Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros

7,006 views

Published on

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros

Published in: Education

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros

  1. 1.  Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).  Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).  Economia agropastoril.  Comércio pouco desenvolvido e ausência de moeda.  Ausência de escrita.  Politeístas.  Inicialmente sem propriedade privada.  Poder político = guerreiros.  Direito Consuetudinário (tradição).  COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros). Os Povos Bárbaros
  2. 2. Os Povos Bárbaros  Os povos bárbaros eram de origem germânica e habitavam as regiões norte e nordeste da Europa e noroeste da Ásia, na época do Império Romano.  Viveram em relativa harmonia com os romanos até os séculos IV e V da nossa era. Chegaram até a realizar trocas e comércio com os romanos, através das fronteiras. Muitos germânicos eram contratados para integrarem o poderoso exército romano.  Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para todos aqueles que habitavam fora das fronteiras do império e que não falavam a língua oficial dos romanos: o latim.  A convivência pacífica entre esses povos e os romanos durou até o século IV, quando uma horda de hunos pressionou os outros povos bárbaros nas fronteiras do Império Romano. Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma invasão, muitas vezes violenta, que acabou por derrubar o Império Romano do Ocidente, 476.
  3. 3. Os FRANCOS  Um dos povos germânicos (“bárbaros”).  Constituíram um Estado organizado.  Fizeram uma forte aliança com a Igreja Católica.  Dinastias:  Merovíngia.  Carolíngia.
  4. 4. A Dinastia Merovíngia  Clóvis:  Reis indolentes e major domus.  Pepino de Heristal:  Carol Martel:  Neto de Meroveu.  Primeiro líder bárbaro a “converter-se” ao Cristianismo.  Fundador da dinastia.  Dividiu o reino em condados.  Tornou o cargo de major domus vitalício e hereditário.  Venceu os árabes na Batalha de Poitiers (732) e recebeu o título de “Salvador da Cristandade Ocidental” da Igreja Católica. ClovisroidesFrancs(465-511)selonFrançois-LouisDejuinne(1786-1844).Peinture réaliséeen1835conservéeàVersailles,muséenationalduchâteauetdesTrianons.
  5. 5. A imagem mostra o Rei Clóvis sendo batizado. Era o início de uma longa união entre a Igreja Católica e os francos e, posteriormente, os carolíngios.
  6. 6. Charles de Steuben, Batalha de Poitiers, outubro 732. Óleo sobre tela, pintada entre 1834 e 1837, hoje no Musée du château de Versailles (Museu do Palácio de Versalhes, França).
  7. 7. A Dinastia Merovíngia (Continuação)  Pepino, o Breve:  Depôs o último rei merovíngio, Childerico III.  Fundou a nova dinastia.
  8. 8. A Dinastia Carolíngia  Pepino, o Breve:  O fundador da dinastia.  Forte aliado da Igreja Católica.  Doou à Igreja Católica o Patrimônio de São Pedro.  Fortaleceu as relações pessoais de dependência, através de doações de benefícios aos cavaleiros fiéis. Pepino estabelece o Patrimônio de São Pedro, formados por um aglomerado de territórios, basicamente no centro da península Itálica, que se mantiveram como um estado independente entre os anos de 756 e 1870, sob a autoridade civil dos Papas, e cuja capital era Roma.
  9. 9. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  Carlos Magno:  Conquistas territoriais.  Fez do Reino dos Francos a mais extensa unidade administrativa da Europa ocidental.  Forte aliança com a Igreja Católica.  Foi coroado Imperador dos Romanos no natal de 800 pelo Papa Leão III.  Distribuição de títulos de condes, duques e marqueses.  Forte controle sobre a nobreza.  Missi dominici (emissários do senhor).  Renascimento Carolíngio.
  10. 10. • Além da estabilidade política adquirida na época de Carlos Magno houve também um verdadeiro Renascimento Cultural. • Os nobres, em geral analfabetos (incluindo o Imperador) foram estimulados a ler e a escrever. • O Imperador criou escolas para a nobreza (Palatinas) e para o clero (Episcopais), estimulando a educação do Império.  Renascimento Carolíngio. • Nessa época temos o início das traduções dos monges copistas, principalmente de textos de autores greco- romanos. • Temos um estímulo a ourivesaria, a fabricação de joias, além do advento das iluminuras, textos seguidos de imagens coloridas em miniatura.
  11. 11. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  Luís, o Piedoso:  Fortemente influenciado pela Igreja Católica.  Um monarca fraco.  Fortalecimento da nobreza e do alto clero.  Novas invasões e pilhagens: os vikings (escandinavos), os sarracenos (piratas muçulmanos) e os magiares (húngaros).  Após sua morte, seus três filhos disputaram o império.
  12. 12. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  O Tratado de Verdun (843):  Foi a divisão do Império Carolíngio entre os netos de Carlos Magno.  Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que deu origem ao Reino da França).  Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura Alemanha).  Lotário, com a França Central, repartida após a sua morte, entre Carlos e Luís. O Tratado de Verdun (843): Território de Carlos, o Calvo. Território de Lotário. Território de Luís, o Germânico. Estados Pontifícios.
