Successfully reported this slideshow.

Projecto de fim de curso

4,106 views

Published on

Published in: Technology, Business
  • Be the first to comment

Projecto de fim de curso

  1. 1. Associação de Defesa do Património de Mértola Curso de Animadores Locais 98/99 Projecto “Semanas Temáticas” Mértola, 23 de Março de 1999
  2. 2. “Um animador é um catalizador de actividades e de relações humanas, que promove o aparecimento de um espaço e tempo de recreação e desenvolvimento” Marques, ManuelTrabalho Final de Curso elaborado por:Jorge Miguel Colaço TeixeiraSónia Margarida Rosário BatistaTelma Alexandra da Graça Revez Correia
  3. 3. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Projecto “Semanas Temáticas” Índice1- Nota Prévia .......................................................................................................... 062- Caracterização do Concelho ............................................................................... 07 2.1- Localização Geográfica .......................................................................... 07 2.2- Evolução Demográfica ........................................................................... 07 2.3- Organização Económica ......................................................................... 10 2.4- Dinâmicas Culturais ............................................................................... 10 2.5- Agentes Locais ....................................................................................... 12 2.5.1- Câmara Municipal de Mértola .................................................... 12 2.5.2- Associação de Defesa do Património de Mértola ....................... 13 2.6- Principais Problemas e Carências .......................................................... 14 2.7- Recursos e Potencialidades .................................................................... 153- Semanas Temáticas ............................................................................................. 17 3.1- Apresentação .......................................................................................... 18 3.2- Objectivos............................................................................................... 20 3.3- Âmbito Geográfico ................................................................................. 21 3.4- Duração .................................................................................................. 224- Semana do Ambiente .......................................................................................... 23 4.1- Questões Ambientais .............................................................................. 24 4.2- O Ambiente no Concelho de Mértola – Potencialidades e Interlocutores ........................................................................................ 26 4.3- Temática e Objectivos Específicos ........................................................ 28 4.4- Âmbito Geográfico ................................................................................. 29 4.5- Duração e Plano de Acção ..................................................................... 30 4.5.1- Percursos..................................................................................... 31 4.5.1.1- Monte do Vento – Peddy-Paper ...................................... 31 4.5.1.2- Brava/Mértola – Percurso Fluvial ................................... 32 4.5.1.3- Portinho d’Alcácer – Percurso em BTT ......................... 33 4.6- Avaliação ................................................................................................ 35 4.7- Recursos ................................................................................................ 36 4.8- Divulgação ........................................................................................... 37 4.9- Orçamento .............................................................................................. 385- Semana da Fotografia ......................................................................................... 396- Semana da Dança ................................................................................................ 427- Semana do Vídeo ................................................................................................ 458- Semana do Associativismo ................................................................................. 489- Semana da Música .............................................................................................. 5210- Recursos Globais do Projecto ............................................................................. 5511- Considerações Finais ......................................................................................... 58 3
  4. 4. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola12- Agradecimentos .................................................................................................. 6013- Bibliografia ......................................................................................................... 6314- Anexos ................................................................................................................ 66 A- Ofícios/Declarações ................................................................................. 67 B- Documentos de Despesas ......................................................................... 72 C- Programas de Apoio ................................................................................. 78 D- Logotipo ................................................................................................... 95 E- Divulgação ............................................................................................... 97 F- Programas de Actividades ...................................................................... 103 G- Jogos e Actividades de Grupo ................................................................ 111 H- Percursos ................................................................................................ 115 I- Mapas de Orientação .............................................................................. 125 J- Questionário ........................................................................................... 129 K- Certificado de Participação .................................................................... 132 4
  5. 5. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “... a formação supõe uma intencionalidade específica da parte do educador e do educando e significa carrear a instrução para uma actividade particular...” Filho, Germano Seara 5
  6. 6. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola1- Nota Prévia Este projecto insere-se no módulo de Trabalho de Campo, componente deprática simulada do Curso de Animadores Locais, promovido pela Associação deDefesa do Património de Mértola em colaboração com o Instituto de Emprego eFormação Profissional. A elaboração deste projecto permite-nos pôr em prática os conhecimentosadquiridos ao longo do curso supracitado, e simultaneamente, programar umimportante conjunto de elementos de animação destinado à população do Concelhode Mértola, criando áreas de formação em temas pouco usuais, mas úteis para a suaocupação racional dos tempos livres. De referir ainda que este projecto se subdividir em seis actividades diferentes,encontrando-se a primeira delas – a “Semana do Ambiente” – muito maisespecificada do que todas as outras. Esta situação ocorre pelo facto de se tentaruma metodologia aplicável a todas as semanas temáticas, tornando-as mais reais emais viáveis em termos da sua realização. Esta situação ocorre pelo facto de, apesardas especificidades próprias de cada matéria, constantes das diferentes semanas, ametodologia a aplicar ser, na sua maioria, muito idêntica. Resta-nos por último realçar que, sendo o primeiro trabalho quedesenvolvemos na área da animação, com esta dimensão, só por si poderá consistirnum estimulo acrescido para a nossa vida futura enquanto animadores. 6
  7. 7. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola2- Caracterização do Concelho 2.1- LOCALIZAÇÃO GEOGRÀFICA O Concelho de Mértola situado no Baixo Alentejo é um dos Concelhos maiscarenciados do País. Com uma área total de 127.940 há, situado no distrito de Beja é limitado aNorte pelos concelhos de Beja e Serpa, a Oeste pelos Concelhos de Castro Verde eAlmodôvar, a Sul pelo Concelho de Alcoutim e a Este pela província espanhola deHuelva. A vila de Mértola, sede de Concelho dista cerca de 50 km da cidade de Beja,capital de distrito, e a 239 km de Lisboa. Classificado como Concelho rural de 2ª Casse subdivide-se em novefreguesias: Alcaria Ruiva; Corte do Pinto; Espirito do Santo; Santana de Cambas; S.João dos Caldeireiros; S. Sebastião dos Carros; S. Pedro de Sólis; S. Miguel doPinheiro e Mértola. O Concelho de Mértola é atravessado de Norte a Sul pelo Rio Guadiana. S.Miguel do Pinheiro, S. Pedro de Sólis, S. Sebastião dos Carros e Espirito do Santo,são as freguesias a sul do concelho que fazem fronteira com a ribeira do Vascão ecom a Serra Algarvia. Corte do Pinto e Santana de Cambas fazem fronteira comEspanha (ribeira do Chança), enquanto que S. João dos Caldeireiros e Alcaria Ruivafazem ligação com o interior do país que são eles os Concelhos de Castro Verde eBeja. 2.2- EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA O Concelho de Mértola “assiste” desde a década de 60 a um acentuadodecréscimo da população. Considerando o período compreendido entre 1950 e 1991(último recenseamento), o Concelho perdeu mais de 66% dos seus efectivos.Quadro nº1 – Evolução da população residente no Concelho de Mértola Anos População Residente 1950 29.353 1960 26.026 1970 14.310 1981 11.693 1991 9.805 FONTE: X,XI,XII e XIII Recenseamento Geral da população, INE, 1950/60/70/81/91 Na década de 60/70 ocorre o encerramento das Minas e o despedimento deinúmeros mineiros. As freguesias localizadas a Este do Concelho (Corte do Pinto e 7
