Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Os Deveres de Cooperação Específicos dos Notários - Regime Sancionatório

961 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Os Deveres de Cooperação Específicos dos Notários - Regime Sancionatório

  1. 1. Os deveres de cooperação específicos dos notários Regime sancionatório
  2. 2. Deveres de informação gerais deveres especiais de controlo <ul><li>Os deveres de informação dos notários </li></ul><ul><li>O art. 123º do Código do IRS como projecção de um princípio geral </li></ul>
  3. 3. A verificação da liquidação no IMT <ul><li>A prova do pagamento da sisa (art.49 do CIMT). </li></ul><ul><li>Documento comprovativo da isenção. </li></ul><ul><li>Ocultação de factos ou valores não declarados (art. 103 do RGIT) </li></ul>
  4. 4. As normas antifraude no CIMI e a sua interpretação (art. 2º) I <ul><li>Os contratos promessa com tradição </li></ul><ul><li>O arrendamento como transmissão da propriedade no final do prazo </li></ul><ul><li>Os arrendamentos a longo prazo </li></ul>
  5. 5. As normas antifraude no CIMI e a sua interpretação (art. 2º) II <ul><li>As quotas de sociedade com bens imóveis se um dos sócios tiver 75% do capital social </li></ul><ul><li>Contrato-promessa com cessão de posição contratual </li></ul><ul><li>Cessão de posição contratual </li></ul><ul><li>Procuração irrevogável para alienar bens </li></ul>
  6. 6. A resolução do contrato de compra e venda <ul><li>A resolução, invalidade ou extinção de um contrato de compra e venda de bens imóveis </li></ul><ul><li>Os efeitos e as circunstâncias destes contratos e obrigação de pagar sisa </li></ul>
  7. 7. Fraude à lei e abuso de direito fiscal <ul><li>A fraude à lei como problema geral do direito </li></ul><ul><li>Violação do dever de cooperação e ladeamento da lei fiscal </li></ul><ul><li>As consequências da fraude à lei fiscal </li></ul>
  8. 8. A qualificação de um contrato e os poderes da Administração <ul><li>A qualificação de um contrato pelas partes </li></ul><ul><li>Os poderes da Administração fiscal perante um contrato erradamente qualificado </li></ul><ul><li>A qualificação em documento autêntico (art. 36ª nº 4) </li></ul>
  9. 9. Qualificação e fraude fiscal <ul><li>A qualificação viciada de um contrato como forma de ocultar a sua natureza </li></ul><ul><li>O contrato de comodato com compensação pela deterioração da coisa previamente determinada </li></ul><ul><li>Uma doação com fins remuneratórios </li></ul>
  10. 10. Fraude à lei e fraude fiscal <ul><li>A colaboração do notário em operações artificiosas destinadas à fraude à lei em matéria fiscal </li></ul><ul><li>A colaboração do notário em actos de fraude fiscal </li></ul>
  11. 11. A fraude fiscal qualificada (art. 104º) <ul><li>O conluio do agente com terceiros </li></ul><ul><li>“Terceiros sujeitos a obrigações acessórias para efeitos de fiscalização tributária” </li></ul>
  12. 12. A simulação em matéria fiscal <ul><li>Simulação e fraude à lei em matéria fiscal </li></ul><ul><li>O regime fiscal da simulação feita em documento autêntico ( nº 2 do art. 39º da LGT) </li></ul><ul><li>A jurisprudência em caso de simulações de preço </li></ul>
  13. 13. A simulação como forma da fraude fiscal <ul><li>A celebração de negócio simulado (alínea c) do nº 1 do art. 103º do RGIT) </li></ul><ul><li>O conluio com terceiros (alínea a) do nº 1 do art. 104º) </li></ul>
  14. 14. <ul><li>[email_address] </li></ul>

×