Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Consad final 2008

849 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Consad final 2008

  1. 1. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Painel - Gestão do Conhecimento no Setor Público – Níveis Federal, Estadual e Municipal Trabalho - Programa de Estímulo à Inovação em Gestão Pública - A cauda longa e a gestão pública. Roberto Meizi Agune e José Antônio Carlos Roberto Meizi Agune Formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo com especialização em Administração e Planejamento Urbano pela Faculdade Getulio Vargas de São Paulo. Atualmente Coordenador do Grupo de Apoio Técnico à Inovação da Secretaria de Gestão Pública do Governo do Estado de São Paulo. E-mail: ragune@sp.gov.br José Antônio Carlos Economista Formado e Pós Graduado pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Trabalha no Grupo Técnico de Apoio à Inovação da Secretaria Estadual de Gestão Pública de São Paulo e coordena a disciplina “Gestão do Conhecimento no Setor Público”, integrante do Programa de Desenvolvimento Gerencial do Governo de São Paulo. E-mail: jcarlos@sp.gov.br Resumo: As complexas demandas colocadas para o setor público neste início de século mais do que nunca colocam em cheque os métodos tradicionalmente utilizados pelos diversos níveis de governo para enfrentá-las. Por mais que se tente incrementar os gastos públicos dirigidos para segmentos inquestionavelmente prioritários, a sensação de que se esta tentando enxugar o gelo, acaba sempre prevalecendo. Cresce, por isso, a percepção de que sem mudanças na gestão desses recursos, os governos vão sempre chegar atrasados. É nesse quadro que se insere o sistema de estímulo à inovação que está começando a ser implementado na Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Ele tem como preocupação central construir um ambiente de troca de experiências que coloque em contato funcionários públicos distribuídos por diferentes setores, especializações e locais. Para não criar mais uma onerosa e lenta instituição pública, este sistema se inspira nos princípios da “cauda longa” consolidados por Chris Anderson e da Web 2.0. No primeiro o sistema buscou a evidência da queda continuada e
  2. 2. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 irreversível nos custos de processamento, armazenamento e comunicação de dados, que torna viável colocar em contato pessoas criativas, acostumadas a trabalhar na adversidade com sólidas experiências de sucesso mas que ficam circunscritas a uma escola, hospital, etc., sem contaminar o governo como um todo. Na Web 2.0 o projeto buscou as ferramentas tecnológicas abertas, de baixo custo, alto desempenho e principalmente a tese da colaboração e da inteligência coletiva.
  3. 3. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Programa de Estímulo à Inovação em Gestão Pública Roberto Meizi Agune e José Antônio Carlos Seja sempre a transformação que você quer ver no mundo Mohandas Gandhi Introdução Uma simples folheada nos jornais ou uma rápida navegada pela Internet bastam para evidenciar que alguma coisa não vai bem no serviço público. A cada dia que passa questões como aquecimento global, corrupção, lavagem de dinheiro, vácuos na legislação, ausência de regulação, morosidade da justiça, poluição, congestionamento, violência, terrorismo, fome, baixa qualidade do ensino, endemias de escala mundial, só para citarmos alguns temas, ganham mais espaço nos diversos tipos de mídia e na agenda dos principais estudiosos do setor público. Esse diário desfile de temas, todos de alta complexidade, fortalece a percepção de que se está criando um abismo entre os tradicionais mecanismos de ação governamental e os problemas a serem enfrentados. Podemos dizer, usando uma simbologia emprestada da saúde, que a grande maioria dos remédios governamentais está com seu prazo de validade vencido, não surtindo, nem de longe, o efeito desejado. E isto se dá globalmente, em todas as esferas governo, em todos os níveis de poder. Não é por acaso, portanto, que a preocupação em reinventar o setor público venha nos últimos anos ganhando espaço entre políticos - infelizmente ainda poucos - administradores públicos e acadêmicos, tanto nos países desenvolvidos como naqueles em desenvolvimento. Na qualidade de servidores públicos de carreira, com muito anos de dedicação a programas de modernização do setor público, acreditamos firmemente que o enfrentamento dos grandes temas propostos aos governos no século XXI, impõe inovações profundas na gestão, de uma forma geral, e na gestão pública, em especial. Os novos tempos não admitem que continuemos a trabalhar como a cem anos atrás. Não é por que somos mestres em usar o martelo que vamos enxergar para sempre todos os problemas como se fossem pregos. I Por que é Preciso Repensar a Gestão Pública? As grandes organizações públicas e privadas foram concebidas para tratar problemas típicos de uma era, a industrial, que não mais existe. Vivemos hoje
