07 de agosto 2015 o papel do pai na vida familiar

1,048 views

Published on

Uma pequena abordagem sobre o papel da figura paterna no relacionamento com os filhos.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

07 de agosto 2015 o papel do pai na vida familiar

  1. 1. O papel do PAI na vida familiar. Sexta feira – 07 de agosto de 2015 Rose Campos
  2. 2. A pergunta 582 de O Livro dos Espíritos nos diz o seguinte: Pode-se considerar a paternidade como uma missão? Deus colocou o filho sob a tutela dos pais para que estes o dirijam na organização frágil e delicada que o torna acessível a todas as impressões.... É, sem contradita, uma missão; é ao mesmo tempo um dever muito grande e que obriga, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade pelo futuro.
  3. 3. “Não sei bem por onde começar, mas quero antes de tudo pedir desculpas pelas minhas falhas. Sabe, a vida não foi fácil e tive que me desdobrar para cuidar dos meus filhos. Trabalhei muito enquanto vivo e abri mão de suas companhias para levar o pão de cada dia. Hoje sei como o tempo é importante. Como podia ter aproveitado mais ao lado deles, mas nos raros momentos de lazer preferia a companhia dos amigos de bar. Esse gesto ainda me dói. A vida foi muito curta. Morri cedo. É como se eles não tivessem tido pai. Quando vivo, ausente... “ Um depoimento para nossa reflexão:
  4. 4. “Agora sofro e tento recuperar esse tempo com orações que lhes dirijo para ver se me perdoam. Que ao menos esse meu sofrimento sirva para outros pais. Lhes mostre que a companhia e a presença são mais importantes do que os bens materiais, que cada momento de amor fica para a vida toda. Que o exemplo da conduta serve de espelho para a condução moral dos filhos. “
  5. 5. “Perdoem-me filhos pelo pai imprevidente. Espero que minhas súplicas cheguem a vocês como gesto de carinho. Deus me conceda essa graça, Jorge Luís. “ Mensagem psicografada no Lar Irmã Zarabatana 05 de agosto de 2015
  6. 6. Pai ausente Um pai ausente não tem condições de conhecer seu filho. Assim sendo terá grandes dificuldades em criar vínculos afetivos e terá condições reduzidas de exercer autoridade, bem como dificuldades em estabelecer a distância mãe-filho. Pai indiferente É o caso do pai fisicamente presente, mas que não assume seu papel. Isso pode levar a criança a comportamentos agressivos para chamar a atenção.
  7. 7. Pai “faça o que eu mando”... Atitude que desgasta a autoridade e a iniciativa e a criatividade. Pai mau exemplo Esse pai não conhece a extensão da máxima: A palavra convence, o exemplo arrasta.
  8. 8. Pai presenteador Pai submisso aos caprichos do filho, invertendo os papéis e os valores, correndo sempre o risco de dar o que não se deve. Pai pagador É o pai que paga o comportamento do filho. Exemplo: Se tirar boas notas vai ganhar uma bicicleta...
  9. 9. Pai autoritário A agressão só condiciona. O autoritarismo não educa para o reconhecimento da autoridade. O animal obedece ao seu dono através do condicionamento.
  10. 10. Pai acertador: São os pais que aceitam os filhos como são, respeitando a maturidade dentro de cada fase em que se encontram. A aceitação não significa Compactuação com o erro, mas a compreensão dos filhos como espíritos em evolução, com potencialidades a desenvolver e defeitos a superar.
  11. 11. Pai participativo: Cada momento é único e passa depressa. Ser pai participativo é esforçar-se para aumentar a freqüência desses momentos criando oportunidades de conhecimento mútuo. Pai presente: É o pai afetivo e interessado, transmitindo amor e segurança, conhecendo o filho, suas potencialidade e limitações. Pai e Mãe devem crescer junto com o filho para não criar barreiras dentro de uma sociedade que se modifica rapidamente.
  12. 12. Pai companheiro: O pai é um amigo especial, diferente dos outros amigos por ter autoridade, identidade própria, credibilidade, transparência e imagem nitidamente definida. A mãe colabora muito com isso, favorecendo esse contato e não fazendo do pai o Bicho-Papão que corrige os problemas ao chegar em casa.
  13. 13. Escolher o papel a desempenhar e fazer o melhor possível. Ter como resultado a consciência tranquila pela missão cumprida e a recompensa de colher como fruto a construção de uma amizade eterna.

×