Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

20130529 apresentacao padrao-v47

615 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

20130529 apresentacao padrao-v47

  1. 1. Plano de DesenvolvimentoSocioeconômico da MacroÁrea de Influência da PonteSalvador - Ilha de ItaparicaSalvador, 2013
  2. 2. Por que construir a ponte?Aumento da eficiência logística na RegiãoMetropolitana de Salvador, facilitando o fluxode mercadorias e serviços1Melhoria das condições de vida da população da RMS,que ganhará novo eixo de expansão urbana e melhorescondições de mobilidade21Promoção do desenvolvimento socioeconômico doRecôncavo Sul e Baixo-Sul3
  3. 3. 2A Região Metropolitana de Salvador é um doscentros urbanos mais relevantes do país1População de mais de 3,5milhões de pessoas: ummercado consumidor pujantee em ascensãoSegundo maior poloindustrial do Norte/NordesteMaior centro urbano doNordeste, com PIBsuperando os R$ 64 Bilhões
  4. 4. BR-324A região enfrenta, entretanto, um estrangulamentologístico que limita o seu desenvolvimento31VelocidadeKm/hFluxo diárioMil veículosTráfego atual já representacerca de 90% da capacidadeviária da BR-324BR-324 na chegadaem Salvador: 40 milpor dia10 mil veículospor dia28 mil veículospor dia11 mil veículospor dia Ausência de conexãodireta entre a RMS e aregião Sul do Estado Acesso à RMSconcentrado em umaúnica rodovia, a BR-324240 milveículospor diaBR 116BR 101BR 324ParalelaSem os picos de trânsito, avelocidade média na viapoderia ser o dobro da atual
  5. 5. 41A ponte abre um novo eixo para o tráfego da RMS,integrando-a ao Baixo-Sul e ao Recôncavo Sul▪ Fechamento do ANEL VIÁRIO do Recôncavo, integrando toda a região:– Construção da Ponte– Duplicação da BA-001 na Ilha e da Ponte do Funil– Construção da ligação entre Santo Antônio de Jesus e Castro Alves– Qualificação da infraestrutura viária regionalMaior conectividade da RMScom o sul do EstadoDesenvolvimento da logísticana regiãoAumento do fluxo depessoas, serviços emercadorias
  6. 6. 5A ponte aumentará a eficiência do tráfego daregião1Redução das distâncias à Salvador%LevarámenostempoConsumirámenoscombus-tívelExemploUma viagem entre Santo Antôniode Jesus e Salvador...Litros de gasolinaMinutos17075-95188-1020-25% mais curto25-30% mais curto30-40% mais curto+40% mais curto
  7. 7. 6Projeção de tráfego em 30 anos nos dois sentidos1Milhares de veículos por diaAnos de operação da ponteFONTE: PMI-Consórcio; ABCR; ANTT; Tendências; análise da equipeProjeção do tráfego de veículos na ponte SSA-Itaparica
  8. 8. Milhares de toneladas de CO2 economizadas por anoVeículos desviados da BR-324 pela ponteMilhares de veículos desviados por dia,vs. anos de operação811013182432435 10 15 20 25 307Fonte: PMI-Consórcio; ABCR; ANTT; Tendências; Mapas rodoviários; ESALQ; análise da equipe1A ponte também contribuirá para uma menoremissão de poluentes▪ Os veículos desviadosgerarão umaeconomia de mais de4 milhões de toneladasde CO² ao longo dospróximos 30 anos12▪ Esse valor equivale aemissão anual de 50mil automóveis,durante 30 anos3▪ A redução de CO2 naatmosfera equivale àplantação de 100km²de mata atlântica (1/7da área de Salvador)453 68 92 124 167 226 3061 Considerando emissão de CO2 por litro de combustível para álcool=1,18 kg/L, gasolina = 2,01 kg/L,diesel = 2,57 kg/L2 Considerando eficiência média para: automóveis= 9,5km/L (gas/álcool), caminhões= 3,6km/L (diesel) e ônibus= 3,0km/L (diesel)3 Considerando emissão anual de um automóvel= 2,7 ton CO2 (14.864km rodados anualmente)4 Considerando absorção anual de uma árvore=8,15kg CO2 e presença de 166.700 árvores por km²