  8. 8. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de MértolaSantana de Cambas) que acompanham esse definhar da Mina registando a maiorregressão populacional do Concelho, desde então. Entre 1970 e 1981 os decréscimos já não atingem as proporções das décadasanteriores. Nas ultimas décadas, no Sul do Concelho, as freguesias têm-se vindo aafirmar como localidades fortemente repulsivas. Hoje todas as freguesias apresentam uma baixa densidade populacional. Afreguesia mais povoada do Concelho de Mértola é a de Corte do Pinto – 17, 8hab/km2 em 1991. A freguesia de Mértola apresenta uma densidade de 9,9 hab/km2,inferior à de Corte do Pinto, talvez por ser a freguesia que apresenta maior áreageográfica. O Sul do Concelho corresponde a uma área extremamente deprimida comvalores populacionais muito baixos. S. Pedro de Sólis, S. Sebastião dos Carros eEspirito Santo apresentam densidades populacionais entre 4 e 6 hab/km2. À excepção das freguesias de Mértola e Corte do Pinto, todas as restantesfreguesias do Concelho apresentam uma densidade inferior à média concelhia. O quadro resumo seguinte, apresentam de uma forma geral a populaçãoresidente no Concelho de Mértola.Quadro nº2 – Área geográfica, população residente e densidade populacional do Concelho de Mértola por Freguesias. Freguesias Área População Densidade Geográfica Residente PopulacionalAlcaria Ruiva 215.2 1.201 5.6Corte do Pinto 70.7 1.260 17.8Espirito Santo 134.0 542 4.1Mértola 318.0 3.166 9.9S. João dos Caldeireiros 103.4 803 7.8S. Miguel do Pinheiro 138.3 1.041 7.5S. Pedro de Sólis 63.7 377 5.9S. Sebastião dos Carros 71.8 406 5.7Santana de Cambas 164.2 1.006 6.1TOTAL: 1279.4 9.085 7.7 FONTE: X, XI, XII e XIII, Recenseamento Geral da População, INE; 1950/60/70/81/91. Carta administrativa de Portugal As densidades populacionais apresentadas não são dissociáveis da extensãodo Concelho, uma vez que este apresenta uma das maiores áreas do país. A estruturade povoamento que se nos depara, além dos factores histórico-culturais, encontra-secondicionada por toda esta área física. O Concelho de Mértola caracteriza-se pelaexistência de inúmeras localidades, 105 em 1991, bastante afastadas umas dasoutras, nas quais habitam um número reduzido de pessoas. Sendo que 76,6% dapopulação reside em localidades com menos de 500 habitantes. A vila de Mértola, o 8
  9. 9. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértolaúnico lugar com mais de 1000 habitantes não concentra mais de 14,1% do total dapopulação do Concelho. No entanto, a vila de Mértola nas duas últimas décadas, temrevelado um crescimento populacional. O lugar sede do Concelho, por oferecer àpopulação um conjunto de infra-estruturas e de serviços, assim como uma maioroferta de emprego, tem registado um aumento populacional, o que pode ser umindicador de crescimento futuro deste aglomerado. A Freguesia de Mértola destaca-se claramente de todas as outras, pois é a queapresenta o nível populacional mais alto e consequentemente um maior número deserviços e instituições ao dispor da população. Esse facto traduz-se numdesenvolvimento superior ao de todas as restantes freguesias. Seguidamenteapresentam-se as freguesias de Alcaria Ruiva e Corte do Pinto. Se a primeira, pelaproximidade à cidade de Beja e pela facilidade das vias de comunicação lhe garanteum certo destaque em relação às restantes freguesias. Já a freguesia de Corte doPinto, outrora um dos pilares de riqueza do concelho pela exploração das Minas deS. de Domingos, agora fechadas, apresenta-se em deterioração humana, restandoapenas o seu elevado nível populacional pelas muitas famílias que anteriormentetrabalhavam nas minas e que permaneceram na localidade, apesar de as mesmas jánão funcionarem. No reverso da moeda encontra-se toda zona sul do Concelho, onde os casosmais preocupantes são as freguesias de S. Pedro de Sólis, S. Sebastião dos Carros eEspirito Santo. Estas freguesias, à imagem do Concelho, estão num nível muitopreocupante. Apresentam muitas dificuldades de acesso/deslocações estando muitodistantes dos principais serviços sediados em Mértola. Estas freguesias encontram-sedia após dia mais sós e distantes, perdendo a sua população para sítios queapresentam mais e melhores condições de vida. A análise da estrutura etária da população por grandes grupos etários, revelaque estamos perante um Concelho fortemente envelhecido tanto na base como notopo - duplo envelhecimento.Quadro nº3 – Distribuição percentual da população do Concelho de Mértola por Grupos Etários. Grupos Etários 0-14 15-24 25-64 65 e + 15.3% 12.8% 45.1% 26.8% FONTE: X,XI,XII e XIII Recenseamento Geral da população, INE, 1950/60/70/81/91 Como podemos verificar 26,8% da população pertence ao grupo etário dos 65ou mais anos, enquanto que no grupo etário dos 0-14 anos apenas temos 15,3% dapopulação. 9
  10. 10. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Este processo – duplo envelhecimento – tem vindo a ocorrer desde 1960,sendo resultado do decréscimo das taxas de fecundidade e da forte emigração que sefaz sentir no Concelho. Este índice é extremamente preocupante e apela à implementação de medidasque visem a atracção e fixação das camadas mais jovens no Concelho. Caso não severifique qualquer acontecimento conjuntural externo, a situação previsível é acontinuação do processo acelerado de envelhecimento populacional, onde já não sedá sequer a renovação das gerações. 2.3 – ORGANIZAÇÃO ECONÓMICA O comércio existente no Concelho não se encontra muito desenvolvido,localizando-se na sede do mesmo maior diversidade de escolha, sendo o restante,bastante tradicional, dominante nas localidades mais pequenas. No que respeita à administração e ao sector de serviço, os mesmos localizam-se totalmente na Vila de Mértola, exceptuando-se as Juntas de Freguesia. As pequenas explorações agrícolas e industriais / transformadoras existentesno Concelho também se encontram dispersas por entre as várias localidades. 2.4- DINÂMICAS CULTURAIS O estilo de vida do povo Alentejano desde sempre articulado com os ritmossazonais das tarefas agrícolas e com a mobilidade periódica em função dalocalização dessas tarefas, determina, juntamente com a herança histórica e culturalsalpicada de convulsões económicas e lutas sociais, a postura individual e a apatiade que este povo é característico. O Concelho de Mértola não foge a esta regra denotando uma grande falta deiniciativas sócio-culturais. Este facto constitui uma das principais preocupações daautarquia e de outras entidades locais, daí que a Câmara Municipal de Mértola surjacomo uma das principais entidades dinamizadores da actividade cultural edesportiva, apoiando economicamente os organismos existentes e assumindo mesmouma posição activa de acompanhamento, estímulo e criação de condições quepermitem o seu desenvolvimento. Este apoio é prestado sobretudo pelos serviços culturais, através dos seusanimadores desportivos e culturais e pelo trabalho desenvolvido junto decolectividades e grupos desportivos do Concelho, cuja acção nesta área assume umpapel importante. A nível desportivo, a Câmara Municipal tem procurado desenvolver umtrabalho conjunto com escolas, sobretudo através da formação de professores ealunos. Exemplo desse trabalho conjunto foi a criação do Pavilhão Desportivo quese deve em parte à necessidade de uma infra-estrutura coberta que desse apoio àsescolas. 10
  11. 11. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores Locais Associação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola No entanto, grande percentagem da população que reside fora da sede de Concelho sobretudo a população estudantil, não usufrui deste espaço, residindo aí uma das principais lacunas a "combater". Neste momento, a Câmara Municipal de Mértola, tem em fase de acabamento as piscinas junto à EB 2,3/ ES de Mértola que irá permitir a prática da natação aos alunos que frequentam este ensino. Enquanto forma de ocupação de tempos livres, as iniciativas desportivas e a prática do desporto, assumem no Concelho uma grande importância, sobretudo nas camadas mais jovens, tanto assim que reúne praticantes, em torno de diferentes modalidades, como: - Andebol; - Futebol; - Basquetebol; - Ténis de mesa; - Atletismo; - Canoagem; Os equipamentos desportivos concentram-se quase exclusivamente na vila deMértola, sendo: - Pavilhão Desportivo Municipal (Gimnodesportivo) - Campo de futebol (medidas oficiais) - Ginásio de Musculação - Circuito de Manutenção - Campo de Ténis Os grupos desportivos existentes (Alcariense Futebol Clube, Atlético Sporting Clube Corte Gafo, Clube de Futebol Guadiana; Clube Náutico de Mértola; S. Domingos Futebol Clube e Corte Sines Futebol Clube) dedicam-se essencialmente ao futebol, exceptuando-se o Clube Náutico que aposta nos desportos náuticos. O Clube Náutico de Mértola entrou em funcionamento em 1987,e desde logo desempenhou um papel crucial na animação desportiva do Concelho. O Clube dá realce à prática de canoagem, não só competitiva, mas também para passeios e turismo, visando ainda a formação na área de canoagem, o convívio e a divulgação da modalidade. Na realidade, não só por parte da Câmara Municipal de Mértola, como dos próprios clubes, colectividades e populações locais é dada uma importância especial às actividades desportivas. As manifestações desportivas recebem uma grande adesão do público, talvez devido à quase inexistência de outro tipo de iniciativas culturais. Pode-se assim dizer que a actividade desportiva no Concelho de Mértola é bastante razoável e recebe por parte da população e das colectividades em geral um apreço especial. Contudo a Câmara Municipal de Mértola. desenvolve outras iniciativas como: 11
