Bioquímica ii 15 síndrome metabólica

2,618 views

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,618
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
211
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bioquímica ii 15 síndrome metabólica

  1. 1. Arlindo Ugulino Netto – BIOQUÍMICA II – MEDICINA P2 – 2008.1FAMENENETTO, Arlindo Ugulino.NUTRIÇÃO SÍNDROME METABÓLICA (Profª. Edneide) A Síndrome Metabólica (SM) é um transtorno complexo, caracterizada por um conjuntode fatores de risco cardiovasculares, relacionados com resistência à insulina e obesidadeabdominal. É importante assinalar a associação da SM com doença cardiovascular,aumentando a mortalidade geral em cerca de 2 vezes e a cardiovascular em 3 vezes. Osfatores associados que levam a uma SM são: Obesidade: distúrbio que desencadeia, na maioria das vezes, todos os outros fatores de risco da SM. É definida por um grande perímetro abdominal (cintura). Hipertensão arterial; Dislipidemias Diabetes Mellitus Dislipidmeia (↑LDL, ↓HDL, ↑TGL, ↑Colesterol Total) Inflamação A SM recebeu várias designações, como Síndrome X, Quarteto Mortal e Síndrome Prlurimetabólica. Associedades médicas sugerem alguns métodos para detecção dos indivíduos portadores de síndrome metabólica. OConsenso sobre SM (2004) sugeriu que os indivíduos portadores de três ou mais dos seguintes critérios devam serconsiderados como portadores de síndrome metabólica: 1. Obesidade abdominal (visceral), medida ao nível médio do abdômem: cintura > 102 cm em homens e > 88 cm em mulheres; 2. Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dL 3. HDL colesterol: < 40 mg/dL em homens e < 50 mg/dL em mulheres; 4. Hipertensão arterial sistêmica > 130/85 mmHg; 5. Glicemia de jejum: > 110 mg/dL (recentemente, a Associação Americana de Diabetes sugeriu que os valores de normalidade para glicemia de jejum fossem reduzidos para, no máximo, 99 mg/dL, sendo possível que esse critério seja adotado também para síndrome metabólica em um próximo consenso da ATP III). Recentemente a International Diabetes Federation (IDF, maio 2005), sugeriu como critérios: • Obesidade central cujos limites possa variar conforme a etnia. Assim para europeus sugeriu para medida da circunferência da cintura os valores de 94cm para homens e 80cm para mulheres, para asiáticos 90 e 80cm e para japoneses 85 e 90cm respectivamente homens e mulheres. E dois ou mais dos seguintes critérios: • Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dL ou estar em tratamento específico • HDL colesterol: < 40 mg/dL em homens e < 50 mg/dL em mulheres ou estar em tratamento específico; • Hipertensão arterial sistêmica > 130/85 mmHg ou tratamento de hipertensão diagnosticado previamente. • Glicemia de jejum > 100mg/dL ou diabetes tipo 2 diagnosticado previamente Outros clínicos e laboratoriais tem sido associados à SM, síndrome de ovário policístico, acanthosis migrican,doença hepática gordurosa não alcóolica, microalbuminúria, estados pró-trombóticos, estados pró-inflamatórios e dedisfunção endotelial. 1OBS : O principal pesquisador dessa Síndrome, considerado o pai da SM, foi o Reaven, que descobriu a resistência ainsulina presente em pacientes portadores da SM.OBS²: Os sintomas da SM têm início na vida jovem, mas manifesta-se com o avançar da idade. A SM está associada a fatores genéticos e ambientais, estando os fatores ambientais (estilo de vida) muito maisligados à origem de uma SM. O estresse, a falta de exercício físico, o fumo, etc, podem desencadear uma SM mesmosem predisposição genética. 1
  2. 2. Arlindo Ugulino Netto – BIOQUÍMICA II – MEDICINA P2 – 2008.1FISIOPATOLOGIA As causas do desenvolvimento da síndrome metabólica são complexas e não se encontram aindacompletamente esclarecidas. Um rastreio dos fatores iniciais numa grande proporção dos doentes aponta para que umadieta desequilibrada, aliada a um estilo de vida sedentário, sejam os principais fatores de risco para o desenvolvimentoda síndrome. Todos os “sintomas” encontram-se estritamente relacionados. Uma má dieta e o sedentarismo frequentementelevam, por um lado, a um aumento dos níveis de colesterol que se deposita na parede dos vasos, uma condiçãodesignada aterosclerose; e por outro a obesidade. A obesidade encontra-se intimamente relacionada com um aumentoda resistência periférica à insulina, que leva a hiperglicemia e pode evoluir para diabetes tipo 2, além de aumentar onível de triglicerídeos e de colesterol em circulação. A hiperglicemia, e outras alterações típicas da diabetes vão causardano adicional à parede das artérias e veias, potenciando a aterosclerose na crescente obstrução dos vasos, que irácondicionar um aumento da pressão sanguínea (hipertensão) ou um agravamento