  9. 9. 8Proposta inicial para o traçado da Ponte Salvador-Ilha de ItaparicaFONTE: PMIPossível trecho móvel de cercade 200m de largura para apassagem de plataformas eportêineres (em discussão)Canal central denavegação, com cerca de70m de altura e 40m deprofundidadeCurvatura próxima à chegadaem Salvador, permitindo oacesso de grandesembarcações ao Porto1
  10. 10. 9O tráfego de navios de grande porte pode ser feito atravésdo vão central, sem impacto no tráfego de veículosFONTE: PMI, Marinha americana, Análise da equipe1 Valores aproximados2 Inclui centro de comando e antenaExemplo comparativoProposta para o vão central Porta-aviões da série Nimitz▪ Largura do vão: 600 a 750metros▪ Largura máxima: 77 metros1▪ Altura do vão em relação àágua: 70 metros▪ Calado aéreo: 63 metros12▪ Profundidade do canal: 40metros▪ Calado: 12 metros11A altura da ponte possibilita a passagemdos maiores navios do mundo e não serábarreira para futuras embarcações degrande porte
  11. 11. 10Outros grandes portos do mundo apresentam obstruções maisbaixas que a Ponte Salvador – Ilha de ItaparicaFONTE: U.S. Army Corps of EngineersHong Kong Ponte Stonecutters 73mCanal de Suez, Egito Ponte Mubarak Peace 70mNova Iorque/Nova Jérsei Ponte Verrazano 67mSão Francisco/ Oakland Ponte Golden Gate 69mOakland Ponte Oakland Bay 67mCanal do Panama Ponte das Américas 61mLos Angeles Ponte Vincent Thomas 56mYokohama Ponte Yokohama Bay 56mSalvador Ponte Salvador- Ilhade Itaparica70mGrandes portos com obstruções aéreasLocalização Obstrução Altura livre
  12. 12. Cabeceira da Ponte na Ilha de Itaparica11Para as cabeceiras da ponte, diferentes alternativasestão sendo estudadas (1/2)1Propostas ainda preliminares, aserem detalhadas durante oprojeto de engenharia▪ Chegada em área de baixaocupação urbana,minimizando necessidade dedesapropriações▪ Espaço para construção deuma praça de pedágio
  13. 13. Cabeceira da Ponte em Salvador12Para as cabeceiras da ponte, diferentes alternativasestão sendo estudadas (2/2)1▪ Localização próxima aoPorto de Salvador,permitindo o rápidoacesso de cargas▪ Possibilidade de conexãocom a Via ExpressaPortuária▪ Compatibilidade com apoligonal de PatrimônioHistórico do Centro deSalvador▪ Garante a preservação daFeira de São JoaquimPropostas ainda preliminares, aserem detalhadas durante oprojeto de engenharia
  14. 14. 13Chegada da Ponte em Salvador (1/2)1Propostas ainda preliminares, aserem detalhadas durante oprojeto de engenharia
  15. 15. 14Chegada da Ponte em Salvador (2/2)1Propostas aindapreliminares, a seremdetalhadas durante oprojeto de engenharia
  16. 16. 15O projeto se articula com soluções de tráfego atuais epotenciais vias futuras1Projeto/construçãoExistente
  17. 17. 16Investimentos em Mobilidade Urbana1Viadutos do ImbuiConstrução do MetrôDuplicação da Avenida OrlandoGomes e Pinto de Aguiar,Construção da Avenida 29 de março
  18. 18. 171O projeto faz parte de um conjunto de iniciativasque levarão a Bahia a um novo patamar logísticoHidroviaRodoviasFerroviasPortos e terminaisBR 242BR 116BR 101Complexoportuário RMS-BTSComplexoportuárioIlhéus-Porto SulFerrovia deIntegração Oeste-Leste (PAC)Hidrovia do SãoFrancisco (PAC)Ferrovias a dinamizar comnovo marco regulatório (FCA)
  19. 19. 18Por que construir a ponte?Aumento da eficiência logística na RegiãoMetropolitana de Salvador, facilitando o fluxode mercadorias e serviços1Melhoria das condições de vida da população da RMS,que ganhará novo eixo de expansão urbana e melhorescondições de mobilidade2Promoção do desenvolvimento socioeconômico doRecôncavo Sul e Baixo-Sul3
  20. 20. O crescimento populacional da RMS foi direcionadopara o norte2FONTE: IBGE, Revista Como Anda Salvador – 2ª EdiçãoCrescimento populacional0,913,22Salvador RMS Norte% a.a, 2000-201019