  12. 12. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola - Quinzena Cultural Serrão Martins - 25 de Abril - Dia Árvore - Dia da Criança - Concursos Vários - Provas Desportivas - Festas da Vila - Etc.. Perseguindo este tipo de actividades encontramos ainda os Centros Culturaise Recreativos (cerca de 60 em todo o Concelho). Destas colectividades, as maisactivas, promovem bailes, festas e algumas iniciativas desportivo-culturais,essencialmente em épocas festivas. Finalizando este ponto, podemos referir ainda que a população do Concelho,apesar de não desfrutar de grande oferta de iniciativas culturais, participaactivamente nas que lhe são oferecidas. 2.5 – AGENTES LOCAIS 2.5.1 – CÂMARA MUNICIPAL DE MÈRTOLA Pela análise já verificável nesta caracterização concelhia é fácil deduzir que ainstituição com maior peso é a Câmara Municipal de Mértola, que se rege quanto àinserção institucional e ao seu funcionamento, tal como todas as outras autarquias,pelo decreto Lei 100/84 de 19 de Março, alterado pela Lei 18/91 de 12 de Junho. Oseu órgão deliberativo é a Assembleia Municipal e o executivo é a própria C:M.M.,composto por um presidente e quatro vereadores. As suas fontes de financiamentosão compostas por impostos directos, Fundo de Equilíbrio Financeiro, empréstimose fundos europeios (conforme o presente Quadro Comunitário de Apoio1994/1999). As suas principais atribuições perante a população são as seguintes:• A administração de bens próprios, sob a sua jurisdição;• O desenvolvimento;• O abastecimento público e saneamento básico;• A saúde;• A educação e ensino;• A protecção á infância e à Terceira Idade;• A cultura, tempos livres e desporto;• A defesa e protecção do meio ambiente e da qualidade de vida;• A protecção civil. 12
  13. 13. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Para o alcance destas atribuições, conta com os seguintes serviços:• Divisão Administrativa e Financeira;• Divisão Técnica;• Divisão Sócio - Cultural;• Gabinete de Apoio ao Presidente;• Partido Veterinário;• Protecção Civil. A Divisão Sócio – Cultural, por sua vez, é composta pelos seguintes serviços:• Apoio Administrativo e Informações;• Cultura e Património Cultural/Natural;• Desporto;• Educação e Ensino;• Saúde;• Assistência social. Estes serviços permitem o desenvolvimento das seguintes atribuições:• Promover o desenvolvimento sócio – económico e cultural da comunidade;• Estudar, propor e executar acções de conservação e defesa do património cultural, paisagístico e urbanístico do município;• Planear, propor e executar programas de educação e ensino;• Fazer o diagnóstico das necessidades sociais e propor as medidas adequadas;• Colaborar com as instituições vocacionadas para intervir na área de acção social. Assim se justifica, perante estas situações, o enquadramento deste projecto,que consiste num processo de prática simulada, na Divisão Sócio-Cultural daCâmara Municipal de Mértola.Informações de acordo com Diário da República, II série, nº 65 de 19 de Março de1991; Editorial nº 145/90, secção II, Artº 13º. 2.5.2 – ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO PATRIMÓNIO DE MÉRTOLA Reconhecendo a importância do associativismo na dinamização dodesenvolvimento local e na melhoria das condições de vida das populações têmsurgido nestes últimos anos novos actores e tendências associativas. Entre elesdestacam-se a Associação de Defesa do Património de Mértola e o CampoArqueológico de Mértola que têm apostado numa dinâmica de âmbito local e 13
  14. 14. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértolaregional, assente na valorização e preservação do património de forma a torná-lo útila um desenvolvimento integrado e sustentável. O Projecto Mértola Vila Museu é disso exemplo, pois ao criar uma dinâmicainstitucional no sentido da descoberta do património, tem contribuído para aemergência/criação de infra-estruturas, como os núcleos museológicos e maisrecentemente o Parque Natural do Vale do Guadiana, potenciais motores dedesenvolvimento socio-económico do Concelho. A Associação de Defesa do Património de Mértola foi criada em 1980, visandoproporcionar acções de desenvolvimento em vários domínios: - Estudo, inventariação e dinamização do património cultural e natural da região de Mértola, realizando diversas acções onde se destacam: - Criação da Escola/oficina de Tecelagem; - Criação de Cooperativa de Tecelagem; - Impulsionadora da criação da Colmel-Cooperativa de Apicultores; - Criação do Parque Natural do Vale do Guadiana; - Recuperação de moinhos de água e vento. Esta aposta da ADPM na defesa do património, na divulgação daspotencialidades turísticas do Concelho e no reviver da produção artesanal, temconseguido não só retirar a zona de Mértola do anonimato como criar novos posto detrabalho. A mesma aposta tem vindo a ser feita pelo Campo Arqueológico de Mértola,embora a sua intervenção incida principalmente na inventariação, estudo,preservação e dinamização do património arqueológico e arquitectónico. Nestedomínio tem desenvolvido um trabalho meritório destacando-se a criação de váriosnúcleos museológicos e o lançamento e publicação de revistas e cadernos. Numa região onde as carências são por demais conhecidas, este trabalho tem-se mostrado uma alternativa viável e capaz de inverter a situação, pois odesenvolvimento socio-económico do Concelho está intimamente ligado à gestãoracional dos seus recursos culturais, naturais e humanos. 2.6 – PRINCIPAIS PROBLEMAS E CARÊNCIAS Pertencente a uma das áreas mais pobres do país (Baixo Alentejo), oConcelho de Mértola sofre de todos os condicionantes característicos da região. Deentre eles destacamos os seguintes:• Desertificação humana do Concelho e consequente desequilíbrio na estrutura etária;• Os inúmeros aglomerados existentes, com um reduzido número de habitantes leva a uma reduzida rede de transportes e comunicações que originam nessas povoações um isolamento geográfico e social;• Desemprego acentuado (74,6 % da população activa); 14
  15. 15. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola• Falta de qualificação profissional e baixo índice de instrução;• Fraca qualidade de vida;• No que respeita ao campo da saúde (que constitui o grande problema da actualidade) as dificuldades são demais evidentes: - insuficientes recursos humanos e equipamentos, encontrando-se os existentes localizados exclusivamente na sede de Concelho; - insuficiente e ineficaz sector de internamento; - Serviço de Atendimento Permanente (S.A.P.) a funcionar apenas das 09 às 21 horas; - Inexistência de informação sobre planeamento familiar, alimentação, higiene, educação sexual, etc...; - Serviço de Apoio Domiciliário (S.A.D.) deficiente, não abrangendo todos os locais onde residem idosos com bastantes dificuldades de deslocação a Mértola; - Inexistência de locais, equipamentos e estruturas de apoio a indivíduos com certo grau de deficiência.• Insuficientes estruturas e serviços de apoio à infância, aos jovens e aos idosos, existindo apenas: - um Infantário; - a Oficina da Criança; - a Biblioteca Municipal; - um Lar da Terceira Idade.• Enfraquecimento de dinâmicas culturais e sociais pela falta de novas iniciativas, especialmente nas colectividades culturais e recreativas. 2.7 – RECURSOS E POTENCIALIDADES Todavia Mértola possuí um vasto património de recursos e potencialidadesque do ponto de vista económico, podem proporcionar um consideráveldesenvolvimento quer a nível económico, cultural e recreativo. O aproveitamento turístico de todas as potencialidades pode ser enriquecidose o interligarmos ao rico património arquitectónico e paisagístico os aspectosculturais, também eles profundamente ricos e que se manifestam através da música(por exemplo os grupos corais), da gastronomia, do artesanato, etc... O património, revela-se então como a grande potencialidade na qual se apostapara um desenvolvimento socio-económico integrado na região. De entre as entidades locais destacam-se a Câmara Municipal de Mértola, aAssociação de Defesa do Património de Mértola, o Campo Arqueológico de Mértola,as quais visam nos seus objectivos apoiar as várias iniciativas culturais,nomeadamente no âmbito da preservação e/ou recuperação das práticas artesanais, daconservação do património histórico e cultural, e outras manifestações artísticas eculturais. 15
