U2 C1 Rnergias AóPia

231 views

Published on

Consumo energético vs biodiversidade

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
231
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

U2 C1 Rnergias AóPia

  1. 1. 1<br />
  2. 2. IDADE DA PEDRA<br />2<br />
  3. 3. As saídas<br />para a caça<br />passaram<br />a ser menos<br />necessárias<br />/<br />Os perigos<br />de ferimentos<br />diminuíram<br />Domesticou animais<br />e<br />deles retirou<br />força de tracção<br />carne<br />leite<br />peles<br />gordura<br />3<br />
  4. 4. Carvão<br />Segundo milénio a.C. (País de Gales)<br />Uso intensivo na Europa por volta do século XIII<br />As reservas mundiais de carvão são estimadas em cerca de sete triliões de toneladas, o suficiente para mais alguns séculos de consumo<br />4<br />
  5. 5. A queima de carvão para obtenção de energia produz poluentes altamente tóxicos como por exemplo o mercúrio e outros metais pesados como vanádio, cádmio, arsénio e chumbo. Além disso, a libertação de dióxido de carbono causa poluição na atmosfera, agravando o aquecimento global e contribuindo para as chuvas ácidas.<br />O Carvão na “Revolução Industrial”<br />Ainda é usado nos países emergentes e na produção<br />de electricidade nas centrais termoeléctricas<br />5<br />
  6. 6. …E<br />O PROMOTOR DE DESIQUILIBRIOS AMBIENTAIS<br /><ul><li> Poluição do ar (CO2);
  7. 7. Poluição dos solos (plásticos, óleos, pneus, etc.);
  8. 8. Poluição das águas (plásticos, hidrocarbonetos, etc.);</li></ul>Portugal gastou 5.200 milhões de euros em petróleo (2005)<br />6<br />
  9. 9. GÁS BUTANO<br />7<br />
  10. 10. GÁS PROPANO<br />Também é chamado de gás liquefeito de petróleo (GLP) <br />Usado como combustível para fogões e em motores de automóveis<br />Outro uso do propano é como propulsor para sprays aerossóis, especialmente após os CFCsterem sido proibidos<br />- Fácil de utilizar; - Não corrosivo; - Quimicamente estável; - Fonte energética de elevado poder calorífico e constância de características.<br />8<br />
  11. 11. Produtos derivados do petróleo bruto<br /><ul><li> Querosene,
  12. 12. Gasolina,
  13. 13. Diesel,
  14. 14. Óleo lubrificante,
  15. 15. Solventes,
  16. 16. Tintas,
  17. 17. Asfalto,
  18. 18. Plásticos,
  19. 19. Borracha sintética,
  20. 20. Fibras,
  21. 21. Produtos de limpeza,
  22. 22. Gelatinas,
  23. 23. Remédios,
  24. 24. Fertilizantes,
  25. 25. Explosivos .</li></ul>9<br />
  26. 26. 10<br />
  27. 27. CO2<br />CH4<br />CO2<br />CH4<br />N2O<br />N2O<br />FC’s<br />FC’s<br />H2O<br />H2O<br />Dióxido de carbono (CO2) - Metano (CH4) - Óxido nitroso (N2O) - Fluorcarbonetos (FC's ) - Vapor de água (H2O)<br />11<br />
  28. 28. A principal vantagem da energia nuclear é a não utilização de combustíveis fósseis<br />Não emana gases de efeito estufa<br />Produz grande quantidade de energia<br />Construção muito cara. Desmantelamento também<br />16 % da energia eléctrica gerada a nível<br />mundial, provêm de centrais nucleares<br />Necessita de grandes quantidades de água para arrefecer os reactores<br />No mês de Janeiro 2009 estavam em funcionamento 210 centrais nucleares em 31 países com 438 reactores que produziram um total de 372 GW de electricidade<br />Todo o complexo duma central nuclear é fonte de radioactividade.<br />Toda a envolvência é perigosa como habitat<br />Apenas uma quantidade de 300 gramas de Plutónio 239 espalhada pelo globo terrestre levaria à extinção da população humana a longo prazo. Em um ano, um reactor nuclear de 1200 MW produz 265 kg desses resíduos tóxicos<br />12<br />
  29. 29. ENERGIAS<br />RENOVÁVEIS<br />13<br />
  30. 30. 30% do consumo eléctrico português vem da energia hídrica.<br />10 novas barragens vão custar 1.140 milhões de euros e produzirão o equivalente a 2 mil mega watts.<br />Com a duplicação da central do Alqueva e os reforços de potência do Picote e da Bemposta, Portugal deverá atingir os 5575 MW de capacidade instalada. O objectivo é alcançar os 7000 MW em 2020, aproveitando 67 por cento do potencial hídrico do país.<br />Mini hídrica<br />BARRAGEM DE BEMPOSTA<br />Alterações no meio ambiente: pessoas, fauna e flora.<br />14<br />