  4. 4. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 em uma sociedade pós industrial com anseios, atitudes, padrões, tecnologias e velocidade próprias. A divisão do trabalho concebida brilhantemente por Taylor e a burocracia irrepreensivelmente talhada por Weber nos permitiram avançar muito no “modus operandi” e nas estruturas governamentais ao longo do século XX. Muito do que obtivemos de avanço, devemos a esses dois grandes pensadores, a quem devemos reverenciar sempre. Mudanças profundas ocorridas em grande intensidade no último quartel do século XX fizeram, no entanto, que soluções padronizadas fossem pouco a pouco perdendo força. - Que alterações são estas? A primeira grande mudança foi, sem dúvida, de caráter tecnológico. A partir da segunda metade da década de 70, uma série sem precedentes de avanços no campo da microeletrônica propiciou o surgimento dos microcomputadores, da indústria do software, de uma nova geração de satélites, antenas parabólicas e redes de transmissão de dados, da telefonia móvel celular, dos pequenos equipamentos eletrônicos de consumo doméstico e, em 1995, da grande síntese de todos esses avanços, a Internet, provavelmente a tecnologia que mais rápida e profundamente alterou processos e comportamentos na face da terra. No bojo dessa revolução tecnológica surge a globalização, movimento econômico que redefine fronteiras, internacionaliza as economias, desregulamenta atividades e conecta em tempo real os mercados financeiros espalhados pelo planeta. Esse mundo plano, onde a mudança torna-se rotina, vai progressivamente forjando novos paradigmas, hábitos e comportamentos, que marcam o progressivo descarte de procedimentos que prevaleceram por muitas décadas. Podemos dizer, em síntese, que estamos saindo de tempos em que as boas práticas eram quase sempre projeções do passado e entrando em uma época de forte imprevisibilidade, onde as boas práticas passam a estar associadas a uma ruptura com o passado. No primeiro cenário, a disciplina, a pontualidade, a presença física no local de trabalho, o cumprimento de rotinas rígidas eram credenciais indispensáveis para o bom funcionário de governo ou de empresa privada. Nesse contexto, é emblemática a frase de Henry Ford, um dos precursores da utilização dos princípios de Taylor, quando lamentava que ao contratar um empregado, este trouxesse consigo sua cabeça. Seria melhor deixá-la em casa.
  5. 5. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 No contexto pós industrial, onde a mudança torna-se rotina, novos problemas parecem brotar a cada instante. Esse quadro demanda servidores capacitados para lidar com o imprevisto e com o inusitado; aptos para identificar novas saídas; qualificados para definir novos serviços; vocacionados para liderar equipes e, principalmente, preparado para inovar o tempo todo. Queremos um corpo de servidores com novas habilidades, visão transdisciplinar, e compreensão intersetorial. Queremos um servidor que mais do que bater o cartão, seja motivado, participativo e criativo. Nesse novo quadro, devemos lembrar as palavras de Akio Morita, antigo presidente da Sony, ao apontar que em tempos de mudanças aceleradas não basta a presença física do funcionário no trabalho, cabe a organização criar um ambiente que o motive que o estimule a usar a cabeça. E isto, não há contrato de contrato de trabalho que obrigue, completava ele. O revolucionário “walkman”, pai do “i-pod”, surgiu da colocação em prática dos ideais desse visionário. - Por que temos dificuldade de percepção? Se as mudanças são tão agudas, por que as organizações têm tanta dificuldade em perceber essas alterações e lidar com o novo contexto? Segundo nosso julgamento, três motivos centrais explicam essa dificuldade: a) Embora as mudanças na sociedade atual estejam ocorrendo de forma bastante rápida, estamos só no começo desse processo. Ainda não temos uma massa crítica suficiente para decifrarmos e compreendermos a maioria das alterações em curso, tão pouco possuímos firmeza sobre os métodos e processos que deveremos utilizar. Sabemos, no entanto, que os primeiros a perceber e codificar esses sinais têm colhido os frutos desse pioneirismo. No âmbito privado, esta compreensão tem levado ao surgimento de um grande número de novas empresas, as quais rapidamente alcançam posição de destaque no mercado. No campo governamental, os que saíram na frente têm logrado criar vantagens competitivas nacionais, regionais e até mesmo locais que significam, a um só tempo, aumento da riqueza e melhoria na qualidade de vida. b) Seres humanos não são máquinas. As pessoas possuem comportamentos ditados por crenças, valores, medos, fraquezas, ambições, visões, modelos que não podem ser simplesmente descartados com uma peça de vestuário que sai de moda. A cabeça dos homens não muda com a mesma velocidade dos avanços tecnológicos. A adaptação aos novos tempos passa por processo de aprendizagem que não atinge a todos da mesma forma. Ainda que existam pessoas abertas à mudança (early adopters) a maioria dos seres humanos vê com o novo com desconfiança. O resultado do embate entre inovadores e conservadores determinará o a velocidade e o grau de inserção de cada organização na sociedade do conhecimento.
