Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Febre amarela

23,373 views

Published on

Seninário apresentado na disciplina de Doenças infecto-parasitárias.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Febre amarela

  1. 1. Faculdade Integral Diferencial-FACID Profa. Elna do Amaral DIP FEBRE AMARELA CID10: A95 Alécio Leite Andressa Avelino Jayranne Mara Leandro Carneiro Luana Mayra Amorim Maíra Miranda Paulo Moura Rafael Viana Samuel Paz 2012
  2. 2. INTRODUÇÃO Doença febril aguda - curta duração - do tipo arbovirose, com dois ciclos epidemiológicos distintos (FAU e FAS) Evolução clínica bifásica (fase de infecção e fase toxêmica) Fase grave apresenta tríade: icterícia, hemorragia, insuf. renal A.E do gênero Flavivirus, família Flaviviridae 1 sorotipo conhecido, com pequenas alterações genéticas entre as cepas da América e da África Vetores: mosquitos Haemagogus (H. janthinomys) na FAS e Aedes (A. aegypti) na FAU Hospedeiros: macaco na FAS e homem na FAU Febre Amarela
  3. 3. INTRODUÇÃO Acomete cerca de 200.000 pessoas por ano no mundo e causaem torno de 30.000 mortes (OMS) Letalidade elevada (≈ 50%) Elevado potencial epidêmico Alto custo social e econômico em situações de surtos eepidemias Febre Amarela
  4. 4. EPIDEMIOLOGIA É encontrada em regiões tropicais da África (34 países) e da América do Sul (09 países) Em 1849 houve uma sequência de surtos no BR Em 1903 Osvaldo Cruz instituiu medidas de vigilância sanitária Doença de caráter sazonal – Janeiro a Abril Vetores de hábitos diurnos (10-14h) Febre Amarela
  5. 5. EPIDEMIOLOGIA De 1999 a 2010 no BR: 587 casos com 259 óbitos (AC, AM, PA, RR, RO, MT, MS, MA, BA, TO, GO, DF, MG, SP[2009], PR e RS) Notou-se maior frequência em >15 anos, ♂, relacionada a ocupação Ciclo silvestre e Ciclo urbano Última epidemia de FAU: RJ – 1928-1929: 738 casos e 478 óbitos Últimos casos de FAU: 1942 – Acre – 3 casos Febre Amarela
  6. 6. Febre Amarela
  7. 7. TRANSMISSÃO
  8. 8. Cebus sp Foto: Rodrigo del Valle (macaco prego)Alouatta sp Callithrix sp(guariba, bugio) (mico, soim) Febre Amarela
  9. 9. TRANSMISSÃO Vetores Reservatórios Disseminadores Febre Amarela
  10. 10. TRANSMISSÃO Período de transmissibilidade : Humano: viremia dura 7 dias a partir de 24 horas depois da picada Mosquito: o vírus se localiza nas glds salivares até conseguir se multiplicar (8 a 12 dias), desde então, o artrópode é capaz de transmití-lo até o fim da sua vida; Febre Amarela
  11. 11. ASPECTOS IMUNOLÓGICOS Suscetibilidade universal Infecção confere imunidade permanente Sorologia a partir do 4° dia Infecções oligo ou assintomáticas são mais comuns em área endêmica Imunidade conferida pela vacina dura 10 anos Bebê nascido de mãe sensibilizada tem imunidade até os 06 meses Febre Amarela
  12. 12. ETIOPATOGENIA Inoculação Linfonodos regionais (replicação) Viremia Fígado Hepatócito Cels. De Kupffer • Transaminases • Cl insulina • Glicogenólise • Detoxicação* • Fat. Coagulação • Icterícia CIVD Vasodilatação Hemorragia HipotensãoInsuficiência Hepática CHOQUE IRA Encefalopatia*
  13. 13. QUADRO CLÍNICO Fatores que influenciam na gravidade clínica:As diferenças entre as cepas;Quantidade de vírus infectante;Exposição anterior a outros flavivírus Febre Amarela
  14. 14. QUADRO CLÍNICO Período de incubação de 3 a 6 dias Caracterizado por evolução bifásica: • Febre • CalafriosFase de infecção (3 dias): • Cefaléia • Mialgia • Prostração • Náuseas • Vômitos • Sinal de FagetRemissão (poucas horas a 1 dia) Febre Amarela
  15. 15. QUADRO CLÍNICOFase de toxemia (5 a 7 dias): Febre reaparece, Cefaléia intensa Fenômenos hemorrágicos (hematêmese, epistaxe, otorragia, melena, gengivorragias) Quadro de insuf. Hepática (icterícia, comprometimento do sensório – obnubilação/torpor/coma, hepatomegalia discreta) Febre Amarela
  16. 16. QUADRO CLÍNICOFase de toxemia (5 a 7 dias): Quadro de insuf. Renal (albuminúria, hematúria, oligúria/anúria, azotemia) Hipotensão Sinal de Faget Óbito no 7°/8° dia Febre Amarela
  17. 17. DIAGNÓSTICO Clínico e epidemiológico Laboratorial:1. Inespecíficos: • Leucograma: Leucopenia e linfocitose(viremia). Leucocitose (convalesc.) • VHS CARACTERISTICAMENTE BAIXA • Bioquímica:  Transaminases (AST/TGO) e bilirrubina (+ direta) elevadas  níveis séricos de uréia e creatinina. Fosfatase alcalina normal • Urina: Proteinúria, hematúria, cilindrúria • Coagulograma: TAP, TPPa, TC, trombocitopenia Febre Amarela
  18. 18. DIAGNÓSTICO2. Específicos • Isolamento do vírus: sangue 4-5 primeiros dias [cérebro camundongo (até 21 dias)]. Detecção do genoma viral (PCR) • Sorologia (5°dia): MAC-ELISA , Inibição da hemaglutinação, Teste da neutralização • Histopatologia hepática: corpúsculos de Councilman (degen. eosinofílica hepatócitos) + degeneração gordurosa hepatócitos + necrose médio-zonal Febre Amarela
  19. 19. Febre Amarela
  20. 20. DIAGNOSE DIFERENCIAL Na fase de infecção: infecções comuns (atentar para os dados epidemiológicos) Na fase de toxemia: Malária Leptospirose Febre maculosa Hepatite viral (A) SEPSE Febre Amarela
  21. 21. TRATAMENTO Antivirais sem eficácia comprovada; AINE* (quadro leve) Suporte em UTI (quadro grave) Reposição volêmica com cristalóides baseada na PVC (8- 12mmHg) Diálise Bloq. de H2; IBP (evitar hemorragias gástricas) Reposição de fatores de coagulação Febre Amarela
  22. 22. PREVENÇÃO Informação a população para evitar a exposição aos vetores Controle de vetor urbano Vacinação Isolamento relativo dos enfermos Notificação compulsória Febre Amarela
  23. 23. REFERÊNCIAS TAVARES, Walter; MARINHO, Leandro Alberto Carneiro. Rotinas de diagnóstico e tratamento das doenças infecciosas e parasitárias. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2005 VERONESI, Ricardo; FOCCACIA, Roberto. Tratado de infectologia. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 1999. BRASIL. Ministério da saúde. Manual de vigilância epidemiológica da febre amarela. Brasília, Fundação Nacional de Saúde, 1999. BRASIL. Ministério da saúde. Portal da saúde. Brasília, 2012. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualiza r_texto.cfm?idtxt=31462>. Acesso em: 04 maio 2012.
  24. 24. FIM

×