   A análise filosófica da guerra    examina a guerra do ponto de    vista moral perguntando se pode    haver justificaçã...
Uma definição dada por Karl Von Clausewitz diz que a guerra é “ a continuaçãoda política por outros meios”.Esta definição,...
   Há vários tipos de guerra, como a    guerra civil, um conflito armado    entre facções, partidos ou grupos de    um me...
   Algumas pessoas acreditam         que a guerra faz parte da         biologia humana, da sua         necessidade de con...
   Devido ao seu carácter violento e      aos enormes efeitos na vida das      pessoas e das sociedades, a      guerra é ...
   Três teorias sobre              a    moralidade da guerra:   O Realismo   O Pacifismo   A Teoria da Guerra JustaFra...
   Realismo       É uma teoria popular entre os        cientistas políticos, que consideram        a politica internacio...
   Como a guerra é apenas a       continuação da política por       outros meios, os realistas       aplicam à guerra as ...
   Pacifismo     O pacifismo, ao contrário do realismo,      não separa a ética da guerra. Os      pacifistas consideram...
   O pacifismo moderno é de dois       tipos,      consequencialista       e       deontologista . O pacifismo       cons...
   A Teoria da Guerra Justa      Muitos dos primeiros cristãos,       pensavam que a mensagem de       Cristo proibia co...
   Ao contrário do que    pensam os realistas, os    defensores da teoria da    guerra justa acreditam    que há moralida...
    É costume distinguir entre    os princípios que visam    determinar quando é    legítimo recorrer à guerra    (jus ad...
   jus ad bellum - Em que condições é    justo declarar uma guerra   As regras do jus ad bellum são dirigidas    princip...
   jus in bello – Em que condições uma vez    declarada é justa a conduta dos militares    O jus in bello respeita à jus...
   jus post bellum – em que    consiste um tratamento justo    dos vencidos.   O jus post bellum refere-se à justiça    ...
   Ideia kantiana da Paz    Perpétua   Kant vislumbrava um mundo    sem guerra, o império do    direito cosmopolita, ond...
Curiosidade: A guerra mais rápida da história durou 37 minutos. Umaesquadra inglesa decidiu ancorar no porto de Zanzibar, ...
O problema da moralidade da guerra
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O problema da moralidade da guerra

5,905 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
5,905
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
124
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O problema da moralidade da guerra

