Slides Seminário Jornalismo Móvel

2,165 views

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,165
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
185
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Slides Seminário Jornalismo Móvel

  1. 1. Jornalismo Móvel <ul><li>Jader Gomes </li></ul><ul><li>Kamilla Bitarães </li></ul><ul><li>Kívia Oliveira </li></ul><ul><li>Lilian Lima </li></ul><ul><li>Luiza Sena </li></ul><ul><li>Olívia Miquelino </li></ul><ul><li>Samantha Dias </li></ul>
  2. 2. <ul><li>Conceitos </li></ul><ul><li>Serviços  e aplicações direcionados ao mercado da mobilidade > evolução da internet móvel e dos aparelhos portáteis. </li></ul><ul><li>Conteúdo móvel = conteúdo acessado via  dispositivos  portáteis   de comunicação sem fio que engloba uma quantidade variada de produtos,  aplicativos  e serviços. </li></ul><ul><li>Download – MMS – Games - Correio  Eletrônico – Personalização. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>O celular se figura como  “o quinto suporte pelo  qual  se pode transmitir conteúdo informativo em massa” (BRAGINSKI, 2004) </li></ul><ul><li>Braginski  (2004) enumera as particularidades do celular no uso do jornalismo definindo o aparelho como um meio  de comunicação: </li></ul><ul><li>Instantâneo; </li></ul><ul><li>Permanente; </li></ul><ul><li>Multimídia; </li></ul><ul><li>Personalizado; </li></ul><ul><li>Interativo </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Além de ser facilmente transportado,  o celular permite a comunicação entre indivíduos  de forma prática e rápida. Ao levar em consideração este  </li></ul><ul><li>atributo inerente ao celular, as produtoras de conteúdo móvel formatam o material jornalístico para um público que se encontra fora do contexto de suas  casas,  ou seja, certamente executam alguma outra atividade enquanto utilizam o serviço. Desta forma, o conteúdo móvel é influenciado pela forma como consumimos  a informação pelo  celular. </li></ul><ul><li>Oferecer conteúdo adaptado ao contexto do veículo > modo de produção voltado exclusivamente para conteúdo móvel. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O conteúdo é pensado para alcançar uma audiência em deslocamento no espaço urbano e procura acertar uma demanda por informações  imediatas . </li></ul><ul><li>“ A crescente popularização [...] de aparelhos celulares [...], blogs passam a ser narrados  em tempo real e no espaço físico onde acontecem as interações sociais que pautam os  diários  virtuais” (PELLANDA, 2005) </li></ul><ul><li>A vivência dos  acontecimentos  em tempo real possui efeitos no conteúdo das mensagens, pois presenciar os fatos e descrevê­los no mesmo instante e local  onde acabaram de ocorrer possui respaldos  no direcionamento da informação. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Jornalistas empenhados em produzir conteúdo para celulares </li></ul><ul><li>Jornalista mobile </li></ul><ul><li>Jornalismo móvel </li></ul><ul><li>conteúdo noticioso via celulares e outros aparelhos </li></ul>Jornalismo móvel – Distinções
  7. 7. Conteúdo produzido para meios móveis <ul><li>não existem modelos definidos para transmissão </li></ul><ul><li>material mais pesado - depende da capacidade de memória </li></ul><ul><li>textos ganham ainda mais importância </li></ul><ul><li>persuasão </li></ul><ul><li>envolvem conceitos já estabelecidos do jornalismo online </li></ul>
  8. 8. <ul><li>se utiliza de conceitos e normas advindas de práticas jornalísticas anteriores ao seu surgimento </li></ul><ul><li>Impresso, rádio e TV </li></ul><ul><li>não exclui técnicas - clareza e agilidade na comunicação </li></ul>
  9. 9. Diferenças entre o jornalismo online e o tradicional <ul><li>internet potencializa a interatividade </li></ul><ul><li>banco de dados </li></ul><ul><li>atualizações instantâneas </li></ul><ul><li>ambiente virtual ilimitado </li></ul><ul><li>nova linguagem x nova prática: </li></ul><ul><li>não elimina características estruturais da notícia </li></ul><ul><li>resultam da variedade de formatos e enquadramentos </li></ul>
  10. 10. Contextualização <ul><li>Década de 70: microeletrônica </li></ul><ul><li>Década de 90: emergência do jornalismo digital – atualização contínua e publicação instantânea </li></ul><ul><li>“ Ambiente móvel de produção” – “redação móvel” reconfiguração no jornalismo com mudanças no deadline e nas rotinas de produção, com atualização da notícia de forma instantânea, refletindo no perfil profissional e no produto final </li></ul><ul><li>Deadline do local do acontecimento </li></ul>
  11. 11. Jornalismo Móvel X Jornalismo Multimídia <ul><li>Condição de mobilidade no trabalho de cobertura de campo e não dentro de uma redação. </li></ul><ul><li>Multi-tarefas ou atividade polivalente. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Tradicional X Contemporâneo </li></ul><ul><li>Produção Jornalística baseada Produção Jornalística baseada </li></ul><ul><li>em ambiente estático em ambiente móvel </li></ul><ul><li>Equipamentos : Computadores de Equipamentos: </li></ul><ul><li>Smarthphones </li></ul><ul><li>mesa, scanners de mesa, releases via fax, celulares, notebooks, </li></ul><ul><li>telefones fixos, dicionários e manuais de notebooks, cartão de </li></ul><ul><li>redação impressos memória, câmeras digitais, </li></ul><ul><li>GPS, gravadores </li></ul><ul><li>Funções específicas : fotógrafo, editor, Concentração da produção : </li></ul><ul><li>diagramador, repórter convergência de funções </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Conexão mais forte entre as mídias de massa e os novos dispositivos , gerando novos formatos de notícias. (twitter, live streaming e redes colaborativas) </li></ul><ul><li>Mídias de funções massivas / mídias de funções pós massivas. </li></ul><ul><li>Para Lemos(2007): mídia de função pós massiva - circulação de informação sem o filtro ou intermédio dos meios de comunicação de massa. </li></ul><ul><li>No Brasil – aumento da produção e consumo em mobilidade ocorreu pela implantação da tecnologia 3G em 2007. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>3G- tecnologia de terceira geração: banda larga de alta velocidade dos celulares para navegação na internet e realização de atividades como download. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>As experiências no Brasil de produção através do celular ocorreu antes da tecnologia 3G. Em 2005 a TV Alterosa surge com o projeto Repórter Celular. </li></ul><ul><li>A tecnologia de conexão e transmissão utilizada na época pelos repórteres era o GPRS – facilitava o envio de arquivos de áudios, vídeos e fotos a distância. </li></ul>
  15. 15. Comunicação Móvel no Contexto Brasileiro
  16. 16. <ul><li>Quando todos esses dados e conceitos se aplicam a países como o Brasil, eles passam a ter outro valor. </li></ul><ul><li>O Brasil é um país de extremas diferenças com partes da população vivendo à margem da miséria ao mesmo tempo em que é uma das nações a adotar mais ferozmente novas tecnologias e culturas digitais. </li></ul><ul><ul><li>O país possui um sistema de votação eletrônica; é líder e pioneiro em recolhimento de impostos pela internet; é uma das nações que mais estão conectadas à rede; além de ser a maioria em comunidades virtuais como o Orkut. </li></ul></ul><ul><ul><li>No campo de telefonia celular, o Brasil tem 140 milhões de aparelhos ativos e 81% é comercializado em planos pré-pagos. </li></ul></ul>
  17. 17. <ul><ul><li>Nesse contexto, a comunicação móvel está transformando atividades econômicas e sociais de maneira profunda. </li></ul></ul><ul><li>Outra questão relevante com contexto ao acesso aos meios de telecomunicação é o fato de uma grande parcela da população não ter ainda acesso a telefones fixos. </li></ul><ul><li>O exemplo do Brasil é único porque tem características similares à África, e ao mesmo tempo revela um uso comparável a países desenvolvidos nas tecnologias mais avançadas nos grandes centros urbanos. </li></ul><ul><li>Assim como no passado o rádio e a televisão uniram o país em trocas culturais e informacionais, a comunicação móvel tem a potencialidade de ser ainda mais transformadora em um país de dimensões continentais e uma população multicultural e única na velocidade da adoção de novas tecnologias. </li></ul>
  18. 18. Exemplos <ul><li>JC Online: Período eleitoral de 2008 - realizou coberturas móveis de debates e do acompanhamento da votação e da divulgação dos resultados </li></ul><ul><li>http://www2.uol.com.br/JC/eleicoes_aovivo/ </li></ul><ul><li>Tv Cultura: Com a transmissão do programa Roda Viva, que mistura vídeo ao vivo, microblogs e transmissão em streaming, a TV Cultura é a primeira rede de televisão no Brasil a experimentar novas ferramentas integradas à sua programação para uma interatividade maior com o seu público </li></ul>
  19. 19. <ul><li>TV Band: No “Primeiro Jornal” há um espaço para o Band Repórter Celular  </li></ul><ul><li>Revista Época: criou o blog Urblog, a partir do qual uma repórter munida de um celular Nokia N95 circula pelo espaço urbano sem uma pauta definida em busca de situações e personagens que possam se transformar em notícia com aberturas para vídeo, seqüências de fotos e mapeamento via geotag que possam trazer uma nova visão da cidade </li></ul><ul><li>A experiência mais representativa de jornalismo móvel em nível internacional – agência de notícias Reuters em outubro de 2007 com a criação do projeto Reuters Mobile Journalism. Repórteres espalhados pelo mundo inteiro utilizavam um kit composto por um celular Nokia N95, um teclado sem fio bluetooth, um microfone externo, um tripé e aplicativos de edição embutidos no aparelho celular. Com este kit, o repórter produzia suas reportagens em formatos distintos (áudio, vídeo, imagens, textos) para distribuição através de diversas plataformas da agência de notícias. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>DO CARMO, Fernando Correa. Jornalismo móvel: um estudo do noticiário produzido para celulares .São Paulo, 2008 </li></ul><ul><li>  SILVA, Fernando Firmino da . Jornalismo e tecnologias da mobilidade: conceitos e configurações . II Simpósio Nacional de Pesquisadores em Cibercultura. São Paulo. </li></ul><ul><li>SILVA, Fernando Firmino da . Tecnologias móveis na produção jornalísticas: do circuito alternativo ao mainstream. </li></ul><ul><li>SILVA, Fernando Firmino da. Jornalismo reconfigurado: tecnologias móveis e conexões sem fio na reportagem de campo. </li></ul><ul><li>LEMOS, André; JOSGRILBERG, Fábio(org). Comunicação e mobilidade aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. PELLANDA, Eduardo Campos. Comunicação Móvel no contexto Brasileiro. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>LEMOS, André; JOSGRILBERG, Fábio(org). Comunicação e mobilidade aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil.  SILVA, Fernando Firmino da. Tecnologias móveis como plataformas de produção no jornalismo. </li></ul>

×