  16. 16. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Das intervenções desenvolvidas no âmbito do património natural, destaca-sea criação do Parque Natural do Vale do Guadiana, bem como as acções de EducaçãoAmbiental realizadas pelas escolas do Concelho. A nível do património cultural têm-se dada especial ênfase ás actividadesartesanais. Neste âmbito, foram feitos vários estudos, levantamentos e promovidotambém, cursos de formação profissional, com o intuito de recuperar e rentabilizar asactividades tradicionais. Em forma de conclusão, os investimentos e preocupações das entidades locaisvão no sentido de preservar tradições, divulgar os aspectos turísticos do Concelho edinamizar pólos de interesse geradores de perspectivas de novos postos de emprego. 16
  17. 17. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “O que se pretende é procurar alternativas à passividade e ao individualismo, favorecer as relações inter-pessoais e, na medida do possível, fazer com que as pessoas utilizem o seu esforço, capacidade e entusiasmo para realizar tarefas de interesse comum. Pretende-se também, sensibilizar e dinamizar o movimento dos cidadãos, como objectivo de associar novas pessoas para a realização de actividades sócio-culturais. Neste aspecto os programas de animação surgem, também, como formas de fortalecer a sociedade civil.” Ander-Egg, Ezequiel 3- Semanas Temáticas 17
  18. 18. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola3.1- Apresentação No âmbito da concretização do referido trabalho de fim de curso, esteprojecto visa a realização de semanas temáticas com fins culturais, informativos esobretudo formativos em temas pertinentes da vida social. Estando este projecto inserido num contexto de educação/formação, pretende-se reproduzir e dotar de saberes os indivíduos a quem se destina. Neste sentido, acentando num modelo adaptativo, o indivíduo participantedeve apropriar-se de um conjunto de saberes informações, dos quais saiba tirar omáximo de proveito. Assistimos actualmente à emergência de uma teoria da informação que atribuiao indivíduo que se forma o papel de actor e sujeito da sua própria formação,contextualizada na corrente da educação permanente, a qual acenta em quatroconceitos-chave : - autonomia, em que o indivíduo assume responsabilidade da sua existência; - desenvolvimento afectivo e cognitivo, integrando-se activamente e construtivamente na sociedade em que se insere; - criação de um processo de interacção permanente entre si e o seu meio; - fornecimento de capacidade adaptativa e de motivação. Reforçando esta caracterização das vertentes educativas, poder-se-á dizer quea animação vai de encontro aos mesmos objectivos, uma vez que a animaçãocultural é um dos meios existentes de capacitar agentes de desenvolvimentointegrado. A animação sociocultural, pressupõe um conhecimento do meio e das suasactividades produtivas e culturais levando um grupo ou uma comunidade a reflectirsobre a sua consciencialização cívica, a sua participação comunitária, na suaendoculturação, etc. Deste modo, sendo a animação um canal de desenvolvimento e sendo oanimador quem programa, coordena, concebe, executa e avalia todo um conjunto deactividades, este projecto procura reflectir e transmitir todo um conjunto de noçõesde sensibilização que se integrem num desenvolvimento equilibrado. Uma vez que“onde há maiores responsabilidades há mais interesses; onde há mais interesse hámaior participação; e onde há maior participação há mais eficiência”. 1 Assim este projecto intitulado por “Semanas Temáticas”, divide-se em 6semanas, as quais abrangem vários temas . Assim : • 1ª semana - “Semana do Ambiente”, em que é abordada a temática do Ambiente, visando a formação de jovens em questões ambientais do Concelho em que vivem.1 Silva, Lúcio Craveiro da, “Cultura, Participação e desenvolvimento”, Universidade do Minho, Projecto de Educação de Adultos,Braga, 1979. 18
  19. 19. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola • 2ª semana - “Semana da Fotografia”, destinada à abordagem de conhecimentos/técnicas relacionadas com a arte de fotografar. • 3ª semana - “Semana da Dança”, visa a formação dos participantes em vários estilos de danças, como as danças clássicas, tradicionais e modernas. • 4ª semana - “Semana do Vídeo”, incide na temática da formação em vídeo, abordando técnicas, métodos de filmagens e montagem. • 5ª semana - “Semana do Associativismo”, a qual se destina ao tema do associativismo sendo especificamente destinada a dirigentes associativos e sócios, pretende-se abordar temas de como os dotar de capacidades técnicas e profissionais, alertando-os para o papel das associações na vida comunitária. • 6ª semana - “Semana da Música”, aborda a formação em alguns instrumentos e ritmos musicais, visando um incentivo à actividade. Assim, neste contexto, inúmeros temas poderiam ser abordados, como: • Emprego (como se procura, incentivos para a sua criação); • Direitos da vida quotidiana (civismo, direitos do consumidor, defesa do património cultural, justiça); • Prevenção da Toxicodependência; • Prevenção da SIDA; • Prevenção do alcoolismo; • Planeamento familiar; • Tempos livres artísticos e culturais (arte dramática, artesanato, cinema, dança, musica e canto, artes plásticas e artes gráficas, literatura , museologia ,etc...); • Tempos livres desportivos (desportos colectivos, individuais, em recintos abertos e fechados); • Organização de actividades de férias /turismo (curso de monitores de colónias de férias, campos de férias); • Etc... Por forma a reajustar a realização destas semanas temáticas aos objectivospropostos, deverão as mesmas consistir em algo inovador para a população,exigindo-se para tal uma eficaz planificação e uma satisfatória experiência, a seriniciada na primeira dessas semanas e que se pretende crescente até à última. De referir ainda, que se julga bastante útil o prosseguimento deste tipo deactividades durante um espaço temporal indefinido, devendo no entanto seremreajustadas ano após ano, por forma a evitar a repetição e consequente saturação porparte da população. 19
  20. 20. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola3.2- Objectivos Gerais A fim de traçar linhas orientadoras, este projecto visa os seguintes objectivos: • Envolver a população em acções de formação de uma forma participada, inovadora e atractiva ; • Perpetuar estas acções incentivando os participantes a torná-las em possíveis hobbies ou mesmo motivá-los a seguirem uma carreira profissional ; • Sensibilizar os jovens para a necessidade de ocupar racionalmente os tempos livres ; • Conduzir os participantes destas acções de formação à descoberta e/ou aperfeiçoamento nas diversas áreas que este projecto faz abordagem; • Dar a conhecer certas potencialidades ou recursos existentes, dotando os participantes de conhecimentos adaptáveis a essas potencialidades ou recursos, de modo a utilizá-los de uma forma racional perspectivando o desenvolvimento sócio-cultural da região. • Descentralizar actividades procurando o envolvimento da população no seu todo.- 20
  21. 21. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola3.3- Âmbito Geográfico Este projecto tem como área de influência todo o Concelho de Mértola etentará abranger uma larga faixa etária da população. Apesar da maioria dos equipamentos culturais e desportivos se encontraremna sede de Concelho, ainda assim existem alguns que pelo facto de estaremsubaproveitados urge reactivá-los e reanimá-los. Aqui é fundamental o nosso conceito de descentralização, justificando-se arealização destas actividades em locais dispersos pelo Concelho. Assim, ao criar semanas temáticas com perfil lúdico/formativo, este trabalhopretende ainda sensibilizar toda a comunidade para questões de âmbito cultural quepoderão ser a chave para uma maior participação da população em actividades destetipo, de uma forma organizada e subsequente. Sendo evidente as inúmeras carências, a nível concelhio, estas acções(in)formativas pretendem assim lançar novas perspectivas aos interessados, tanto anível da sua própria formação pessoal, como da possibilidade de colocar essesconhecimentos ao serviço da comunidade. 21
  22. 22. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola3.4- Duração O presente projecto apresenta a vigência de dez meses (de Março/99 aDez./99), e consiste na realização de várias semanas temáticas, com um espaço de,aproximadamente, dois meses entre elas. Este espaço temporal que medeia as várias semanas justifica-se pelo facto decada uma delas passar por um conjunto de fases preparatórias (divulgação,contactos, orçamentos, etc...) que necessitam de algum tempo de organização. Cada semana terá ainda uma duração que pode variar de acordo com o seutema, de três a seis dias. 22
  23. 23. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “Não herdamos a terra dos nossos avós, mas tomamo-la emprestada dos nossos filhos.” Provérbio americano 4- Semana do Ambiente 23