  1. 1.  A análise filosófica da guerra examina a guerra do ponto de vista moral perguntando se pode haver justificação moral para a guerra. Não pergunta pelas causas da guerra mas se há justificação moral para travar alguma, como deve ser conduzida uma vez declarada e Karl von Clausewitz um dos como agir uma vez terminada. mais influentes pensadores da área, retratado por Karl Wilhelm Wach.
  2. 2. Uma definição dada por Karl Von Clausewitz diz que a guerra é “ a continuaçãoda política por outros meios”.Esta definição, apesar de correcta, é vaga eincompleta pois quem só tiver esta informação não tem qualquer ideia que aguerra pode ser, por exemplo, um conflito armado. No entanto nem todos osconflitos armados são guerras, pequenos conflitos entre fronteiras, motins eoutras formas de violência colectiva não têm a importância ou a dimensão deuma guerra. Curiosidade: A guerra dos 100 anos durou exactamente 116 anos
  3. 3.  Há vários tipos de guerra, como a guerra civil, um conflito armado entre facções, partidos ou grupos de um mesmo povo, ou ainda a que ocorre entre povos ou etnias habitantes de um mesmo país. Guerra económica e guerra psicológica designam também conflitos agudos com acções igualmente violentas mas sem o uso de armas. A guerra pode ter motivos religiosos, étnicos, ideológicos, económicos ou territoriais.Curiosidade: Em 1969, eclodiu uma guerra entre El Salvador e Honduras durante umjogo eliminatório para Copa do Mundo de Futebol (a guerra do futebol)
  4. 4.  Algumas pessoas acreditam que a guerra faz parte da biologia humana, da sua necessidade de controlo territorial e natureza agressiva e há quem acredite que a causa da guerra é a perca da racionalidade por parte do Homem.Frase:"O homem tem que estabelecer um final para a guerra, senão, a guerraestabelecerá um final para a humanidade." (John F. Kennedy)
  5. 5.  Devido ao seu carácter violento e aos enormes efeitos na vida das pessoas e das sociedades, a guerra é uma fonte óbvia de questões de natureza moral. A mais importante dessas questões é a de saber se a guerra pode em alguma circunstância ser justificada ou se, pelo contrário, é sempre errada…Frase: A uma guerra justa preferimos uma paz injusta. ( Samuel Butler )
  6. 6.  Três teorias sobre a moralidade da guerra: O Realismo O Pacifismo A Teoria da Guerra JustaFrase: Mais vale uma paz relativa que uma guerra ganha. ( Maria Thereza -Imperatrizda Áustria )
  7. 7.  Realismo  É uma teoria popular entre os cientistas políticos, que consideram a politica internacional como uma anarquia, sem quaisquer regras morais, tendo os estados a regra “o mais forte á liberdade”, sobrepondo o interesse do estado a todos os outros.Curiosidade: No século XX, os conflitos armados provocaram, directa ouindirectamente, a morte de 191 milhões de pessoas, mais de metade dos quaiseram civis.
  8. 8.  Como a guerra é apenas a continuação da política por outros meios, os realistas aplicam à guerra as suas ideias sobre a política internacional. A guerra só deve ser travada se servir os interesses do estado e, uma vez em guerra, o estado deve fazer tudo ao seu alcance para a ganhar.Frase: "A diferença entre um anticristo genocída e um herói de guerra é apenas e tãosomente quem venceu a guerra."(Marcelo Eiras)
  9. 9.  Pacifismo  O pacifismo, ao contrário do realismo, não separa a ética da guerra. Os pacifistas consideram em geral que a guerra está dentro da esfera da moral. O problema está em que, do ponto de vista dos pacifistas, nenhuma guerra pode ser moralmente justificada. Seja por razões de princípio seja devido às consequências que dela resultam, a guerra é sempre errada. Frase: Vivemos num mundo onde nos escondemos para fazer amor! Enquanto aviolência é praticada em plena luz do dia. John Lennon
  10. 10.  O pacifismo moderno é de dois tipos, consequencialista e deontologista . O pacifismo consequencialista baseia-se normalmente na alegação que os benefícios da guerra nunca superam os seus malefícios, ao passo que o pacifismo deontologista parte da ideia que a guerra é intrinsecamente errada porque viola deveres absolutos como o de não matar seres humanos.Frase: A coragem alimenta as guerras, mas é o medo que as faz nascer. ( Émile-Auguste Chartier )
  11. 11.  A Teoria da Guerra Justa  Muitos dos primeiros cristãos, pensavam que a mensagem de Cristo proibia completamente a guerra e eram fortemente pacifistas, opondo-se a todo o uso da violência, mesmo para fins exclusivamente defensivos. Esta posição, no entanto, impedia a defesa do mundo cristão dos ataques dos seus inimigos e acabou por levar ao desenvolvimento teoria da guerra justa.Frase: "Fé é pisar no primeiro degrau, mesmo que você não veja a escada inteira."Martin Luther King Jr.
  12. 12.  Ao contrário do que pensam os realistas, os defensores da teoria da guerra justa acreditam que há moralidade na guerra, e contrariamente ao que acreditam os pacifistas, por vezes pode ser justificada. Frase: Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra. Bob Marley
  13. 13.  É costume distinguir entre os princípios que visam determinar quando é legítimo recorrer à guerra (jus ad bellum) e os princípios que procuram estabelecer como conduzir a guerra (jus in bello). Recentemente, alguns pensadores acrescentaram uma terceira categoria, relativa ao que se deve fazer uma vez a guerra terminada (jus post bellum).
  14. 14.  jus ad bellum - Em que condições é justo declarar uma guerra As regras do jus ad bellum são dirigidas principalmente aos governantes, uma vez que são eles que dentro dos estados têm o poder de declarar a guerra. As regras são: 1. Causa justa 2. Recta Intenção 3.Autoridade apropriada e declaração pública. 4. Último recurso 5. Probabilidade de sucesso 6. Proporcionalidade. Frase: Olho por olho, e o mundo acabará cego .Mahatma Gandhi
  15. 15.  jus in bello – Em que condições uma vez declarada é justa a conduta dos militares O jus in bello respeita à justiça na guerra, àquilo que é permitido fazer na guerra. A responsabilidade pelo cumprimento das regras do jus in bello é dos militares. As regras do jus in bello são as seguintes: 1. Obedecer a todas as leis internacionais sobre armas 2. Discriminação e imunidade dos não Frase :Aquele que não combatentes é capaz de se 3. Proporcionalidade governar a si mesmo não será capaz de 4. Prisão benévola para os prisioneiros de guerra governar os outros. Mahatma Gandhi 5. Não se pode utilizar meios que são maus em si mesmos. 6. As represálias são proibidas
  16. 16.  jus post bellum – em que consiste um tratamento justo dos vencidos. O jus post bellum refere-se à justiça durante a fase final da guerra, quando esta está já decidida e as operações bélicas propriamente ditas estão a terminar ou já terminaram. Basicamente, trata-se de saber o que fazer uma vez ganha a guerra .As ideias propostas são: 1. Castigo 2. Compensação 3. Reabilitação Frase: “Não há nada que a guerra tenha conquistado, que não teríamos feito melhor sem ela” – Havelock Ellis
  17. 17.  Ideia kantiana da Paz Perpétua Kant vislumbrava um mundo sem guerra, o império do direito cosmopolita, onde as grandes potências não investiriam em armamentos bélicos. Na perspectiva kantiana é possível a chamada “paz perpétua”, desde que haja empenho dos Estados.Frase: “A violência é o primeiro refúgio dos incompetentes” – Isac Asimov
  18. 18. Curiosidade: A guerra mais rápida da história durou 37 minutos. Umaesquadra inglesa decidiu ancorar no porto de Zanzibar, na África, em1896, para assistir a uma partida de críquete. O sultão de Zanzibarnão gostou e mandou o seu único navio atacar os ingleses. Quando onavio abriu fogo, os ingleses afundaram-no rapidamente e aindadestruíram o palácio do sultão, matando quinhentos soldados.Zanzibar rendeu-se imediatamente e o sultão fugiu para a Alemanha.

×