Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
O efeito de espécies exóticas numa rede de interações
mutualísticas de polinização no parque nacional são joaquim-sc
Denis...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O efeito de espécies exóticas numa rede de interações mutualísticas de polinização no parque nacional São Joaquim-SC

382 views

Published on

Autores:
Denise M. D. S. Mouga
Enderlei Dec
Manuel Warkentin
Juliane V. da Silva
Andressa K. G. dos Santos

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

O efeito de espécies exóticas numa rede de interações mutualísticas de polinização no parque nacional São Joaquim-SC

  1. 1. O efeito de espécies exóticas numa rede de interações mutualísticas de polinização no parque nacional são joaquim-sc Denise M. D. S. Mouga1 Enderlei Dec1 Manuel Warkentin1 Juliane V. da Silva1 Andressa K. G. dos Santos1 1 Label - Laboratório de Abelhas da UNIVILLE - Universidade da Região de Joinville, Rua Paulo Malschizsky 10, Campus Universitário, Zona Industrial Norte, Joinville, SC, CEP 89219-710, e- mail: label@univille.br Visando verificar o padrão estrutural de uma rede de interação planta- polinizador, relevante na conservação de comunidades, este estudo foi realizado no Parque Nacional São Joaquim, Santa Catarina (clima temperado, precipitação anual de neve, Bioma Mata Atlântica). Houve procura ativa de abelhas sobre flores, captura com rede entomológica e registro de Apis mellifera L. (espécie exótica). Plantas associadas às abelhas foram coletadas. Ambas foram identificadas e conservadas. Foi estabelecida a matriz das interações e suas métricas. O esforço de campo foi de 266 horas (agosto 2010 a fevereiro 2012), obtendo-se 2797 abelhas, de 59 espécies: Halictinae-25, seguida de Apinae-18, Megachilinae-7, Andreninae-6 e Colletinae-3. A ordem de abundância de indivíduos (%) foi (sem Apis mellifera): Apinae-84,2 / Halictinae-12,9 / Andreninae-1,52 / Megachilinae-0,93 e Colletinae-0,47. As espécies Apis mellifera (abundância 69,1%), Bombus pauloensis / Schwarziana quadripunctata (9,2 cada uma) e Trigona spinipes (2,8) se relacionaram com um elevado número de plantas. As famílias botânicas mais visitadas foram Asteraceae, Leguminosae, Lamiaceae e Solanaceae (táxons Erigeron sp.- 16,33 % abundância / Baccharis semiserrata-7,41 / Hypochoeris radicata-5,51 / Verbena litoralis-5,21 e Senecio brasiliensis- 4,20). As métricas da rede resultaram em (com / sem Apis mellifera): conectância 0,44 / 0,25, índice de aninhamento NODF 16,06 / 13,13, grau de especialização foi H´2 = 0,56 (rede heterogênea, coesa, assimétrica, aninhada e em grau intermediário de especialização). A mellifera apresentou o número mais elevado de interações. Excluindo-a, as abelhas nativas ampliaram muito sua importância nas interações. Diversas espécies vegetais exóticas foram observadas interagindo com a melissofauna. As relações mutualísticas observadas indicam uma intensificação de interações, principalmente em espécies exóticas, sugerindo certa alteração na estruturação da rede de polinizadores. Palavras-chave: apifauna, clima temperado, estudo de comunidades Apoio: UNIVILLE, FAPESC

×