  24. 24. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.1- Questões Ambientais Constatar que os recursos do Planeta Terra não são infinitamente renováveis,de nada serve pois continuam-se a verificar pressões sobre o Ambiente, traduzidasem constantes sinais inequívocos de degradação de habitats milenares. Destroem-seflorestas, ameaçando de extinção múltiplas espécies de fauna e flora. Aumentam osníveis de consumo de energia e de matérias-primas, é cada vez maior a poluição daságuas e dos ares. Persiste a velha questão do armazenamento e/ou reciclagem dosresíduos. A camada de ozono estratosférica e protectora da Terra continua a sergradualmente eliminada. Múltiplas são as doenças derivadas do nosso quotidianourbano e industrializado. Todos estes problemas ambientais não têm fronteiras. Deste modo, a UniãoEuropeia tem vindo a unir esforços para se posicionar no combate à poluição e napreservação da natureza. Assim após a 1ª conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente (Junho de1972), a Comissão Europeia propôs, por ocasião da Cimeira de Paris, a elaboraçãode um programa de acção política no domínio do ambiente. Tornou-se assimimportante a posição forte e imponente da União Europeia zelando por uma políticacomum associando o crescimento sustentável ao respeito pelo ambiente. De forma alguma se pode ainda afirmar que um desenvolvimento económicosustentável será concretizado tendo em conta a defesa intrínseca do ambiente,contudo foram criadas mais de 200 directivas e regulamentos do direito comunitário,assim como também foram criados programas de acção que incentivam acções deeducação ambiental. Em suma a União Europeia rege-se por um conjunto de princípios tais como :princípio de preocupação, princípio da preservação, princípio da correcção na fonte,princípio do poluidor - pagador e princípio da subsidiariedade. Todo este conjunto de necessidades e problemas ambientais levou aoestabelecimento de normas e directivas comunitárias as quais têm vindo a serelaboradas e aplicadas na defesa do Ambiente pela União Europeia e têm caractervinculativo para os Estados Membros. No sentido de reforçar todos estes princípios, surge a necessidade de abordá-los nas mais diversas formas, atingindo um maior número de população. Assimsurge uma solução coerente: a Educação Ambiental. A Educação Ambiental, nos dias de hoje é fundamental, na medida em que setrata de uma sensibilização, da qual dependerá o futuro da humanidade. A crescente necessidade de conservar o Ambiente, tem vindo a aumentartornando cada vez mais presente a concretização de acções de educação ecampanhas de sensibilização nas escolas, nos meios de comunicação, etc., para quenasça uma nova postura ética do ser Humano e uma nova consciência ecológica e sepossa estabelecer uma relação mais harmoniosa entre as comunidades e a natureza. As vertentes pedagógicas na área da Educação Ambiental vão no sentido defomentar junto dos grupos alvo um significativo respeito sobre o Ambiente, 24
  25. 25. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértolaproporcionando-lhes a aquisição de conhecimentos que possibilitem analisar asdiversas problemáticas ambientais que se colocam a nível individual, colectivo, e àescala local, regional, nacional e até mesmo internacional. Ao mesmo tempo alertá-los para o espaço vazio, que por vezes existe entre a aquisição de conhecimentostécnicos e a resolução na prática de problemas, fazendo notar a necessidade de cadavez mais o Homem participar activamente em acções concretas e estimulando ointeresse do mesmo em tornar-se parte activa na planificação e administração domeio ambiente envolvente. Aqui, os métodos de abordagem poderão ser os mais diversificados: desde asApresentações teóricas com acções em sala, seminários e colóquios até às acçõespráticas desenvolvidas em salas ou em espaços exteriores (ensaios laborais, acçõesde formação e informação, percursos temáticos, acções informais de sensibilização,etc... Por outro lado existem outras formas, tais como o turismo Ambiental/Cultural/Rural, que surgem cada vez mais como uma alternativa de educação ambiental.Embora este tipo de turismo seja um meio importante de Educação Ambiental, elepode, quando mal explorado, constituir uma ameaça ao próprio meio em que seinsere. Os percursos da natureza surgem como uma das formas viáveis de educaçãoambiental, uma vez que oferecem um conjunto de oportunidades bastanteimportantes, nomeadamente de contacto directo com a natureza, e de gestão dos seusrecursos possibilitando constatar as problemáticas e as potencialidades que o meioambiente encerra. Assim existem inúmeras actividades possíveis de realizar no decorrer de umpercurso, tais como: - observação de paisagem e de espécies faunísticas / florísticas, com o objectivo de proporcionar a interpretação do meio envolvente e a identificação de espécies; - actividades lúdicas de sensibilização, com o objectivo de possibilitar a fruição de espaços livres para o convívio; - actividades náuticas, no sentido de tirar partido das potencialidades naturais existentes; - passeios de bicicletas ou provas de BTT com o objectivo de aumentar o directo contacto com o meio; - actividades de orientação, com o objectivo de estimular a descoberta dos aspectos naturais envolventes; - realização de fotografias permitindo aumentar a percepção da área de intervenção. Para que não se repitam os erros que constantemente se verificam por todo oPlaneta Azul, é necessário envolver todas as forças locais para que olhem e cuidemdo meio que os rodeia de forma a que pouco a pouco atinjamos um objectivocomum, criar condições para que de futuro todos nós tenhamos uma melhorqualidade de vida. 25
  26. 26. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértolab) O Ambiente no Concelho de Mértola- Potencialidades e Interlocutores “Um estudo levado a cabo pela OCDE aos encargos assumidos num dadonúmero de países industrializados concluiu que as despesas com as medidas deprotecção do ambiente, nas últimas décadas, tinham tido um efeito positivo, a certoprazo, no desenvolvimento e na criação de postos de trabalhos, dado que a procura aque obrigavam fizera subir a produção em áreas económicas que estavamsubaproveitados”.2 Ao longo dos últimos anos tem-se verificado no Concelho de Mértola, umacrescente preocupação, com as questões ambientais, que se tem traduzido naimplicação de diferentes entidades para a concretização de acções que visem apreservação e a conservação do meio ambiente. Reforçando toda esta preocupação existem várias entidades que assumemcomo principal objectivo a preservação do património e da natureza. A Associaçãode Defesa do Património de Mértola, o Parque Natural do Vale do Guadiana, oCampo Arqueológico de Mértola e ainda a própria Autarquia são exemplo disso. Nos últimos dez anos esta área de trabalho tem sido uma prioridade naactuação da A.D.P.M.. Com o objecto de salvaguardar e valorizar os valoresambientais presentes na região, têm sido desenvolvidos projectos de terreno queprocuram exemplificar como se podem gerir de forma sustentada os recursosnaturais, rentabilizando-os sem confrontar a sua manutenção. Ao mesmo tempo sãoincrementadas acções de preservação em zonas especialmente interessantes eimplementadas actividades de educação ambiental junto das escolas da região e dealguns sectores da população, no sentido de apelar à sua participação para aquelaque é uma tarefa e responsabilidade conjunta e partilhada – a educação. O Parque Natural do Vale do Guadiana, é também uma entidade local queluta pela preservação do ambiente. Dedica-se ao estudo e salvaguarda dos valoresnaturais presentes na área protegida, tentando manter o equilíbrio necessário paraque o ecossistema possa permanecer saudável, equacionando a preservação doambiente com um desenvolvimento sustentado para as comunidades locais. Apoiando todos estes objectivos, encontra-se a Câmara Municipal de Mértolaque concede um apoio inequívoco a todas as entidades que procuram estabelecercomo metas a conservação de todo o Património natural e cultural deste Concelho. Contudo, existem ainda algumas carências sentidas, nomeadamente aarticulação de um desenvolvimento sustentável com o aproveitamento dos recursosambientais numa estratégia integrada de desenvolvimento Turístico da região. No que se refere à educação ambiental com jovens, embora existam entidadesque promovam acções neste sentido, tal como a Escola EB 2,3/ES com o Núcleo deAmbiente, a Escola Profissional Bento de Jesus Caraça com o curso de Turismo2 Cruz, Manuel Machado P.; “I.D.E.S. – Introdução ao Desenvolvimento Económico e Social”; volume 2; ArealPorto 1995. 26
  27. 27. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de MértolaRural e Ambiental e a ADPM através do curso de Gestão do Meio Ambiente, énecessário alargar estas acções a um âmbito populacional mais disperso, com o fimde que cada vez mais se consciencializar a população de que o ambiente tem que serprotegido. A área protegida do Parque do Vale do Guadiana pelo valioso patrimónioambiental/cultural que possuí, permite um leque diversificado de percursos,paisagens de elevado interesse cénico que justificam uma contemplação einterpretação cuidada. Os valores paisagísticos e florísticos presentes na região sãooutros trunfos deste Parque Natural. É neste sentido que a realização de uma Semana Temática sobre o Ambientese justifica, pois enquadra-se perfeitamente nas várias questões abordadas:• Educação Ambiental;• Problemáticas Globais;• Potencialidades Locais. 27