  21. 21. Lauro de FreitasParalela, SalvadorO Norte se tornou o principal eixo de expansãourbana da RMS220FONTE: Anuário do Mercado Imobiliário Brasileiro - LopesUnidades residenciais lançadasTotal de unidades, 20119.8004.300Salvador Lauro de FreitasO número de unidadeslançadas em Lauro deFreitas já representa mais de40% do total de Salvador
  22. 22. Diminuição da pobreza na RMS121A pressão por moradias qualificadas tende a continuarcom a mobilidade social observada na RMS...2 Cerca de 1 Milhão depessoas saíram dapobreza na RMS (classesD e E) nos últimos 12 anos Esses consumidoresemergentes demandamnovos lares de qualidade eestão dispostos a percorrermaiores distâncias, casonão encontrem moradiaspróximas ao seu local detrabalhoFONTE: IPC Maps2000n= 1,273 Milhões depessoas(A)(B)(D)(E)(C)7%16%25%31%21%2012n= 3,757 Milhões depessoas5%26%51%27%1%1 Desconsiderando Vera Cruz e Itaparica
  23. 23. Pirâmide etária da Bahia22...E será intensificada pelo envelhecimento da população24020Idade1990 2000 2030As mudanças na pirâmide etária devem gerar a criação de 30 mil novas famílias naRMS, todos os anos, impactando diretamente a demanda por moradiasFONTE: IBGE, MCM-8,0 -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,0 8,00-45-910-1415-1920-2425-2930-3435-3940-4445-4950-5455-5960-6465-6970-7475-7980-8485-8990+Homens1991 Mulheres1991-8,0 -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,0 8,00-45-910-1415-1920-2425-2930-3435-3940-4445-4950-5455-5960-6465-6970-7475-7980-8485-8990+Homens2000 Mulheres20002010-8,0 -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,00-45-910-1415-1920-2425-2930-3435-3940-4445-4950-5455-5960-6465-6970-7475-7980-8485-8990ou+Homens2010 Mulheres2010-8,0 -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,00-45-910-1415-1920-2425-2930-3435-3940-4445-4950-5455-5960-6465-6970-7475-7980-8485-8990ou+Homens2030 Mulheres203060
  24. 24. 23Mesmo com os planosde desenvolvimentourbano, quase 70% dailha seria destinada àpreservação ambientalA ilha tem uma área total de 369 km² ebaixa densidade demográfica (158hab/km²)Cerca de 11% da ilha já urbanizada20% das áreas já impactadas pelaantropização e com potencial dedesenvolvimento urbanoSalvador tem área de 707 km²e alta densidade demográfica(3.786 hab/km²)Desenvolvimento urbanoapresenta sinais de saturação (p.ex. trânsito)Necessidade de resgate dacentralidade urbana da capitalA ponte possibilita a criação de um novo vetor dedesenvolvimento urbano em direção ao sul e oeste2
  25. 25. O projeto da ponte dá a oportunidade para que odesenvolvimento urbano da Ilha de Itaparica seja feitode forma planejada e ordenada24O projeto traz soluções estruturantes paraproblemas urbanos da ilha2Edital para contratação dosestudos urbanísticoslançado em MaioCriação de planos urbanísticos intermunicipaisRevisão dos PDDUs de Vera Cruz e ItaparicaAnálise dos impactos urbanos e de vizinhançaElaboração de Plano de SaneamentoOutros investimentos em infraestrutura básica para a regiãoIlha de ItaparicaA ilha atualmente demandauma série de ações de melhoria urbana
  26. 26. A ponte também potencializa o centro de Salvador25▪ Revisão do Plano de Reabilitação doCentro Antigo de Salvador▪ Requalificação dos acessos viários▪ Recuperação do Patrimônio Histórico▪ Investimento em infraestrutura(iluminação pública, pavimentação, etc.)▪ Investimento em segurançaIniciativasPAC das cidades históricastambém deve aportar cerca deR$270 Mi em investimentos2
  27. 27. 26Por que construir a ponte?Aumento da eficiência logística na RegiãoMetropolitana de Salvador, facilitando o fluxode mercadorias e serviços1Melhoria das condições de vida da população da RMS,que ganhará novo eixo de expansão urbana e melhorescondições de mobilidade2Promoção do desenvolvimento socioeconômico doRecôncavo Sul e Baixo-Sul3
