UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA             CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIAProcedimentos de incorporação, cat...
INTRODUÇÃO• Colonização de Santa Catarina por diferentes  etnias.• 199 museus no estado (INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS, 2...
QUESTÃO DE PESQUISA De que forma os conhecimentos das áreas deBiblioteconomia e Museologia podem contribuir   com o proces...
OBJETIVOS• GERALAnalisar o programa de gestão de acervos de instituições museológicas.• ESPECÍFICOSa)   verificar a adequa...
MUSEUS COMO UNIDADE DE              INFORMAÇÃO• Origem, Brasil e Santa Catarina: Grupo Sul.• Conceituação:    autores,    ...
“Instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço dasociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e queadqui...
MUSEUS COMO UNIDADE DE              INFORMAÇÃO• Fornecer aos usuários, informações a respeito  dos objetos que preserva.  ...
GESTÃO DE ACERVOS• A gestão do acervo é o conjunto de métodos e  práticas que tem por objetivo organizar e  interpretar as...
MUSEUS COMO UNIDADE DE      O trabalho biblioteconômico, em termos                  INFORMAÇÃO  simples, consiste em organ...
ACERVOS DE BIBLIOTECAS• INCORPORAÇÃO    Avaliação, Seleção e Aquisição.• CATALOGAÇÃO    AACR, ISBD, MARC, Dublin Core• REG...
ACERVOS DE MUSEUS• INCORPORAÇÃO    Política de aquisição, Lei 11.904, Código de Ética.• CATALOGAÇÃO    Object ID, CCO, Esp...
METODOLOGIA• Pesquisa exploratória e descritiva,    com  abordagem quali-quantitativa.• Dados do Sistema Estadual de Museu...
METODOLOGIA• Corpus da pesquisa: 18 instituições da Capital  do Estado, denominadas Museu.• Coleta de dados: questionário ...
DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS• 11 instituições responderam o questionário• O questionário foi elaborado e analisado  busca...
1) Caracterização da Instituição•   Categoria: 6 privados, 4 públicos, 1 fundação.•   Vinculação: 2 privados, 2 fundações,...
2) Caracterização dos Acervos• Coleção: 7 museus com coleção aberta e 3  com coleção fechada.• Entrada de peças: doação, c...
3) Gestão do Acervo•   Plano Museológico: 5 museus em elaboração, 2    finalizado e 4 não possuem.•   Incorporação: 9 muse...
3) Gestão do Acervo• Registro: 7 museus possuem o documento e  4 não possuem. Apenas 1 registrado em  cartório. Livro ata ...
CONCLUSÃOBibliotecas e museus possuem funçõessemelhantes, sendo consideradas unidades deinformação           à      medida...
CONCLUSÃOPolítica de desenvolvimento de coleções:  avaliação, seleção e aquisição do material.Descrição mínima: conjunto d...
CONCLUSÃOBiblioteconomia (AACR2, ISBD, Dublin Core e Marc)Museologia (Object ID, Espectro, recomendações do CIDOC, Manual ...
CONCLUSÃOEmbora as coleções museológicas sejam formadas por objetos comparticularidades diferentes, ainda assim, podem par...
REFERÊNCIASBRASIL. Estatuto de Museus. Lei 11.904 de 14 de janeiro de 2009. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/cciv...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓPOLIS: interdisciplinaridade entre Biblioteconomia e Museologia

1,372 views

Published on

Published in: Education
2 Comments
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
1,372
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
2
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓPOLIS: interdisciplinaridade entre Biblioteconomia e Museologia