  28. 28. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.3- Temática e objectivos específicos Por se pensar mais útil e adequado aos dias que correm, por ser um temapredominante na sociedade, com bastante importância para o Concelho, o ambienteconstitui-se como uma temática atractiva, quanto a nós, é indicada para a realizaçãoda 1ª Semana Temática. Assim com o intuito de ocupar racionalmente os tempos livres de um grupode jovens e simultaneamente alertá-los para uma crescente necessidade depreservação da natureza. A formação incidirá nas seguintes áreas: 1- Características ecológicas do Concelho; 2- A importância da fauna e da flora para a sobrevivência humana; 3- O ambiente como fonte de riqueza; 4- Os riscos do subaproveitamento do ambiente. Para além destas áreas de formação, serão também propostas algumasactividades lúdicas para os participantes, a fim de lhes proporcionar algumdivertimento e entusiasmo, como também um interesse acrescido. Assim, nestecontexto, as actividades a realizar serão as seguintes: • Visita guiada à Sociedade Agrícola da Brava; • Passeio ao longo do Rio Guadiana; • Visita guiada ao Monte do Vento; • Estadia no Monte do Vento; • "Peddy-Paper"; • Estadia no Clube Náutico de Mértola; • Prova de BTT. Pela natureza específica desta semana, e pela forma como esta temática éabordada, o seu grupo alvo restringe-se aos jovens do Concelho de Mértola, comidades compreendidas entre os 15 e os 25 anos. 28
  29. 29. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.4- Âmbito Geográfico Através da descrição anterior das actividades, facilmente se deduz que amaior parte delas são realizadas ao ar livre e sempre em locais distintos, o que acabapor ser uma forma privilegiada para abordar a temática do ambiente. O facto de asactividades se realizarem quase todas fora da Vila de Mértola, acaba por levar osjovens para locais distintos, despertando-lhes mais interesse e proporcionando-lhes oconhecimento de locais por eles não frequentados, produzindo desta forma achamada descentralização. 29
  30. 30. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.5- Duração e plano de acção Prevê-se que o tempo necessário para a realização desta actividade seja 3dias, 12, 13 e 14 de Março. O programa, a seguir indicado, é composto por actividades de carácter lúdico,desportivo e formativo. O programa mais detalhado poderá ser visto no anexo F. Datas Março 1999 Actividades 12 13 14 Locais• Apresentação do Grupo Mértola X• Visita guiada à Herdade da Brava Herdade da Brava X• Descida do Rio Guadiana em canoas• Abordagem das actividades Rio Guadiana X desenvolvidas no Monte do Vento• Actividades de Convívio Monte do Vento X• Percurso Pedestre "Peddy-Paper" Monte do Vento X• Formação: "Fauna e Flora – A sua Monte do Vento X importância – O ambiente como fonte de riqueza”• Visita ao "Pulo do Lobo" Monte do Vento X• Formação: "As características Pulo do Lobo X ecológicas do Concelho – riscos do seu subaproveitamento"• Prova de BTT Portinho d’Alcácer X• Entrega de certificados/ diplomas de Portinho d’Alcácer X participação Mértola X Foi igualmente incluído neste projecto um programa alternativo cuja funçãoserá de prever eventual falta de condições climatéricas. No decorrer das várias actividades da semana serão incluídos alguns jogos(ver em anexo G). 30
  31. 31. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.5.1- Percursos 4.5.1.1- Monte do Vento – Peddy-Papper O Monte do Vento é uma propriedade adquirida pela Associação de Defesado Património do Mértola, no âmbito do Programa Comunitário « LIFE », quedesenvolveu entre 1993 e 1995 o projecto « Preservação e Valorização doPatrimónio Natural do Troço Médio do Vale do Guadiana ». Posteriormente foiiniciado o projecto « Novas Tecnologias Aplicadas á Conservação da Natureza doVale do Guadiana » até 1998. Situado na zona Norte do Concelho de Mértola, tem como pontos dereferência a proximidade do Pulo do Lobo, fazendo fronteira com a ribeira de Tergese Cobres, com uma área de 198 hectares e localiza-se dentro dos limites de ParqueNatural do Vale do Guadiana. Esta propriedade assume como principais objectivos estabelecer uma relaçãode equilíbrio entre o Homem e a Natureza, procurando enquadrar-se nos valoresassumidos pela Associação de .Defesa do Património de Mértola, conservação evalorização do património natural e cultural. Desta forma, o Monte do Vento, dedica-se á realização de experiências eactividades relacionadas com a conservação da Natureza, investigação científica,demonstração do uso racional dos recursos naturais, Educação Ambiental eFormação Profissional. A paisagem característica desta herdade enquadra-se na paisagem típicaalentejana, com pastagens, estevais e montados. Possui solos rochosos, os quais constituem um dos mais graves problemasambientais da região, por se apresentarem em fase da erosão, revelando-se uma dasgrandes preocupações dos técnicos do Monte do Vento, lutar contra a suafragmentação. A vegetação é escassa uma vez que o clima é quente e seco, sendo aesteva, o funcho, o tojo, o rosmaninho, a azinheira e a oliveira a mais frequente.Quanto à fauna, é ainda variada existindo um conjunto de espécies protegidas por seencontrarem em vias de extinção como é do Chapim-de-poupa, a Raposa,Estrelinha-de-cabeça-listrada, a Pega - Azul, Milhafre-real, entre outros. A perda de uma espécie protegida quer seja na vegetação ou na fauna, alterapor completo todo o Ecossistema desequilibrado-o. Desta forma, conservar,preservar e proteger o Ambiente é necessário. Assim, em forma de conclusão, a Semana do Ambiente, enquadra-se comalguns dos objectivos da herdade do Monte do Vento, nomeadamente a EducaçãoAmbiental. Neste sentido, realizar-se-ão actividades dentro desta temática, nas suasinstalações, tais como jogos de convívio, percursos e um Peddy- Papper, com ointuito de que os participantes nesta actividade possam descobrir a Natureza, oAmbiente envolvente. 31
  32. 32. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Dada a sua importância em torno do modelo de gestão, de preservação e deespaço privilegiado de Educação Ambiental, foi o Monte do Vento incluído nestasemana. 4.5.1.2- Brava/Mértola - Percurso Fluvial O percurso realizar-se-à nas águas do Guadiana, entre a Brava e Mértola,sendo a viagem feita em canoas de 2 lugares (C2) alugadas ao Clube Náutico deMértola. Os objectivos deste percurso é dotar os participantes de conhecimentos sobreo rio, estimulando-os para um contacto com a realidade física do Guadiana,envolvendo-os nos seus problemas, mas também despertando para todas as suaspotencialidades no que respeita essencialmente à sua riqueza ambiental própria e daszonas envolventes, despertando o interesse pelas realidades sócio-culturaisdesenvolvidas em seu redor e ainda reconhecer o rio como factor dedesenvolvimento. “O alerta final vai no sentido de uma alteração das mentalidades de todosquantos dependem e contactam com o rio. A mudança social deverá conduzir ahumanidade a encarar o Ambiente como um bem escasso, com a escassez com queencaramos o dinheiro.”3 O Rio Guadiana nasce em Campo Montiel, Espanha, e desagua no OceanoAtlântico entre Vila Real de Santo António e Ayamonte. O seu curso tem a extensãode 810 Km., dos quais 110 Km. Servem de fronteira entre Portugal e Espanha. Nonosso Concelho os afluentes do Guadiana são as ribeiras de Terges e Cobres, doVascão, da Chança e a de Oeiras. No percurso do Guadiana proposto para a actividade (Brava - Mértola)encontramos margens declivosas e rochosas, (onde não se fixa vegetação emquantidade suficiente para travar o efeito da erosão), ocasionalmente cobertas deAlecrim e de Umbigo de Vénus. Nestes locais vivem espécies já extintas noutraszonas do planeta, como é o caso do Mocho Real. Por entre estas margens declivosas, existem ainda margens mais baixas esuaves, onde existem algumas árvores de fruto e zonas cobertas de arbustos muitocerrados e de difícil penetração, que servem de abrigo a várias espécies de avescomo o Grifo, o Abutre-do-Egipto, o Guarda-Rios, a Galinha de Água, o Rouxinol,o Chapim-Rabilongo, entre outros. Mas neste percurso fluvial, que termina na Vila de Mértola, e após passagemnos Canais (outro local do Guadiana de extrema beleza e ponto de atracção turística)os participantes poderão também desfrutar da magistral importância do património3 Campos, Isabel; “Roteiro de Viagem Mértola – Vila Real de Santo António; SOS Guadiana; Escola C+S de Mértola; Mértola 1992. 32
  33. 33. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértolaconstruído. Exemplo disso são os próprios Canais e as Azenhas de Mértola,desactivadas desde meados deste século e que serviam para reduzir o trigo e o milhoa farinha, bastante importante para o desenvolvimento da economia tradicional, poisera um dos pilares do comércio local e consistia na principal base alimentar daspopulações. O percurso finaliza-se no Cais do Guadiana, onde os participantes poderãoobservar a estrutura habitacional da antiga cidade - porto de Mértola: ponto dechegada e escoamento de cereais, minérios, pessoas, ideias e informações. A vilavelha é o aglomerado urbano intramuralhas cujos limites variam historicamente. E estas são as linhas-mestras que este percurso oferece àqueles que neleparticipam. Aliado à prática de um desporto fortemente desenvolvido nas águas doGuadiana, cujo mérito cabe ao Clube Náutico de Mértola, podemos desfrutar de umaextrema beleza natural e patrimonial: com uma fauna e flora únicas e estruturastradicionais para um aproveitamento racional das suas águas, o Rio Guadianaapresenta alguns aspectos (ainda) desconhecidos de parte da população doConcelho. 4.5.1.3- Portinho d’Alcácer – Percurso de BTT A área de intervenção deste percurso tem uma extensão aproximada de 6 km,e identifica-se como perímetro florestal de Mértola. O percurso permite-nos observar vários pontos de interesse relacionados coma paisagem, a flora, a fauna e o património construído. A paisagem tem algum interesse pelo seu relevo ondulado, com o vale daribeira de Oeiras bastante acentuado. A flora que identifica a zona acima enunciadadivide-se em três sistemas: • sistema florestal, constituído por espécies não autóctones: pinheiros, eucaliptos, acácias e carrascos; • paisagem agrícola, bastante humanizada com explorações agrícolas e hortinhas. Nas explorações agrícolas encontramos culturas arvenses, pastagem ou pousios e nas explorações hortícolas encontramos com bastante frequência árvores de fruto; • vale da ribeira de Oeiras apresenta uma flora mediterrânica bem adaptada ao ecossistema ribeirinho: o loendro, o zambujeiro, a giesta, o tojo, a amendoeira, entre outras espécies. No tocante à fauna desta área podemos encontrar, junto das hortas existentes,várias espécies de aves (cotovia, trigueirão, pintassilgo, etc.). Para além destasexistem ainda algumas espécies cinegéticas como a perdiz, o coelho, a lebre e ojavali. 33