  6. 6. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 c) A imensa maioria das organizações é administrada segundo padrões definidos há mais de cem anos. A organização tradicional está centrada em hierarquias rígidas e em burocracias pesadas cujo descarte é muito penoso. Nos governos, em particular, este processo é ainda mais doloroso dado o extenso conjunto de leis, normas e controles que perderam efetividade, mas que não podem ser simplesmente desconsiderados. - Convite a reflexão e ao descobrimento O trabalho que apresentamos neste congresso e o sistema que vamos detalhar na continuidade deste documento não tem a menor pretensão de ser um manual de inovação, mesmo por que, julgamos que a efetividade dos manuais, em momentos de mudanças aceleradas, é absolutamente nula. Antes disso, nosso propósito ao abordar a questão da inovação na gestão pública é trazer o problema para a agenda de técnicos e políticos, pois estamos convictos que a sustentação e a consolidação da democracia passa necessariamente pela transformação de uma administração pública lenta e obesa, que gasta seu tempo com controles e rotinas que nada mais significam, por um setor público inteligente e motivado que busque compreender os novos desafios e, a partir daí oferecer idéias, caminhos e serviços adequados. Sabemos, também, que não existem soluções milagrosas geradas em gabinetes refrigerados, por melhor que sejam as intenções de seus mentores. O sonho de um novo setor público só sairá do papel quando cada servidor for estimulado a inventá-lo. Nosso sistema de estímulo a inovação mais do que uma solução tecnológica acabada é um convite ao primeiro passo.
  7. 7. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 II A Cauda Longa e o Setor Público O termo cauda longa foi primeiramente utilizado em uma palestra proferida por Chris Anderson, físico, jornalista e editor-chefe da revista Wired. Em outubro de 2004, essa expressão cunhou artigo do mesmo autor, publicado na Wired, tornando-se a matéria mais citada na revista, em todos os tempos. Inspirado na grande aceitação do trabalho, Chris Anderson coletou novos dados e ampliou suas pesquisas sobre o tema, atividades que conduziram, em 2006, ao lançamento do livro “A Cauda Longa – A Nova Dinâmica de Marketing e Vendas: Como Lucrar com a Fragmentação dos Mercados”, que rapidamente tornou-se um best-seller e uma obra de referência para o exame de algumas peculiaridades da economia, neste início do século XXI. Hoje, o autor mantém um blog “http://www.thelongtail.com”, aberto ao público, onde podemos encontrar exemplos de aplicações desse conceito nos mais variados setores da economia. Este artigo, em particular, procura enfocar o impacto da economia da cauda longa, no setor público, tomando como base o Governo do Estado de São Paulo. - O que é a cauda longa? Em 1987, o economista Vilfredo Pareto, em estudo sobre a sociedade de sua época, observou que uma grande parte da riqueza, cerca de 80%, se encontrava nas mãos de um número bastante reduzido de pessoas, 20%. Nos anos seguintes, este princípio foi ampliado para outros fenômenos econômicos, ficando conhecido como método ou curva de Pareto, ou, ainda, regra dos 80/20, aplicada até os nossos dias. A teoria exposta no livro de Chris Anderson observa, no entanto, que esse quadro começa a mudar a partir da acentuada queda nos preços do processamento, armazenamento e distribuição de dados, iniciada no último quartel do século XX, e reforçada nesses primeiros anos do novo milênio. Esta nova equação começa a modificar modelos de negócio tradicionais direta ou indiretamente ligados às tecnologias de informação e comunicação, todos eles concebidos em um cenário de preços elevados, resultando na alteração no formato tradicional da curva esboçada por Pareto, tornando-a mais alongada. Em sua obra, o autor aponta diversos tipos de produtos cuja demanda passa a seguir esse novo comportamento. Para fixar melhor esse conceito, vamos analisar um dos exemplos citados por Chris Anderson, referente ao mercado editorial. Os números levantados e tratados pelo autor sugerem que a percentagem da receita proveniente de um pequeno conjunto de títulos que vende muito (topo da curva de demanda) vai