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIAProcedimentos de incorporação, catalogação e registro nos museus de Florianópolis:interdisciplinaridade entre Biblioteconomia e Museologia Juliana Aparecida Gulka Orientadora: Profa. Dra. Eva Cristina Leite da Silva
  2. 2. INTRODUÇÃO• Colonização de Santa Catarina por diferentes etnias.• 199 museus no estado (INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS, 2011)• Preservação: procedimentos de controle e descrição. 1
  3. 3. QUESTÃO DE PESQUISA De que forma os conhecimentos das áreas deBiblioteconomia e Museologia podem contribuir com o processamento técnico dos objetos? 2
  4. 4. OBJETIVOS• GERALAnalisar o programa de gestão de acervos de instituições museológicas.• ESPECÍFICOSa) verificar a adequação da gestão de acervos em relação ao Estatuto de Museus;b) analisar como são realizados os procedimentos de incorporação, catalogação e registro do acervo;c) apresentar os procedimentos de tratamento do acervo realizados pela museologia e biblioteconomia;d) verificar como é realizada a recuperação dessas informações; ee) verificar a disponibilização dos objetos. 3
  5. 5. MUSEUS COMO UNIDADE DE INFORMAÇÃO• Origem, Brasil e Santa Catarina: Grupo Sul.• Conceituação: autores, organizações e legislação.• Contextualização: coleções diversas e um elemento em comum, a INFORMAÇÃO. 4
  6. 6. “Instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço dasociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e queadquire, conserva, investiga, difunde e expõe osDE MUSEUS COMO UNIDADE testemunhosmateriais do homem eINFORMAÇÃO educação e deleite de seu entorno, para da sociedade.”(INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS, 2001 apud SISTEMA BRASILEIRO DE MUSEUS, 2012) “Art. 1o Consideram-se museus, para os efeitos desta Lei, as instituições sem fins lucrativos que conservam, investigam, comunicam, interpretam e expõem, para fins de preservação, estudo, pesquisa, educação, contemplação e turismo, conjuntos e coleções de valor histórico, artístico, científico, técnico ou de qualquer outra natureza cultural, abertas ao público, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento.” (BRASIL, 2009) 2
  7. 7. MUSEUS COMO UNIDADE DE INFORMAÇÃO• Fornecer aos usuários, informações a respeito dos objetos que preserva. “Os arquivos, as bibliotecas e os museus incluem-se entre as instituições culturais responsáveis pela armazenagem, conservação e divulgação dos acervos coletados ao longo da trajetória das comunidades humanas” (CALDEIRA, 1998, p. 393) 6
  8. 8. GESTÃO DE ACERVOS• A gestão do acervo é o conjunto de métodos e práticas que tem por objetivo organizar e interpretar as coleções.• Uma coleção pode se diferenciar da outra por seu conteúdo ou aparência física, mas conservam características comuns que são utilizadas para os registros dos dados. 7
  9. 9. MUSEUS COMO UNIDADE DE O trabalho biblioteconômico, em termos INFORMAÇÃO simples, consiste em organizar, tratar e disseminarconhecimentos registrados para diferentes universos de usuários, a partir dos interesses, necessidades, demandas e potencialidades de cada um desses universos. (MEY; SILVEIRA, 2009, p. 1) 2
  10. 10. ACERVOS DE BIBLIOTECAS• INCORPORAÇÃO Avaliação, Seleção e Aquisição.• CATALOGAÇÃO AACR, ISBD, MARC, Dublin Core• REGISTRO Registro ou tombamento, Lei 10.753 30 out. 2003 9
  11. 11. ACERVOS DE MUSEUS• INCORPORAÇÃO Política de aquisição, Lei 11.904, Código de Ética.• CATALOGAÇÃO Object ID, CCO, Espectro, CIDOC, Africom.• REGISTRO Inventário, Estatuto de Museus, Numeração, Controle do Acervo. 10
  12. 12. METODOLOGIA• Pesquisa exploratória e descritiva, com abordagem quali-quantitativa.• Dados do Sistema Estadual de Museus – SC• Universo da pesquisa: museus mapeados e cadastrados na Região 5 – Grande Florianópolis 11
  13. 13. METODOLOGIA• Corpus da pesquisa: 18 instituições da Capital do Estado, denominadas Museu.• Coleta de dados: questionário com perguntas abertas e fechadas, aplicado via plataforma online. 12