  31. 31. Energia solar <br />Central fotovoltaica Hércules - Serpa<br />Centrais Solares fotovoltaicas<br />dados de 2008: <br />- A potência solar instalada: 56,5 MW; <br />- Produziu 38,1 GWh de energia eléctrica;<br />- 0,07% do consumo.<br />Micro geradores:<br />Em Dezembro de 2009 havia cerca de 5 mil produtores certificados o que corresponde a uma produção de 17 MW.<br />Painéis térmicos:<br />Estima-se que a área instalada de colectores solares rondasse os 390 mil metros quadrados no fim de 2008, o que ainda está longe do milhão de metros quadrados pretendidos para o final de 2010.<br />15<br />
  32. 32. O vento em movimento<br />Micro gerador<br />Potência instalada: 3400 Megawatts (MW)<br />Vai crescer 65% nos próximos quatro anos, atingindo 5400 MW em 2013<br />Produz 13% do Consumo Energético total em Portugal<br />Actualmente, a cada hora de energia consumida em Portugal, oito minutos já são produzidos nos diversos parques eólicos do País<br />Ocupamos o terceiro lugar no ranking europeu <br />16<br />
  33. 33. O impacto das energias renováveis<br />As renováveis, já representam 43% do nosso consumo energético e apenas temos à nossa frente a Suécia e a Áustria.<br />No caso da eólica, estamos a lutar com a Espanha pelo segundo lugar, logo atrás da Dinamarca.<br />A venda de energias renováveis em Portugal em 2008 gerou 680 milhões de euros em receitas, mais 32,8% do que em 2007.<br />A energia eólica, dominante em Portugal, com uma potência instalada acumulada de 2.770 MW e a energia solar fotovoltaica com 59 MW em 2008, deverão ser os sectores onde a tendência crescente de produção e receitas se irá registar mais notoriamente.<br />Milhões e milhões de toneladas de CO2 a menos na atmosfera <br />As energias obtidas através da geotermia, da biomassa e do movimento das ondas, tem pouca relevância nos números de potência produzida.<br />17<br />
  34. 34. 18<br />
  35. 35. Emissões de CO2 e Portugal<br />(INE)<br />19<br />
  36. 36. Usamos demasiado os carros<br />Portas e janelas não calafetadas<br />Ligado desnecessariamente<br />Má construção das casas<br />Derivados do petróleo<br />Lâmpadas incandescentes<br />Pouco uso de panelas de pressão<br />Não efectuamos selecção dos RSU<br />Electrodomésticos pouco eficientes<br />Gastamos muita água<br />20<br />
  37. 37. A eficiência energética pressupõe a implementação de estratégias e medidas<br />para combater o <br />desperdício<br />Desligar os aparelhos quando não usados<br />Carros eléctricos<br />Temporizadores<br />Electrodomésticos com eficiência energética <br />Casas ecológicas<br />Lâmpadas económicas<br />Usarmos as mãos<br />Fazer a separação dos resíduos<br />Usar as energias renováveis<br />Programa do governo (2008) para adquirir painéis térmicos<br />21<br />
  38. 38. ?<br />As instituições do estado preocupar-se-ão com os gastos excessivos de energia?<br />Apoio à compra de painéis térmicos<br />(ficaram p/gastar + de 50 milhões de Euros)<br />Grandes investimentos nas energias renováveis<br />Carros eléctricos e fábrica de baterias a partir de 2012<br />Mas… e a iluminação pública? As repartições do Estado?<br />A fiscalização sobre as casas em construção? Os grandes carrões! <br />22<br />
  39. 39. BIODIVERSIDADE<br />23<br />
  40. 40. O FUTURO DA HUMANIDADE DEPENDERÁ<br />EM MUITO DA NOSSA POSTURA<br />PERANTE O MEIO QUE NOS RODEIA E DO<br />RESPEITO QUE NOS MERECE A<br />“MÃE NATUREZA”<br />OBRIGADO A TODOS<br />DEVEMOS RESFREAR OS NOSSOS GASTOS<br />DE ENERGIA OU O NOSSO FUTURO<br />ESTARÁ PROVAVELMENTE<br />ALGURES<br />NO<br />ESPAÇO<br />24<br />
  41. 41. A Terra, Suas maravilhas e seus segredos (Selecções Reader’sDigest<br />BIBLIOGRAFIA<br />* * * * *<br />WEBGRAFIA<br />Grandes enigmas do homem (Amigos do Livro, Editores Ld.ª <br />http://www.superorkut.com/<br />http://pt.wikipedia.org/<br />http://www.portal-energia.com/<br />http://ciencia.hsw.uol.com.br/refino-de-petroleo2.htm<br />25<br />

×