  8. 8. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 progressivamente diminuindo, enquanto aumenta a proporção da arrecadação proveniente da venda de um grande número de títulos cujas vendas individuais são bastante tímidas (a cauda da curva de demanda). A Figura I, apresentada na seqüência, permite visualizar melhor essa situação. FIGURA I Três causas principais explicam o alongamento da curva de demanda e o fortalecimento dos mercados de nicho: a) Democratização das ferramentas de produção. As modernas tecnologias, potentes e baratas, transformaram indivíduos, até então simples consumidores, em uma nova camada de produtores que passa a competir com os profissionais tradicionais. b) Redução dos custos de consumo, graças a democratização da distribuição. A Internet torna mais barato alcançar mais pessoas, aumentando efetivamente a liquidez do mercado na cauda, o que, por sua vez, se traduz em mais consumo, elevando efetivamente o nível da linha de vendas e ampliando a área sobre a curva. c) Ligação entre a oferta e demanda. A criação de novos canais (mecanismos de busca tipo Google, blogs, vendas-on-line) apresenta os consumidores a estes novos bens. O resultado final para os clientes é a redução dos “custos de busca” para encontrar o conteúdo dos nichos. Após sua divulgação, a adequação da teoria da cauda longa foi ganhando exemplos em uma série de outros produtos/serviços, indo muito além daqueles imaginados inicialmente pelo autor. Esse enquadramento ampliado deve-se a aderência desses produtos/serviços ao princípio do “disponibilize tudo e ajude a achar”.
  9. 9. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Foi desta maneira que vislumbramos a adesão dos princípios da cauda longa ao serviço público paulista. - Aplicando o conceito da cauda longa no serviço público de São Paulo O Governo de São Paulo possui, hoje, quase setecentos mil servidores, distribuídos por diferentes secretarias, setores de atividade e localidades. Deste total, o número de profissionais de governo abrangidos pela rede executiva interna (Rede Notes), sistema oficial de comunicação interna da administração oscila, hoje em dia, em torno dos 24 mil. Ainda que o número de servidores conectados avance a cada exercício, restrições de ordem financeira e tecnológica impedem que esse crescimento ocorra de maneira mais acelerada. Por outro lado, as mudanças ocorridas na economia e a sofisticação dos problemas a serem enfrentados pelos governos, comentadas anteriormente, torna imprescindível o estímulo à produção de soluções inovadoras, as quais dependem, por sua vez, da utilização plena do talento de seus servidores e da rápida circulação do conhecimento e das experiências de governo testadas em escolas, hospitais, presídios e outros próprios governamentais espalhados pelo território paulista, que, mais das vezes, ficam circunscritas ao local onde foram geradas, por falta de canais para discussão e divulgação. Objetivando contornar as restrições quanto ao ritmo de expansão da rede Notes, expostas acima, e ampliar a possibilidade de contato entre os funcionários de governo, a Secretaria de Gestão Pública de São Paulo está implementando um sistema de estímulo à inovação, de baixo custo, aberto a todo o servidor do estado. Com este ambiente, pretende-se ampliar o espaço para a discussão de novas idéias, soluções, experiências e serviços, de modo a que as mesmas sejam de fato apropriadas por toda a administração. Em termos técnicos, usando o princípio da cauda longa, esta solução significa estender a curva de Pareto, de modo a passar do padrão tradicional, hoje praticado pelo governo, no qual a grande maioria das soluções implantadas provém de um número proporcionalmente muito pequeno de funcionários, para uma situação que consiga trazer para o governo como um todo, experiências de sucesso praticadas em nichos. Na seqüência vamos falar um pouco sobre o funcionamento do sistema.