  14. 14. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS• 11 instituições responderam o questionário• O questionário foi elaborado e analisado buscando-se abordar 3 principais aspectos:1) caracterização da instituição;2) caracterização do acervo; e3) gestão do acervo.+ Acesso as peças. 13
  15. 15. 1) Caracterização da Instituição• Categoria: 6 privados, 4 públicos, 1 fundação.• Vinculação: 2 privados, 2 fundações, 2 federais, 1 estadual e 1 municipal.• Existência: 60 anos o mais antigo – 1 ano o mais recente.• Funcionários: três com mais de 10 – Uma com 5 a 10 - Duas com 3 a 5 – Duas com 1 a 3.• Formação: nenhum Bibliotecário. 14
  16. 16. 2) Caracterização dos Acervos• Coleção: 7 museus com coleção aberta e 3 com coleção fechada.• Entrada de peças: doação, coleta, legado e compra.• Tipologia: arte, fotografia, arqueologia, história, imagem e som. 15
  17. 17. 3) Gestão do Acervo• Plano Museológico: 5 museus em elaboração, 2 finalizado e 4 não possuem.• Incorporação: 9 museus não possuem política de aquisição, 1 em elaboração e 1 finalizado.• Catalogação: 8 com peças catalogadas, 2 não catalogadas e 1 parcialmente. 5 sem padronização, 4 com alguma padronização. 6 museus sem sistema informatizado e 4 com informatização. 16
  18. 18. 3) Gestão do Acervo• Registro: 7 museus possuem o documento e 4 não possuem. Apenas 1 registrado em cartório. Livro ata e planilha informatizada.• Acesso as peças: exposição, consulta com agendamento prévio. 17
  19. 19. CONCLUSÃOBibliotecas e museus possuem funçõessemelhantes, sendo consideradas unidades deinformação à medida quearmazenam, organizam e disponibilizam os maisvariados tipos de informações.Biblioteca: BibliográficoMuseu: Tridimensional 18
  20. 20. CONCLUSÃOPolítica de desenvolvimento de coleções: avaliação, seleção e aquisição do material.Descrição mínima: conjunto de informações sobre as coleções a que o museu preserva.Registro: numeração sequencial e definitiva, marcação das peças, documento de 19
  21. 21. CONCLUSÃOBiblioteconomia (AACR2, ISBD, Dublin Core e Marc)Museologia (Object ID, Espectro, recomendações do CIDOC, Manual daAfricom e CCO) O que as recomendações têm em comum?Campos mínimos que devem ser preenchidos para a melhor descriçãoe identificação dos acervos, visando à recuperação da informação.A representação dos objetos de forma única e não ambígua é o quepermite recuperá-las e identificá-las nos catálogos, levando ao seuacesso e utilização como fonte de informação. 20
  22. 22. CONCLUSÃOEmbora as coleções museológicas sejam formadas por objetos comparticularidades diferentes, ainda assim, podem partilhar deinformações comuns que irão compor suas políticas de formação deacervo, descrição e registro.Sugestões: Possibilidade de tradução de alguns padrões apresentados;Profissional formado em biblioteconomia, com o conhecimento dasintaxe e terminologias adequadas ao processamento técnico dascoleções museológicas e gerenciamento de acervo.Futuras pesquisas: aprofundamento nos campos de descriçãoapresentados;Estudar formas de informatização das instituições museológicas. 21
  23. 23. REFERÊNCIASBRASIL. Estatuto de Museus. Lei 11.904 de 14 de janeiro de 2009. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm>. Acesso em:13 abr. 2011.CALDEIRA, Paulo da Terra. Museus. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CALDEIRA, Paulo daTerra; MACEDO, Vera Amália Amarante (orgs.). Formas e expressões do conhecimento:introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Escola de Biblioteconomia daUFMG, 1998. p.393-414.INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Museus em Números. Brasília: IBRAM, 2011. v.2.MEY, Eliane Serrão Alves; SILVEIRA, Naira Christofoletti. Catalogação no plural. Brasília:Briquet de Lemos, 2009.SISTEMA BRASILEIRO DE MUSEUS. O que é museu. 2012. Disponível em:<http://www.museus.gov.br/SBM/oqueemuseu_museusdemu.htm >. Acesso em: 20 jun.2012. 22

×