Aparelho Locomotor

87,926 views

Published on

Published in: Health & Medicine
3 Comments
15 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
87,926
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
341
Actions
Shares
0
Downloads
1,145
Comments
3
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aparelho Locomotor

  1. 1. Aparelho Locomotor Tr a b a l h o d e An a t o m i a Professora: Elaine Escola Comendador Geraldo Freire da Silva Boa Esperança - MG
  2. 2. Coordenação Josiele Pereira Juliana A. Oliveira Laianne M. Borges Taís S. Bento 1º módulo do Curso Técnico em Enfermagem / 2OO9
  3. 3. Introdução Apresentaremos aqui uma sutil resolução sobre todo o Aparelho Locomotor, descrevendo as suas várias funções exercidas desde o básico movimento de andar até mesmo como as vitais batidas de um coração. Todo o Aparelho Locomotor resume-se praticamente em dois sistemas, são eles os Ósseo e Muscular. Portando explicaremos a sua formação e função, além de alertarmos a cada um sobre as diversas anomalias e enfermidades que são ligadas aos mesmos e que podem causar algum tipo de dano a esses sistemas. Assim também orientaremos sobre os meios de cuidados e prevenção para com os mesmo.
  4. 4. Definição O sistema locomotor é feito para as funções do movimento, locomoção e deslocamento dos seres vivos. O conjunto de ossos, músculos e elementos das articulações compreende a locomoção na espécie humana. O esqueleto sustenta, protege os órgãos internos, armazena minerais  e íons e produz células sanguíneas. Os músculos são constituídos pelas fibras musculares, células alongadas  ricas em miofibrilas de proteínas, responsáveis pela contração muscular. Ao se contrair, o músculo ocasiona o movimento do corpo ou de órgãos internos. Juntos os músculos, tendões e ossos produzem diversos tipos de movimentos através do trabalho que realizam em conjunto nos pontos onde existem articulações.
  5. 5. Sistema Ósseo Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a fixação dos músculos. Ele constitui-se de peças ósseas (ao todo 208 ossos no indivíduo adulto) e cartilaginosas articuladas, que formam um sistema de alavancas movimentadas pelos músculos. O esqueleto humano pode ser dividido em duas partes: Esqueleto axial: Formado pela caixa craniana, coluna vertebral e caixa torácica.  Esqueleto apendicular: Compreende a cintura escapular, formada pelas escápulas e clavículas; cintura  pélvica, formada pelos ossos ilíacos (da bacia) e o esqueleto dos membros (superiores ou anteriores e inferiores ou posteriores).
  6. 6. Esqueleto Axial Caixa craniana: Possui os seguintes ossos importantes: frontal,  parietais, temporais, occipital, esfenóide, nasal, lacrimais, malares (ou zigomático), maxilar superior e mandíbula. Coluna vertebral: É uma coluna de vértebras que apresentam cada uma  um buraco que se sobre põem constituindo um canal que aloja a medula nervosa ou espinhal; é dividida em 4 regiões: cervical, dorsal, lombar e sacro-coccigeana. A coluna cervical possui 7 vértebras. A coluna dorsal 12 vértebras, sendo que cada uma se prende a um par de costelas. A coluna lombar possui 5 vértebras bem desenvolvidas. As outras, vão dar suporte aos ossos que formam a bacia Caixa torácica: É formada pela região torácica de coluna vertebral, osso  esterno e costelas, que são em número de 12 de cada lado, sendo as 7 primeiras verdadeiras (se inserem diretamente no esterno), 3 falsas (se reúnem e depois se unem ao esterno), e 2 flutuantes (com extremidades anteriores livres, não se fixando ao esterno).