  28. 28. Nas décadas de 50 a 70, a RMS e o Recôncavo Nortereceberam investimentos estruturantes significativos27Polo Petroquímicode CamaçariDe 1949 à 1980, o PIB do Norte doRecôncavo e da RMS cresceram8,3% e 10% a.a. respectivamente(vs 7,5% Brasil)3RefinariaLandulpho AlvesTEMADRECentroIndustrial de Aratu
  29. 29. Os novos investimentos na indústria também foram ouserão direcionados para a RMS e Recôncavo Norte28Valor total dosinvestimentos superaR$ 10 bilhões3Estaleiro Enseadado ParaguaçúFábrica BASFRefinaria LandulphoAlves (novos invest.)Fábrica Jac MotorsFábrica FordTerminal deRegaseificação
  30. 30. A Ponte e o SVO criam um novo eixo de desenvolvimento noRecôncavo Sul e no Baixo-Sul, regiões com menor IDH e nasproximidades da RMS329RecôncavoBaixo-sulIDH legendaMenos desenvolvidoMais desenvolvido0,521 a 0,5780,579 a 0,6350,636 a 0,6910,749 a 0,8050,692 a 0,748Baixo-sul
  31. 31. 30Síntese do panorama social da macroárea▪ IFDM▪ % da população nas classes D e E▪ Mortalidade infantil (por 1.000)▪ % óbitos por doenças infecciosas▪ Médicos por 1.000 habitantes▪ Leitos por 1.000 habitantes▪ IDEB (E.F. anos iniciais)▪ IDEB (E.F. anos finais)▪ Escolarização Líquida E.F.▪ Escolarização Líquida E.M.▪ Matrículas no ensino superior1▪ Déficit Habitacional▪ % dos domicílios com esgoto2▪ % dos domicílios com rede de água▪ Homicídios por 100.000 habitantesSaúdeEducaçãoHabitaçãoSegurançaPobreza1 Percentual da população total2 Acesso a rede de esgoto ou com fossa séptica3 Excluindo Itaparica e Vera CruzGrupo IndicadorValor subestimado devidoàs casas de veraneioRecôncavoNorteBaixoSulRMS3RecôncavoSulIlha deItaparicaValor superestimadodevido às casas de veraneioMediana Média BrasilPior resultado3
  32. 32. Investimentos privados na rede hoteleiraR$ Milhões, 2007-2012Investimentos comunicados ou identificados31Costa do DendêCosta do DescobrimentoCosta do CacauBaía de todos os SantosOs serviços seguiram a mesma tendência3Exemplo – Investimentos em turismoFONTE: SETURNovos investimentos aindaserão realizados na região,através dos aportes daProdetur (R$180 Mi) e PAC dascidades históricas (R$270 Mi)6<1<1<1236181SalvadorCosta dos coqueiros
  33. 33. Detalhamento da iniciativa▪ Foram realizadas diversas conversaslideranças de diversos setores daIlha de Itaparica:– Associações/ONGs ambientais eculturais– Associações profissionais,incluindo pescadores,trabalhadores rurais, servidorespúblicos professores e lojistas– Lideranças comunitárias,religiosas e sociais– Outras lideranças locais▪ As lideranças tiveram oportunidadede:– Ouvir sobre o projeto– Tirar dúvidas– Externar suas opiniões epreocupações relacionadas aoprojeto e à comunidadeAs lideranças contactadasrepresentam mais de 12 milmoradores da Ilha de Itaparica3Para entender os anseios da população, estamos dialogandocom as lideranças locais32
  34. 34. TúnelTambém foram consideradas outras possíveisalternativas, como a construção de um túnel▪ Inviabilidade técnica por contada profundidade da BTS eextensão da obra▪ Alto investimento demandado(superior várias vezes aoprojeto da ponte)▪ Necessidade de aterro naBTS, para criação de uma ilhaartificial, com altos custosambientaisPrincipais limitações333
  35. 35. 34Caracterização geológica da Baía de Todos os SantosFONTE: U.S. Army Corps of Engineers, Panamá Canal Authority, Análise da equipe▪ A construção de umaeventual via envoltóriaimpactaria osmanguezais do fundoda BTS▪ A construção seria feitaem área com grande desolos difíceis, o queacarretaria em maiorescustos e riscos da obraPrincipais limitações