  10. 10. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 III Sistema de Estímulo a Inovação O sistema de estímulo a inovação no serviço público, que estamos implantando na Secretaria de Gestão Pública do Estado de São Paulo, constitui um ambiente de construção coletiva de conhecimento, utilizando novos métodos, ferramentas, formatos e conteúdos, todos típicos da sociedade pós-industrial, sobre os quais falaremos mais à frente. Ele se propõe a abrigar, organizar e veicular documentação e experiências inovadoras no âmbito serviço público, de modo a facilitar a apropriação destes elementos, muitas vezes dispersos e pouco divulgados, por toda a administração. O sistema não tem a pretensão, é importante mencionar, de criar um super banco sobre o conhecimento governamental. Não acreditamos que isto possa existir, pois somos adeptos da idéia de que o conhecimento reside fundamentalmente na cabeça do servidor. Ao contrário, estamos colocando à disposição do funcionário um espaço voluntário de trabalho que estimule o intercâmbio de idéias, a troca de experiências, a transdisciplinaridade, a visão intersetorial e a aprendizagem continuada. Também não estamos falando de um projeto clássico, com começo, meio e fim. Estamos colocando no ar um ambiente de trabalho cujo sucesso não dependerá de uma pessoa ou grupo de pessoas com poder momentâneo de comando. Seu êxito, ou seja sua utilidade, será o resultado do cotejo entre os que ousam avançar contra aqueles que se contentam em ver o tempo passar. - Métodos Encontramo-nos, hoje, segundo a oportuna definição do sociólogo espanhol, Manuel Castells, em uma sociedade estruturada em rede. A cada dia que passa os profissionais são mais valorizados pela sua capacidade de atuar, de forma colaborativa, em comunidades vinculadas ao seu campo de interesse e menos pelo seu curriculum individual. Atento a essa tendência, nosso ambiente objetiva fomentar a criação de redes de funcionários públicos, distribuídas segundo temas estratégicos para a administração pública. O sistema identifica ainda, algumas redes de alcance mundial, consideradas fundamentais para a compreensão dos caminhos e práticas que tem sido seguidos pelos governos, neste início de século. Nosso sistema estimula, também, o registro ágil, descontraído e informal de boas práticas de governo. As diversas experiências de inovação espalhadas pela administração só terão alguma chance de serem apropriadas pelo governo como um todo se forem retratadas pelos próprios participantes dessas ações. Estruturas muito burocratizadas e centradas em soluções tecnocráticas cifradas transformam a divulgação das boas experiências em insípidos
  11. 11. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 relatórios de rotina, onde a informalidade a emoção envolvida nessas experiências são sumariamente descartados. - Ferramentas A aplicação dos métodos acima não pode ser amparada, já dissemos, por estruturas caras e rígidas. Dessa forma, nosso sistema está ancorado na utilização dos princípios da Web 2.0, plataformas abertas que valorizam o compartilhamento de informações e o estímulo à produção autônoma de conteúdo, Essa visão faz com que nosso ambiente seja composto por uma somatória de ferramentas, tais como: blogs, vídeos, arquivos de áudio - podcasts, janelas inteligentes com componentes de fácil utilização pelo usuário final - widgets, fusão de aplicações - mashups, páginas de edição coletiva - wikis, indexadores coletivos – tags, entre outras, todas, devidamente conectadas e indexadas com vistas a criar um vasto ambiente para registro ágil e descentralizado dos temas vinculados ao aprimoramento do serviço público. - Formatos Um dos princípios subjacentes ao nosso sistema é a incorporação de conteúdos de distintos formatos. Esta característica, típica da grande rede mundial, reforçada pela Web 2.0, permite que além de textos e tabelas, possamos incorporar ao conjunto de elementos a serem veiculados, formatos como: gráficos, desenhos, fotos, animações, mapas, registros de áudio e vídeos. Esta ampliação da base documental além de abreviar a divulgação de conteúdo, providência vital nos dias hoje, atribui mais interesse a esses registros, rompendo a barreira da informação fria, hermética e burocrática que muitas vezes caracteriza manuais, relatórios e outros relatórios de rotina. - Conteúdos Nosso ambiente de estímulo à inovação em gestão pública, como mencionamos antes, procura alargar o espectro da base de conhecimento governamental, incorporando a ela elementos, normalmente não contemplados nos sistemas de rotina, referentes, na maioria dos casos, à informações estruturadas. Esse universo, por ser bastante amplo, mereceu um novo corte, o qual definiu finalmente como foco para nosso sistema a melhoria na prestação de serviços públicos
  12. 12. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Os conteúdos a serem contemplados, definido este escopo, envolvem, prioritariamente: 1) Mapeamento da “expertise” governamental, através da montagem das “páginas amarelas” do serviço público. 2) Registro e divulgação de experiências inovadoras em gestão pública que conduziram a melhorias ou ampliação no leque de serviços prestados. 3) Consolidação e concentração de notícias nacionais e internacionais sobre inovação no serviço público. 4) Divulgação de “benchmarks” nacionais e internacionais em serviço público. 5) Consolidação e concentração de material didático (textos, apresentações, tutoriais, etc.) e indicações bibliográficas na área de gestão do conhecimento e inovação em governo. 6) Identificação e “linkagem” com sítios da Internet relevantes para o escopo do sistema. 7) Disponibilização de “widgets” de interesse para melhoria e ampliação do leque de serviços prestados, coerentes com as tendências de convergência digital.