  7. 7. Esqueleto Axial J Caixa Craniana Coluna Vertebral Caixa Torácica
  8. 8. Esqueleto Apendicular Membros e cinturas articulares  Cada membro superior é composto de braço, antebraço, pulso e mão. O osso do braço – úmero – articula-se no cotovelo com os ossos do antebraço: rádio e ulna. O pulso constitui-se de ossos pequenos e maciços, os carpos. A palma da mão é formada pelos metacarpos e os dedos, pelas falanges. Cada membro inferior compõe-se de coxa, perna, tornozelo e pé. O osso da coxa é o fêmur, o mais longo do corpo. No joelho, ele se articula com os dois ossos da perna: a tíbia e a fíbula. A região frontal do joelho está protegida por um pequeno osso circular: a rótula. Ossos pequenos e maciços, chamados tarsos, formam o tornozelo. A planta do pé é constituída pelos metatarsos e os dedos dos pés (artelhos), pelas falanges. Os membros estão unidos ao corpo mediante um sistema ósseo que toma o nome de cintura ou de cinta. A cintura superior se chama cintura torácica ou escapular (formada pela clavícula e pela escápula ou omoplata); a inferior se chama cintura pélvica, popularmente conhecida como bacia (constituída pelo sacro - osso volumoso resultante da fusão de cinco vértebras, por um par de ossos ilíacos e pelo cóccix, formado por quatro a seis vértebras rudimentares fundidas). A primeira sustenta o úmero e com ele todo o braço; a segunda dá apoio ao fêmur e a toda a perna.
  9. 9. Esqueleto Apendicular
  10. 10. Classificação dos ossos Os ossos são classificados de acordo com a sua forma em: Curtos: têm as três extremidades praticamente equivalentes e são • encontrados nas mãos e nos pés. São constituídos por tecido ósseo esponjoso. Exemplos: calcâneo, tarsos, carpos. Planos ou Chatos: são formados por duas camadas de tecido ósseo • compacto, tendo entre elas uma camada de tecido ósseo esponjoso e de medula óssea Exemplos: esterno, ossos do crânio, ossos da bacia, escápula. Longos: têm duas extremidades ou epífises; o corpo do osso é a diáfise; • entre a diáfise e cada epífise fica a metáfise. A diáfise é formada por tecido ósseo compacto, enquanto a epífise e a metáfise, por tecido ósseo esponjoso. Exemplos: fêmur, úmero.
  11. 11. Estrutura de um osso Longo Diáfise : cilíndrica, formada por osso compacto e denso (cortical), que  cerca a cavidade medular (medula óssea) Epífise : extremidade caracterizada por osso esponjoso, trabeculado, tec.  hematopoiético coberta por osso compacto e cartilagem articular (trabéculas finas ). Metáfise : área de tecido esponjoso ao lado da linha epifisária (pouco  calcificada). Placa de crescimento (placa epifisária) - área na qual termina o osso  esponjoso e na qual a epífise é remodelada a medida que se processa o crescimento ósseo, condensando-se e transformando-se em córtex óssea, prolongação da diáfise, desaparecendo assim no animal adulto, quando a epífise se funde com a metáfise.
  12. 12. Articulações São pontos de contato entre os ossos. Antigamente este contato era conhecido como juntura, daí a expressão “dor nas juntas”. Em todo nosso corpo temos diferentes tipos de articulações: algumas que são bastante fortes e imóveis (conhecidas como sinartrose) e outras que permitem movimentos por serem flexíveis (anfiartrose e diartrose). Estrutura  Com relação a sua estrutura, as articulações podem ser classificadas em fibrosa (os ossos são unidos por tecido conjuntivo fibroso), cartilaginosa (os ossos são unidos pela cartilagem) e sinovial (possui um espaço entre os ossos). Nosso corpo é capaz de realizar muitos movimentos, contudo, estes movimentos ocasionam atrito. Para amenizar este atrito, nosso sistema articular conta com as bolsas sinoviais. Estas bolsas agem como amortecedores do impacto entre as articulações. Elas estão localizadas entre a pele e o osso (nas regiões onde ocorre atrito entre estas partes), entre os tendões e os ossos, entre os músculos e os ossos e também entre os ligamentos e os ossos.
