Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Principio de interpretação radiográfica

26,890 views

Published on

Principio de interpretação radiográfica

  1. 1. Introdução: Interpretar um exame, que pode estar representado por uma única radiografia, ou, um pacote com várias incidências que se completam, não é tarefa fácil. Sobretudo numa condição que caracteriza a classe odontológica, ou seja, quem solicita, isto na grande maioria, não menciona subsídios que possam orientar quem realiza, quanto ao diagnóstico final
  2. 2. Nos meus quarenta anos de experiência tenho visto situações de laudos errados, suposições enganosas, interpretações dúbias e, eis que um simples relato do solicitante, poderia se constituir na chave para a elucidação de muitos exames já efetuados. Pretenderei ao longo desta aula, mostrar com exemplos concretos, aquilo que vai ao encontro da minha ansiedade quanto a este problema. Já no primeiro slide, farei considerações a respeito. Senão vejamos:
  3. 3. Três grandes fontes de informação são utilizadas pelo C.D para alimentar o processo conclusivo , que é o diagnóstico: os exames clínicos , os exames radiográficos e os exames laboratoriais.
  4. 4. Os Tecidos duros , mais capazes de absorver os raios x que os tecidos moles , permitem mais facilmente o registro radiográfico que se constitui , muitas vezes , no único meio de inspecionar estes tecidos.
  5. 5. A visualização radiográfica do tecido mole é dada pelo uso da baixa quilovoltagem ou pelos meios de contraste
  6. 6. Ainda que o diagnóstico, como forma conclusiva, possa ser definida por qualquer uma das três alternativas (clínica, radiográfica, e laboratorial) individualmente , é mais comum que ele, diagnóstico, nasça dos dados da intersecção das três áreas ou pelo menos de duas quaisquer delas.
  7. 7. Produto das leis da absorção dos raios x pela matéria, a radiografia se apresenta as observador, como um conjunto de áreas, cujas tonalidades variam entre o preto e o branco com vasta gama nuances intermediárias.
  8. 8. Goméz Mattaldi , em 1975, classificou as imagens em: radiotransparente (absorvem ínfimas quantidades de raios x); radiolúcidas (absorvem quantidades médias de raios x) e radiopacas (absorvem grandes quantidades de raios x).
  9. 9. A variação de densidade óptica das diversas imagens, depende de fatores como as freqüência de radiação (comprimento da onda), tempo de exposição, tempo de revelação, entre os principais e são eles os responsáveis pela determinação do contraste e da densidade da radiografia.
  10. 10. Em se tratando de alterações ósseas, Baskar em 1975, afirma que: 92% das lesões dos maxilares são radiolúcidas; 7% delas são radiopacas e somente 1% mistas, ou seja, parcialmente radiopacas e parcialmente radiolúcidas.
  11. 11. No grupo das lesões radiolúcidas, cerca de 85% estão situadas na região periapical.
  12. 12. As lesões radiopacas podem, iniciar-se como radiopaca (osteoma) ou então serem originadas de lesões radiolúcidas, que sofrem mineralização durante sua fase de maturação, como é o caso da displasia cementária periapical.
  13. 13. Um problema bastante importante a ser considerado no ato de interpretar uma radiografia é a representação em apenas duas dimensões das estruturas radiográficas.
  14. 14. Segundo a afirmação de Hochberg, em 1966, ao visualizarmos uma pintura, valemo-nos de pista de profundidade para estabelecermos a localização espacial de objetos.
  15. 15. ...Dentre estas pistas, estão a interposição a perspectiva linear e dimensões familiares. É fácil verificar que estas pistas não fornecem informações suficientes no plano radiográfico como o fazem no plano pictórico propriamente dito.
  16. 16. Método de Miller-Winter Principio Indicações
  17. 17. Em combinação com exames clínicos e observações, e às vezes com ajuda de dados de laboratório e análise microscópica, eventualmente se desenvolve um diagnóstico final.
  18. 18. Houve alterações das corticais ósseas?
  19. 19. A lesão mudou a posição e forma das raízes dos dentes envolvidos?
  20. 20. Muitas doenças têm aparências radiográficas variadas, dependendo do estágio de desenvolvimento da lesão.
  21. 21. Há partículas de osso retidas na lesão?
  22. 22. A lesão é radiolúcida ou radiopaca ?
  23. 23. Que espécie de contorno periférico tem a lesão?
  24. 24. www.papaizassociados.com.Brwww.papaizassociados.com.Br By Thiago Capella

×