  13. 13. Alguma considerações finais  A autoridade real esfacelou-se rapidamente.  Condes, duques e marqueses usurparam os poderes reais e passaram a exercê-los em nível local.  Em 877, os domínios, chamados então de feudos, tornaram-se hereditários.  Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.  No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o Jovem.  Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio da França Ocidental. Os aristocratas escolheram Hugo Capeto, Conde de Paris, como rei.  Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a dinastia feudal por excelência, na França, os capetíngios.
  14. 14. www.historiasdomedeiros.blogspot.com ll
  15. 15. www. historiasdomedeiros .blogspot.com Introdução  Povos fora das fronteiras (sem cultura greco- romana).  Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).  Economia agropastoril.  Comércio pouco desenvolvido e ausência de moeda.  Ausência de escrita.  Politeístas.  Inicialmente sem propriedade privada.  Poder político = guerreiros.  Direito Consuetudinário (tradição).  COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).  Os povos bárbaros eram de origem germânica e habitavam as regiões norte e nordeste da Europa e noroeste da Ásia, na época do Império Romano.  Viveram em relativa harmonia com os romanos até os séculos IV e V da nossa era. Chegaram até a realizar trocas e comércio com os romanos, através das fronteiras. Muitos germânicos eram contratados para integrarem o poderoso exército romano.  Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para todos aqueles que habitavam fora das fronteiras OS BÁRBAROS do império e que não falavam a língua oficial dos romanos: o latim.  A convivência pacífica entre esses povos e os romanos durou até o século IV, quando uma horda de hunos pressionou os outros povos bárbaros nas fronteiras do Império Romano. Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma invasão, muitas vezes violenta, que acabou por derrubar o Império Romano do Ocidente, 476. Os FRANCOS  Um dos povos germânicos (“bárbaros”).  Constituíram um Estado organizado.  Fizeram uma forte aliança com a Igreja Católica.  Dinastias: Merovíngia e Carolíngia. A Dinastia Merovíngia  Clóvis: Neto de Meroveu; Primeiro líder bárbaro a “converter-se” ao Cristianismo; Fundador da dinastia; Dividiu o reino em condados.  Reis indolentes e major domus.  Pepino de Heristal: Tornou o cargo de major domus vitalício e hereditário.  Carol Martel: Venceu os árabes na Batalha de Poitiers (732) e recebeu o título de “Salvador da Cristandade Ocidental” da Igreja Católica.  Pepino, o Breve: Depôs o último rei merovíngio, Childerico III; Fundou a nova dinastia.
  16. 16. www. historiasdomedeiros .blogspot.com A Dinastia Carolíngia  Pepino, o Breve: O fundador da dinastia; Forte aliado da Igreja Católica; Doou à Igreja Católica o Patrimônio de São Pedro; Fortaleceu as relações pessoais de dependência, através de doações de benefícios aos cavaleiros fiéis.  Carlos Magno: Conquistas territoriais; Fez do Reino dos Francos a mais extensa unidade administrativa da Europa ocidental; Forte aliança com a Igreja Católica; Foi coroado Imperador dos Romanos no natal de 800 pelo Papa Leão III; Distribuição de títulos de condes, duques e marqueses; Forte controle sobre a nobreza; Missi dominici (emissários do senhor); Renascimento Carolíngio.  Além da estabilidade política adquirida na época de Carlos Magno houve também um verdadeiro Renascimento Cultural. Os nobres, em geral analfabetos (incluindo o Imperador) foram estimulados a ler e a escrever. O Imperador criou escolas para a nobreza (Palatinas) e para o clero (Episcopais), estimulando a educação do Império. Nessa época temos o início das traduções dos monges copistas, principalmente de textos de autores greco-romanos. Temos um estímulo a ourivesaria, a fabricação de joias, além do advento das iluminuras, textos seguidos de imagens coloridas em miniatura. OS BÁRBAROS (Continuação)  Luís, o Piedoso: Fortemente influenciado pela Igreja Católica; Um monarca fraco; Fortalecimento da nobreza e do alto clero; Novas invasões e pilhagens: os vikings (escandinavos), os sarracenos (piratas muçulmanos) e os magiares (húngaros); Após sua morte, seus três filhos disputaram o império.  O Tratado de Verdun (843): Foi a divisão do Império Carolíngio entre os netos de Carlos Magno.  Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que deu origem ao Reino da França).  Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura Alemanha).  Lotário, com a França Central, repartida após a sua morte, entre Carlos e Luís. Alguma considerações finais  A autoridade real esfacelou-se rapidamente.  Condes, duques e marqueses usurparam os poderes reais e passaram a exercê-los em nível local.  Em 877, os domínios, chamados então de feudos, tornaram-se hereditários.  Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.  No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o Jovem.  Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio da França Ocidental. Os aristocratas escolheram Hugo Capeto, Conde de Paris, como rei.  Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a dinastia feudal por excelência, na França, os capetíngios.

×