  13. 13. Os Ossos e seu problemas Os ossos, ou o próprio esqueleto humano, podem apresentar diversas patologias e estão suscetíveis a lesões. As mais comuns são os traumas e as doenças degenerativas como: Escoliose: É um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita,  resultando em um formato de quot;Squot;. Lordose: é um termo anatômico usado para designar as curvaturas lombar e  cervical normais da coluna vertebral. Uma acentuação da lordose lombar ou cervical é chamada hiperlordose.Os músculos abdominais fracos e um abdome protuberante são fatores de risco. Caracteristicamente, a dor nas costas em pessoas com aumento da lordose lombar ocorre durante as atividades que envolvem a extensão da coluna lombar, tal como ficar em pé por muito tempo.
  14. 14. Os Ossos e seu problemas Cifose: Vulgarmente chamada de corcundez é definida como um aumento  anormal da concavidade anterior da coluna vertebral, sendo as causas mais importantes dessa deformidade, a má postura e o condicionamento físico insuficiente. Osteoporose: É a desordem caracterizada por perda de massa óssea. Atinge,  principalmente as mulheres após a menopausa. Os ossos ficam porosos, menos densos e menos resistentes. Isso porque o organismo feminino perde a proteção do hormônio estrógeno que, justamente, estimula a calcificação. Osteoartrite: É uma degeneração dolorosa da cartilagem das articulações que  suportam peso e são mais utilizadas. Os ossos atritam entre si, causando dor e dificuldade de movimentos. Artrite reumatóide: É uma inflamação crônica dos dedos, punhos,  tornozelos, cotovelos ou joelho que causa inchaço e dor. È freqüente a rigidez matinal por aproximadamente uma hora.
  15. 15. Meios de Prevenção Fazer exercícios físicos regularmente  Manter uma boa postura, tanto dormindo como acordado.(Uma  almofada entre as pernas e travesseiro baixo garantem uma boa posição durante o sono). Se possível realizar uma dieta com alimentos ricos em cálcio (como  leite e derivados), verduras (como brócolis e repolho), camarão, salmão e ostras. A reposição hormonal de estrógeno em mulheres durante e após o  climatério consegue evitar a osteoporose. Aprender a levantar peso com movimentos adequados do corpo,  dobrando os joelhos e, não, as costas. Evitar o estresse e a obesidade.  Usar sapatos confortáveis. 
  16. 16. Sistema Muscular O tecido muscular é de origem mesodérmica, sendo caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que determina a movimentação dos membros e das vísceras. Há basicamente três tipos de tecido muscular. Os Músculos podem ser divididos do seguinte modo: Músculo estriado esquelético: É inervado pelo sistema nervoso central e, como este se encontra em parte sob  controle consciente, chama-se músculo voluntário. As contrações do músculo esquelético permitem os movimentos dos diversos ossos e cartilagens do esqueleto. Músculo liso: O músculo involuntário localiza-se na pele, órgãos internos, aparelho reprodutor, grandes vasos  sangüíneos e aparelho excretor. O estímulo para a contração dos músculos lisos é mediado pelo sistema nervoso vegetativo. Músculo cardíaco: Este tipo de tecido muscular forma a maior parte do coração dos vertebrados. O músculo  cardíaco carece de controle voluntário. É inervado pelo sistema nervoso vegetativo.
  17. 17. Músculos  Forma dos músculos
  18. 18. Músculos Estriados Os músculos Estriados ou Esqueléticos constituem a maior parte da musculatura do corpo formando o que se chama popularmente de carne. É formado por fibras musculares cilíndricas, finas e que podem medir vários centímetros de comprimento, possuem uma coloração mais avermelhada e apresentam estriações em suas fibras (fibrocélulas estriadas). São os responsáveis pelos movimentos voluntários; estes músculos se inserem sobre os ossos e sobre as cartilagens e contribuem, com a pele e o esqueleto, para formar o invólucro exterior do corpo.