  34. 34. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola No que diz respeito ao património construído podemos observar doismoinhos que ilustram a tradicional estrutura de moagem movida à força motriz daágua, utilizada para a transformação de cereal em farinha, bastante importante para aeconomia tradicional. O moinho do Portinho d`Alcáçer localiza-se a sudoeste de Mértola, a 2,3kmda foz da ribeira de Oeiras, inserido num conjunto de rochas próximo da pontedesignada pelo mesmo nome, era constituído pelo armazém e a casa do moleiro,agora praticamente destruída. O acesso ao moinho era feito por um caminho de “pé posto” bem escavado narocha. O moinho era composto por infra-estruturas e equipamentos de controle deágua que eram imprescindíveis ao seu funcionamento, no entanto hoje apenas oedifício que o albergava está intacto, estando tudo o resto, total ou parcialmentedestruído. O Moinho de Vento localiza-se a 300m. de Mértola e situa-se num cerrofronteiro à Capela de Nª Srª das Neves. Existem ainda ao longo da ribeira de Oeiras uma série de moinhos de água,agora abandonados e bastante destruídos. Em suma, o percurso consiste numa prova de BTT. Enquadrado no perímetroflorestal de Mértola e zonas circundantes à ribeira de Oeiras, com uma extensãoaproximada de 6 km. Apresentam-se como principais objectivos desta iniciativa asensibilização dos participantes para a importância da preservação do patrimónionatural e cultural. Pretende-se ainda dar a conhecer as características locais no quetoca a fauna e flora. 34
  35. 35. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.6- Avaliação No sentido de avaliar esta actividade, elaborou-se um questionário (veranexo J), que procura dar resposta a algumas falhas que possam surgir na realizaçãoda mesma. Assim, uma avaliação final da actividade torna-se importante pois, analisaos erros e avalia os aspectos positivos quer da sua organização ou realização, sendouma base de partida para uma eventual repetição ou elaboração de outra actividade.Porém, não colocando de parte este método, entendemos que no decorrer daactividade deve ser feita uma avaliação constante da mesma, afim de solucionarproblemas imediatos, tais como motivação, interesse e integração do grupo. 35
  36. 36. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.7- Recursos Para a realização desta actividade é necessário a obtenção de alguns apoios,os quais passamos a especificar. Solicita-se apoio financeiro aos empresários e micro-empresas locais,associações e demais instituições públicas e privadas, por forma a suportar osencargos da mesma. O IPJ- Instituto Português da Juventude e o INATEL- InstitutoNacional de Actividades de Tempos Livres também poderão contribuir, vistotratarem-se de instituições privilegiadas para questões ligadas à juventude e àocupação de tempos livres e desporto. Outro recurso prende-se com a candidatura daactividade aos Programa Infante D. Henrique e Iniciativa, do Instituto Português daJuventude. Os apoios técnicos e materiais caberão em grande parte à Câmara Municipalde Mértola e à Associação de Defesa do Património de Mértola, no que se prendeessencialmente com as questões de transporte, de divulgação e contacto com asentidades. Será também necessário a marcação do Monte do Vento (na Associaçãode Defesa do Património de Mértola), a visita guiada à Herdade da Brava (naSociedade Agrícola da Brava, S.A.) e as refeições (no Grémio Recreativo 1º deDezembro). Ainda no que se refere aos recursos técnicos, os mesmo também poderãoprovir de algumas instituições locais como a Associação Defesa do Matrimónio deMértola e Parque Natural do Vale do Guadiana e o que diz respeito á formaçãosobre o Ambiente. No tocante à canoagem, o monitor responsável virá do ClubeNáutico de Mértola. Será também necessário alguém que se responsabilize pelasquestões da animação do grupo, onde podemos solicitar a colaboração de umanimador da Câmara Municipal de Mértola. De uma forma mais simplificada e esquematizada apresentamos o seguintequadro: Tipo de Apoio Entidade Técnico Material Financ. Transp. Aliment. Outros- Câmara Municipal de Mértola X X X X - -- Associação de Defesa do X X X X X -Património- Clube Náutico de Mértola X X X X - -- Parque Natural do Vale do X - X - - -Guadiana- Sociedade Agrícola da Brava, SA X - X X - -- Grémio Recreativo 1º Dezembro - - - - X X- Instituto Português da Juventude - - - - - X- Instituto Nacional de Actividades de - X - - - XTempos Livres e Desporto- Escola EB 2,3 / ES de Mértola - - - - - X- Oficina da Criança - X - - - - 36
  37. 37. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.8- Divulgação A divulgação deve ser feita de uma forma atractiva, por forma a identificar-secom o grupo alvo. Deve ir ao encontro dos seus interesses, devendo ser realizada emlocais próprios, onde existam grande número de jovens. Assim, como forma de identificar o tema e a própria actividade, criou-se umlogotipo que por si só simbolize todo o perfil da mesma, revelando um caracterjuvenil, simples e adaptativo. (ver anexo E) Quanto às brochuras, que se direccionam especificamente aos jovens, contêmum conjunto de informações tais como, um programa da actividade, um conjunto derecomendações, um destacável com uma ficha de inscrição, logotipos das entidadesorganizadoras e referencia às entidades que colaboram na realização destaacção.(ver exemplar em anexo) O seu formato em forma de envelope, justifica-se uma vez que será feita umadistribuição em mão junto dos jovens, associando-se a uma carta tipo convite que sefaz aos mesmos. Porém para se dê a conhecer a um leque mais vasto de população,estas mesmas brochuras são distribuídas e afixadas em locais mais vastos comocafés espalhados pelo Concelho, além das escolas Bento Jesus Caraça e EB 2,3/ES,mais concretamente aos curso de turismo e Arqueologia e ao núcleo de ambiente,respectivamente. De uma forma mais alargada, procurando sensibilizar a comunidade em geral,assim como tentar aumentar mais o interesse pela actividade, foi elaborado umcartaz de grandes dimensões fazendo referência ao tema, às entidades queorganizam, aos dias a que se refere e ao local onde se aceitam inscrições. Enriquecendo toda esta campanha de divulgação, irão ser feitos na rádiolocal, escola EB 2,3/ES de Mértola, anúncios alusivos à actividade (ver anexos). Osquais se dividem em duas fases, sendo a primeira um breve anúncio geral e asegunda um anúncio mais completo com uma descrição pormenorizada daactividade. Desta forma, a divulgação completa-se, resumindo-se apenas a uma simples eeficaz campanha, a qual será avaliada pelo impacto positivo reflectida pela adesãodos participantes. 37
  38. 38. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola4.9- Orçamento Perspectiva Orçamental Do Plano de Actividades 1- Descida do Rio Guadiana em Embarcações 1.1- Aluguer de canoas 27.000$00 1.2- Transporte de canoas 5.000$00 1.3- Monitor de canoagem 10.000$00 1.4- Barcos de apoio 2.000$00 44.000$00 2- Actividades no Monte do Vento 2.1- Cedência de espaço 8.000$00 2.2- Actividades 10.000$00 2.3- Estadia 14.400$00 2.4- Alimentação 56.600$00 2.5- Acréscimo de 50 % pela realização de actividades ao fim de semana 44.500$00 133.500$00 3- Refeições no Grémio Recreativo 1º de Dezembro 30.000$00 34.000$00 4- Estadia no Clube Náutico de Mértola 18.000$00 18.000$00 5- Despesas com formadores 40.000$00 40.000$00 6- Seguros para a actividade 19.000$00 19.000$00 7- Despesas de divulgação 15.000$00 15.000$00 TOTAL 301.500$00 38
  39. 39. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “A fotografia é o testemunho ter estado que substitui senão o próprio estar pelo menos a experiência que conferia a esse estar o sabor de uma aventura.” Almeida, Bernardo Pinto de 5- Semana da Fotografia 39