  13. 13. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Conclusão O ambiente de incentivo ao surgimento de novas soluções em serviço público, que estamos colocando à disposição do servidor, ele próprio já pode ser tratado como um exemplo de inovação produzida por funcionários de carreira que gostam e acreditam no que fazem. A crença e o gosto surgem de uma visão de administração pública, calcada em alguns princípios: 1. Transparência. Conhecimento só circula em ambientes do tipo ganha- ganha. Quando poucos querem usar muitos, a troca de conhecimento se interrompe e todos perdem. O governo porque se desmoraliza e os servidores por que se desatualizam e perdem a motivação. A formação de comunidades aqui incentivadas pressupõe honestidade, cooperação, e espírito de equipe. 2. Agilidade. O conjunto de problemas que mencionamos no início do texto, pela sua dinâmica e variedade, só podem ser atacados por estruturas que forneçam respostas rápidas. Hierarquias rígidas e burocracia desmedida fazem o governo perder todas as paradas. 3. Cérebro e coração. Os governos foram montados em uma época em que a força muscular era suficiente para a resolução da maioria das questões a eles propostas. Hoje, na era do conhecimento, governos precisam muito mais que isso, eles devem ter cérebro e coração. Sem o primeiro ele não comanda, sem o segundo, ele não convence. 4. Valorização e integração das pessoas. Por mais tecnologia que tenhamos, a inteligência governamental, notadamente em sua dimensão tácita, reside, fundamentalmente, na cabeça do servidor. Assim, é mais do que nunca necessário que tenhamos um corpo de funcionários atualizado e qualificado. Atento a essa necessidade, a capacitação em métodos e ferramentas da web 2.0 tornou-se um dos pilares de nosso ambiente. Só qualificar, no entanto, não basta. É necessário integrar talentos. Por isso, o sistema, paralelamente, procurou criar um espaço de troca, um “Ba”1 , na linguagem de Nonaka e Konno2 , onde essa qualidade possa ser socializada, externalizada, combinada com outras visões de mundo e, finalmente, internalizada como um novo serviço 1 Ba é um espaço compartilhado que serve de base para criação de conhecimento, seja este individual ou coletivo. Este ambiente pode ser físico (como o escritório), virtual (como o e-mail), mental (experiências e ideais compartilhados) ou qualquer combinação entre os três. 2 Nonaka, I.; Konno, N. The concept of “Ba”: Building a foundation for knowledge creation. California Management Review; Spring 1998; Volume , No.3.
  14. 14. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 público. Neste “mercado”, o servidor é um co-produtor estratégico, crescendo e trabalhando em rede, e não um simples e isolado expectador privilegiado. 5. Transitoriedade. Um ambiente como este estará sempre em construção (estágio beta), uma vez que com o drástico encurtamento nos ciclos de vida dos produtos, uma das maiores marcas da sociedade do conhecimento não, há mais espaço para soluções acabadas. Elas estarão desatualizadas no dia seguinte. . São esses princípios que construíram o sistema de incentivo a inovação que abordamos neste texto. Visite-o em http://www.igovsp.net e comece a praticá-los.
  15. 15. I Congresso CONSAD de Gestão Pública Brasília - 26 a 28 de maio de 2008 Bibliografia ANDERSON, Chris. A Cauda Longa. Editora Elsevier. Rio de Janeiro, 2006 CASTELLS, Manuel. A Sociedade Em Rede – A era da informação: economia, sociedade e cultura; Volume I. Editora Paz e Terra, 1999. CAVALCANTI, Marcos e NEPOMUCENO, Carlos. O Conhecimento em Rede – Como Implantar Projetos de Inteligência Coletiva. Editora Elsevier. Rio de Janeiro, 2007 DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da Informação; Porque só a tecnologia não basta na era da informação. Editora Futura. São Paulo, 1998. HAMEL, Gary e BREEN, Bill. O Futuro da Administração. Editora Campus, Rio de Janeiro, 2007 NONAKA, Ikujiro e TAKEUCHI Hirotaka. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro. Editora Campus, 1997. SUROWIECKI, James. A Sabedoria das Multidões. São Paulo. Editora Record, 2006

×