desta. Vários outros mecanismos encontram-se também envolvidos neste processo complexo, que embora possaevoluir de formas diversas, condiciona sempre um aumento do risco de doença cardiovascular, como enfarte domiocárdio ou acidente vascular cerebral, além de várias outras complicações, como insuficiência renal, cataratas, etc.RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS (INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS) • Proteínas: 10 – 15% • Carboidratos: 50 – 60% • Lipídios (ideal): menor que 30% AG Saturados : menor que 10% do valor calórico total (VCT). Fontes: banha, manteiga, gordura de côco. Valor recomendado para cardiopatas: < 7% do VCT. AG Polinsaturados : até 10% do VCT. Fontes: soja, milho, sementes de girassol. AG Monosaturados ☺ : devem ser mais valorizadas (restante da porcentagem do VCT). Fontes: azeite de oliva, canola, alçafrão. É descrita por pesquisadores e nutricionistas como gordura cardioprotetora (amiga do coração), agindo como agentes antiinflamatórios (juntamente aos anti-oxidantes).OBS3: A gordura trans (menor que 2% do VCT), gordura classificada como insaturada industrial, é tão maléfica que agetal qual as gorduras saturadas.OBS4: Só há presença de colesterol (300 mg/dia) em alimentos de origem animal. Nenhum óleo vegetal possuicolesterol.OBESIDADE É o mais antigo distúrbio metabólico já relatado na história. Obesidade, nediez ou pimelose (tecnicamente, dogrego pimelē = gordura e ose = processo mórbido) é uma condição na qual a reserva natural de energia, armazenadaem forma de gordura em humanos e outros mamíferos, aumenta até o ponto em que passa a estar associada a certosproblemas de saúde ou ao aumento da taxa de mortalidade. Os principais fatores que desencadeam a obesidade são:fatores dietéticos + fatores ambientais + fatores genéticos, correspondendo a um grupo heterogênio de causasmúltiplas, Apesar de se tratar de uma condição clínica individual, é visto, cada vez mais, como um sério e crescenteproblema de saúde pública: excesso de peso predispõe o organismo a uma série de doenças, em particular doençacardiovascular (maior causa de morte no Brasil), diabetes mellitus tipo 2, apnéia do sono e osteoartrite. A obesidade étida como doença desencadeadora da Síndrome Metabólica.OBS5: O Brasil é um país predominantemente obeso, onde o predomínio se dá na população pobre, em que não há umadisponibilização de alimentos adequados como fibras e proteínas, possuindo apenas massas e carboidratos (comofarinha). 6OBS : A expectativa de vida em média no Brasil é de 71 a 72 Kg. A obesidade reduz essa média. A prevalência cresce mundialmente, e representa a mais importante desordem nutricional em paísesdesenvolvidos (10%). Não há diferença entre sexos e raças. A faixa etária mais atingida vai de 25 a 44 anos. Aprevalência de 32% na população brasileira (SBC-1999). O acúmulo excessivo de gordura no corpo ou na cavidade abdominal é determinante na resistência à insulina ena SM. 2
  3. 3. Arlindo Ugulino Netto – BIOQUÍMICA II – MEDICINA P2 – 2008.1OBS7: O aumento de 10% do peso corporal: Glicemia aumenta em 2 mg/dl; PAS 6 mmHg e PAD 4 mmHgOBS8: Aumento em 20% do peso corporal: Dobra o risco de mortalidade por diabetes melito; Aumenta em 40%disfunção da vesícula biliar e 25% doenças cardiovasculares. 9OBS : Aumento em 40% do peso corporal: Mortalidade em 55% dos casos; Quadriplica o risco de mortalidade pordiabetes melito; Aumenta em 70% o risco de doenças cardiovasculares.TIPOS DE OBESIDADE • Localizada Central/superior = ANDRÓIDE: Mais comum em homens; Distribuída ao nível do tronco; Deposição intra- abdominal visceral. Aumento da circunferência abdominal equivale a maior tecido adiposo visceral e hiperinsulinemia com resistência à insulina. • Quadril / inferior = GINÓIDE ou GINECÓIDE: Mais comum em mulheres; Distribuída ao nível do quadril.CAUSAS E MECANISMOS • Estilo de vida: Pesquisadores já concluíram que o do aumento da incidência de obesidade em sociedades ocidentais nos últimos 25 anos do século 20 teve como principais causas o consumo excessivo de nutrientes combinado com crescente sedentarismo. Embora informações sobre o conteúdo nutricional dos alimentos esteja bastante disponível nas embalagens dos alimentos, na internet, em consultórios médicos e em escolas, é evidente que o consumo excessivo de alimentos continua sendo um problema. Devido a diversos fatores sociológicos, o consumo médio de calorias quase quadruplicou entre 1977 e 1995. Porém, a dieta, por si só, não explica o significativo aumento nas taxas de obesidade em boa parte do mundo industrializado nos anos recentes. Um estilo de vida cada vez mais sedentário teve um papel importante. Outros fatores que podem ter contribuído para