  40. 40. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola1- TEMA Ter conhecimento sobre a arte de fotografar é para muitos um anseioirrealizável. A fotografia pode ser encarada como um passatempo, uma carreiraprofissional, ou uma paixão da qual não se detém, por vezes, os conhecimentossuficientes.2- CARACTERIZAÇÃO Mértola constitui-se como um Concelho que evidencia várias carências noque diz respeito a eventos de caracter (in)formativo, onde a população possa adquirirmais conhecimentos sobre áreas específicas, que embora já tenham contactado, nãopossuem bases seguras de como actuar nas mesmas. É o caso da fotografia.3- OBJECTIVOS Pretende-se proporcionar aos participantes interessados um aumento dos seusconhecimentos e consequentemente alertá-los de que a arte de fotografar pode seruma boa forma de ocupar os tempos livres. Consciencializando-os assim das belaspaisagens que existem no nosso Concelho.4- DATA A duração desta actividade é de 6 dias, de 3 a 8 de Maio, os primeiros 4destinados à formação e ao mini concurso, os restantes 2 destinam-se à exposiçãoaberta ao público.5- DESCRIÇÃO Esta semana consiste em: • Formação na arte de fotografar, relativamente aos materiais a utilizar, técnicas, métodos de revelação, etc; • Eleger a melhor fotografia, incentivando à realização destas sobre uma qualquer temática do Concelho. Levando os formandos desta acção a observem através de uma objectiva o aspecto, os hábitos e as ‘gentes’ do local onde residem; • Concretização de um mini concurso, no qual será encontrado o vencedor, através de um júri a definir, que atribuirá prémios simbólicos (por exemplo um álbum e um diploma de honra) pelas “melhores fotografias”; • Para finalizar, a realização de uma pequena exposição sobre fotografia, com apresentação dos trabalhos realizados ao longo da formação. 40
  41. 41. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola O local onde decorre esta actividade será na Escola EB 2,3/ES de Mértola,visto apresentar todos os equipamentos necessários para a prática desta acção, aexposição realizar-se-à nas instalações do Clube Náutico de Mértola. Actividades Data Maio de 1999 Local 3 4 5 6 7 8- Apresentação do Escola 2,3/Es de Mértola X grupo;- Acção de formação na arte da fotografia (técnicas, métodos de X X X revelação, etc); Escola 2,3/Es de Mértola- Mini concurso da melhor da fotografia; Escola 2,3/Es de Mértola X- Exposição de fotografia aberta ao público com amostra dos trabalhos da X Clube Náutico de Mértola formação. De forma a levar a população a participar nesta acção, será realizada umacampanha de divulgação, incentivando possíveis formandos, tal como para aexposição serão distribuídos documentos publicitários alusivos ao evento.6- POPULAÇÃO ABRANGIDA Esta acção de formação destina-se à população do Concelho de Mértola, nãohavendo restrições de idades, porém o limite de inscrições é de 15 pessoas.7- AVALIAÇÃO Quantos de nós trabalhamos com uma máquina fotográfica, porém narealidade nem sempre efectuamos fotografias com sucesso, desconhecendo ascausas. Desta forma uma semana de formação sobre a fotografia constitui-se comouma actividade interessante e atractiva. 41
  42. 42. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “A expressão artística consiste em actividades que favorecem a expressão e que constituem formas de iniciação e desenvolvimento de linguagens criativas e de capacidade de inovação, assim como, procura de novas formas de expressão” Ander-Egg, Ezequiel 6 – Semana da Dança 42
  43. 43. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola1-TEMA A dança é uma actividade, que embora provenha de tempos históricospermanece ainda, no Concelho de Mértola pouco abordada, sem no entanto deixarde constitui um atractivo para a população em geral.2-CARACTERIZAÇÃO Continuamos, a notar neste Concelho, carências quanto à realização deactividades / espectáculos que incentivem a constituição de ( quanto mais não seja )grupos de dança, como por exemplo o folclore.3-OBJECTIVOS Pretende-se conduzir ao (re)nascimento da prática da dança no Concelho,lançando pólos dinamizadores que despertem interesse por esta actividade, criandose possível espaços, que conduzam a uma ocupação racional dos tempos livres. Relativamente ao grupo participante nesta actividade, procurar-se-ásensibiliza-los para esta área, levando-o ao conhecimento do seu próprio corpo,aumentando ao mesmo tempo a sua coordenação motora. Assim, pretende-se que osparticipantes executem diversos tipos de danças, aumentando os seus conhecimentosnesta área tão carenciada.4-DATA A duração desta actividade será de 16 sessões de 2 horas, em horário semanale pós-laboral.5-DESCRIÇÃO Esta acção permitirá, a todos os que nela se inscreverem, o contacto comvários tipos de danças, desde as clássicas, às tradicionais, passando pelas latino-americanas e pelas modernas. No final da formação será organizado um baile onde, para além da actuaçãode grupos de danças profissionais, será feita uma demonstração dos conhecimentosapreendidos pelos formandos. Assim sendo, esta acção divide-se em duas partes: • Ensino / aprendizagem de vários estilos de danças ao grupo participante (clássicas, tradicionais, latino-americanas e modernas). • Realização de um baile, aberto a toda a comunidade, onde o grupo de participantes possa eventualmente demonstrar o que aprendeu durante a formação. 43
  44. 44. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola No intuito de tornar esta actividade apelativa é necessário lançar umacampanha de divulgação promovendo junto da população o interesse pelaparticipação na mesma. Assim, serão distribuídos brochuras informativas, com ointuito de cativar eventuais interessados. Para o evento cultural (Baile) quereferimos, serão distribuídos antecipadamente cartazes de divulgação da actividade,junto dos locais mais frequentados pelo Concelho. Desta forma, dada a natureza da actividade, o local onde se irá realizar seráno salão dos Bombeiros Voluntários de Mértola, por ser o local ideal, apresentandoum espaço amplo e acolhedor.6-POPULAÇÃO ABRANGIDA Esta actividade, destina-se a toda a população em geral, com idade mínima de15 anos. Tendo como limite 40 pessoas.7-AVALIAÇÃO Para finalizar, esta actividade revela-se bastante importante uma vez que dadaa sua natureza, e as carências que vêm colmatar, se justifica a sua realização. 44
  45. 45. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola 7- Semana do Vídeo 45
  46. 46. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola1- TEMA Saber observar é um dote que nem todos estamos capacitados, pois aosnossos olhos existem sempre pequenos pormenores que passam despercebidos. Hoje em dia, com o avanço tecnológico, existem determinados equipamentosque nos ajudam a observar melhor, permitindo recapitular imagens vezes sem contaque os nossos olhos apenas visualizarem uma só vez. No entanto, tal como é necessário dispender tempo para apreender asabedoria da observação, também, para saber manusear com sucesso estas“máquinas de apoio”, se deve despender de tempo. Assim, no sentido de proporcionar algum saber á população do Concelho deMértola, propomos a realização de uma semana de formação sobre a temática dovídeo.2- CARACTERIZAÇÃO No que respeita a este tema, apenas os estudantes da Escola EB 2, 3/ES deMértola estabelecem algum contacto com técnicas de filmagem e montagem deVídeos, pois nesta instituição, existe o Núcleo de Televisão, que emite programas,apenas internos, alguns deles realizados pelos alunos.3- OBJECTIVOS• Ensinar aos participantes técnicas de filmagem, montagem e misturas de imagens, sensibilizando-os para uma ocupação racional dos seus tempos livres;• Intervir nos hábitos dos participantes desta acção, incentivando-os a observar com mais atenção e interesse a paisagem, as pessoas, os seus hábitos e usos.4- DATA A realização desta actividade incide entre o dia 31 de Agosto a 4 deSetembro, em horário pós-laboral entre as 19h. e as 22h. e no dia de sábado entre as13h. e 15h.5- DESCRIÇÃO Esta actividade constitui-se por:• Acções de formação sobre a aprendizagem das técnicas e métodos de filmagem;• Elaboração de pequenos trabalhos práticos;• Exibição de todos os trabalhos realizados, com entrega de certificado de participação. 46
  47. 47. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola Actividades Data Setembro de 1999 Local 1 2 3 4 5- Apresentação do grupo - Introdução ao tema - Aprendizagem das Escola EB 2,3/ES de técnicas Mértola X- Aprendizagem das técnicas (continuação) - Abordagem á temática - Escola EB 2,3/ ES de Prática de filmagem Mértola X- Prática de filmagem (continuação)- Início da elaboração de Escola EB 2,3/ ES um pequeno trabalho de Mértola X- Elaboração de um Escola EB 2,3/ ES de pequeno filme Mértola X- Passagem dos trabalhos realizados- Entrega de um certificado Escola EB 2,3/ES de de participação Mértola X A divulgação desta actividade tem como objectivo motivar a população,sendo realizados cartazes e brochuras alusivos ao tema e distribuídos em locaisespecíficos.6- POPULAÇÃO ABRANGIDA Esta acção deverá ter como limite máximo um grupo de 10 pessoas, nãoexistindo qualquer restrição de idade nem de sexo.7- AVALIAÇÃO Dada a caracterização transcrita anteriormente, pensa-se que a realizaçãodesta semana temática possa despertar interesse junto da população e,simultaneamente, transmitir estes conhecimentos a mais do que uma faixa etária dapopulação. 47
  48. 48. Projecto “Semanas Temáticas” Curso de Animadores LocaisAssociação de Defesa do Património de Mértola Câmara Municipal de Mértola “As associações são uma fonte crucial de inspiração e são um fertilizante para o crescimento da participação social. Têm um papel fundamental no dinamismo e progresso local” Basto, M.ª Elisa e Neves, Eduarda 8- Semana do Associativismo 48

×