  36. 36. BACK-UP35
  37. 37. Aumento da eficiência logística na RegiãoMetropolitana de Salvador, facilitando o fluxode mercadorias e serviços1Melhoria das condições de vida da população da RMS,que ganhará novo eixo de expansão urbana e melhorescondições de mobilidade2Promoção do desenvolvimento socioeconômico doRecôncavo Sul e Baixo-Sul3A ponte será construída levando-se em conta a preservaçãodo meio ambiente e a participação da sociedade36Meio ambiente▪ Realização de estudos deimpacto ambiental (EIA/RIMA)▪ Elaboração do Plano de Manejoda Área de Proteção Ambientalda Baía de Todos os SantosParticipação social▪ Apresentações do projeto emdiversos fóruns (14 até Maio)▪ Realização de audiências públicas▪ 42 Prefeituras contactadas▪ Debate aberto e transparente coma sociedadeRespeitosocioambiental eparticipatividade
  38. 38. 37Fase anterior Fase atual Fase futuraApresentaçãodos PMIs2010 - 2011Estudos eatividadespreliminares2011 - 2012Debate edetalhamento doprojeto2013Anúncio dalicitação e iníciodas obras2014 - 2015Principais marcos do projeto até a concessão da ponte
  39. 39. Metodologia de cálculo para emissão de CO238Inputs Forma de cálculo▪ Número de veículos desviados da BR-101 e BR-116(cerca de 6 mil e 2mil por dia, respectivamente)▪ Crescimento anual do número de veículosdesviados: 6,2%▪ Redução das distâncias da BR-101 e BR-116 com aponte e SVO (83km e 24km, respectivamente)▪ Proporção de automóveis que utilizam gasolina eálcool (75% e 25%, respectivamente)▪ Eficiência:– Álcool: 12,5 L/100km (8,0km/L)– Gasolina: 9,6 L/100km (10,5km/L)– Diesel (caminhão): 27,4 L/100km (3,6km/L)– Diesel (ônibus): 33,0 L/100km (3,0km/L)▪ Emissão de CO2:– Álcool: 1,18 kg/L– Gasolina: 2,01 kg/L– Diesel: 2,57 kg/L▪ Absorção de CO2:– 1 árvore: 8,15kg CO2 por ano– 1 km² de mata atlântica: 166.700 árvores▪ Cálculo da redução de quilometragempercorrida pelos veículos no primeiro ano defuncionamento da ponte, considerando:– Tipos de veículos (automóveis, ônibus ecaminhões)– Trecho desviado (BR-101 ou BR-116), emcada trecho, no ano 01▪ Cálculo da redução de consumo decombustível de forma individualizada▪ Cálculo da redução de emissão de CO2, dadaa não-queima de combustível▪ Projeção do resultado para os próximos 30anos, seguindo taxa de crescimento prevista▪ Análise comparativa com consumo anual deum caminhão, para efeito ilustrativo▪ Análise comparativa com número de árvores123456
  40. 40. 39Fase anterior Fase atual Fase futuraApresentaçãodos PMIs2010 - 2011Estudos eatividadespreliminares2011 - 2012Debate edetalhamento doprojeto2013Anúncio dalicitação e iníciodas obras2014 - 2015Principais marcos do projeto até a concessão da ponte
  41. 41. Calado aéreo40Correlação entre carga suportada e calado aéreo deembarcaçõesFONTE: U.S. Army Corps of Engineers, Panamá Canal Authority, Análise da equipe10203070200005000 1500010000604050Capacidadede carga(TEU)Metros
  42. 42. A construção de uma possível via envoltóriatambém foi analisada (1/2)▪ Como evitar o impactoambiental significativo nasmargens da BTS, viveiro daregião?▪ Qual o custo real de construçãode uma estrada no Recôncavo:obras de arte, solos difíceis,desapropriações e contornosurbanos?▪ Como atrair parceiros privados?▪ Levar o subúrbio ferroviário parao fundo da BTS?Questões a considerarVia envoltória341
  43. 43. A construção de uma possível via envoltóriatambém foi analisada (2/2)▪ As regiões mais carentes sãoRecôncavo Sul e Baixo Sul!▪ A Ponte se conectará não com osistema viário atual de Salvador,mas com o sistema viário dofuturo▪ A ponte pode conectar por trilho(VLT) a ilha à rede de metrô deSalvadorQuestões a considerarVia envoltória342

×