerente,confuso,palavras incompreensíveis,grunhidos,nenhuma). - Resposta motora: 6 (voluntária,localiza,retira,flexão, extensão,nenhuma)
  21. 21. A ATENÇÃO E SUAS ALTERAÇÕES
  22. 22. CONCEITOS• Estado de concentração da atividade mental sobre determinado objeto.• Direção da consciência.• Tomar posse pela mente, de modo claro e vívido, de um entre uma diversidade enorme de objetos ou correntes de pensamentos simultaneamente dados.
  23. 23. CONCEITOS• Natureza da atenção: Voluntária- concentração ativa e intencional sobre um objeto. Espontânea- suscitado pelo interesse momentâneo que um objeto desperta• Direção da atenção Externa- voltada para o mundo exterior Interna- voltada para os processos mentais do indivíduo• Amplitude Focal- concentra-se sobre um campo delimitado da consciência Dispersa
  24. 24. ASPECTOS BÁSICOS DA ATENÇÃO• Capacidade e foco de atenção• Atenção seletiva• Seleção de resposta e controle seletivo• Atenção constante ou sustentada# Hábito e sensibilização (Pavlov)- “resposta de orientação”
  25. 25. NEUROPSICOLOGIA• Áreas envolvidas: SRAA, tálamo (filtro), corpo estriado, córtex parietal posterior D (seleção sensorial), córtex pré-frontal, lobo temporal medial.• SRAA: possibilita o nível de consciência básico.• Áreas pré-frontais: seleção e concentração de informações, focando a atenção.• Porção anterior do Giro do Cíngulo: controle da atenção.• Estruturas límbicas mesotemporais: interesse afetivo.
  26. 26. PSICOLOGIA DA ATENÇÃO• Tenacidade: capacidade de fixar a atenção sobre determinado objeto/área. Fixação a um determinado estímulo.• Vigilância: qualidade da atenção que permite ao indivíduo mudar seu foco de um objeto p/ outro.
  27. 27. ANORMALIDADES• Hipoprosexia:  global da atenção sendo a + comum e menos específica.• Aprosexia: total abolição da capacidade de atenção, por + fortes e variados que sejam os estímulos utilizados.• Hiperprosexia: atenção exacerbada com tendência incoercível a se manter indefinidamente sobre um mesmo objeto com infatigabilidade.• Distração: é um sinal caracterizado por superconcentração ativa em um objeto e inibição do restante.
  28. 28. ANORMALIDADES• Distraibilidade: - É patológica. - Há instabilidade marcante e mobilidade acentua- da da atenção voluntária, dificuldade e incapaci- dade para se fixar ou se manter em qualquer coisa que implique esforço produtivo. - Atenção fica facilmente desviável.
  29. 29. DOENÇAS MENTAIS• Mania:  atenção voluntária,  atenção espontânea,  vigilância e  tenacidade.• Depressão moderada: hipoprosexia generalizada.• Depressão grave: hipertenacidade em temas de ruína, culpa e pecado com incapacidade para mudar este foco (hipovigilância).• Esquizofrenia: franca distraibilidade com dificuldade para filtrar e anular estímulos irrelevantes.• TDAH: dificuldade de prestar atenção em estímulos internos e externos, dificuldade em organizar/ completar tarefas e para controlar os impulsos, prejuízo em relação à filtragem de estímulos irrelevantes à tarefa
  30. 30. ORIENTAÇÃO E SUAS ALTERAÇÕES
  31. 31. CONCEITOS• Importância: avaliação do nível de consciência.• Autopsíquica: orientação em relação a si mesmo (quem é, como se chama, idade, nacionalidade, profissão, estado civil e religião).• Alopsíquica: orientação em relação ao mundo, dividindo-o em tempo e espaço. - Temporal: avalia hora e período atual, dia, data e estação do ano. É a mais sofisticada, adquirida mais tardiamente, exige integração + elaborada de estímulos ambientais, + fácil prejuízo. - Espacial: lugar onde está, andar do prédio, bairro, cidade, estado, país.
  32. 32. ALTERAÇÕES• 1ª alteração: temporal, seguindo-se espaço e autopsíquica.• Desorientação por  nível de consciência: forma + comum c/ alteração da atenção, concentração e capacidade de integração de estímulos ambientais. Sinônimo: torporosa/confusa.• Por déficit de memória de fixação (amnéstica): dificuldade em fixar informações c/ perda do fluir do tempo e deslocamento no espaço. Ex: Korsakoff.• Demencial: amnéstica + agnosia + desorganização global das funções cognitivas.
  33. 33. • ALTERAÇÕES e Apática ou abúlica: falta de motivação interesse com perda do foco nos estímulos ambientais.• Delirante: passa a habitar o local dos seus delírios e pode haver “dupla orientação” (real e delirante coexistindo).• Oligofrênica: incapacidade p/ compreender o ambiente e as normas sociais.• Histérica: alteração da identidade pessoal• e/ou da consciência secundária à dissociação.• Por desagregação: EQ crônica c/ grave desorganização comportamental.• Quanto à própria idade: discrepância de• 5 anos  EQ crônica c/ déficit cognitivo.
  34. 34. maralizandra@hotmail.com

×