Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Upcoming SlideShare
Hfc aula jean paul sartre
Hfc aula jean paul sartre
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 17 Ad

Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre

Download to read offline

Considerado um dos maiores filósofos da atualidade, Sartre sempre era chamado para dirimir diversas questões do dia a dia da vida em sociedade, sendo considerado um filósofo atuante (não de gabinete).
Temas como liberdade, consciência e existencialismo são o foco de sua filosofia.

Considerado um dos maiores filósofos da atualidade, Sartre sempre era chamado para dirimir diversas questões do dia a dia da vida em sociedade, sendo considerado um filósofo atuante (não de gabinete).
Temas como liberdade, consciência e existencialismo são o foco de sua filosofia.

Advertisement
Advertisement

More Related Content

Slideshows for you (20)

Viewers also liked (20)

Advertisement

Similar to Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre (20)

Advertisement

Recently uploaded (20)

Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre

  1. 1. FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA: o pensamento do século XX. JEAN PAUL SARTRE
  2. 2. SÉCULO XX – UMA ERA DE INCERTEZAS •O séc. XIX foi marcado por grandes convicções. •Os filósofos estavam confiantes no poder da razão, os cientistas entusiasmados com os avanços tecnológicos, os capitalistas com a expansão industrial, os românticos com a valorização da pátria, etc. •No entanto, poucas dessas convicções subsistiram no século XX, caracterizado como a era das incertezas. •Freud, ao fundar a psicanálise e a psicologia do inconsciente, colocou em dúvida a hegemonia da razão. •Einsten, formulou a teoria da relatividade, Heisenberg criou o princípio da incerteza.
  3. 3. Mundo de contrastes •Como definir os principais acontecimentos do séc. XX? Trágico ou maravilhoso? •De um lado, tivemos 02 grandes guerras mundiais; explosão da barbárie nazista que aterrorizou o mundo; a Revolução Russa que impulsionou o socialismo e que levou à Guerra Fria... •Por outro lado, depois da II GM a tecnologia deu um salto enorme, com a invenção de telescópios, naves, curas...mas que trouxe com ela a corrida armamentista, o medo da destruição atômica e a degradação ambiental. •Os avanços tecnológicos em pouco contribuíram para diminuir as desigualdades sociais.
  4. 4. IMPRESSÕES ANTAGÔNICAS •Por tudo isso, as impressões dos intelectuais que viveram o séc. XX são díspares. •Alguns o veem como uma época inédita pela vastidão de dramas humanos, massacres, guerras... •Outros reconhecem que, apesar das violências, o séc. XX foi também um período de progresso e de importantes conquistas sociais. •Por conta dessas contradições, surge no séc. XX uma mentalidade menos arrogante quanto aos benefícios infalíveis da racionalidade científica. •Destituídas de valores éticos, a ciência e a tecnologia nem sempre contribuem para o desenvolvimento do ser humano.
  5. 5. JEAN-PAUL SARTRE (1905 – 1980)
  6. 6. FENOMENOLOGIA •É a ciência dos fenômenos. •É a observação e descrição rigorosa de determinado fenômeno que é colocado à consciência. •Como se forma a nossa consciência a partir das nossas experiências independentemente de qualquer teoria. •Sartre leva tão a fundo que percebe que, ao estudar a consciência, encontramos a liberdade. •“A consciência é consciência de algo.” -> a consciência não é algo, mas sim a consciência de algo.
  7. 7. EXISTENCIALISMO •Quem surgiu primeiro: a essência ou a consciência? •Consciência é um ato, uma ação! Ela nos direciona a conhecer as coisas, e por isso existe primeiro para depois se relacionar com outros seres. •Logo, os objetos, os seres não possuem uma essência anterior. •Para os existencialistas, a existência tem prioridade sobre a essência humana, portanto o homem existe independente de qualquer definição pré-estabelecida sobre seu ser. •É preciso compreender os fenômenos tais como eles parecem ser, sem depender do real conhecimento de sua natureza essencial.
  8. 8. •Pressupõe que a vida seja uma jornada de aquisição gradual de conhecimento sobre a essência do ser, por esta razão ela seria mais importante que a substância humana. • Seus seguidores não creem que o homem tenha sido criado com um propósito determinado, mas sim que ele se construa à medida que percorre sua caminhada existencial. •Assim, diferente do que pensam outras correntes, não há um molde de como o ser deve ser. Tudo que ele é ou será depende unicamente da sua existência, de como ele percebe as coisas.
  9. 9. •Logo, não há qualquer regra a que ele possa se reportar para ser guiado. Se não há nenhuma regra pré determinada que molde o homem, se ele não deve se reportar a nada, ele é imediatamente livre! •Assim, ele cria do nada ( da sua consciência) uma razão para sua vida, e por isso está condenado à liberdade. • O existencialismo de Sartre é ateu, porque o homem era responsável por definir a sua essência e não Deus. • Esta visão dá margem a uma angústia existencial diante daquilo que não se pode compreender ou conceder um sentido.
  10. 10. •E então, como o homem vem do nada (sua consciência é nada, que vai sendo construída com as experiências), a liberdade preenche o homem. •Por isso, a liberdade deve ser vivida sempre, para que o homem continue construindo suas escolhas. • Por intermédio de suas escolhas, o indivíduo constrói a si mesmo. •O exercício da liberdade em situações concretas é que move o ser humano, que gera a incerteza, que leva à produção de sentidos.
  11. 11. •Vale lembrar que liberdade não é abstração, mas algo que deve ser trabalhado continuamente, uma vez que o homem não é alienado do mundo. •As coisas são como são, mas poderiam ser diferentes. •Assim como não há essência para o homem, não há justificação para o mundo ser como é, e por isso o home é capaz de mudá-lo. •Portanto, há uma situação que a liberdade pode mudar. •“Sem obstáculos não há liberdade”. •A liberdade está relacionada, portanto, com situações reais.
  12. 12. •Indo mais além, Sartre dizia que não podemos escolher o mundo, a realidade que vivemos. Mas podemos escolher o que fazer com essa realidade.
  13. 13. Existencialismo e Marxismo •Se a liberdade é situada no contexto histórico, e se o homem não escolhe o contexto que ele nasce, cabe a ele, através da formação da sua consciência (que é uma ação que leva à liberdade) mudar o contexto. •Por isso Sartre se identificava com o Socialismo Marxista, pois o homem não escolhe as condições históricas em que vive, mas a partir do momento que se encontra nessa situação, pode mudá-la. •É nossa responsabilidade mudar ou não o mundo! -> já estamos envolvidos. •A verdade é que, mesmo que que nossa escolha seja não fazer nada, fazemos parte do mundo e somos responsáveis por ele.
  14. 14. Para refletir... •Há limites para a nossa liberdade?

×