esse aumento – ainda que sua ligação direta com a obesidade não seja tão bem estabelecida – o estresse da vida moderna e sono insuficiente. • Genética: Como tantas condições médicas, o desequilíbrio metabólico que resulta em obesidade é fruto da combinação tanto de fatores ambientais quanto genéticos. Polimorfismos em diversos genes que controlam apetite e metabolismo predispõem à obesidade, mas a condição requer a disponibilidade de calorias em quantidade suficiente, e talvez outros fatores, para se desenvolver plenamente. Diversas condições genéticas que têm a obesidade como sintoma já foram identificadas (tais como Síndrome de Prader-Willi, Síndrome de Bardet-Biedl, síndrome de MOMO e mutações dos receptores de leptina e melanocortina), mas mutações genéticas só foram identificadas em cerca de 5% das pessoas obesas. Embora acredite-se que grande parte dos genes causadores estejam por ser identificados, é provável que boa parte da obesidade resulta da interação entre diversos genes e que fatores não genéticos também sejam importantes. • Doenças: Determinadas doenças físicas e mentais e algumas substâncias farmaceuticas podem predispôr à obesidade. Além da cura dessas situações poder diminuir a obesidade a presença de sobrepeso pode agravar a gestão de outras. Males físicos que aumentam o risco de desenvolvimento de obesidade incluem diversas síndromes congênitas (acima mencionadas), hipotireoidismo, Síndrome de Cushing e deficiência do hormônio do crescimento. Certas enfermidades psicológicas também podem aumentar o risco de desenvolvimento de obesidade, especificamente disfunções alimentares como bulimia nervosa.IMC IMC, ou índice de massa corporal, é um método simples e amplamente difundido de se medir a gordura corporal.A medida foi desenvolvida na Bélgica pelo estatístico e antropometrista, Adolphe Quételet. É calculado dividindo o pesodo indivídio em kilos pelo quadrado de sua altura em metros. 2 Equação: IMC = kg / m Onde kg é o peso do indivíduo em quilogramas e m é sua altura em metros. As atuais definições estabelecem aseguinte convenção de valores, acordada em 1997 e publicada em 2000:[2] • IMC menor que 18.5 é abaixo do peso • IMC entre 18.5 e 24.9 é normal • IMC entre 25.0 e 29.9 é acima do peso • IMC entre 30.0 e 39.9 é obeso/a • IMC de 40.0 ou mais é severamente (ou morbidamente) obeso/aCIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA O IMC não distingue entre diferentes tipos de adiposidade, alguns dos quais podem estar mais associados adoença cardiovascular. Estudos mais recentes dos diferentes tipos de tecido adiposo têm demonstrado, por exemplo,que a obesidade central (em forma de maçã, tipicamente masculina) tem uma correlação muito superior à doençacardiovascular que o IMC por si só. A circunferência absoluta (>102 cm para homens e >88 cm para mulheres) e oíndice cintura-quadril (>0.9 para homens e >0.85 para mulheres) são, ambos, utilizados como medidas da obesidadecentral. 3
  4. 4. Arlindo Ugulino Netto – BIOQUÍMICA II – MEDICINA P2 – 2008.1MEDIÇÃO DE GORDURA CORPÓREA Uma maneira alternativa de determinar obesidade é medindo a porcentagem de gordura corpórea. Médicos ecientistas, em geral, concordam que homens com mais de 25% de gordura e mulheres com mais de 30% de gordura sãoobesos. Porém, é difícil medir a gordura corporal com precisão. O método mais aceito é a pesagem do indivíduo debaixod’água, mas só é possível em laboratórios especializados que dispõem do equipamento. Os dois métodos mais simplessão o teste da dobra, no qual a pele do abdómen é pinçada e medida para determinar a grossura da camada de gordurasubcutânea; e o teste de impedância bioelétrica, que só pode ser realizado em clínicas especializadas e não deve serfeito com freqüência. Outras formas de medir a gordura corporal incluem a tomografia computadorizada e a ressonânciamagnética.DIAGNÓSTICO • Circunferência da Cintura • Relação Cintura/Quadril: RCQ maior que 0,97 determina aumento na prevalência de HAS e DM.OBS10: O IMC se usa como parâmetro, mas não como forma de diagnóstico de SM.TRATAMENTO O principal e mais eficaz tratamento para a síndrome metabólica e complicações associadas passa por umaimportante mudança nos hábitos de vida, nomeadamente uma alimentação mais saudável e prática de exercício físicoregular com perda do excesso de peso, e deixar de fumar. Como os fatores encontram-se interligados, a melhoria de umdos aspectos da síndrome metabólica pode levar a uma melhoria global de todo o quadro clínico. Tratamento farmacológico pode ser necessário para controlar a hipertensão e os níveis de colesterol, sendotambém corrente a utilização de ácido acetilsalicílico (AAS) para evitar o risco de coagulação e trombose. 4

×