  19. 19. Músculos Estriados
  20. 20. Músculos Estriados
  21. 21. Músculos Lisos Possui coloração esbranquiçada e são os também chamados músculos viscerais que entram na constituição dos órgãos profundos ou vísceras, para assegurar-lhes determinados movimentos (contrações). Estes músculos têm estrutura quot;lisaquot; e funcionam independentemente da nossa vontade, ou seja, seus movimentos são involuntários. A maneira com que se dispõem suas fibras é bem diferente da musculatura estriada. São involuntários e em geral são longos e lentos. Os músculos lisos não apresentam estrias. Suas células têm o formato de fuso e constituem a parede de órgãos internos, como o estômago e o intestino. Um dos trabalhos que realizam são os movimentos do tubo digestivo - movimentos peristálticos - e o aumento e a diminuição da pupila.
  22. 22. Músculos Lisos
  23. 23. Músculo Cardíaco É o mais nobre de todos os músculos, se analisado histologicamente tem característica de músculo esquelético, mas funcionalmente tem característica de músculo liso assim como o esquelético, apresenta fibrocélulas bastante compridas. É também chamado de miocárdio, é o que constitui a parede do coração. Apesar de ser estriado,possui movimentos involuntários. Este músculo se contrai e relaxa sem parar. Entretanto, elas são mononucleadas ou binucleadas, com núcleos localizados mais para o centro da célula. Também possuem discos intercalares, que são linhas de junção entre uma célula e outra, que aparecem mais coradas que as estrias transversais. No tecido cardíaco, têm bastante importância as fibras de Purkinje, células responsáveis pela distribuição do impulso elétrico que gera a contração muscular às diversas fibrocélulas cardíacas.
  24. 24. Músculo Cardíaco
  25. 25. Os Músculos e seus problemas Dentre os mais comuns problemas musculares destacamos: Cãibras: São o que conhecemos como contrações involuntárias dos  músculos devido ao acumulo de ácido lático durante algo tipo de esforço. Cansaço muscular: Ocorre quando o ácido lático fica depositado nas  fibras musculares acabando por impedir renovação de energia necessária à contração dos músculos. Distensão Muscular: É a contração prolongada dos músculos ou a  dilatação excessiva , o que provoca intensa dor na região afetada.
  26. 26. Os Músculos e seus problemas Fibromialgia: Doença de origem desconhecida, provavelmente causada  por baixo nível de serotonina no cérebro. Essa substância controla o sono e a percepção da dor, e sua falta predispõe a dores nos músculos, articulações, ligamentos e tendões. Todas as medidas para combater o estresse ajudam a preveni-la. LER: Lesões por Esforços Repetitivos são resultantes de esforços  excessivos de determinados músculos, que causam dores e limitações de movimentos devido à perda de elasticidade. A doença está-se tornando comum após o advento dos computadores.
  27. 27. Meios de Prevenção Relaxar, ou seja, afrouxar os músculos é o melhor remédio para evitar doenças provocadas pela fadiga e pela tensão muscular ou nervosa. Em nossos dias atuais a maioria das pessoas vivem em ponto de bala, isto é, tensas o tempo todo. A tensão fatalmente traz a fadiga. A melhor maneira de se livrar de tudo isso é exercitar-se fisicamente, praticar esportes. Toda vez que se exercita os músculos estão beneficiando todo o organismo, pois os exercícios contribuem muito, como em: Aumentam os movimentos peristálticos  Ativa a circulação sanguínea  Fortalece a musculatura  Aumenta o apetite  Libera o sistema nervoso das tensões, aumentando assim a disposição de  espírito. Além de trazer disposição par ao trabalho e estudos. 
  28. 28. Fontes http://www.auladeanatomia.com  http://www.afh.bio.br/sustenta/sustenta1.asp  http://pt.wikipedia.org  Tratado de Fisiologia Médica ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL  Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças ARTHUR C. GUYTON & JOHN E. HALL  Fisiologia Humana ARTHUR C. GUYTON  Atlas de Fisiologia Humana de Netter JOHN T. HANSEN & BRUCE M. KOEPPEN Anatomia e Fisiologia Humana STANLEY W. JACOB & CLARICE ASHWORTH FRANCONE &  WALTER J. LOSSOW

×